Cronologia Asiática

Máscara de Sargão

A Ásia vive hoje sob o poder do Império da Assíria. Esse domínio foi antecedido por três outros períodos históricos, cada um sob o jugo de uma diferente cidade-nação, cujos impérios foram chamados respectivamente de Suméria, Babilônia e Hitita.

 

Primeiro Poder (Suméria)

O grande dilúvio, enviado pelo deus Enki há três mil anos atrás, dizimou a raça humana com suas cinco cidades primordiais. Quando as águas baixaram, os novos homens descendentes do sobrevivente Utnapistim se proliferaram em grandes cidades que passaram a disputar a hegemonia sobre o mundo.

Foram séculos de disputas entre as recém-fundadas cidades para decidir qual deveria governar as demais. As cidades de Uruk, Acádia, Gútia, Lagash, Ur, Isin e Larsa alternaram no poder da região por limitados períodos de tempo, sendo logo sobrepujada pela cidade seguinte. Enfim, esse ciclo de invasões e massacres se encerrou com o retorno do deus Marduk à Terra, o que levou ao surgimento de uma nova potência político-militar: a cidade da Babilônia.

 

Segundo Poder (Babilônia)

O império da Babilônia cresceu com a chegada do poderoso deus Marduk, que por milênios esteve combatendo os dragões do Caos primordial.  Logo que retornou à terra, esse deus escolheu a cidade da Babilônia para abençoar. Este era um povoado fundado por refugiados que sofreram com a violência do rei Sargão. Em menos de duzentos anos, ela já atingiu o seu apogeu com o governo do rei Hamurabi que conquistou toda a Mesopotâmia para si.

Infelizmente, apesar da grandeza de suas conquistas e do sucesso de seu código de leis, os reis que sucederam o grande Hamurabi não foram capazes de manter a grandeza do Império Babilônico. Progressivamente perdendo influência, a cidade foi conquistada e saqueada por um novo império emergente sob a liderança do rei Mursili de Hattusa. Assim começou os tempos do império chamado de Hitita.

 

Terceiro Poder (Hitita)

O povo hitita se formou a partir de imigrantes que assentaram na Anatólia ao aceitar Teshub como seu deus, sob a liderança do rei Pithana. O auge do poder deste povo veio graças à aliança com um povo nas terras vizinhas da mesopotâmia chamado de Mitani. Com a benção do deus Marduk, que aceitou o convite do panteão hitita para conhecer o novo império, a aliança Hatti-Mitani avançou sobre o império da babilônia com uma vitória que firmou sua superioridade sobre os povos asiáticos por mais de trezentos anos.

Tissot_Solomon_Dedicates_the_Temple_at_Jerusalem

James Jacques Joseph Tissot 1836-1902

A superioridade hitita chegou ao fim pelo conflito com o milenar império egípcio. Em certo momento, ambos os inimigos chegaram a realizar um tratado de paz que foi abençoado pelos deuses e levaria prosperidade à ambas as nações. No entanto, o rei Supilo Liuma quebrou o tratado quando seu filho foi morto por um grupo de conspiradores egípcios. Apesar de vitorioso na batalha de Kadesh, os deuses amaldiçoaram o rei Supilo Liuma com uma terrível praga que lhe custou à vida e de grande parte da população hitita.

 

Poder Atual (Assíria)

A cidade de Assur sempre foi revoltosa desde os tempos do rei Eriba-Hadad, que viveu um relação conturbada com Supilo-Liuma. Hoje, passadas gerações desde esse líder, o violento príncipe guerreiro Tuculti-Ninurta avançou os exércitos contra seus inimigos, conquistando toda a Mesopotâmia incluindo as terras Mitanni e a Babilônia.

Este foi o início do grande poder político, econômico e militar que o império da Assíria hoje exerce na Ásia.