Elam

A Nação nas Montanhas

Governante: Kidin-Hutran

As cidade de Susa se mantém como a capital das terras de Elam por mais mais de dois mil anos de existência. Essas terras ao leste da mesopotâmia são formadas por altas montanhas e longos planaltos. Elas são habitadas desde os primórdios do tempo e sempre dependeram dos alimentos importados da Babilônia para sobreviver. Os Elamitas sempre foram rivais dos mesopotâmios, mas acabaram conquistados e absorvidos pela cultura babilônica por séculos. A libertação do jugo babilônico só se tornou possível quando o deus Marduk abandonou sua cidade para viver nas terras hititas há cerca de quatrocentos anos. Com a cidade da Babilônia saqueada, as terras de Elam conseguiram sua independência.

As guerras entre a Babilônia e Susa continuaram ao longo destes últimos quatrocentos anos sempre aumentando a rivalidade entre ambos os povos. No entanto, recentemente, uma nova potência militar surgiu nas terras entre os rios Tigre e Eufrates. O império Assírio avançou contra os babilônios e a cidade foi novamente saqueada. O rei Kastiliasu foi humilhado pelo rei assírio ao ser lançado no calabouço. A situação não tranquilizou o atual rei Kidin-Hutran de Susa. Pelo contrário, ele enxerga a ascensão de um império tão impiedoso quanto os assírios como um terrível ameaça. Por esse motivo Kidin-Hutran decidiu apoiar o príncipe Adad Sumusur, filho do rei babilônico deposto, no combate contra esse novo inimigo. No entanto, a situação tem dividido opiniões. 

 

Sutruk

O exército elamita é liderado pelo general Sutruk, que possui o favor do rei Kidin-Hutran de Susa. Suas forças foram particularmente bem-sucedidas no confronto direto contra o primeiro governante fantoche que os assírios colocaram para governar a Babilônia arrasada. A vitória dos elamitas permitiu que o príncipe Adad Sumusur reorganizasse suas forças para derrotar o novo governante fantoche escolhido pelos assírios.

Agora, ambos os líderes da Babilônia e de Elam precisam esquecer a rivalidade histórica de mais de dois mil anos de existências. Eles precisam unir força contra o mais novo inimigo enviado pelo rei assírio, pois o recém-chegado general Adad Sumiddina, que está disposto a destruir ambos os inimigos de sua nação. No entanto, o próprio príncipe-guerreiro dos assírio, Tuculti-Ninurta, parece acompanhar os exércitos inimigos na nova batalha. O líder Sutruk prometer realizar uma campanha militar poderosa para elevar o poder elamita a alturas nunca antes sonhadas. E ele disse que o fará em honra do seu deus Inshushinak. 

 

Perses

O ancião Perses é um dos principais conselheiros do rei Kidin-Hutran. Hoje, alcançando uma idade avançada, poucas pessoas sabem que este ancião é originário das terras helênicas. Ele é, na verdade, o filho caçula do grande herói Perseu que fundou a cidade de Micenas e iniciou uma nova civilização. No entanto, ainda em idade muito tenra, o jovem Perses abandonou a cidade fundada por seu pai para viajar pelo mundo.

Perses passou décadas conhecendo grandes líderes e pessoas poderosas nas terras da Anatólia e da Mesopotâmia. Fez grandes amizades. Criou raízes entre esses povos tão diferentes daqueles de sua terra-natal. Agora, em idade avançada, o viajante tem recebido sonhos proféticos. Ele enxerga vividamente uma Ásia unificada desde o Egito à Mesopotâmia numa única nação. Será o grande Império da Pérsia, que crescerá além das fronteiras conhecidas. 

 

Zoroastro

O sacerdote Zoroastro pertence ao clã Spitama, sendo o sacerdote do culto dedicado a um novo deus. Aos trinta anos de idade, enquanto participava num ritual de purificação num rio, Zaratustra viu um ser de luz que se apresentou como o “Bom Pensamento”. Ele conduziu o sacerdote até à presença do deus Aúra-Masda e de outros cinco seres luminosos, os Amesa Espentas, sendo este o primeiro de uma série de encontros que lhe revelou a sua mensagem. Ele contou a história para todos os seus conhecidos, mas as autoridades civis e religiosas opunham-se às suas doutrinas.

Após doze anos de pregação, Zoroastro abandonou a sua região natal e fixou-se na corte do rei de cidades ao leste na terra conhecida como Báctria. Este rei e sua esposa se converteram à doutrina. O principal documento que nos permite conhecer a vida e o pensamento religioso de Zoroastro são dezessete hinos compostos pelo próprio sacerdote. O sacerdote propõe uma mudança no panteão com a ideia do dualismo: o deus bondoso Aúra-Masda representa as forças do bem e o destrutivo Arimã representa as forças do mal.

 

Inshushinak

Os povos de Elam acreditam numa tríade suprema forma pelo deus-pai Khumban, pela deusa-mãe Kiririsha e pelo deus protetor Inshushinak.  Este último é o deus patrono e protetor da cidade de Susa. Ele possui um grande templo zigurate construído em sua homenagem em Choqa Zanbil onde os reis da cidade se ajoelham em honra ao deus.