Issacar

A Tribo no Vale das Batalhas

James Tissot (1836–1902)

Governante: Beridija.
Território: Tribo de Issacar.
Símbolo: o Jumento Forte

O patriarca Abraão recebeu a revelação de que existe apenas o Deus único e verdadeiro, que lhe prometeu uma descendência próspera e numerosa. Abraão assim teve doze bisnetos cujos descendentes remontam as doze tribos de Israel que governam a terra de Canaã. O bisneto chamado Issacar recebeu a profecia do pai Jacó:  “Você será como um jumento forte que se deita mesmo sobre suas cargas”. Hoje, a tribo de Issacar possui o duro fardo de ter o monte Megido em suas terras. Este é o lugar onde todas as grandes batalhas que decidiram o futuro de Canaã  ocorreram como na conquista da terra prometida por Josué, na invasão do faraó Tutmés e na guerra contra Hazor.

A última guerra que o povo de Israel combateu foi contra os invasores midianitas. Estes são povos nômades do deserto da Arábia que tentaram pilhar as terras israelitas e roubando suas colheitas. Eles invadiram a parte central de Canaã, matando os irmãos do atual líder Gideão na região de Tabor. O líder israelita levou consigo apenas trezentos homens consigo, mas surpreendeu os inimigos quando atacou sob a escuridão da noite. Dois líderes midianitas chamados Orebe e Zeebe foram capturados e executados no primeiro momento do ataque. Os demais fugiram assustados mais para o interior do pais israelita, mas Gideão continua a persegui-los pois não descansará enquanto não estiverem todos mortos. Ele só precisa que o rei Beridija da cidade permita a entrada deles nas suas terras.

 

Tola

O guerreiro Tola é muito jovem, mas o rapaz já mostra sinais de grandeza. Ele foi um dos trezentos guerreiros que tomou as armas para derrotar um inimigo superior no ataque surpresa orquestrado pelo líder Gideão. Agora, o bom rapaz persegue os inimigos midianitas dentro de sua terra natal em Issacar onde seu avô é um homem rico e influente chamado Dodo.

O coração de Tola é bem intencionado tendo sua devoção ao Deus único e verdadeiro como maior característica. Ele viu o milagre que foi a vitória contra os midianitas. Agora, mantém a mesma fé na perseguição aos fugitivos que certamente acontecerá nas proximidades do campo de batalha mais famoso do mundo no monte Megido. O rapaz está confiante na vitória e sabe que o Deus único e verdadeiro tem muitas glórias reservadas para ele.

 

Zeba e Salmuna

James Tissot (1836-1902)

Um exército de guerreiros nômades invadiu as terras de Israel há sete anos atrás para lhes roubar a colheita e o gado. Esse exército foi liderado pelos reis midianitas chamados Zeba e Salmuna que levaram consigo um filho cada um. ambos acabaram ficando na terras israelitas para melhor explorá-las, mas os habitantes da terra revidaram.

Os dois reis midianitas Zeba e Salmuna foram atacados durante a noite. Os seus filhos, respectivamente chamados Orebe e  Zeebe, foram capturados; a maior parte do seu exército foi destruída; e as suas riquezas foram roubadas. Por muito pouco, ambos também não foram capturados. Logo, veio a notícia de que os filhos foram vergonhosamente executados pelas forças inimigas. Agora, ambos se escondem nas cavernas e montes dessa nação estrangeira, sobrevivendo entre subornos e perseguições, para não terem o mesmo fim. 

 

Attar

O poderoso ser chamado Attar recentemente sobrevoou acima das nuvens do firmamento para pousar seus pés suaves sobre o monte Megido. É um homem de pele escura, cabelos negros e densa barba de notória origem no deserto da Arábia. Ele se veste com um manto de lã escuras e carrega consigo uma lança. É considerados um dos mais poderosos profetas que já pisou sobre a Terra. Ele clama a si mesmo  como o filho do próprio Sahar, que acusará os homens no dia do juízo final. 

O famoso Attar transcende sua própria humanidade. Seus poderes são imensuráveis. Ele é capaz de controlar chuvas e tempestades. É capaz de invocar raios e trovões. Ele invoca os deuses gêmeos que exercem poder sobre o nascimento e a morte; sobre a criação e destruição; sobre o nascente e do poente; a quem chamam de Salém e Sahar. O poderoso profeta alcançou essas terras por suas visões que preveem uma futura no monte Megido que levará a morte dos deuses e uma nova era aos homens. No entanto, Attar não recua diante das adversidades. Ele é conhecido como o valente em batalhas; e assim o será nessa como foi nas anteriores.

 

Mot

Os cultos canaanitas não acreditam que o todo-poderoso El seja um deus único, mas um deus supremo que criou a humanidade e gerou todo os outros deuses. Ele se casou com a esposa-divina Aserá com quem teve muitos filhos. O maior desses filhos chama-se Baal Adad, que alcançou a liderança do panteão após derrotar os seus irmãos. Primeiro, ele arremessou Yam ao mar com suas duas poderosas maças chamadas de Yagrush e Yamur. Depois, enfrentou Mot nas profundezas do mundo onde teria sido derrotado caso a deusa-virgem Anat não o tivesse resgatado.

O deus Mot é a própria personificação da morte que já derrotou o líder do panteão canaanita. O próprio Baal Hadad já advertiu sobre esse poderoso irmão: “Não se aproxime da Morte, pois você será como um cordeiro em sua boca e descerá por sua garganta, pois seu apetite é como o de leões famintos no deserto. Após derrotado pelo casal divino, o poderoso Mot foi arremessado no mundo dos espíritos onde se alimenta das almas dos mortos que permeiam as profundezas. O seu sangue formou os a água pútrida que gerou todos os germes e seus corpo explodiu em luza para formar a luz, o sol, a lua e as constelações.

Os seguidores de Mot acreditam na criatura com o “Anjo da Morte” que serve ao deus supremo El, por isso, usam seus ritos para acessar os falecidos no mundo espiritual e buscar profecias nos astros celestiais. Esses mesmos seguidores também acreditam que o terrível Mot voltará ao mundo dos vivos após sete anos celestiais para se vingar do irmão Baal Hadad e trazer o dia do juízo final aos homens caso o deus-supremo El acredite que não há mais salvação para estes. Essa confusão de Mot como um “Filho de El” ou como um “Anjo da Morte” faz a criatura surgir nas crença de ambos os israelitas monoteístas e canaanitas politeístas embora essa crença seja condenada pelos sacerdotes de Siló.