Dan

A Tribo dos Navegantes

James Tissot (1836–1902)

Governante: Manoá
Território: Tribo de Dã
Símbolo: a Serpente Traiçoeira

O patriarca Abraão recebeu a revelação de que existe apenas o Deus único e verdadeiro, que lhe prometeu uma descendência próspera e numerosa. Abraão assim teve doze bisnetos cujos descendentes remontam as doze tribos de Israel que governam a terra de Canaã. O descendente chamado Dã recebeu a profecia de seu pai Jacó: “Você será uma serpente à beira da estrada, uma víbora à margem do caminho, que morde o calcanhar do cavalo e faz cair de costas o seu cavaleiro”. Essa profecia se tornou verdade com o porto de Jaffa que recebe pessoas de todo o mundo para venda e compra de mercadorias. Infelizmente, esses viajantes estrangeiros também atraem os piores costumes.

Prostituição, jogos de azar, roubos e assassinatos são eventos corriqueiras de uma cidade tão cosmopolita quanto Jafa cujo poro mostra-se tão movimentado quando os outros grandes portos do mundo como Tiro, Troia, Cnosso e Faros.  Infelizmente, uma profecia diz que um novo povo de terras tão pecaminosas quanto os helenos ou minoanos logo chegará nas terras e trará a desordem para a população. Dizem que as terras hoje que pertencem à tribo de Dã se tornarão uma serpente traiçoeira que levará o pecado para as demais tribos de Israel. Resta espera se a situação se tornará assim tão perturbadora quanto previsto, mas o juiz da tribo chamado Manoá já promete que não deixaráq ue isso aconteça.  

 

Sansão

O jovem Sansão é uma criança cujo nascimento foi marcado por eventos milagrosos. Ele é filho de Manoá que hoje lidera a tribo de Dã e por anos ele tentou gerar um sucessor através de sua esposa. Esta, no entanto, não era capaz de conceber surgiu diante de sua esposa para proclamar ao casal que eles logo teriam um filho. O anjo também revelou que a criança se tornará um grande herói que um dia libertará o povo de Israel da mão de seus dominadores.

O anjo declarou que o filho do casal deveria se dedicar ao Deus único e verdadeiro como um bom “Nazireu”, tomando para si um voto para abster-se de bebidas alcoólicas, de não cortar cabelos ou fazer a barba, e de seguir as leis do grande profeta. Manoá então preparou um sacrifício ao Senhor que foi milagrosamente tragado em chamas, subindo ao céus no fogo. No devido tempo, o filho deles, Sansão, nasceu e ele foi criado de acordo com as instruções do Anjo. No entanto, Manoá está preocupado a criação do filho que parece deslumbrado com um estilo de vida pecaminoso do  do pregado pelo Deus único e verdadeiro. No entanto, ele não permitirá que o jovem vá por caminhos errados.

 

Dalila

James Tissot (1836-1902)

A jovem Dalila era uma garota sonhadora e de bom coração, mas que viveu uma situação difícil nas ruas do porto de Jaffa. Apesar de apenas recentemente ter atingido a puberdade, ela precisou se prostituir para sobreviver. Ela vive de clientes que vão e que vem em seus navios de vários lugares do mundo. Muitas vezes, se fazendo parecer uma sacerdotisa da deusa Inana do sexo. Outras vezes, sendo apenas uma prostituta.

A verdade é que a única força superior que reconhece hoje é o dinheiro. Os seus sonhos foram deixados no passado.  O seu coração se tornou uma pedra endurecida. Recentemente, ele percebeu o jovem Sansão a admirando ao longe. O rapaz é tão jovem quanto a moça, mas ainda não descobriu os desejos da carna. Isso é algo que ela logo espera corrigir para se aproveita da situação e ganhar um bom dinheiro.

 

Dagom

O deus Dagom é muito mais antigo do que se pode imaginar. Ele já reinou sobre os homens e governou por toda a Criação, e foi possuidor de muitos nomes e epítetos. Ele já foi conhecido como Crono pelos helenos e Enki pelos mesopotâmios, mas, em todos os panteões, ele sempre foi um dos setenta filhos do Céu e da Terra. Ele sempre foi responsável por separar os pais de seu abraço sexual quando, de dentro do útero da mãe, arrancou o falo paterno, permitindo que a criação pudesse ser habitada. Ele também foi casado com a Deusa-Mãe, que também recebeu muitos nomes como Shala, Reia, Cibele e Ninhursag. No entanto, por séculos não se ouviu mais falar sobre esse poderoso deus.

O deus Dagom deixou para trás o seu trono no mundo dos vivos para residir no mais obscuro dos fossos das profundezas. E ali permaneceu por quatrocentos anos. Os motivos de sua reclusão são desconhecidos. Rumores contam sobre aprisionamento por outros deuses, sobre o desinteresse pelos assuntos humanos, sobre a separação com a Deusa-Mãe ou sobre a decepção com os reis das cidades onde era patrono como o arrogante Naram-Sin de Acádia e o incompetente Zimri-Lim de Mari. No entanto, após seu período de isolamento, o antigo deus retornou para o mundo dos vivos para tomar o seu lugar no panteão canaanita. Desde que a Deusa-Mãe o deixou, ele arranjou uma nova companhia na deusa Ishara, a dama do amor. Juntos, o casal planeja trazer um povo distante para governar sobr os israelitas.

 

Ishara

A deusa Ishara rege sobre o amor, o erotismo e a fertilidade. Ela é um dos setenta filhos do Céu e da Terra, que recebeu a cidade de Ur para si, mas sua adoração se estendeu aos acadianos, babilônicos e assírios sob o nome de Istar e Inana. Ela executa a justiça divina, por isso, destruiu o Monte Ebi por desafiar sua autoridade, obliterou o jardineiro Sucaletuda que a estuprou e matou a bandida Bilulu que assassinou seu esposo. 

A deusa também foi culpada de arrogância pelos sete juízes das profundezas quando tentar conquistar o Mundo Espiritual. Ela foi deveria estar aprisionada nas profundezas por toda a eternidade, mas seu esposo Tamuz a substituiu na punição. Ele passa metade do tempo no mundo dos mortos e a outra metade no mundo dos vivos. É na metade do tempo que está longe do esposo que Ishara tem Dagom como seu amante.