Efraim

A Tribo em Conspiração

James Tissot (1836–1902)

Governante: Zebul
Território: Tribo de Efraim
Símbolo: a Árvore Frutífera

O patriarca Abraão recebeu a revelação de que existe apenas o Deus único e verdadeiro, que lhe prometeu uma descendência próspera e numerosa. Abraão assim teve doze bisnetos cujos descendentes remontam as doze tribos de Israel que governam a terra de Canaã. O bisneto chamado José recebeu a profecia do pai Jacó:  “Você é uma árvore frutífera, árvore frutífera à beira de uma fonte, cujos galhos passam por cima do muro”. A principal cidade nas terras dessa tribo é a cidade de Siquém que também é uma das mais antigas do mundo. No entanto, a relação entre esta cidade milenar e os israelitas nem sempre foi frutífera. 

Séculos atrás, o príncipe da cidade de Siquém  se apaixonou pela filha do patriarca israelita Jacó. O príncipe a levou para a cidade e se casou com ela, mas não comunicou o ocorrido ao seu pai e seus doze irmãos. O pai Jacó ainda apaziguou a situação através de uma boa negociação de casamento, mas os irmãos não conseguiram ignorar o desrespeito. Eles invadiram a cidade e massacraram a sua população. Mataram o rei e o príncipe que abduziu a irmã.  Hoje, o atual governante da cidade de Siquém se mostrou favorável à liderança de Gideão sobre demais os israelitas. Ele até enviou exército em perseguição contra os  midianitas derrotados. No entanto, Zebul tem se tornado extremamente partidário do seu filho Abimeleque que deseja seu lugar no trono paterno.

 

Abimeleque

O rei Gideão conseguiu muitas vitórias para o povo de Israel. Ele expulsou os invasores midianitas que vieram do Deserto da Arábia com apenas trezentos homens num feito tão incrível que só com a graça de Deus Único seria possível. A vitória lhe rendeu a adoração do povo, que o coroou como rei e permitiu que ele derretesse os brincos e as joias pilhados dos mortos midianitas para fazer um manto sacerdotal de puro ouro. Desde então, Gideão passou a exigir que todos os israelitas o adorassem como adoram seu próprio Deus.

Abimeleque é o filho caçula dos setenta filhos de Gideão, por isso, está muito longe da linha sucessória ao trono de Israel. No entanto, a ambição do jovem rapaz é muito maior do que se pode imaginar. Ele deixou a cidade paterna de Ofra para viver na belicosa cidade de Siquém, onde sua mãe nasceu. Lá, ele tem realizado uma aliança com seus conterrâneos para tomar o trono. Assim que seu pai falecer está decidido que invadirá sua casa para matar todos os setenta irmãos para se tornar o rei de Israel.

 

James Tissot (1836-1902)

Micá

O jovem Micá morou muitos anos na casa de sua mãe nas terras de Efraim. Certo dia, ele roubou mais de mil siclos de prata de sua própria casa. Ele então escutou sua mãe lançar uma horrível maldição a quem quer que fosse o ladrão e assim compreendeu a gravidade do seu ato. Não desejando ser amaldiçoado pela própria mãe, o jovem Micá colocou secretamente toda a prata de volta no seu lugar original. Quando a mãe percebeu que recuperou a prata, ela dedicou duzentos desses siclos para criação de uma estatueta em homenagem ao Deus único e verdadeiro.

A estatueta em homenagem ao Deus único e verdadeiro permanece até hoje na casa de Mica, que foi transformada num santuário de adoração. Certo dia, um sacerdote levita estava vagando pela terra quando passou pela região e Micá lhe solicitou que ensinasse sobre o Deus verdadeiro em troca de dez siclos de prata por ano, roupas e alimentos. O sacerdote levita concordou. No entanto, o uso de ídolos como método de adoração não é uma prática aceita pelos bons sacerdotes. Não há dúvidas que uma punição está para acontecer. Recentemente, o próprio Micá sonhou com um exército em frente à sua porta o ameaçando. 

 

Pawura

James Tissot (1836-1902)

Quatrocentos anos atrás, um exército canaanita chamado de Hicsos invadiu as terras do Egito com carruagens de bronze e ferocidade sem igual. Eles dominaram as terras egípcias em nome do deus Baal Hadad, que para os egípcios foi reconhecido como o traiçoeiro deus Seti, por quase um século. A invasão só foi contornada com o nascimento do deus Hórus, que derrotou Baal-Seti na Grande Batalha e trouxe a paz ao Egito. Os egípcios prometeram a si mesmo que nunca mais deixariam algo assim ocorrer. Por esse motivo, eles mantém uma presença ativa nas terras de Canaã.  

O diplomata Pawura veio às terras de Canaã sob as ordens do faraó do Egito. Ele deve reportar ao seu soberano sobre possíveis atividades perigosas ao Egito. Afinal, desde a grande batalha que houveram situações as quais foi necessário usar as forças militares para pacificar essa instável região como nos tempos do faraó Tutmés II e Amenófis. Infelizmente, o diplomata vem notando muita agitação entre os povos israelitas com um sentimento popular para um governo central que os governe. O diplomata tem assim informado sobre as atividades do arrogante Gideão, do conspirador Abimeleque, do violento Jefté e do belicoso Saul. No entanto, nenhum deles chamam tanta atenção quanto um grupo de extremista rebeldes que os egípcios chamam de Habiru e que os israelita pronunciam Hebreus, e são liderados por um jovem baderneiro chamado Davi.

 

Aserá

Os cultos canaanitas não acreditam que o todo-poderoso El seja um deus único, mas um deus supremo que criou a humanidade e gerou todo os outros deuses. Ele se casou com a esposa-divina Aserá com quem teve muitos filhos. O maior desses filhos chama-se Baal Adad, que alcançou a liderança do panteão após derrotar os seus irmãos. Primeiro, ele arremessou Yam ao mar com suas duas poderosas maças que  foram nomeadas Yagrush e Yamur. Depois, enfrentou Mot nas profundezas do mundo onde teria sido derrotado caso a deusa-virgem Anat não o tivesse resgatado.

A esposa-divina Aserá é conhecida por seus seguidores como a “Criadora de Deuses”, a “Dama do Dia” e a “Rainha dos Céus”. Ela é descrita por seus seguidores como a esposa do todo-poderoso El que o presenteou com uma prole de setenta filhos que são patronos de diferentes povos e que intercedem pela humanidade. Muitos festivais ocorrem em honra da deusa cujo culto é praticamente feminino. Mulheres lhe fazem oração em busca de casamentos pacíficos e partos tranquilos; e seus ensinamentos estão relacionados aos aspectos femininos da humanidade como a iniciação sexual, os ciclos menstruais e a fertilidade. No entanto, nenhum desses ritos são aceitos pelos sacerdotes do Deus único e verdadeiro que clama que todo o panteão canaanita é criado a partir de mentiras.