Lácio

Cidade do Futuro Império

Rei: Latino
Idioma Local: Etrusco

Henryk Siemiradzki (1843–1902)

Por séculos, a região da península itálica tem sido a morada de dezena de tribos. Estas tribos ora estão em paz, ora estão em guerra umas com as outras. Elas vivem da agricultura, mas  nunca adquiriram o conhecimento da escrita ou da metalurgia. Seus rústicos povoamentos nunca adquiriram uma identidade própria, sempre sendo chamados pelo nome de seus líderes atuais.

O rei Latino, em especial, merece um destaque por ser filho de um grande herói micênico, que hoje é considerado um deus em muitas regiões do mundo. Esse é o herói pertencente à raça dos sátiros chamado de Pan. Certamente, como todos da raça dos sátiros, o heroico Pan, teve dezenas, talvez centenas, de filhos com diversas mulheres ao longo de sua vida. No entanto, o caso de Pan é especial, pois ele recebeu a imortalidade por sua coragem ao auxiliar Zeus na batalha contra o temível Tifão. Nos tempos dessa antiga batalha, o sátiro imortal esteve na península itálica e se deitou com a princesa Marica, filha do líder Pico. Dessa união, nasceu o atual líder da tribo.

Sociedade

O povo do rei Latino construiu um povoado sobre o cume do inativo Vulcão Branco sob o comando do antigo rei Pico no tempo em que sua filha se deitou com o famoso sátiro Pan. O atual líder Latino, filho de Pan e Marica, também é um sátiro e hoje governa sua tribo. No entanto, embora toda a raça dos sátiros seja beberrona e inconsequente, o rei Latino parece ser a única exceção a essa regra. Ele é um excelente e sábio governante (embora sua esposa Amata tenha que aceitar suas excentricidades com concubinas quando sua libido atinge períodos críticos).

O rei Latino teve muitos filhos masculinos. No entanto, todos nasceram da raça dos sátiros e, diferente do pai, nunca demonstraram o mínimo de responsabilidade para governar. Estão sempre bêbados em algum lugar da península ou arranjando confusão. Felizmente, uma profetisa da seita das sibilantes chamada de Carmentis revelou que sua filha Lavínia, hoje uma recém-nascida, se casará com o grande “Escolhido”. Segundo as revelações da profetisa, este homem renascerá das chamas da maior de todas as guerras e terá seus descendentes alimentados pela grande loba. Essa prole abençoada transformará o rústico povoado de Latino no maior império já visto sobre a Terra.

 

Giovanni Battista Tiepolo (1696–1770)

Lavínia

A princesa Lavínia é uma recém-nascida. Tem pouco mais de um ano de idade, mas um evento inexplicável ocorreu em sua vida. A sua babá a tinha em seus braços no palácio do seu pai Latino enquanto acendia tochas perto do altar. No entanto, o fogo acidentalmente tocou os seus cabelos e logo se espalhou por todo o palácio. Todos fugiram do local temerosos por em meio ao incêndio. O rei Latino e sua esposa já choravam a perda de sua filha quando algo incrível aconteceu.

Os guardas do palácio que primeiro adentraram e atravessaram o incêndio, encontraram a princesa Lavínia totalmente ilesa. Logo descobririam que, embora as chamas tenham se espalhado pelo rústico palácio de madeira, este não desabou. Pelo contrário, elas formaram uma pequena câmara em seu interior que impediu as chamas de se espalhar. Os adivinhos ficaram assustados e admirados com o ocorrido. Logo, interpretaram o evento como o prenúncio de que a princesa teria uma grande fama e seu destino seria ilustre.

 

Tárquito

O rei Latino possui três irmãos guerreiros chamados de Táquito, Creneu e Erimedão. Eles foram treinados na arte do combate, pois o pai Pan sempre soube que eles desempenhariam um papel fundamental no futuro do Lácio. No entanto, ambos os irmãos Creneu e Erimedão não se contentaram em viver na península italiana. Eles desejaram combater em terras distantes como o seu pai assim o fez no passado. Hoje, eles vivem nas terras do Hélade onde estão preste a participar na guerra civil que atinge a cidade de Tebas.

O primeiro desses irmãos, por outro lado, que atende pelo nome de Tárquito, assumiu o comando do exército do Lácio. Este jurou proteger sua cidade e nunca abandoná-la na busca por glória pessoal assim como fez os seus irmãos. E, apesar dos desígnios paternos e nas crenças do seu irmão Latino, ele não acredita na profecia do “Escolhido” que o recém-chegado líder Tirreno lhe contou. No entanto, ele jurou fidelidade ao seu irmãos e está disposto a lutar contra quem quer que o seu irmão desejar.

 

Galaeso

O homem mais rico da península italiana possui muitas residências desde a Etruria até a Rutúlia, mas a principal delas está no Lácio. Afinal, o abastado Galaeso enxerga um potencial nas terras do rei Latino capaz de engrandecer sua riqueza.

Outra característica de Galaeso é mostrar-se um homem pacífico. Ele odeia a  violência do rei Mezêncio da Etruria e a belicosidade do rei Dauno da Rutúlia. O rei Latino é mais afeito aos prazeres humanos, que sempre são mais rentáveis. Assim, Galaeso é um homem conhecido por mediar confrontos, pois considera que a paz sempre oferce melhores oportunidades que a guerra.

 

Janus

Domenico Piola 1627 – 1713

Domenico Piola 1627 – 1713

Em toda a Etruria, ninguém é mais poderoso que Janus. Os povos locais o consideram um deus vivo que caminha sobre a terra e preside “sobre todos os começos”. Seus poderes são imensuráveis. Ele vive numa montanha próxima da Etruria, onde as pessoas peregrinam na busca de respostas para suas tomadas de decisão. Ao chegar lá, eles se deparam com uma imagem fantástica.

Janus possui duas faces em seu rosto. Uma mostra um barbudo ancião. A outra, um jovem rapaz. Ambas as faces representam o passado e o futuro do mundo; o bem e mal em todas as pessoas; os diferentes caminhos de uma decisão; e muito mais, dependendo de quem o procura. De qualquer forma, o poderoso Janus mostra-se certeiro em suas previsões.