Cultura Hitita

O continente da Ásia é o berço de centenas de povos que disputam entre si a hegemonia da região. Atualmente, a cidade de Assur continua a crescer em poder já dominando toda região da Mesopotâmia, mas seu governante planeja se expandir para as duas outras grandes regiões do continente: a Anatólia, cujo domínio ainda é exercido pela decadente cidade de Hattusa, e a Fenícia, cujo poder econômico contrasta com sua submissão política ao reino do Egito.

 

A Geografia

A região da Mesopotâmia é uma das mais férteis de todo mundo, abrangendo a terra entre os rios Eufrates e Tigre. Ambos rios drenam suas águas das montanhas chamadas de Tauros e as desembocam no golfo Pérsico. As margens do rio Eufrates, em especial, conduz também as rotas comerciais terrestres por serem planas e de fácil transporte. Ao longo desse percurso, percebe-se o clima se modificar desde as áridas fronteiras com a Anatólia até sua foz nas pantanosas terras babilônicas.

A península da Anatólia é a região da Ásia mais próxima da Europa com o ponto mais curto não possuindo mais que algumas centenas de metros de distância entre os dois continentes através do canal do Propontis. Toda a região é um grande planalto central de clima semi-árido, que é coroado por colinas e montanhas que se expandem até as terras da mesopotâmia ao leste. As planícies são raras confinadas ao delta do rio Hális que deságua no mar negro e nas terras costeiras da Cilícia.

Por fim, toda a costa da Fenícia possui uma cadeia de montanhas que se estendem desde o norte em Ugarite até o sul de Canaã. A faixa litorânea entre o mar e essa cordilheira possui clima ameno, onde amor parte das cidades está localizada e a agricultura possui um papel essencial. No entanto, além dessas montanhas, o clima se torna cada vez mais seco e quente, se estendendo ao sul até o inóspito Deserto da Arábia.

 

A História

Após saquearem as terras babilônicas e tomarem a estátua do deus Marduk para si, o império Hitita formou uma aliança conbos Mitani e negociou um tratado de paz com o Egito. Todos esperavam o início de um período áureo sem precedentes. A confirmação dessa paz estava no casamento do príncipe Zannanza com a faraó Nefertiti. No entanto, uma conspiração local assassinou o príncipe hitita e arrancou a rainha egípcia do poder, o que obrigou o rei Supilo-Liuma de Hattusa a atacar o Egito.

Embora o rei de Hattusa tenha se saído vitorioso na batalha, os deuses amaldiçoaram seu império pela quebra do tratado. A Praga Divina assim os acometeu e exterminou a população hitita, ceifando também a vida do próprio Supilo-Liuma e de seu filho sucessor. Essa foi a oportunidade perfeita para o crescimento militar da revoltosa cidade de Assur.

A cidade de Assur sempre foi uma cidade revoltosa desde os tempos do rei Eriba-Hadad, que viveu um relação conturbada com Supilo-Liuma. Hoje, passadas seis gerações desde Esse líder, o violento príncipe guerreiro Tuculti-Ninurta avançou os exércitos contra seus inimigos, conquistando toda a Mesopotâmia incluindo as terras Mitanni e a Babilônia. Este foi o início do grande poder político, econômico e militar que o império da Assíria hoje exerce na região.

 

Adolf Hult 1869-1943

A Política

Todas as cidades da Ásia Menor possuem jurisdição própria e são governadas por um rei próprio que detém todo o poder sobre a população e os meios de produção. O rei é o dono de todas as terras dentro da fronteira da cidade num sistema de propriedade coletiva que obriga todos a trabalharem para ele.

Apesar de centralizar o poder para si, estes mesmos reis são extremamente dependentes dos templos religiosos pois todos os alimentos produzidos nas terras reais são entregues aos sacerdotes para serem distribuídos na população de acordo com as necessidades. Esse é o motivo pela qual os centros urbanos da Ásia são chamadas de cidades-templos e explica porque cada cidade apresenta um deus próprio que se destaca sobre os demais.

Diferente do Hélade onde as cidades são totalmente independentes e do Egito que possui um governo central liderado pelo Faraó, é bem característico das terras da Ásia a presença de potências regionais que possuem outras cidades sob seu jugo através de laços de vassalagem. Esse poder sobre as cidades vassalas é exercido através de força militar, o que transforma o continente da Ásia numa das regiões mais violentas do mundo.

 

A População

A grande maioria da população é constituída de camponeses que vivem nas terras lhes dadas pelos deuses, que são representados pelos reis. Cada família recebe assim de seu soberano um lote de terra e é obrigado a entregar ao templo uma parte da colheita como pagamento pelo uso útil da terra. Estes são considerados homens livres, mas também existem os escravos e os meio-escravos.

Apenas filhos da alta sociedade possuem acesso à escola para se tornarem escribas, médicos e administradores do templo. O comum é que os meninos aprendem o ofício do pai no ambiente familiar e as meninas ficam em casa para aprenderem as atribuições domésticas com a mãe como cuidar da casa, cozinhar e cuidar das crianças mais novas. 

 

H. Waldeck

 

As Cidades

As moradas das famílias da Ásias se caracterizam pelo exibicionismo e pelo luxo. Os templos e palácios construídos com tijolos, ladrilhos e argila são considerados cópias dos existentes nos céus. Eles possuem um padrão conhecido como zigurate no formato de uma pirâmide escalonada de base retangular e composta de vários pisos superpostos que formam por sucessivos andares, cada um menor que o anterior. Os andares superiores só podem ser acessados pelos sacerdotes por serem considerados santuários e locais de observações astronômicas.

Quando maior a cidade, mais importante sua defesa. As muralhas geralmente são tão largas que é possível realizae corridas de carros sobre elas e os portões são ornamentadas com grandes figuras em relevo que homenageiam as principais divindades da população. Tanto a escultura quanto a pintura são fundamentalmente decorativas, não raramente apresentando escrituras inseridas com cunhas e escopros martelados na rocha. É comum a representação dos homens com olhos arregalados e logas barbas enquanto as mulheres possuem linhas suaves e olhos estreitos.

 

A Lei

Maarten van Heemskerck (1498–1574)

O código de leis seguem as leis escritas na rocha e colocadas em prática pelo rei Hammurabi há mais de meio século. Ele foi um compilado de leis sumerianas e tradições semitas que vigora até os dias atuais e apresenta uma diversidade de procedimentos jurídicos e determinação de penas para uma vasta gama de crimes. São 282 leis que abrangem praticamente todos os aspectos da vida babilônica como comércio, propriedade, herança, direitos da mulher, família, adultério, calúnia e escravidão.

A principal característica dó Código de Hammurabi é a irrevogável lei de Talião, o qual promulga que todo castigo deve ser exatamente proporcional ao crime  cometido. É o famoso “olho por olho, dente por dente”. No entanto, as punições variam de acordo com a posição social da vitima e do infrator dependendo das classe social (Livre, Intermediário ou Escravo). É um código que reflete a preocupação em disciplinar a vida econômica de forma que realiza também um certo controle dos preços, organização das classes trabalhadoras e garantia da propriedade privada da terra.

 

A Economia

Diferente das cheias regulares e benéficas do rio Nilo, o fluxo das águas dos rios Tigre e Eufrates, ao subir à Leste pelos Montes Tauro, é irregular e imprevisível. Alguns anos, produz seca. Em outros, causa inundações violentas. Por esse motivo, é extremamente necessária a construção de canais de água que levam as águas dos rios para as cidades e paras as terras agrícolas. É o rei da cidade que possui o dever de recrutar mão de obra entre a população para essas grandes construções.

A agricultura, como em toda sociedade, é a base da economia que só é possível ser feita de forma controlada através desses canais de irrigação. Só assim é possível se cultivar o trigo, a cevada, o linho, o gergelim e o azeite de sésamo, os quais são cultivados com ferramentas de bronze, arado semeador e carros de roda. Da mesma forma, é possível realizar a criação de animais como carneiros, burros, bois, gansos e patos dentro dessas mesmas propriedades.

O comércio é realizado por funcionários dos templos religiosos, mas também é possível realizar trocas com famílias vizinhas e comerciantes estrangeiros. É comum a chegada de caravanas com marfim da Índia, madeira do Egito, cobre do Chipre e Estanho de Cólquida. Por outro lado, mercadores reais e privados levam produtos locais para outros cantos do mundo. Em especial, a região é uma conhecida exportadora de tecidos, tapetes, pedras preciosas, perfumes e outros itens de luxo. No entanto, a região não faz uso de moedas, sendo o sistema de troca de produtos e cartas de créditos a base de toda a economia.

 

Mikalojus Konstantinas Čiurlionis (1875–1911)

A Educação

A elite da sociedade que atua no campo da pesquisa e dos estudos são os sacerdotes que desenvolveram notáveis conhecimentos em astronomia e matemática. Os zigurates se tornaram centros disseminadores do conhecimento. As torres dos templos servem de observatórios astronômicos, onde se conhece as diferenças entre os planetas e as estrelas, e se prevê eclipses lunares e solares. O ano é dividido em meses; os meses em semanas; as semanas em sete dias; os dias em doze horas; as horas em sessenta minutos; e os minutos em sessenta segundos. Os elementos da astronomia elaborada pelos povos asiáticos foram exportados para todos os povos antigos, de forma que a nomenclatura de constelações mesmo no Hélade e no Egito são mesmas em todo lugar do mundo. Além disso, influenciam diretamente no dia a dia das pessoas, pois estuda-se arduamente a forma como o movimento dos astros influencia na vida das pessoas através da astrologia.

O estudo matemático também alcançou enorme progresso nestes mesmos templos religiosos para o uso direto às necessidades da população. A mesopotâmia em especial usa um sistema matemático sexagesimal (baseado no número 60) para realizar multiplicações, divisões, raízes quadradas, raízes cúbica e equações do segundo grau. Os matemáticos indicavam os passos a serem seguidos nessas operações, através da multiplicação dos exemplos. Também dividiram o círculo em 360 graus, elaboraram tábuas de logarítimos atuais e inventaram medidas de comprimento, superfície e peso. Outra área importante avanço é a medicina com a catalogação das plantas medicinais nos zigurates, mas assim como a astronomia e a matemática, a medicina está intrinsecamente ligado com o religioso e o profético a adivinhação.

 

As Celebrações

A música está diretamente ligada à religião, praticado quando os fiéis se reúnem para cantar hinos em louvor aos deuses e reis, os quais são acompanhados por instrumentos surdos, de corda como o Oud e de gemidos dos coros. Esses hinos começam muitas vezes, pelas expressões como “Glória” e “Louvor” destinado a deuses específicos e seguido a enumeração de suas qualidades divinas ou do socorro que se espera dele. Nas cerimônias de penitência, os hinos eram de lamentação com “aí de nós” relembram os sofrimentos de seus deuses ou se apieda dos problemas da cidade.

O canto também tem ligações com a magia, invocando favores e maldições como um nascimento feliz ou a morte de alguém; desejos de amor ou de ódio; de guerra ou paz. O transe divino é algo almejado tanto em orgias religiosas quanto para a transcendência espiritual. A dança é mímica de forma a se aplicar a todas as coisas; desde a chuva à guerra, desde a caça ao sexo;  e tudo mais. Festivais são realizados em períodos específicos do ano como nas fases da lua, dos ciclos de semeadura e colheita, dos grandes momentos de um rei e dos mitos divinos. O ano novo, chamado de Aquitu, é especialmente comemorado na primeira lua cheia após o equinócio.

Babylonian_marriage_market

O Sexo

As civilizações da Ásia possuem sociedades extremamente patriarcais. A mulher é considerada propriedade paterna, que depois é repassada ao esposo através de uma negociação comercial. O noivo paga por sua esposa no contrato com o sogro. No entanto, se essa esposa não produzir filhos, o noivo pode cobrar o reembolso de seu investimento embora deva manter a esposa em sua casa e sustentá-la. No caso da morte do noivo, a esposa é repassada ao irmão dele, pois é considerada propriedade da família. No caso de morte da noiva antes desta produzir filhos, o noivo pode requerer que o sogro a substitua por uma de suas irmãs.

Um homem pode se casar com várias esposas desde que as tenha em nível de igualdade perante umas às outras. Ou seja, elas devem ser tratadas da mesma forma no que se refere aos recursos que cada uma recebe, sua posição de hierarquia na casa e nos custos da educação de seus filhos. Além disso, os homens podem ter concubinas que não possuem o mesmo status da esposa, por isso, são obrigadas a usar véus e vivem em áreas separadas da casa. O marido visita seu harém das concubinas para relações sexuais, mas ele também pode produzir filhos nelas ou mesmo elevá-las ao status de esposa se assim desejar.

É muito comum nas cidades a presença de locais específicos onde os pais de família oferecem suas filhas para serem compradas como esposas ou concubinas. Esses mercados de casamentos também vendem mulheres para os Templos de Ishtar, a deusa do sexo. Em realidade, as mulheres nesses templos possuem uma vida mais livre que ao lado de um esposo e geralmente são mais felizes que num casamento. Afinal, embora sejam obrigadas a fazer sexo com estranhos e participar de orgias ritualísticas para arrecadar doações nesses templos, elas são consideradas sacerdotisas do culto. Elas são assim protegidas pelos sumo-sacerdotes que demandam respeito de todos aqueles que procuram seus serviços na arte do prazer.

 

O Exército

James Jacques Joseph Tissot (French, 1836-1902)

Ao longo dos milênios, as cidades muradas cresceram enquanto incontáveis aldeias foram destruídas e abandonadas em razão do crescente aumento da violência comunitária. A maiores cidades desenvolveram exércitos para criar esferas de influência que ofereciam segurança às cidades menores em troca de tributos ou massacrando aquelas que não aceitavam esse tipo de acordo. No entanto, à medida que essas áreas de influências cresciam para cada cidade-estado, não demorou para haver um choque entre elas especialmente pelo controle de terras férteis e canais de irrigação. Poemas e épicos começaram a surgir já nos tempos do império sumério glorificando vitórias militares e massacres populacionais. Paredes dos palácios foram decoradas com imagens de lutas bem sucedidas com o inimigo fugindo e se escondendo entre juncos.

Desse ponto em diante, a guerra foi incorporada ao sistema político da Mesopotâmia com cidades neutras atuando como um árbitro para as duas cidades rivais. Isso ajudou a formar sindicatos entre cidades, levando a estados regionais. O antigo rei Sargão, por exemplo, conquistou todas as cidades da Suméria, algumas cidades em Mari, e então um norte entrou em guerra com os povos da Anatólia. Atualmente, os assírios são especialmente famosos por sua brutalidade contra os inimigos. Atos de selvageria são parte de sua estratégia para persuadir os povos a se entregarem sem luta com dizimação de populações inteiras, incluindo mulheres e crianças, e também técnicas de empalamento, desmembramento e tortura contra  em guerreiros rivais. E, quando prisioneiros são libertados, antes perfuram seus olhos ou arrancam seus braços para que fiquem impossibilitados de tocar em armas outras vez.