Sardenha

O Campo de Treinamento

Rei: Sardo.
Cidades: Nora.
Símbolo: Clava de Héracles.

A ilha de Sardenha é a segunda maior ilha de todo o mar da Talassa, sendo  menor em tamanho apenas para a sicília. Ela é até maior em tamanho do que as importantes ilha de Creta e Chipre. No entanto, dentre essas ilhas, é certamente a menos evoluída. Apenas povos bárbaros iletrados e selvagens viveram nelas por milênios. Tudo isso está se modificando rapidamente com a chegada de um líder proveniente das terras desérticas da Líbia chamado de Sardo. A própria ilha de Sardenha foi recentemente nomeada em homenagem a esse líder.

O rei Sardo foi recentemente contatado por um de seus antigos aliados chamado de Norax. Este grande guerreiro foi escolhido para criar o exército mais bem treinado que pisou sobre a terra: o “Exército dos Heráclidas”. Ele trouxe consigo cinquenta e uma crianças que possuem sangue divino correndo em suas veias. eles ão os filhos do semi-deus Héracles que ganhou fama por sua força descomunal. Há muitos interesses em ver o poderoso exército de guerreiros semi-deuses prosperar. A ilha que há poucos anos era uma terra de bárbaros tem recebido recursos dos homens mais ricos do Hélade para atingir ambiciosos planos de dominação.

A ilha de Sardenha se tornou um verdadeiro acampamento militar para crianças.  São cinquenta e um meninos hoje com doze anos de idade. Eles tiveram uma primeira infância normal com suas mães até os seis anos de idade. No entanto, quando completaram sete anos de idade foram retirados do convívio materno para o início do treinamento. Eles foram ensinados a resistir a dificuldades como o frio, a fome e a dor.

As cinquenta e uma crianças também receberam educação formal do renomado sábio Aristeu, conhecido como o maior biólogo do Hélade. O ancião os ensinou sobre os animais e sobre a caça. Eles se tornaram proficientes em armas já em tenra idade, sendo capaz de empunhar espadas e disparar arcos. Além disso, são exímios lutadores marciais. Esses ensinamentos também incluíram a retórica e a poesia, de forma que todos são capazes de ler e escrever. Eles recebem noções de higiene e de cuidados com o corpo, assim como o básico de primeiros socorros e medicina.

 

Filhos de Héracles

As cinquenta e uma crianças em treinamento na ilha de Sardenha tiveram uma vida difícil. Eles viveram abusos físicos. Foram motivados a se envolver em brigas com os colegas e aqueles que demonstrassem fraqueza, covardia ou medo viravam alvo de provocações e violentos ataques dos demais. Sofreram provações difíceis de se imaginar como, por exemplo, Diamastigosis, que consistia em uma espécie de competição de resistência. Durante esse evento, eles foram duramente chicoteados diante do altar de um santuário para testar a bravura e a resistência dos garotos em relação à dor.

Agora, com doze anos de idade, eles foram privados de qualquer vestimenta, com exceção de um manto vermelho, sendo obrigados a dormir ao relento. Nenhuma comida foi dada a eles para exercitarem os ensinamentos em caça e a vida nas florestas, sendo inclusive incentivados a encontrar sua própria comida e até roubar a de seus companheiros, embora corressem o risco de serem chicoteados caso fossem pegos, não pelo roubo em si, mas por terem sido capturados. Esses cinquenta e um filhos de Héracles com suas progenitoras estão listados a seguir:

  1. Antileão, por Prócris, gêmeo de Hipeu;
  2. Hipeu, por Prócris, gêmeo de Antileão;
  3. Trépsipas, por Panope;
  4. Eumedes, por Lise;
  5. Creonte, filho;
  6. Antianax, por Epilais;
  7. Iobes, por Certe;
  8. Polilau; por Euríbia;
  9. Arquémaco, por Patro;
  10. Laomedonte, por Meline;
  11. Eurícapes, por Clítipe;
  12. Eurípilo, por Eubote;
  13. Antiades, por Aglaia;
  14. Onesipo, por Críseis;
  15. Laomenes, por Oriahe;
  16. Teles, por Lisódice;
  17. Entélides, por Menipis;
  18. Hipódromo, por Antipe;
  19. Teleutágoras, por Eurinome,;
  20. Capilo, por Hipo;
  21. Olimpo, por Eubeia;
  22. Nicódromo, por Nice;
  23. Cleolau, por Argele;
  24. Eritras, por Exole;
  25. Homolipo, por Xantis;
  26. Átromo, por Estratonice;
  27. Celeustanor, por Ífis;
  28. Ántifo, por Laotoe;
  29. Alópio, por Antíope;
  30. Astibies, por Calametis;
  31. Tígases, por Fileis,
  32. Leucones, por Escreis;
  33. [nome ilegível], por Anthea;
  34. Arquédico, por Eurípile;
  35. Dínastes, por Erato;
  36. Mentor, por Asopis;
  37. Améstrio, por Eone;
  38. Linceu, por Tífise;
  39. Halocrates, por Olímpusa;
  40. Fálias, por Heliconis;
  41. Estrobles, por Hesíquia;
  42. Euríopes, por Terpsicrate;
  43. Buleu, por Eláquia;
  44. Antímaco, por Nicipe;
  45. Pátroclo, por Piripehe;
  46. Nefo, por Praxiteia;
  47. Erásipo, por Lísipe;
  48. Licurgo, por Toxicrate;
  49. Búcolo, por Marse;
  50. Leucipo, por Eurítele;
  51. Hipozigo, por Hipocrate.

 

Norax

O guerreiro Norax foi contratado pelo rei Téspio na Beócia para treinar um exército de grandes guerreiros. Ele entregou os cinquenta e um meninos para esse fim junto com suas mães. O guerreiro se comunicou com Sardo, antigo aliado dos povos nômades do deserto, com quem lutou nas guerras da Líbia.

O líder Sardo já havia abandonado as terras do deserto para viver em Sardenha junto com os nativos da ilha. Anos depois, quando seu amigo Norax comunicou o desejo de levar cinquenta mulheres solteiras e muito dinheiro dos ricaços da beócia para treinar um exército na ilha, ele nunca poderia negar a oferta. Era muito boa para ser verdade. Juntos, Norax e Sardo fundaram a cidade de Nora, o primeiro povoamento fixo com finalidade de treinamento dos rapazes.

[Pausânias 10.17.5].

 

Aristeu e Calicarpo

O ancião Auristeu possui uma enorme fama em todo o Hélade. Ele é conhecido como o maior biólogo de todo o mundo. O seu maior feito o controle de abelhas e a extração de mel de suas colmeias que logo se tornou a principal sobremesa dos povos danaãs.Ele se casou com a princesa Autonoe, filha do ainda mais ilustre fundador de Tebas chamado de Cadmo.

Infelizmente, a tragédia atingiu sua família com a morte de seu primogênito Acteão, que foi considerado um dos maiores caçadores que já pisou sobre o Hélade, mas que morreu atacado por seus próprios cães de caça. Essa tragédia o levou à separação de sua esposa, que migrou para a cidade de Mégara por não conseguir mais viver em Tebas. A mesma tristeza atingiu seu esposo, que ficou devastado pela morte do filho. Felizmente, nos últimos anos, ele recebeu um novo propósito na vida. Ele e seu outro filho Calicarpo juntos receberam a missão de passar seus ensinamentos aos meninos do exército Heráclida. Hoje, todos são capazes de ler e escrever, além de realizar discussões sobre os melhores poetas e sobre a história do Hélade.

Aristeu: [Apd.3.4.4; Arg.2.500ff., 4.1131; Cic.ND.3.45; Dio.4.81.1-3, 4.82.6; Hes.The.977; Nonn.5.215, 13.253ff., 13.298; Pau.10.17.3; Vir.Geo.4.318

Calicarpo: [Dio.4.82.4].

 

Ogrilo

O capitão Ogrilo é um habilidoso navegante dos sete mares da Talassa que foi contratado pelo rei Téspios e seus aliados. Ele é o atual responsável pela expedição que trouxe os cinquenta e um filhos de Héracles, que já iniciaram seu treinamento na ilha. Essa expedição, no entanto, ainda não está encerrada. O diligente Ogrilo ainda precisa levar consigo as mães dos filhos de Héracles como parte da negociação com o rei Sardo e mulheres atenienses para se acasalarem com os meninos para gerar uma nova prole de guerreiros para serem treinados.

Não apenas isso, o capitão Ogrilo deve também entrar em contato com o sobrinho de Héracles, chamado Iolau, que acompanha o tio em suas aventuras, para convencê-lo a participar do treinamento dos seus primos pequenos. Afinal, o pai Héracles está condenado por crimes terríveis e não pode se ausentar de sua punição. O sábio Aristeu acredita que alguém próximo do pai deles e com habilitades guerreiras tão memoráveis como Iolau será um modelo masculino que os tornará ainda mais efetivos e motivados para o combate. Enfim, logo o navegante partirá para o Hélade para completar essa segunda parte da expedição a que foi contratado.

[Pau.10.17.5].

 

John William Waterhouse 1849 – 1917

Circe

A ilha ao norte de Sardenha, chamada por uns de Aeea e por outros de Corsica, é quase tão grande quanto a primeira, mas é um local desabitado e de entrada proibido. Todos que se aventuraram em seu interior nunca mais retornaram, pois sofreram a ira da terrível feiticeira Circe. Esta mulher de cabelos ruivos como o fogo vive num palácio escondido no meio da floresta. Ela tem o poder de fazer as árvores se moverem e o chão tremer, além de possuir visões incontroláveis que fazem dela um perigo a todos ao seu redor. Não raro as paredes do seu palácio se banham em sangue e o fogo consome os objetos do lugar em razão das convulsões involuntárias que estas visões lhe causam durante o sono.

A feiticeira Circe também não deseja a presença de ninguém em sua ilha, pois seu coração já foi partido muitas vezes pelas pessoas com quem já conviveu. Ele já amou Glauco, mas, como este homem amava a bela Cila, a feiticeira acabou transformando sua rival num monstro marinho. Assustado, Glauco fugiu por sua vida para nunca mais voltar. Pior ocorreu quando ela declarou seu amor para o jovem Pico, que a rejeitou de imediato. Tomada pela ira, Circe transformou Pico num pássaro Pica-Pau e todos que chegaram à procura do rapaz foram transformados em diferentes animais. Desde esse dia, o mesmo destino tem acontecido a todos que pisam na ilha independente do motivo. A feiticeira não mais deseja o convívio com nenhum ser humano.

AO.1216; Apd.1.9.1, 1.9.24; Apd.Ep.7.14-16; DH.1.72.5; Dio.4.45.3; Eur.Med. passim.; Hes.The.956, 1011; Hom.Od.10.237ff.; Hyg.Fab.127, 156; Nonn.37.11, 37.56; Ov.Met.7.1-425; Plu.Rom.2.1; RET.4; Strab.1.2.40, 5.3.6, 9.1.13; TEL.1.