Cronologia Egípcia

Gravura na tumba de Nefetari (KV66)

A civilização do Egito vive hoje a Era dos Faraós Guerreiros. Esse período de grande prosperidade foi antecedido por três outros períodos históricos, cada um dominado por um diferente governo central, chamados respectivamente de Antigo, Médio e Novo Império.

Império Antigo

Quando o deus-criador tomou para si uma nova existência na forma de um disco flamejante no firmamento, os homens assim puderam se espalhar sobre a Terra e se juntaram em belas cidades ao longo do rio Nilo. Em especial, havia a cidade de Mênfis, cujo governante Menés unificou todas as outras num grande império.

A economia aflorou. A cultura evoluiu. As grandes pirâmides foram construídas. Era um período próspero, mas a ganância e a intriga também se proliferaram e os homens começaram a guerrear entre si. Mil anos após o início da civilização, o poder da cidade de Mênfis foi contestado e o governo central colapsou por constantes rebeliões. Esse evento ficou conhecido como “Guerra entre Homens”, “Rebelião dos Nomarcas” ou “Período dos Três Faraós”.

Império Médio

O deus-sol Rá tinha olhos apenas para os homens. Eles eram o seu gado celestial. Por isso, não podia permitir que eles se autodestruíssem. O deus-sol colocou sua essência num pêndulo chamado de “Olho de Rá”, que delegava ao deus Osíris o comando sobre os homens. Ele deveria guiar humanidade para uma melhor existência através de códigos morais e éticos chamados de Maat e assim a paz seria restaurada. A partir da cidade de Tebas, a civilização voltou a florescer e prosperar por mais mil anos.

Infelizmente, a inveja fez o trapaceiro deus Set se revoltar contra o seu irmão Osíris, que sempre o superava em todos os aspectos. Afinal, Osíris se tornou o deus soberano dos povos egípcios. Osíris o derrotou em combate com um poderoso chute. Osíris tinha a mais bela esposa Ísis. Até mesmo Néfts, sua esposa, tinha mais paixão por Osíris que pelo próprio Set. Foi demais para o deus trapaceiro suportar. Ele então armou uma emboscada contra Osíris e o assassinou. Em seguida, liderando o exército estrangeiro dos guerreiros chamados de Hicsos, Set invadiu as terras do Egito, conquistou suas cidades e espalhou os pedaços esquartejados do seu irmão ao longo do rio Nilo à medida que avançava. Esse evento ficou comhecido como “Guerra entre Deuses”, “Invasão dos Hicsos” ou “Batalha de Hórus contra Set”.

Império Novo

O reino ilegítimo do deus Set avançou a partir da cidade de Avarís, que ficava na fronteira entre o Egito a oeste e seus aliados Hicsos ao leste, mas foi impedido pelas deusas Ísis e Néftis que reuniram todos os pedaços esquartejados de Osíris. Elas mumificaram esses pedaços para que o corpo de Osíris fosse reconstituído. E assim a deusa Ísis se deitou com o corpo mumificado do esposo para engravidar do deus-falcão Hórus. Este deus cresceu e se tornou um grande guerreiro que desafiou o deus Set e restabeleceu a ordem no Egito com sua expulsão.

Os Hicsos foram expulsos do Egito e a paz foi retomada outra vez. Infelizmente, essa situação também não durou muito tempo. Se no Antigo Império os homens guerrearam entre si e no Médio Império foi a vez dos deuses se confrontarem, o Novo Império assistiu à rebelião dos homens contra os próprios deuses. O novo faraó do Egito proclamou a si mesmo de Aquenáton, o Guardião do Deus Único, elevando este deus ao status de única e verdadeira divindade. Ele propagou o deus-sol Rá como um usurpador do poder celestial e proibiu o culto de todos os deuses do panteão. Por fim, fundou a cidade de Aquetáton, que ficava a meio caminho entre Tebas e Mênfis em devoção ao seu deus. Esse evento ficou conhecido como “Guerra entre Homens e Deuses”, “Revolução de Aquenáton” ou “Revolta do Gado Celestial”.

Império Atual

Quando as essências de ambos os deuses Amum e Rá se uniram numa única divindade, unificando todos os panteões egípcios para um único objetivo, os seus sacerdotes  enfrentaram o faraó Aquenáton. Essa união religiosa liderada pelo sumo-sacerdote Maya e pelo general Horemheb restauraram a antiga religião e levaram o deus Amum-Rá às orações do povo.  O profeta do Deus Único foi então expulso das terras do Nilo e uma nova dinastia teve início.

Hoje, o atual faraó Ramsés busca engrandecer seu reino com a construção de uma nova capital chamada Per-Ramsés, que está sendo construída com os blocos de pedra retirados da herética cidade de Aquetáton. Todos acreditam que esta será uma era de grande prosperidade para o Egito.