A Desolação

O Mundo dos Espíritos 

Rainha: Nenhum

As profundezas abaixo da Terra são trevas sombrias e assustadoras. Elas são conhecidas como o “Mundo dos Espíritos”, onde as almas de todos os mortos são levadas para a vida eterna. Esse estranho mundo é circundado por um deserto estéril e rochoso que se nomeia A Desolação, também chamado de Duat pelos egípcios, Kur pelos mesopotâmios, Érebo pelos helenos e Sheol pelos canaanitas. Todo o lugar é perverso como um mar areias negras que vão além da visão. No centro desse deserto obscuro, há o “Lago de Fogo” que emite rios de lava ardente que recortam a Desolação. Algumas vezes, é possível enxergar o deus-sol que surge por trás das Montanhas Manu no oeste e se põe por trás das montanhas Bakhau no leste, mas a barca atravessa por entre as rochas retorcidas sob a Terra o que impede os raios de luz solares de alcançarem o solo por muito tempo.   

As almas humanas que descem até as Profundezas são constituída de três elementos: o Essência Vital (Ka), a Personalidade (Ba) e o Coração. Essas três partes da alma são indivisíveis. Elas tomam para si uma “Forma” que as permite interagir no mundo espiritual. No entanto, a Desolação é habitado por criaturas que possuem fome pela Essência vital das almas. Elas desejam destruir as almas recém-chegadas para saciar o vazio em seu estômago. Quando uma alma tem sua Essência Vital absorvida por alguma criatura, lhe restará apenas a Sombra, um resquício triste de uma existência esquecida e irrecuperável. Essa é a temível “Segunda Morte”. As almas nas Profundezas devem passar o resto da eternidade escondidas para não serem destruídas. Há três estruturas no local podem proteger as almas dos seus constantes perigos. Essas três estruturas são: 1) a “Mansão de Hades”; 2) o “Palácio de Ereshkigal”; e 3) a “Ilha de Osíris”. Infelizmente essas estruturas restringem a entrada das almas com critérios próprios. Todas as demais estarão expostas aos perigos espirituais.  

 

Shesmu

Shesmu já foi uma divindade benevolente. Quatrocentos anos atrás, quando o deus-faraó Osíris foi assassinado pelo irmão Seti, os seus servos mais confiáveis lhe acompanharam até o mundo das profundezas. O bom shesmu era um deles e detinha o dever de guardar os óleos preciosos do deus-faraó. Era um fiel desta divindade bondosa, que auxiliava os espíritos justos na sua chegada ao mundo dos mortos, lhes oferecendo vinho para beber. Infelizmente, O ódio que ele possuía pelos espíritos malfeitores lhe corrompeu.

Shesmu começou a sentir a necessidade de arrancar a cabeça e espremer seu sangue dos piores pecadores pelos estupros, infanticídios e outros crimes abomináveis que cometeram em vida. O justo Shesmu sempre foi visto como um benfeitor gentil para o bondosos e um carrasco cruel daqueles que mereciam. Ele acabou expulso do Reino Sagrado de Osíris. Não mais foi chamad0 de “Chefe de Osíris”. Recebeu a alcunha de o “Matador de Almas”, pois na Noite das Sentenças, quando Seti avançou contra o Tebas e assassinou Osíris, Shesmu promulgou a queima dos condenados e a derrubada dos ímpios. Foi um verdadeiro massacre cometido sob o pretexto de não deixar o mal tomar conta do mundo. No fim, foi o mal que tomou conta do seu coração.

 

Anjos Caídos

Em construção.

 

Espíritos Benfeitores

Para os que não possuem o coração puro que garanta sua entrada no Reino Sagrado de Osíris, só há um único lugar seguro em toda Desolação. Bem menos pomposo e sem muitos recursos, este lugar se chama a “Décima Caverna”. Os espíritos que chegam nesse lugar são recebidos pelos espíritos benfeitores, que aceitam todos os que sofreram com o terror das profundezas e estão arrependidos de seus pecados na Terra. Num tempo passado, milhares de aos atrás, o líder desse grupo se chamava Samael. Era um dos Guardiães da Humanidade que primeiro caiu nas profundezas por seus erros passados. Hoje, ele não usa mais esse nome. É apenas conhecido como o “Líder”. Ele quem recebe os acolhidos e realiza o ritual de batismo que segue os oito passos seguintes:

1) Entrega da luz para o recém-chegado enxergar na escuridão;
2) Exaltação de que toda a alma ainda capaz de evoluir;
3) Restauração do sopro da vida;
4) Aceitação de que todo espírito é digno e meritório;
5) Regeneração da alma e do corpo espiritual danificado;
6) Comunhão para uma vida pacífica
7) Entrega da Passagem Livre para qualquer portão do Desolação.
8) Entrega da Manto Frio para atravessar as regiões mais quentes da Desolação

Quando um novo espírito é aceito como membro da “Décima Caverna”, isso não significa que sua vida será tranquila a partir de agora. Ele deverá assumir funções na nova comunidade. Ele precisará trabalhar na agricultura e na purificação da água para beber. Também terá que realizar missões de exploração na Desolação para encontrar espíritos perdidos. E terá que defender a comunidade de ameaças externas que invariavelmente surgem, como é o caso de criaturas sedentes e espíritos baixos que não conseguem se arrepender e preferem viver na violência. Esse é o caso do obscuro e malévolo Ba-Pef e suas “Mulheres Uivantes que Pingam Sangue dos seus Machados”.

 

Ammit e Am-heh

Em tempos imemoriais, duzentos seres divinos tomaram um juramento mútuo para viver na Terra entre os humanos. Eles coabitaram com mulheres e foram venerados como deuses. Eles receberam o nome de “Guardiães da Humanidade” por ensinaram aos homens sobre a forja de espadas, facas e escudos; ensinaram sobre a manufatura, a pintura e a sedução; ensinaram sobre a astronomia, a feitiçaria e as ciências. Infelizmente, os homens usaram todo esse conhecimento para o mal. A impiedade foi aumentada. A fornicação se multiplicou. Os homens transgrediram todos os seus caminhos. Até mesmo os Guardiães se arrependeram do que fizeram. Não mais suportavam viver entre homens tão perversos. Assim, veio um grande dilúvio que purificou a Terra de presença humana e os Guardiães foram enviados para as Profundezas. 

Esses duzentos decaíram com o passar dos milênios que viveram nas Profundezas. Eles se tornaram corrompidos e deformados. Foram acometidos por uma fome perversa que os mantém inerte em suas cavernas. Apenas se movem quando sentem a presença de uma alma da qual possam se alimentar da sua Essência Vital. Eles se tornaram monstros que ficam mais disformes quanto mais sanguinários se tornam.  Existe os homens-serpentes chamados de Sesy, os homens-bagre chamados de Nariu e os cabeça-de-chacal. No entanto, a maioria das criaturas é tão única e estranha que não se enquadra em raças específica como o gigante Ceclan ou retorcido Tuchulcha. Nenhum dessas criaturas decaiu tanto quanto Am-heh e Ammit. 

O sanguinário Am-heh é o pior dos monstros. Possui o corpo gigante e forte recoberto de pelos; e sua cabeça se assemelha a de um cão sarnento. Ele é uma dos poucas criaturas que conseguem sobreviver dentro do Lago de Fogo, apenas o deixando para perseguir as almas condenadas. Ele é chamado pelos habitantes das Profundezas como o “Devorador de Almas”  “Engolidor de Pecadores”, “Arrebatador de Milhões”, ou “Fatiador de Espíritos”.  O mais perigoso Ammit mais se assemelha a uma larva gigantesca com uma bocarra de crocodilo que se move por entre as areais da Desolação, onde ninguém pode vê-lo. Ele vigia a entrada para a ilha sagrada de Osíris. Infelizmente, poucos são dignos o bastante para que seu Coração seja mais leve que uma pena de avestruz. Os indignos tem seu coração arremessado no Lago de Fogo e o espírito abandonado para vagar solitário na Desolação. É nesse momento que elas caem direto nas garras da Devoradora de Mortos.

 

Mot

Os cultos canaanitas não acreditam que o todo-poderoso El seja um deus único, mas um deus supremo que criou a humanidade e gerou todo os outros deuses. Ele se casou com a esposa-divina Aserá com quem teve muitos filhos. O maior desses filhos chama-se Baal Adad, que alcançou a liderança do panteão após derrotar os seus irmãos. Primeiro, ele arremessou Yam ao mar com suas duas poderosas maças chamadas de Yagrush e Yamur. Primeiro, ele arremessou Yam ao mar com suas duas poderosas maças chamadas de Yagrush e Yamur. Depois, enfrentou Mot nas profundezas do mundo onde teria sido derrotado caso a deusa-virgem Anat não o tivesse resgatado. Ela avançou contra o deus maligno, partindo-o com uma lâmina, triturando-o como com uma peneira, queimando-o no fogo e arremessando os seus restos mortais sobre um campo para os pássaros devorarem.

O monstruoso Mot foi enviado para o mundo dos mortos onde está adormecido até os dias de hoje. Felizmente, o deus supremo El escutou o conselho da deusa Shapash, a tocha dos deuses, a mais justa dos panteão, para tomar o lado de Baal Hadad nessa disputa e encerrar o conflito com o deus da morte. Hoje, Baal Hadad reina sobre todos os deuses canaanitas, não sem que aja outras oposições como o deus Belzebu que deseja tomar o seu lugar no coração dos homens. No entanto, a maior preocupação do líder do panteão ainda é Mot que se mantém no mundo espiritual, mas pode ressurgir como o Anjo da More a qualquer momento para dia do Juízo Final se o supremo El assim desejar.  As profecias sobre o fim do mundo contam que Mot se erguerá como Apoliom, o anjo do abismo, em meio a uma fumaça como a de uma gigantesca fornalha.

O sol e o céu escurecerão com essa fumaça que sairá do seu fosso com um exército de gafanhotos sobre a terra. Serão criaturas que atacarão todos aqueles que não tiverem o selo de Deus na testa e terão poder da agonia como das picadas do escorpião. Eles cavalgarão em cavalos cuspidores de enxofre amarelo e possuirão couraças metálicas vermelhas como fogo. As suas soarão como carruagens em batalha.  Um terço da humanidade será massacrada. Mesmo assim, o resto continuará a adorar os demônios e os ídolos. Também não se arrependeram dos seus assassinatos, das suas feitiçarias, da sua imoralidade sexual e dos seus roubos. E assim a punição aos homem ímpios continuará sem trégua. Só resta aos homens orar para que esse dia nunca se aproxime.