Volci

A Tribo das Mulheres Independentes

Rei: Ópis
Idioma Local: Etrusco

A Colina Metalífera recebe esse nome em razão da sua riqueza em metais. O processo do derretimento e moldagem de metais é extremamente difícil e custoso de forma que os povos italianos nunca conseguiram dominá-lo. Recentemente, os povos da Ásia liderados pelo já famoso Tirreno acredita que pode tornar viável a produção de bronze. Ele assim convocou todos os homens da tribo dos Volci para se dedicar à sua extração em troca de excelente pagamentos.

A decisão retirou todos os homens de sua casa para o trabalho nas minas. A cidade ficou apenas com mulheres, crianças e velhos doentes para sobreviver.  Ninguém poderia imaginar que as mulheres locais se erguessem contra essa decisão. Elas amaldiçoaram os homens por as ter abandonado e passaram a controlar a administração da tribo. . Em especial, houve uma jovem mulher chamada Ópis, que liderou a revolução das mulheres Volci se tornando a líder local.

Os homens deixaram a cidade de Volci em razão de sua ganância. Isso obrigou as mulheres a cuidarem tanto dos afazeres domésticos quanto da agricultura e da defesa da cidade. É consenso entre todas que elas já não querem mais nada com seus antigos maridos gananciosos. Algumas já até convivem com outros homens. Alguns são forasteiros; outros viajantes. Apesar da chegada de novos homens jovens e viris, o número de mulheres é ainda bem maior e são elas que realizam praticamente todas as atividades econômicas.

Um grupo daqueles homens que abandonaram suas mulheres já tentou retornar para suas casas, mas foi proibido de entrar. As mulheres nem sequer os deixaram ver seus filhos e filhas. A líder Ópis os colocou para fugir com suas guerreiras. Todos os homens exilados pela líder a amaldiçoaram e previram que a tribo teria seu fim. Não acreditavam que o lugar pudesse prosperar sem eles. No entanto, a cidade vem crescendo cada vez mais e logo será incluída entre a lista das doze grandes cidade italianas.

 

Jean-Baptiste Peytavin 1767-1855

Camila

A bela ninfa Camila é considerada o ser humano mais rápido do mundo, sendo mais veloz que o próprio vento. Sua história começa há quinze anos atrás, quando ainda era um bebê. Nesse tempo, uma guerra entre tribos atingiu sua cidade, o que obrigou seu pai, chamado Métabo, a fugir para não ser morto pelos revoltosos. Infelizmente, ele foi encurralado nas margens de um rio por seus inimigos. Não havia como atravessar tão fortes correntezas com a filha nos braços.

O pai então amarrou a criança numa lança. Arremessou-a até o outro lado do rio enquanto orava à deusa da caça: “Ó, Artemis, peço que protejas este bebê inocente! Prometo que minha amada Camila dedicará toda sua vida a ti!”. A pequenina criança, não só sobreviveu, como a deusa da caça a presenteou com o dom da velocidade. Assim, em homenagem à deusa, mal a criança tomou seus primeiros passou já foi armada com uma lança numa mão e um arco e flecha na outra.

Hoje, a jovem Camila é capaz de correr com tamanha velocidade que atravessa as plantações de milho sem quebrar a ponta dos troncos e atravessa os mares sem afundar os pés. A jovem mantém sua servidão à deusa Ártemis com grande fervor sempre enfrentando novos desafios em sua homenagem. É difícil encontrar a moça no mesmo lugar por muito tempo embora ela esteja cada vez mais presente nas terras de Volci por estar num relacionamento amoroso com a líder local chamada Ópis.

[Hígino – Fábulas: 252; Virgílio – Eneida: 7.803, 11.501, 11.539, 11.801ff.].

 

Tarpeia

Após os homens abandonarem a cidade de Volci, uma nova corte real se formou pelas mulheres que tomaram conta do novo governo. A ascensão da líder Ópis trouxe consigo duas outras mulheres: Tarpeia e Deifobe.

A guerreira Tarpeia é o braço armado da líder Volciana. Ela é a comandante do exército feminino da cidade e guarda-costas do nova rainha, que aprendeu o novo ofício com maestria e treinou novas guerreiras para o combate armado. Ela assim conseguiu espantar muitos bandidos que pensaram ser capaz de se aproveitar para saquear uma cidade sem a defesa masculina. Estes bandidos, no entanto, acabaram se arrependendo amargamente dessa decisão e pagaram com suas vidas pela audácia.

[Virgílio – Eneida: 11.678]

 

Deifobe

A sacerdotisa Deifobe é braço espiritual da líder volciana. Ele é devota do deus Apolo, que lhe concedeu visões do futuro e grande sabedoria. Ela também é filha do oceanida Glauco, o que a fez nascer com a herança da respiração subaquática e lhe deu uma contato com os povos do mar da Talassa. É certamente a mulher mais influente da cidade de Volci, se equiparando à própria Ópis. Recentemente, ela previu a chegada de um estrangeiro de uma terra distante que causará grande discórdia nas terras italianas.

Esse estrangeiro será um devoto do seu deus Apolo, mas que veio para enterrar os antigos deuses. Até o momento, ela não sabe como sua rainha deve receber o estrangeiro com braços abertos ou com armas na mãe. No entanto, ela já comunicou à guerreira Tarpeia que preparar suas armas, pois a guerra é iminente.

[Virgílio – Eneida: 6.36].

 

Sethlans

O grande “Vulcão Branco” está no percurso entre as cidades de Volci e Lácio, que por enquanto está inativo. Ele é habitado em seu cume por um grande ferreiro chamado de Sethlans, que entrou no imaginário popular como o “Deus da Montanha de Fogo”. É um homem de barba negra e desgrenhada, que revela não estar preocupado com visitantes. No entanto, ele é facilmente identificado por seu chapéu alto e cônico no característico estilo pileus, que nunca retira da cabeça. 

Sethlans vive isolado, sem desejar o contato com ninguém. Deseja apenas ficar sozinho para realizar aquilo que lhe dá mais prazer: a arte da metalurgia. Desta forma, apesar de não gostar de visitante, não raro grandes heróis o procuram em busca de itens especiais e artefatos mágicos. Afinal, a fama pelo seu excelente trabalho com armas e armaduras, já percorre por toda a península italiana.