Livro da Verdade

Guia para o Divino

 

Introdução

O mundo é um lugar estranho. Tenho certeza que você já acordou numa dessas manhãs com uma sensação de vazio. Você deve lembrar como você deixa sua cama, toma seu banho e se arruma para começar suas atividades diárias. É a mesma atividade que você realiza todos os dias. E logo mais estará realizando a mesma rotina outra vez. Se observar as pessoas ao seu redor, você perceberá que muitos estão realizando a mesma atividade enquanto outros estão realizando atividades diferentes mas igualmente repetitivas. É sempre a mesma coisa para todo mundo. Em certos dias, é impossível não exclamar: Isso não faz sentido!

Você aprendeu que o tempo é precioso. Você sente que deve aproveitar a sua vida. É inevitável que sua conclusão é de toda essa entediante repetição é um desperdício do seu tempo e de sua vidas. É uma lógica que você não consegue entender. A sensação de impotência muitas vezes se torna esmagadora. É uma sensação que arrasa a sua mente e destrói a sua força de vontade. Esse sentimento se torna assim uma busca pelo sentido da vida. Esse desabafo se torna uma questão inerente ao próprio ser humano. Assim como toda humanidade, você se questiona: O que vim fazer nesse mundo? Existe um propósito para minha vida?

Sempre haverá alguém com uma visão naturalista para falar sobre o curso natural da vida: “Nós nascemos, crescemos, reproduzimos e morremos; esse é o ciclo da vida”. É um ciclo que Você aprendeu nas aulas de biologia e consegue enxergar muito bem em sua família. É fácil enxergar esse conceito quando se vai ao funeral de um avô e quando se presencia o nascimento de uma criança. Da mesma forma, uma morte prematura, seja por acidente, doença ou suicídio, o abala enormemente pela quebra desse mesmo ciclo. É realmente fácil enxergar o sentido da vida nesse conceito biológico, mas a verdade é contexto é totalmente incapaz de lhe confortar nos seus momentos difíceis e responder ao questionamento anterior.

A razão para isso é simples. Os seres humanos são seres vivos, mas são muito diferentes dos animais. O ser humano possui uma necessidade que vai além de qualquer conceito biológico. O ser humano anseia muito mais do que sobreviver e deixar filhos no mundo. O ser humano precisa de uma satisfação para a sua mente inquieta. Você precisa estar satisfeito com a sua vida. Você deseja fazer alguma diferença nesse mundo. Não é o ser humano que deseja responder a essa questão. É você que deseja saber seu lugar no mundo.

Por isso, feche os olhos. Tome um fôlego profundo. E prepare-se para buscar a resposta para sua pergunta num passado distante para pessoas que se fizeram essas mesmas perguntas.

 

10 – Visão de Mundo

Guia Espiritual: Simão, filho de Yochai.

Respire fundo mais uma vez. Tente se imaginar abrindo os olhos. No entanto, quanto mais seus olhos se abrem mas tudo ao seu redor se mantém na total escuridão. Não há  qualquer fonte de luz ao seu redor. É impossível enxergar um palmo sequer à sua frente. Uma sensação gélida percorre os seus pés descalços por sentir um solo rochoso abaixo. Os pedregulhos no couro áspero da planta dos seus pés incomodam seu caminhar, mas o frescor de uma brisa úmida lhe acalma a mente. O som dessa brisa ecoando dentre as cavidades na rocha lhe fazem perceber que está numa caverna.

Que lugar é este?

A pergunta não deixa seus lábios. Estão apenas em sua mente. Embora as dúvidas persistam, ela continua a caminhar na imensidão trevosa. A mente divaga. Brisas suaves continuam a refrescar sua pele. O frio da rocha percorre novamente entre seus dedos. Uma voz então ecoa.

Bem vindo, forasteiro.

Ao curvar o pescoço em busca da voz, uma luz frágil atinge seus olhos. Um flama trêmula e hesitante se acende ao bater de duas rochas de fogo. Você consegue avalia o homem que carrega os seixos rochosos e uma lamparina antiga. É um homem nos seus quarenta anos de idade com uma barba negra longa com fios grisalhos e uma cobertura de tecido escuro na parte de trás de sua cabeça como que escondendo a calva.

Eu sou Simão, filho de Yochai. Acredito que você está aqui para que eu seja seu guia espiritual.

A voz do homem é peculiar. Ele parece pronunciar as palavras do fundo de sua garganta. O som é gutural, como se estivesse falando e limpando a garganta ao mesmo tempo. No entanto, a estranha voz não é sua maior preocupação. Você tem uma preocupação que se externa numa pergunta.

E onde eu estou?

O homem responde no mesmo tom de voz:

– Você está numa caverna ao norte de Israel, que tem sido o meu lar pelos últimos treze anos.

Você começa a perceber o rosto ferido do homem. Está cheio de erupções cutâneas infestando sua bochecha e testa. Também vê as mesmas erupções por todo os seus braços até onde sua túnica consegue esconder. Mais uma vez, uma vez a imagem lhe chama a atenção mas não é a principal preocupação na mente. As palavras seguintes que parecem sair do fundo de sua garganta lhe fazem perceber que você está numa viagem além de sua compreensão. Você está não só numa diferente localização, mas num diferente lugar do tempo.

Estou me escondendo do exército romano desde que o imperador Adriano decretou minha sentença de morte após a destruição da cidade de Jerusalém e do massacre do povo judeu!

Primeira Questão: De onde vem o mundo?

 

(O guia nesse percurso será Simão Ben Yochai)

Começa na caverna onde o rabino Simão Bem Yochai está escondido.

O mundo em que vive

Parte I: Mundo Sólido

 

9 – Fundação: A Crença

(O guia será Isaías)

Abraão (Chamado):

Isaque (Medo):

Jacó (Combate):

José (Aceitação):

Moisés (Confiança):

Davi (Culpa):

Daniel (Orientação): Relacionar como Isaías e Jeremias perceberam que as vezes as regras não são obrigatórias, mas há um caminho certo a seguir.

8 – Esplendor: O Universo

(O guia nesse percurso será Galileo)

Terra: Conceito de Gravidade (Poder da Atração)

Lua: Conceito de Órbita (Poder da Independência e Influência)

Sol: Conceito de Vida (Nem tão perto, nem tão longe)

Planetas: Conceito de Grandeza

Estrelas: Conceito de Infinito

Galáxias: Conceito da Criação

Fronteiras: Conceito do Universo em Expansão. Mundo das átomos e subpartículas.

7 – Vitória: A Humanidade

(O guia por esse percurso será Platão)

Sócrates: Como questionar.

Aristóteles:

Parte II: Mundo Fluido

6 – Beleza: Moderação

(O guia será o profeta Laozi)

5 – Severidade: A Punição

(O guia será o sacerdote Aarão)

4 – Misericórdia: O Perdão

(O guia será o apóstolo João)

Parte III: Mundo Etéreo

3 – Entendimento

(O guia será o próprio subconsciente)

Leituras do Zohar.

2 – Sabedoria

(O guia será o próprio consciente)

Leituras do Zohar.

1 – Criador

(Não haverá guia, estará sozinho. Não encontrará Deus, mas saberá de sua existência). Encontrará Ein Sof: o eterno inconcebível).

O discípulos estavam reunidos na beira da praia numa discussão sem fim. Eles eram incapazes de compreender as questões mais básicas sobre o mundo. Não conseguiam compreender o simples conceito do Bem e do Mal. Assim, eles buscaram seu mestre. Ó mestre, qual a origem do Mal?

O mestre respondeu:

No princípio, as trevas cobriam a face do abismo. Não havia nada. Havia apenas o silêncio. Tudo era o mais completo vazio, pois o Vazio é a maior expressão do caos; é o destino das forças da natureza; é a entropia no fim dos estados do matéria; é a maior consequência da destruição. Tanto no começo quanto no fim, as trevas sempre foram o mais puro vácuo; pois o Nada é o estado inicial e o estado final de tudo o que é material. Afinal, vivemos em um universo decadente. É preciso entender que o vazio, o vácuo, o nada, a destruição, o caos, a entropia, a inexistência e a insignificância são nomes diferentes para um único conceito. Esse é o primeiro passo para alcançar a verdade sobre o divino.

Os antigos personificaram o caos, o vazio e o mal numa única entidade. Era uma serpente gigante chamada de Leviatã, que percorre as águas do vácuo e causa destruição em tudo o que toca. Era assim que se compreendia que todo o maligno leva ao nada e todo pecado leva à insignificância. No entanto, eles também personificaram o conceito contrário. Afinal, apesar do nada, tudo existe. A existência comprova que há algo mais além do Vazio. Revela que algo iniciou toda a Criação. E o contrário ao Mal destruidor é o próprio Bem, que criou todas as coisas.

O Bem é o próprio conceito da construção, da ordem e do propósito que criou o Mundo. É o conceito que toma a forma da entidade que chamamos de Deus. A Criação é assim a vitória da construção sobre a destruição, da ordem sobre o caos, do propósito sobre a insignificância. A existência de tudo só leva a uma conclusão. Conclui-se que criatividade é a consciência do Altíssimo; o amor é o seu propósito; e a edificação é o seu caminho.

Ó, filhos de Deus, discípulos da verdade, quando não se segue a lei de Deus, se segue o caminho da Destruição. Assim, sigam o caminho do Bem que tudo cria mesmo em um mundo decadente; que tudo compartilha, sem apropriar-se do necessário; que sempre constrói, sem causar a ruína ao redor; que busca o caminho da vida, sem nunca desejar o mal ao semelhante.  O desejo de Deus para a Criação é a prosperidade completa; sem a morte, sem a destruição, e sem a divisão; pois assim surgiu todas as coisas. Esse é o caminho do Bem. Esse é o caminho da Verdade.

II – O Espírito

Um dos discípulos ainda sentiu dificuldade em entender a relação entre o bem e o mal. Ele assim se aproximou do mestre e questionou: E quem é mais poderoso: o Bem ou o Mal?

O mestre sorriu outra vez antes de explicar como Deus age sobre o mundo:

Toda a Criação requer um intento, um traçado e um propósito; e todas essas coisas requerem a criatividade. Afinal, a criatividade é a expressão maior da sua consciência divina para criar todas as coisas existente num mundo decadente. Essa consciência lançou o Espírito de Deus, que se moveu sobre as águas do Vazio e sobre as trevas do Abismo antes de dar início a toda a Criação. E por isso o Espírito de Deus vive em todas as coisas do mundo.

Os antigos contam como o Espírito de Deus lançou o anzol sobre o caótico Leviatã para prender a sua língua destruidora. Depois, passou um cordão pelo seu nariz ou atravessou seu queixo com um gancho. Fez dele um bichinho de estimação, como se fosse um passarinho e lhe pôs uma coleira para sua progênie. E assim, do Caos, veio a Ordem. A Criatividade trouxe o Propósito. E o Mundo nasceu de uma consciência universal que compartilha em tudo o Espírito de Deus.

O Espírito de Deus é acolhedor. Ele abraça tudo o que toca como uma mãe abraça seu filho recém-nascido. Ele está impresso em todos os corações. Ele é a consciência que todas as mentes compartilham entre si. É o sopro divino que todas as almas possuem em união. Ela une todos todos os seres viventes numa consciência conjunta que guia o caminho para o Bem e traz revelações a todos aqueles que a abraçam dentro da consciência de cada indivíduo.

Ó, filhos de Deus, discípulos da verdade, o mal não existe. É o próprio vazio; nem pode ser seguido, nem pode ser adorado. Ele é apenas a ausência do Bem. É apenas a sombra do Espírito de Deus. Assim, quando vocês agem contra um irmão, vocês não agem apenas na direção destrutiva do Mal, na verdade, agem contra o o próprio Espírito de Deus. Sejam assim conscientes do Espírito de Deus,

Quando causam o Mal, também agem contra si mesmos, pois o Espírito de Deus que habita em cada um de nós.

Sejam assim conscientes do Espírito de Deus, Todos o compartilhamos como iguais, nos guiando para um único propósito. Esse é o caminho da Bem. Esse é o caminho da Verdade.

III – A Palavra

Outro discípulo se levantou curioso. Ele perguntou: E qual foi a primeira coisa Criada por Deus?

O mestre que olhava o céu estrelado, como se houvesse algo além, explicou:

Se tudo surge do vazio e do caos, quando se pode dizer que algo inexistente tomou forma o bastante para se tornar existente? A resposta para essa pergunta está num conhecimento superior; pois os antigos contam que todas as coisas só existem quando ela possui uma forma bem definida o bastante para serem nomeada com uma “Palavra”. E esta Palavra irá as diferenciar de todas as demais coisas.

A primeira palavra proferida pelo Criador foi a “Luz”, e esse foi o início de toda a Criação. Das trevas infinitas dos primórdios até o atual céu reluzente, todas as coisas assim começaram. Antes, não existia o terreno, nem a matéria; então houve.  Antes, não havia a existência, nem a ordem, nem o propósito; então houve. Antes, não havia o passado, nem o presente, nem o futuro; então houve. E assim o plano de Deus foi traçado até o fim dos tempos .

A Palavra de Deus é toda a ação física do Criador sobre o mundo material. Ela traz consigo os conceitos do bem e do mal, do justo e do injusto, do agradável e do desagradável, e de todas as coisas. Ela é o vínculo de tudo em si mesmos. Ela mantém todas as coisas unidas, as impedindo de serem dissolvidas e separadas. A Palavra é todo o conhecimento do Mundo. Ela está na lógica, na razão e na ciência. Ela está nas leis que permeiam e movem o Mundo.

Ó, filhos de Deus, discípulos da verdade, quem não segue a Palavra de Deus, está seguindo o erro, a mentira e a morte. Sem a Palavra, só há Trevas. Só quem a compreende, segue o Caminho, a Verdade e a Vida. Só quem a conhece, enxerga a Luz do Mundo. Ela é o Pão da Vida que traz consigo a vida eterna; é a Porta da Salvação, que leva ao reino dos céus; é o Pastor que conhece a si mesmo e aos seus seguidores. E assim sejam como uma Videira que só produz bons frutos. Esse é o caminho da Verdade.

IV – O Mundo

Era manhã quando os discípulos acordaram para contemplar a beleza da Criação. Eles escutavam o som dos pássaros. O aroma da vegetação. A visão do horizonte onde o céu toca o mar. Eles sentaram ao lado do mestre que continuou a lhes contar sobre como todas as coisas foram geradas, dizendo:

Um nova Palavra foi proferida; e o “Céu” foi assim criado. As águas primordiais superiores se apartaram das águas inferiores. O mundo divino não mais habitou o mundo terreno; pois o autor da Criação é incapaz de existir dentro do material material. Na verdade, o mundo só existe na Criatividade de uma mente divina, sendo moldado pelo seu Espírito e determinado pela Palavra.

Em seguida, a Palavra foi novamente proferida; e a “Vida” surgiu. A Terra árida e infértil se tornou um lugar vivente. O inanimado se encheu de vitalidade; pois a Palavra se expandiu por si própria. A ordem e o propósito se reproduziu sem qualquer nova intervenção do Criador. Cobriu-se a Terra com uma vegetação, que deu sementes e frutos de acordo com suas espécies. O deserto se tornou um jardim.

A palavra seguinte veio; e o “Tempo” foi percebido. O que é o tempo para as rochas e os minerais? Não é nada. Passado, Presente e Futuro já aconteceram. Sempre estiveram na criatividade inicial de Deus e estão no fim dos tempos. Tudo já ocorreu; mas a Vida segue numa única direção. Nascimento, multiplicação e morte são ciclos finitos num mundo imensurável. Os luminares no firmamento separaram o dia e a noite. Passaram a marcar as estações, os dias e os anos.

Ó, filhos de Deus, discípulos da verdade, o sol e a lua iluminaram a terra; pois a vida dela precisa para completar seu ciclo. Se antes da própria Vida vieram, antes não tinham relevância. Se vieram depois, é porque a vida percebeu que sem eles não há vida.

E assim, do mundo superior, Deus criou extensões de si mesmo que foram chamadas de “Filhos de Deus” para interagir com o mundo terreno. A mais conhecida dessas extensões recebeu o nome de Gabriel. Ele quem participou do surgimento do primeiro homem, Adão, assim como testemunhou esse homem usar seu livre-arbítrio para virar as costas ao seu Criador. Desde então, Gabriel se mantém no “Primeiro Reino Celestial” logo acima do mundo terreno para transmitir mensagens divinas aos seus habitantes.

sigam o caminho do Bem que tudo cria e nada destrói; que busca tudo compartilhar, sem haver fracionamento das coisas necessárias; que busca sempre construir, sem causar a ruína ao seu redor; que busca o caminho da vida, sem desejar a morte do seu irmão.

O pensamento não só é a prova da Existência do indivíduo, mas toda a Criação só pode existir com a consciência; pois sem consciência, a Existência é sombra. O livre-arbítrio não é só a prova da Bondade do indivíduo, mas toda a Bondade só pode existir com a consciência; pois sem consciência, a bondade é vazia.

Jó 41:5

Jó 41:2

Ela avaliou A Presença de Deus avaliou é a própria consciência, a mente e espírito.

O pensamento comprova