Enoque, Livro das Parábolas

Luca Giordano (1634–1705)

O Livro de Enoque é um texto do gênero das revelações que clama autoria por Enoque, o bisavô de Noé, no período pré-diluviano. O texto narra os eventos que causaram o Dilúvio e esclarece quem são os “Filhos de Deus” e os “Nefilins” citados de forma confusa no capítulo 6 do livro Gênesis. A segunda parte do texto de Enoque, chamado “Livro das Parábolas”, fornece profecias para os eventos futuros sobre a vinda de um Eleito e o dia do julgamento final. As profecias contidas nos Evangelhos do Novo Testamento possuem grandes semelhanças com este texto, o que o eleva ao status quase canônico.

Livro das Parábolas: 1) Introdução; 2) Punição aos Pecadores; 3) Habitação dos Justos; 4) Quatro Anjos; 5) Segredos do Céu; 6) Sabedoria e Justiça; 7) Filho do Homem; 8) Grande Tribulação; 9) A Ressurreição; 10) Reino dos Justos; 11) Dia de Julgamento; 12) Batalha Final; 13) Medida dos Justos; 14) Poderosos de Joelhos; 15) Punição no Submundo; 16) Epílogo de Noé; 17) Epílogo dos Anjos; 18) conclusão.

Capítulo 1: Introdução

37.1 A segunda visão que teve, a Visão da Sabedoria, que Enoque, o filho de Jarede, o filho de Malalel, o filho de Cainã, o filho de Enos, o filho de Sete, o filho de Adão, viu.

37.2 Este é o início das palavras de sabedoria, as quais levantei minha voz para falar, e dizer, aos que habitam em terra seca. Ouvi, vós, homens da antiguidade, e vede, os que vêm depois, as palavras do Santo, que falarei, diante do Senhor dos Espíritos.

37.3 “Teria sido melhor ter dito essas coisas antes, mas dos que virão depois, não reteremos o princípio da sabedoria.”

37.4 Até agora, não foi dada pelo Senhor dos Espíritos a sabedoria que recebi. De acordo com minha visão, de acordo com o desejo do Senhor dos Espíritos; por quem me foi dado o destino da vida eterna.

37.5 E as três parábolas foram comunicadas a mim, e eu levantei minha voz, e disse aos que habitam em terra seca:

Capítulo 2: Punição ao Pecadores

38.1 A Primeira Parábola. Quando a Comunidade dos Justos aparece; e os pecadores são julgados por seus pecados e expulsos da face da terra seca.

38.2 E quando o Justo aparecer, na frente dos Justos Escolhidos, cujas obras são pesadas pelo Senhor dos Espíritos. E quando a luz aparecer para os justos e escolhidos, que moram em terra seca, onde será a morada dos pecadores? E onde estará o lugar de descanso daqueles que negaram o Senhor dos Espíritos? Teria sido melhor para eles se não tivessem nascido.

38.3 E quando os segredos dos justos forem revelados, os pecadores serão julgados e os ímpios expulsos da presença dos justos e escolhidos.

38.4 E, a partir de então, aqueles que possuem a Terra não serão poderosos e exaltados. Nem serão capazes de olhar para a face dos Santos, pois a luz do Senhor dos Espíritos terá aparecido nas faces dos Santos, dos justos e dos escolhidos.

38.5 E os reis poderosos serão, neste tempo, destruídos e entregues nas mãos dos justos e dos Santos.

38.6 E, a partir de então, ninguém poderá buscar o Senhor dos Espíritos, pois sua vida estará no fim.

Capítulo 3: Habitação dos Justos

39.1 E acontecerá, nestes dias, que os filhos escolhidos e santos descerão dos Altos Céus, e sua descendência se tornará um com os filhos dos homens.

39.2 Nestes dias, Enoque recebeu livros de indignação e raiva, e livros de tumulto e confusão. “E não haverá misericórdia para eles”, diz o Senhor dos Espíritos.

39.3 Neste momento, nuvens e uma tempestade de vento me levaram da face da Terra e me colocaram no fim do céu.

39.4 E ali, eu tive outra visão; a habitação dos justos e os lugares de descanso dos santos.

39.5 Lá, meus olhos viram sua morada com os Anjos, e seus lugares de descanso com os Santos, e eles estavam suplicando, suplicando e orando em nome dos filhos dos homens. E a justiça, como água, fluía na frente deles, e misericórdia, como o orvalho na terra. Assim estará entre eles para todo o sempre.

39.6 Nestes dias, meus olhos viram o Lugar dos Escolhidos de Justiça e Fé; e haverá justiça em seus dias, e os justos e escolhidos serão incontáveis ​​diante Dele, para todo o sempre.

39.7 E vi a sua habitação, sob as Asas do Senhor dos Espíritos, e todos os justos e escolhidos brilharam diante Dele, como a luz do fogo. E suas bocas estavam cheias de bênçãos, e seus lábios louvavam o nome do Senhor dos Espíritos. E a justiça não vai falhar na frente dele, e a verdade não vai falhar na frente dele.

39.8 Lá eu desejei habitar, e minha alma ansiava por aquela habitação; ali já tinha sido atribuído o meu lote, pois assim foi decidido sobre mim, na frente do Senhor dos Espíritos.

39.9 Nestes dias, louvei e exaltei o nome do Senhor dos Espíritos, com bênção e louvor, pois Ele me destinou para bênção e louvor, de acordo com a vontade do Senhor dos Espíritos.

39.10 E por muito tempo meus olhos olharam para aquele lugar, e eu O abençoei, e O louvei, dizendo: “Bendito seja Ele, e que Ele seja bendito desde o princípio e para sempre!”

39.11 E em Sua presença não há fim. Ele sabia, antes que o mundo fosse criado, o que o mundo seria; mesmo para todas as gerações que estão por vir.

39.12 Aqueles que Não Dormem te abençoem, e eles se apresentem diante de Sua Glória, e abençoem, e louvem, e exaltem, dizendo: “Santo, Santo, Santo, Senhor dos Espíritos; Ele enche a Terra de espíritos.”

39.13 E ali, meus olhos viram todos Aqueles Que Não Dormem, em pé na frente Dele, e abençoando, e dizendo: “Bendito és Tu, e bendito o Nome do Senhor, para todo o sempre!”

39.14 E meu rosto foi transformado até que eu não pude mais ver.

Capítulo 4: Quatro Anjos

40.1 E depois disso, eu vi mil milhares e dez mil vezes dez mil! Uma multidão, incalculável ou incalculável, que estava diante da Glória do Senhor dos Espíritos.

40.2 Eu olhei, e nos quatro lados do Senhor dos Espíritos, vi quatro figuras, diferentes daquelas que estavam de pé; e eu aprendi seus nomes, porque o Anjo, que foi comigo, fez saber seus nomes e me mostrou todas as coisas secretas.

40.3 E eu ouvi as vozes daquelas quatro figuras enquanto cantavam louvores na frente do Senhor da Glória.

40.4 A primeira voz abençoa o Senhor dos Espíritos para todo o sempre.

40.5 E a segunda voz ouvi abençoando o Escolhido, e os escolhidos, que dependem do Senhor dos Espíritos.

40.6 E a terceira voz eu ouvi, suplicou e orei, em nome dos que habitam em solo seco, e suplicam em nome do Senhor dos Espíritos.

40.7 E a quarta voz, eu ouvi afastando os satanás, e não permitindo que eles se apresentassem diante do Senhor dos Espíritos para acusar os que habitam na terra seca.

40.8 E, depois disso, perguntei ao Anjo da Paz, que foi comigo, e me mostrou tudo o que é secreto: “Quem são essas quatro figuras que eu vi e cujas palavras ouvi e escrevi?”

40.9 E ele me disse: “Este primeiro é o Santo Miguel, o misericordioso e longânimo. E o segundo, que é o responsável por todas as doenças, e responsável por todas as feridas dos filhos dos homens, é Rafael. E o terceiro, que está encarregado de todos os poderes, é o Santo Gabriel. E o quarto, que está encarregado do arrependimento e da esperança dos que herdarão a vida eterna, é Fanuel. “

40.10 E estes são os quatro Anjos do Senhor Altíssimo; e as quatro vozes que ouvi naqueles dias.

Capítulo 5: Segredos do Céu

41.1 E depois disso, eu vi todos os segredos do Céu, e como o Reino está dividido, e como as ações dos homens são pesadas na Balança.

41.2 Lá eu vi a Morada dos Escolhidos e os Locais de Repouso dos Santos; e meus olhos viram lá todos os pecadores, que negam o nome do Senhor dos Espíritos, sendo expulsos. Eles os arrastaram, não puderam ficar, por causa do castigo que saiu do Senhor dos Espíritos.

41.3 Lá, meus olhos viram os segredos dos relâmpagos e do trovão. Os segredos dos ventos, como se distribuem, para soprar sobre a Terra, e os segredos das nuvens e do orvalho; vi de onde saem deste lugar; e como, a partir daí, a poeira da Terra fica saturada.

41.4 Lá eu vi depósitos fechados, dos quais os ventos são distribuídos; o depósito do granizo, o depósito da névoa; o depósito das nuvens; e sua nuvem que permaneceu sobre a Terra, desde o início do mundo.

41.5 Eu vi as Câmaras do Sol e da Lua, de onde saem e para onde retornam; a sua volta gloriosa; como um é mais honrado do que o outro; o seu percurso magnífico; como  não saem de seu curso, nem adicionando nem subtraindo seu caminho; e como eles mantêm a fé um no outro; observando seu juramento.

41.6 O Sol sai primeiro e completa sua jornada ao comando do Senhor dos Espíritos; Seu nome dura para todo o sempre.

41.7 Depois disso, vem o caminho oculto e visível da Lua, e ela percorre o curso de sua jornada, naquele lugar, de dia e de noite. Um fica de frente para o outro, diante do Senhor dos Espíritos, e eles dão graças e cantam louvores, e não descansam, porque sua ação de graças é como descanso para eles.

41.8 O Sol brilhante faz muitas revoluções; por uma bênção e por uma maldição. O caminho, da jornada da Lua, é para os justos, luz, mas para os pecadores, escuridão. Em Nome do Senhor, que criou uma divisão entre a luz e as trevas, e dividiu os espíritos dos homens, e estabeleceu os espíritos dos justos, em nome de Sua Justiça.

41.9 Nenhum anjo atrapalha ou poder algum pode atrapalhar, porque o Juiz vê a todos, e ele mesmo julga a todos.

Capítulo 6: Sabedoria e Justiça

42.1 A sabedoria não encontrou nenhum lugar onde pudesse morar, a sua morada era no céu.

42.2 A sabedoria saiu, a fim de habitar entre os filhos dos homens, mas não encontrou uma morada; a sabedoria voltou ao seu lugar, e tomou seu assento no meio dos Anjos.

42.3 E a iniquidade saiu de seus aposentos; aqueles a quem ela não procurava, ela encontrou e habitou entre eles, como a chuva no deserto e como o orvalho na terra seca.

43.1 E novamente, eu vi brilhos de relâmpagos, e as Estrelas do Céu, e eu vi como Ele os chamou todos por seus nomes, e eles Lhe obedeceram.

43.2 E eu vi a Balança da Justiça; como eles são pesados ​​de acordo com sua luz, de acordo com a largura de suas áreas e o dia de seu aparecimento. E como suas revoluções produzem raios; e eu vi suas revoluções, de acordo com o número dos anjos, e como eles mantêm a fé uns com os outros.

43.3 E eu perguntei ao Anjo, que foi comigo e me mostrou o que é segredo: “O que são estes?”

43.4 E ele me disse: “A semelhança deles, o Senhor dos Espíritos mostrou a você; estes são os nomes dos justos, que habitam na terra seca, e acreditam no nome do Senhor dos Espíritos para todo o sempre. “

44.1 E outras coisas eu vi, com relação aos relâmpagos, como algumas das estrelas sobem e se tornam relâmpagos, mas não podem perder sua forma.

Capitulo 7: Filho do Homem

45.1 E esta é a segunda parábola. Sobre aqueles que negam o Nome da Morada dos Santos e do Senhor dos Espíritos.

45.2 Eles não ascenderão ao Céu, nem virão à Terra; tal será a sorte dos pecadores que negam o Nome do Senhor dos Espíritos, que assim serão guardados para o Dia da Punição e da Aflição.

45.3 “Neste dia, o Escolhido se assentará no Trono da Glória e escolherá suas obras. E seus lugares de descanso serão incontáveis, e seus espíritos, dentro deles, se fortalecerão quando virem Meu Escolhido e aqueles que apelo ao Meu Santo e Glorioso Nome.

45.4 Neste dia, Eu farei Meu Escolhido habitar entre eles, e Eu irei transformar o Céu e torná-lo uma Bênção e Luz Eterna.

45.5 E Eu transformarei a terra seca, e a tornarei uma bênção, e farei com que Meus Escolhidos habitem nela; mas aqueles que cometem o pecado e o mal não o pisarão.

45.6 Pois tenho visto e satisfeito com a paz, Meus Justos, e os tenho colocado diante de Mim; mas para os pecadores Meu Julgamento se aproxima, para que eu possa destruí-los da face da Terra.”

46.1 E lá, eu vi um que tinha uma Ancião dos Dias, e sua cabeça era branca como lã. E com ele havia outro, cujo rosto tinha a aparência de um homem, e seu rosto era cheio de graça, como um dos Santos Anjos.

46.2 E eu perguntei a um dos Santos Anjos, que foi comigo, e me mostrou todos os segredos sobre aquele Filho do Homem, quem ele era, e de onde ele estava, e por que estava com o Ancião dos Dias.

46.3 E ele me respondeu, e disse-me: “Este é o Filho do Homem que tem justiça, e com quem habita a justiça. Ele revelará todos os tesouros do que é secreto, pois o Senhor dos Espíritos o escolheu, e pela retidão, sua sorte superou todas as outras, na frente do Senhor dos Espíritos, para sempre.

46.4 E este Filho do Homem, que viste, vai despertar os reis e os poderosos de seus lugares de descanso, e os fortes de seus tronos, e vai soltar as rédeas dos fortes, e vai quebrar os dentes dos pecadores.

46.5 E ele lançará os reis de seus tronos e de seus reinos, pois eles não O exaltam, e não O louvam, e não reconhecem humildemente de onde seu reino foi dado a eles.

46.6 E ele derrubará os rostos dos fortes, e a vergonha os encherá, e as trevas serão a sua morada, e os vermes serão o seu lugar de descanso. E eles não terão esperança de se levantar de seus lugares de descanso, pois eles não exaltam o Nome do Senhor dos Espíritos.

46.7 E estes são os que julgam as Estrelas do Céu, e levantam suas mãos contra o Altíssimo, e pisam na terra seca e nela habitam. E todas as suas ações mostram iniquidade, e seu poder repousa em suas riquezas, e sua fé está em seus deuses, que eles fizeram com suas mãos, e eles negam o Nome do Senhor dos Espíritos.

46.8 E serão expulsos das casas de Sua Congregação, e dos fiéis, que dependem do Nome do Senhor dos Espíritos.

Capitulo 8: Grande Tribulação

47.1 Nestes dias, a oração dos justos e o sangue dos justos terão ascendido da Terra, na frente do Senhor dos Espíritos.

47.2 Nestes dias, os Santos, que vivem no Céu acima, irão se unir a uma voz, e suplicar, e orar, e louvar, e dar graças e abençoar, em Nome do Senhor dos Espíritos. Por causa do sangue dos justos que foi derramado. E por causa da oração dos justos, para que não cesse diante do Senhor dos Espíritos, para que a justiça seja feita a eles e para que a sua paciência não tenha de durar para sempre. “

47.3 Nestes dias, eu vi o Ancião dos Dias sentar-se no Trono de Sua Glória, e os Livros dos Vivos foram abertos, na frente Dele, e todas as Suas Hóstias, que habitam nos Céus acima, e Seu Conselho estavam de pé na frente dele.

47.4 E os corações dos Santos estavam cheios de alegria, porque o Número da Justiça foi alcançado, e a oração dos justos foi ouvida, e o sangue dos justos foi exigido, na frente do Senhor dos Espíritos.

48.1 E neste lugar, eu vi uma fonte inesgotável de Justiça, e muitas Fontes de Sabedoria a rodeavam, e todos os sedentos beberam deles, e ficaram cheios de sabedoria, e sua morada era com os Justos, e o Santos e o Escolhidos.

48.2 E nesta hora, aquele Filho do Homem foi nomeado na presença do Senhor dos Espíritos, e nomeado na frente do Ancião dos Dias.

48.3 Mesmo antes de o Sol e as constelações serem criados, antes das Estrelas do Céu serem feitas, seu nome foi nomeado na frente do Senhor dos Espíritos.

48.4 Ele será um cajado dos Justos e dos Santos, para que se apoiem nele e não caiam, e ele será a Luz das Nações e será a esperança dos que sofrem em seus corações.

48.5 Todos os que habitam na terra seca, cairão e adorarão, diante Dele, e eles irão abençoar, louvar e celebrar com salmos, o nome do Senhor dos Espíritos.

48.6 E por causa disso, ele foi escolhido, e escondido diante Dele, antes que o Mundo fosse criado, e para sempre.

48.7 Mas a sabedoria do Senhor dos Espíritos, revelou-o aos santos e aos justos, pois Ele tem guardado a sorte dos justos, pois eles odiaram e rejeitaram este mundo de iniquidade. E todas as suas obras, e seus caminhos, eles odiaram, em nome do Senhor dos Espíritos. Pois em Seu nome eles são salvos, e Ele é quem vai exigir suas vidas.

48.8 E nestes dias, os reis da Terra, e os fortes, que possuem as propriedades, terão o rosto abatido, por causa das obras de suas mãos, pois no Dia da Aflição e Tribulação, eles não se salvarão.

48.9 “E eu os entregarei nas mãos de Meus Escolhidos; como palha no fogo, e como chumbo na água, então eles queimarão na frente dos Justos, e afundarão na frente do Santo, e nenhum traço deles será encontrado.”

48.10 E no dia de sua angústia, haverá descanso na Terra, e eles cairão na frente deles e não se levantarão. E não haverá ninguém que irá tomá-los com as mãos e levantá-los, pois eles negaram o Senhor dos Espíritos e Seu Messias. Que o Nome do Senhor dos Espíritos seja abençoado!

49.1 Pois a sabedoria foi derramada como água, e a glória não faltará diante Dele, para todo o sempre.

49.2 Pois ele é poderoso em todos os segredos da justiça. A iniquidade passará como uma sombra e não terá existência; pois o Escolhido está diante do Senhor dos Espíritos; Sua Glória é para todo o sempre; e Seu Poder para todas as gerações.

49.3 E nele habita o espírito de sabedoria; o espírito que dá entendimento; o espírito de conhecimento e de poder; e o espírito dos que dormem em retidão.

49.4 E ele julgará as coisas que são secretas, e ninguém poderá dizer uma palavra ociosa na sua frente, pois ele foi escolhido na frente do Senhor dos Espíritos, de acordo com Seu desejo.

Capítulo 9: Ressurreição

50.1 Nestes dias, uma mudança ocorrerá para o Santo e o Escolhido; a Luz dos Dias repousará sobre eles, e a glória e a honra retornarão ao Santo.

50.2 No Dia da Tribulação, a calamidade será amontoada sobre os pecadores, mas os justos vencerão, em Nome do Senhor dos Espíritos, e ele mostrará isso a outros para que se arrependam e abandonem as obras de suas mãos.

50.3 E eles não terão nenhuma honra, na frente do Senhor dos Espíritos, mas em seu nome eles serão salvos, e o Senhor dos Espíritos terá misericórdia deles, pois Sua misericórdia é grande.

50.4 E ele é justo, em seu julgamento e na frente de sua glória, a iniquidade não poderá resistir ao seu julgamento; quem não se arrepender será destruído.

50.5 “E daí em diante não terei misericórdia deles”, diz o Senhor dos Espíritos.

51.1 Nestes dias, a Terra retornará o que foi confiado a ela, e o Sheol retornará o que foi confiado a ela e o que ela recebeu. E a destruição retornará o que deve.

51.2 E Ele escolherá os justos e os santos dentre eles; pois se aproxima o dia em que devem ser salvos.

51.3 Nestes dias, o Escolhido se sentará em Seu Trono, e todos os Segredos da Sabedoria fluirão do conselho de sua boca, pois o Senhor dos Espíritos o nomeou e glorificou.

51.4 Nestes dias, as montanhas saltarão como carneiros e as colinas saltarão como cordeiros satisfeitos com leite, e todos se tornarão Anjos no Céu.

51.5 Seus rostos brilharão de alegria, pois nestes dias o Escolhido terá ressuscitado e a Terra se alegrará. E os justos habitarão sobre ela, e os escolhidos caminharão sobre ela.

Capítulo 10: Reino dos Justos

52.1 E, depois destes dias, naquele lugar onde eu tinha tido todas as visões daquilo que é secreto, pois fui levado por um redemoinho, e eles me trouxeram para o oeste.

52.2 Lá, meus olhos viram os Segredos do Céu; tudo o que ocorrerá na Terra: uma montanha de ferro, uma montanha de cobre, uma montanha de prata, uma montanha de ouro, uma montanha de metal macio e uma montanha de chumbo.

52.3 E perguntei ao Anjo, que foi comigo, dizendo: “O que são estas coisas que tenho visto em secreto?”

52.4 E ele me disse: “Todas essas coisas que você viu, servem à autoridade de Seu Messias, para que ele seja forte e poderoso na Terra.”

52.5 E aquele Anjo da Paz me respondeu, dizendo: “Espere um pouco e você verá, T tudo o que é secreto, que o Senhor dos Espíritos estabeleceu, será revelado a você.

52.6 E estas montanhas, que viste; a montanha de ferro, a montanha de cobre, a montanha de prata, a montanha de ouro, a montanha de metal macio e a montanha de chumbo. Todos estes, diante do Escolhido, serão como cera antes do fogo e, como a água que desce do alto sobre essas montanhas, serão fracos sob seus pés.

52.7 E acontecerá, nestes dias, que nem por ouro nem por prata os homens se salvarão; eles serão incapazes de se salvar ou de fugir.

52.8 E não haverá nem ferro para a guerra, nem material para um peitoral; o bronze não terá utilidade, o estanho não terá utilidade, não valerá nada e não se desejará chumbo.

52.9 Todos estes serão exterminados e destruídos, da face da Terra, quando o Escolhido aparecer na frente do Senhor dos Espíritos.”

53.1 E ali, meus olhos viram um vale profundo, e sua boca estava aberta; e todos os que moram em solo seco, no mar e nas ilhas trarão presentes, oferendas e ofertas a Ele, mas aquele vale profundo não ficará cheio.

53.2 E suas mãos cometem o mal e tudo o que os justos labutam, os pecadores devoram mal; e assim os pecadores serão destruídos na frente do Senhor dos Espíritos, e serão banidos da face de Sua Terra, incessantemente para todo o sempre.

53.3 Pois eu vi os Anjos de Castigo indo e preparando todos os instrumentos de Satanás.

53.4 E perguntei ao Anjo da Paz, que foi comigo, e disse-lhe: “Estes instrumentos; para quem os estão preparando?”

53.5 E ele me disse: “Eles estão preparando isto para os reis, e os poderosos desta Terra, para que por meio deles possam ser destruídos.

53.6 E, depois disso, os Justos e os Escolhidos farão com que a casa de Sua Congregação apareça; a partir daí, em Nome do Senhor dos Espíritos, eles não serão impedidos.

53.7 E na frente dele, essas montanhas não serão firmes como a terra, e as colinas serão como uma fonte de água; e os justos terão descanso dos maus tratos aos pecadores. “

Capítulo 11: Dia do Julgamento

54.1 Eu olhei, e voltei-me para outra parte da Terra, e vi ali um vale profundo com fogo ardente.

54.2 Eles trouxeram os reis e poderosos, e os jogaram naquele vale.

54.3 E ali, meus olhos viram como eles fizeram instrumentos para eles; correntes de ferro de peso incomensurável.

54.4 Eu perguntei ao Anjo da Paz, que foi comigo, dizendo: “Estas correntes; para quem estão sendo preparadas?”

54.5 Ele me disse: “Estes estão sendo preparados para as hostes de Azazel, para que possam pegá-los e jogá-los na parte mais baixa do inferno, e eles cobrirão suas mandíbulas com pedras ásperas, como o Senhor dos Espíritos comandado.
54.6 Miguel e Gabriel, Rafael e Fanuel; estes irão segurá-los neste grande dia. E lançá-los, neste dia, na fornalha de fogo ardente, para que o Senhor dos Espíritos possa se vingar deles, por sua iniquidade, na medida em que se tornaram servos de Satanás, e desencaminharam os que habitam na terra seca.

54.7 Nestes dias, a punição do Senhor dos Espíritos sairá, e todos os depósitos das águas, que estão acima do céu e sob a terra, serão abertos.

54.8 Todas as águas se unirão com as águas que estão acima do céu. A água que está acima do céu é masculina e a que está abaixo da Terra é feminina.

54.9 Todos os que moram na terra seca, e os que moram sob os confins do Céu, serão exterminados.

54.10 Por causa disso, eles vão reconhecer sua iniquidade, que cometeram na Terra, e por isso serão destruídos.”

55.1 Depois disso, o Ancião dos Dias se arrependeu e disse: “Eu destruí, sem propósito, todos os que habitam na terra seca.”

55.2 Ele jurou, por Seu Grande Nome: “De agora em diante, não agirei assim para com todos os que habitam na terra seca. Eu porei um sinal no Céu, e será um penhor de fé entre Mim e eles, para sempre, enquanto o céu estiver acima da terra.

55.3 E isso estará de acordo com Meu comando. Quando eu quiser segurá-los, com as mãos dos Anjos, no dia da angústia e da dor, em face da Minha raiva e da Minha ira; Minha ira e raiva permanecerão sobre eles “diz o Senhor, o Senhor dos Espíritos.

55.4 “Vocês reis poderosos, que habitam em solo seco, serão obrigados a assistir Meu Escolhido sentar-se no trono de Minha Glória e julgar, em Nome do Senhor dos Espíritos, Azazel, e todos os seus associados, e todos os seus anfitriões. “

Capitulo 12: Batalha Final

56.1 Eu vi lá, as hostes dos Anjos da Punição, enquanto eles iam, e eles estavam segurando correntes de ferro e bronze.

56.2 E eu perguntei ao Anjo da Paz, que foi comigo, dizendo: “Para quem são os que estão segurando as correntes?”
56.3 Ele me disse: “Cada um aos seus escolhidos e aos seus amados, para que sejam lançados no abismo, nas profundezas do vale.

56.4 Então aquele vale será preenchido com seus escolhidos e amados, e os dias de suas vidas chegarão ao fim, e os dias de seu extravio não serão mais contados.

56.5 Nestes dias, os Anjos se reunirão e se lançarão em direção ao leste, sobre os Partos e Medos. Eles incitarão os reis, de modo que um espírito perturbador virá sobre eles, e eles os expulsarão de seus tronos. E eles sairão como leões de suas tocas, e como lobos famintos no meio de seus rebanhos.

56.6 Eles irão subir e pisar na terra dos Meus Escolhidos, e a terra dos Meus Escolhidos se tornará diante deles um terreno para pisar e uma trilha batida.

56.7 Mas a Cidade dos Meus Justos será um obstáculo para seus cavalos, e eles incitarão a matança entre si, e sua própria destra será forte contra eles. E um homem não admitirá conhecer seu vizinho, ou seu irmão, nem um filho, seu pai, ou sua mãe, até que, por sua morte, haja cadáveres suficientes e sua punição; não será em vão.

56.8 Nestes dias o Sheol abrirá sua boca, e eles afundarão nela, e sua destruição; O Sheol engolirá os pecadores diante dos rostos dos escolhidos. “

57.1 E aconteceu, depois disso, que vi outra hoste de carros, com homens cavalgando neles, e eles vieram com o vento, do leste e do oeste ao sul.

57.2 E o som do barulho de seus carros foi ouvido. E quando essa comoção ocorreu, os Santos observaram do Céu, e os Pilares da Terra foram sacudidos de suas fundações. E o som foi ouvido, desde os confins da Terra, até os confins do Céu, ao longo de um dia.

57.3 E todos se prostrarão e adorarão o Senhor dos Espíritos. E este é o fim da segunda parábola.

Capitulo 13: Medida dos Justos

58.1 Eu comecei a falar a Terceira Parábola. Sobre os justos e sobre os escolhidos.

58.2 Bem-aventurados são vocês, os justos e os escolhidos, pois sua sorte será gloriosa!

58.3 Os justos estarão na luz do Sol, e os escolhidos na luz da vida eterna. Não haverá fim para os dias de suas vidas. E os dias do Santo serão incontáveis.

58.4 Eles buscarão a luz e encontrarão a justiça com o Senhor dos Espíritos. A paz seja com os justos com o Senhor do Mundo!

58.5 Depois disso, será dito ao Santo que eles devem buscar no Céu os segredos da justiça, a parte da fé; pois tornou-se brilhante como o Sol sobre a terra seca e a escuridão passou.

58.6 Haverá luz incessante; e até um limite de dias eles não virão, pois as trevas terão sido destruídas antes. A luz durará, na frente do Senhor dos Espíritos, e a luz da retidão durará, na frente do Senhor dos Espíritos, para sempre.

59.1 Nestes dias, meus olhos viram os Segredos dos Brilhos de Relâmpago, as Luzes e os regulamentos que os governavam; e eles brilham por uma bênção, ou uma maldição, como o Senhor dos Espíritos deseja.

59.2 Lá, eu vi os segredos do trovão, e como, quando ele cai no Céu, o som dele é ouvido. E eles me mostraram as habitações da terra seca, e o som dos trovões, para a paz, e para a bênção, ou para uma maldição, de acordo com a palavra do Senhor dos Espíritos.

59.3 E depois disso, todos os segredos das luzes e dos brilhos de relâmpagos me foram mostrados. Eles piscam para trazer bênção e satisfação.

61.1 Nestes dias, eu vi longas cordões dadas àqueles Anjos, e eles adquiriram asas para si, e voaram, e foram para o norte.

61.2 Eu perguntei ao Anjo, dizendo: “Por que estes pegaram os cordões longas e para onde os levaram?” E ele me disse: “Eles os levaram para que possam medir.”

61.3 O Anjo, que foi comigo, disse-me: “Estes trarão as medidas dos justos e as cordas dos justos até os justos, para que possam confiar no Nome do Senhor dos Espíritos, para sempre e sempre.

61.4 Os escolhidos começarão a habitar com os escolhidos, e essas medidas serão dadas à fé e fortalecerão a justiça.

61.5 Essas medições irão revelar todos os segredos das profundezas da Terra, e aqueles que foram destruídos pelo deserto, e aqueles que foram devorados pelos peixes do mar, e pelos animais, para que eles possam retornar e confiar em o Dia do Escolhido. Pois ninguém será destruído, na frente do Senhor dos Espíritos, e ninguém pode ser destruído.”

61.6 Todos aqueles nos Céus acima, receberam um comando e poder e uma voz; e uma luz, como fogo, foi dada a eles.

61.7 A Ele, antes de tudo, eles abençoaram, exaltaram e louvaram, em sabedoria. Eles se mostraram sábios, no falar e no espírito de vida.

61.8 E o Senhor dos Espíritos colocou o Escolhido no Trono de Sua Glória, de onde ele julgará todas as obras dos Santos no Céu e na Balança pesará suas ações.

61.9 Quando ele levantar a face para julgar seus caminhos secretos de acordo com a palavra do Nome do Senhor dos Espíritos e seu caminho de acordo com o caminho do Justo Julgamento do Senhor Altíssimo, todos eles falarão com uma voz. Abençoarão, louvarão exaltarão e glorificarão o Nome do Senhor dos Espíritos.

61.10 Ele chamará todas as Hostes dos Céus, todos os Santos acima, a Hoste do Senhor, os Querubins, os Serafins, os Ofanins, todos os Anjos de Poder, todos os Anjos do Principados, o Escolhido e o Outro Poder, que estará sobre a terra seca e sobre a água naquele dia.

61.11 Eles levantarão uma voz; irão abençoar, louvar, glorificar e exaltar, no espírito de fé e no espírito de sabedoria e paciência, no espírito de misericórdia, no espírito de justiça e paz, e no espírito de bondade. E todos dirão a uma só voz: “Bendito seja Ele, e bendito seja o Nome do Senhor dos Espíritos, para todo o sempre.”

61.12 Todos aqueles que não dormem, lá no alto, o abençoarão. Todos os Seus Santos, que estão no Céu, irão O abençoar. Todos os escolhidos, que habitam no Jardim da Vida, e todo espírito capaz de abençoar, louvar e exaltar, e santificar o Seu Santo Nome. Toda carne, que até o limite de seu poder, louvará e abençoará Seu Nome para todo o sempre.

61.13 Pois grande é a misericórdia do Senhor dos Espíritos, e Ele é longânime; e todas as Suas obras e todas as Suas forças, tantos quantos Ele fez, Ele revelou aos justos e aos escolhidos, no Nome do Senhor dos Espíritos.

Capítulo 14: Poderosos de Joelhos

62.1 Assim, O Senhor ordenou aos reis, aos poderosos, aos exaltados e aos que habitam na Terra, dizendo: “Abram os olhos e levantem os chifres [coroas], se puderem, para reconhecer o Escolhido.

62.2 O Senhor dos Espíritos, sentou-se em Seu Trono de Glória, e o espírito de justiça foi derramado sobre ele. A palavra de sua boca mata todos os pecadores e todos os iníquos; e eles são destruídos na frente dele.

62.3 Naquele Dia, todos os reis, os poderosos, os exaltados e aqueles que possuem a Terra se levantarão, enxergarão e reconhecerão como ele se assenta no Trono de Sua Glória. E os justos são julgados, em retidão, na frente dele, e nenhuma palavra ociosa é falada na sua frente.

62.4 A dor virá sobre eles, como sobre a mulher em trabalho de parto, para quem dar à luz é difícil, quando seu filho entra pela boca do útero e ela tem dificuldade em dar à luz.

62.5 Uma metade deles olhará para o outro, e eles ficarão apavorados, e abaixarão seus rostos, e a dor os dominará, quando virem aquele Filho do Homem sentado no Trono de Sua Glória.

62.6 E os reis poderosos e todos aqueles que possuem a Terra louvarão, abençoarão e exaltarão Aquele que governa tudo o que está oculto.

62.7 Pois, desde o princípio, aquele Filho do Homem estava oculto, e o Altíssimo o manteve na presença de Seu poder, e o revelou apenas aos Escolhidos.

62.8 A comunidade dos Santos e dos Escolhidos será semeada e todos os Escolhidos estarão diante dele, naquele dia.

62.9 Todos os reis poderosos, os exaltados e aqueles que governam a terra seca, cairão diante dele, em seus rostos, e o adorarão. Eles colocarão suas esperanças naquele Filho do Homem e irão suplicá-lo; e pedirão por sua misericórdia.

62.10 Mas o Senhor dos Espíritos irá então pressioná-los para que se apressem a sair de diante dele e seus rostos ficarão cheios de vergonha e a escuridão se aprofundará neles.

62.11 Os Anjos de Punição os levarão, para que possam retribuir o mal que fizeram aos Seus filhos e aos Seus escolhidos.

62.12 Eles se tornarão um espetáculo para os justos e para os Seus escolhidos. Eles se alegrarão com eles, pois a ira do Senhor dos Espíritos repousará sobre eles, e a espada do Senhor dos Espíritos será embebida com eles.

62.13 Os justos e os escolhidos serão salvos neste dia e eles nunca mais verão as faces dos pecadores e dos iníquos a partir de então.

62.14 O Senhor dos Espíritos permanecerá sobre eles e com aquele Filho do Homem eles habitarão, comerão, se deitarão e se levantarão para todo o sempre.

62.15 Os justos e escolhidos terão se levantado da terra, e não mais abaixarão suas faces; eles terão vestido a veste da vida.

62.16 Esta será uma vestimenta da vida do Senhor dos Espíritos; e suas vestes não se desgastarão e sua glória não falhará, na frente do Senhor dos Espíritos.

Capítulo 15: Punição ao Submundo

63.1 Neste dia, os reis poderosos, que possuem a terra seca, implorarão aos Anjos de Seu Castigo, a quem foram entregues, para que lhes deem um pouco de descanso. E para que eles possam prostrar-se e adorar diante do Senhor dos Espíritos e confessar seus pecados diante Dele.

63.2 Eles abençoarão e louvarão o Senhor dos Espíritos, e dirão: “Bendito seja o Senhor dos Espíritos e o Senhor dos reis, o Senhor dos poderosos, o Senhor dos ricos e o Senhor da glória, e o Senhor da Sabedoria!

63.3 Todo o segredo está claro, diante de Ti, e Teu poder é para todas as gerações, e Tua glória é para todo o sempre. Profundos e incontáveis ​​são todos os Seus segredos, e Sua justiça está além da conta.

63.4 Agora, percebemos que devemos louvar e abençoar o Senhor dos Reis, e Aquele que é o Rei de todos os Reis.”

63.5 Eles dirão: “Quem sabe nos seja dado um descanso, para que possamos louvar e agradecer e abençoá-Lo, e fazer nossa confissão diante de Sua Glória.

63.6 Agora, ansiamos por uma trégua, mas não a encontramos, somos expulsos e não a obtemos; a luz passou diante de nós e as trevas serão nossa morada para todo o sempre.

63.7 Pois não fizemos nossa confissão diante Dele, nem louvamos o nome do Senhor dos Reis, nem louvamos ao Senhor por todas as Suas obras, mas nossas esperanças estão no cetro de nosso reino e de nossa glória.

63.8 No dia de nossa aflição e angústia, Ele não nos salva e não encontramos trégua para fazer nossa confissão de que nosso Senhor é fiel em todas as Suas ações, em todos os Seus julgamentos e justiça; que Seus julgamentos não mostram respeito pelas pessoas.

63.9 E nós passamos diante Dele porque todas as nossas obras e todos os nossos pecados foram contados com exatidão. “

63.10 Então eles lhes dirão: “Nossas almas estão fartas de posses, adquiridas pela iniquidade, mas não nos impedem de cair nas chamas do tormento do Sheol.”

64.1 E vi outras figuras escondidas naquele lugar.
64.2 Eu ouvi a voz do Anjo dizendo: “Estes são os Anjos que desceram do Céu, à Terra, e revelaram o que é segredo aos filhos dos homens, e desviaram os filhos dos homens, de modo que eles cometeram pecado”.

Capítulo 16: Epílogo de Noé

[A história continua com Enoque observando na Terra seu bisneto Noé]

65.1 Neste momento, Noé viu que a terra deslizou e que destruição aproximava-se.

65.2 Então ele levantou seus pés e foi para os confins da terra, para a habitação do seu bisavô Enoque.

65.3 E Noé clamou com uma amarga voz: Ouvi-me, ouvi-me, ouvi-me, três vezes. E ele disse: Dize-me o que está ocorrendo sobre a terra, pois a terra trabalha e é violentamente abalada. Certamente eu perecerei com ela.

65.4 Depois disso houve uma grande perturbação na terra e uma voz foi ouvida desde o céu. Eu caí sob a minha face, então meu bisavô Enoque veio e colocou-se ao meu lado.

65.5 Ele disse-me: Por que clamas a mim com um amargo clamor e lamentação?

65.6 Um mandamento partiu do Senhor contra aqueles que habitam na terra para que eles sejam destruídos, pois eles conhecem todo segredo dos anjos, toda obra opressiva, o poder secreto dos demônios (58) e todo poder daqueles que cometem sortilégios, tanto quanto daqueles que fazem imagens fundidas em toda a terra.

65.7Eles sabem como a prata é produzida do pó da terra e como na terra a gota metálica existe, pois o chumbo e o estanho não são produzidos da terra como fonte primária de sua produção.

65.8 Há um anjo colocado sobre ela, e o anjo luta para prevalecer.

65.9 Depois disso meu bisavô Enoque agarrou-me com sua mão, levantando-me e disse-me: Vai, pois eu pedí ao Senhor dos espíritos a respeito desta perturbação da terra; o qual respondeu: Por conta da impiedade deles seus inumeráveis julgamentos foram consumados diante de mim. Por causa dos sortilégios que eles procuraram e aprenderam, a terra e aqueles que habitam sobre ela serão destruídos.

65.10 Eles descobriram segredos, e eles são aqueles que têm sido julgados; mas não você, meu filho. O Senhor dos espíritos sabe que tu és puro e bom, livre da reprovação do descobrimento de segredos.

65.11 Ele, o Santo, estabelecerá Seu nome no meio dos santos e te preservará daqueles que habitam sobre a terra. Ele estabelecerá tua semente em retidão com domínio e grande glória, (60) e da tua semente se espalhará retidão, e homens santos sem número para sempre.

66.1 Depois disso ele mostrou-me os anjos de punição, os quais estão preparados para vir e abrir todas as águas poderosas sob a terra:

66.2 Que elas podem ser para julgamento e para destruição de todos aqueles que permanecem e habitam sobre a terra.

66.3 O Senhor dos espíritos ordenou os anjos que saíram, para não tomar os homens, e preservá-los,

66.4 pois aqueles anjos presidem sobre todas as poderosas águas. Então eu saí da presença de Enoque.

67.1 Naqueles dias a palavra de Deus veio a mim, e disse: Vê Noé, tua sorte ascendeu a Mim, uma sorte imune de crime, uma sorte amada e superior.

67.2 Agora então os anjos trabalharão com a madeira da árvores, mas enquanto eles procedem nisto eu colocarei minha mão sobre elas e as preservarei.

67.3 A semente da vida se erguerá dela e uma mudança tomará lugar para que a terra seca não seja deixada vazia. Eu estabelecerei tua semente diante de mim para sempre e sempre, e a semente daqueles que habitarem contigo na superfície da terra. Ela será abençoada e multiplicada na presença da terra, em nome do Senhor.

67.4 Eles confinarão aqueles anjos que descobriram a impiedade. Naquele vale ardente é que eles serão confinados, o qual a princípio meu bisavô mostrou-me no oeste, onde há montanhas de ouro e prata, de ferro, de metal fluído, e de estanho.

67.5 Eu vi aquele vale no qual há uma grande perturbação e onde as águas são agitadas.

67.6 E quando tudo isto foi executado, da massa fluída de fogo e na perturbação que prevaleceu naquele lugar, levantou-se um forte cheiro de enxofre que se misturou com as águas; e o vale dos anjos que haviam sido culpados de sedução, queimou-se debaixo da terra.

67.7 Através daquele vale rios de fogo também estavam fluindo, para os quais aqueles anjos serão condenados, os quais seduziram os habitantes da terra.

67.8 E naqueles dias estas águas serão para os reis, aos príncipes, aos exaltados e para os habitantes da terra, para a cura da alma e do corpo e para o julgamento do espírito.

67.9 Seus espíritos serão cheios de luxúria para que eles possam ser julgados em seus corpos; porque eles negaram o Senhor dos espíritos, e apesar de eles perceberem sua condenação dia após dia, não acreditaram em seu nome.

67.10 E como a inflamação de seus corpos será grande, assim seus espíritos sofrerão uma transformação para sempre.

67.11 Pois nenhuma palavra que é pronunciada diante do Senhor dos espíritos será em vão.

67.12 O Julgamento veio sobre eles porque eles confiaram em sua luxúria carnal e negaram o Senhor dos espíritos.

67.13 Naqueles dias as águas daquele vale serão transformadas, pois enquanto os anjos forem julgados, o calor daquelas fontes de água sofrem uma alteração.

67.14 E enquanto os anjos ascenderem, a água das fontes novamente sofrem uma alteração e congelam. Então eu ouvi o santo Miguel respondendo e dizendo: Este julgamento, com o qual os anjos serão julgados, dará testemunho contra os reis, príncipes e aqueles que possuem a terra.

67.15 Pois estas águas de julgamento serão para sua cura e para a luxúria de seus corpos. Mas eles não perceberão e não acreditarão que as águas serão transformadas e tornadas como fogo, que arderá para sempre.

Capítulo 17: Epílogo dos Anjos

68.1 Depois disto o Anjo deu a Noé os sinais de todas as coisas secretas do livro do seu bisavô Enoque, e nas parábolas que haviam sido dadas a ele; inserindo-as para Noé entre as palavras do livro das parábolas.

68.2 Naquele momento o santo Miguel respondeu e disse a Rafael: O poder do espírito precipita-me daqui e impele-me para fora. A severidade do julgamento, do secreto juramento dos anjos, quem é capaz de observara resistência daquele severo julgamento que aconteceu e se tornou permanente-sem ser dissolvido no seu lugar? Novamente o santo Miguel respondeu e disse ao santo Rafael: Quem está lá, cujo coração não se abrandou por isto, e cujos intestinos não se afligiram com esta coisa?

68.3 O Julgamento saiu contra eles por aqueles que assim arrastaram-nos para fora; e que se foram, quando eles estavam na presença do Senhor dos espíritos.

68.4 De igual maneira também o santo Rakael disse a Rafael: Eles não estarão diante do olhar do Senhor já que o Senhor dos espíritos foi ofendido por eles, pois como o Senhor eles têm-se conduzido. Portanto Ele traz sobre eles um secreto julgamento para sempre e sempre.

68.5 Pois nem o anjo, nem o homem recebe uma porção dele, mas eles só receberão seu próprio julgamento para sempre e sempre.

69.1 E, após este julgamento, eles irão aterrorizá-los e fazê-los tremer, pois eles têm mostrado isso para aqueles que habitam na terra seca.

69.2 E eis os nomes desses Anjos. E estes são os seus nomes: O primeiro deles é Semyaza, e o segundo Artaqifa, e o terceiro Armen, e o quarto Kokabiel, e o quinto Turiel, e o sexto Ramiel, e o sétimo Daniel, e o oitavo Nuqael, e o nono Baraqiel, e o décimo Azazel, e o décimo primeiro Armaros, o décimo segundo Batriel, o décimo terceiro Basasael, o décimo quarto Ananel, o décimo quinto Turiel, o décimo sexto Samsiel, o décimo sétimo Yetarel, o décimo oitavo Tumiel, o décimo nono Turiel, o vigésimo Rumiel, o vigésimo primeiro Azazel.

69.3 E estes são os chefes de seus Anjos, e os nomes dos líderes de centenas, e seus líderes de cinquenta, e seus líderes de dezenas.

69.4 O nome do primeiro é Yequn; este é aquele que desviou os filhos dos Anjos do Céu, e ele os trouxe para baixo, para a terra seca, e os desviou através das filhas dos homens.

69.5 E o nome do segundo é Asbeel; este sugeriu um plano maligno aos filhos dos Santos Anjos, e os desviou, de modo que corromperam seus corpos com as filhas dos homens.

69.6 E o nome do terceiro é Gadreel; este é aquele que mostrou todos os golpes mortais aos filhos dos homens. E ele desviou Eva. E ele mostrou as armas da morte aos filhos dos homens, o escudo e a couraça e a espada para matança e todas as armas da morte aos filhos dos homens.

69.7 E, de sua mão, eles têm saído contra aqueles que habitam em terra seca, desde aquele tempo e para todo o sempre.

69.8 E o nome do quarto é Penemue; este mostrou aos filhos dos homens o amargo e o doce, e mostrou-lhes todos os segredos de sua sabedoria.

69.9 Ele ensinou aos homens a arte de escrever, com tinta e papel, e por meio dela muitos se desviaram, de eternidade em eternidade, e até hoje.

69.10 Pois os homens não foram criados para isso, para confirmarem sua fé assim, com pena e tinta.

69.11 Pois os homens foram criados, não diferentemente dos Anjos, para que permanecessem justos e puros, e a morte, que tudo destrói, não os teria tocado; mas por meio desse conhecimento deles estão sendo destruídos, e por meio desse poder isso os está consumindo.

69.12 O nome do quinto é Kasdeyae; este mostrou aos filhos dos homens todos os golpes malignos dos espíritos e dos demônios, e os golpes que atacam o embrião no ventre, para que aborte. E os golpes que atacam a alma, a picada da serpente, e os golpes que ocorrem ao meio-dia, e o filho da serpente, que é forte.

69.13 Esta é a tarefa de Kesbeel, o chefe do juramento, que mostrou o juramento aos Santos, quando ele habitava no Alto da Glória, e seu nome é Beqa.

69.14 Este disse ao Santo Miguel que ele deveria mostrar-lhe o Nome Secreto; para que eles pudessem mencioná-lo no juramento, para que aqueles que mostraram aos filhos dos homens tudo o que é secreto, tremessem diante daquele Nome e daquele juramento.

69.15 E este é o poder deste juramento, pois ele é poderoso e forte, e Ele colocou este juramento, Akae, a cargo do Santo Miguel.

69.16 E estes são os segredos deste juramento, e é forte; por meio de Seu juramento, o céu foi suspenso, antes que o mundo fosse criado e para sempre.

69.17 E através dela, a terra foi fundada sobre a água, e dos recessos escondidos das montanhas vêm belas águas, da criação do mundo, e para sempre.

69.18 E através desse juramento, o mar foi criado, e como seu fundamento, para o tempo da ira, Ele colocou para ele a areia, e ela não vai além dela, desde a criação do mundo, e para sempre.

69.19 E por meio desse juramento, as profundezas foram firmadas, e elas permanecem e não se movem de seu lugar, desde a criação do mundo, e para sempre.

69.20 E através desse juramento, o Sol e a Lua completam seu curso, e não transgridem seu comando, desde a criação do mundo, e para sempre.

69.21 E através daquele juramento, as estrelas completam seu curso, e Ele chama seus nomes, e eles O respondem, desde a criação do mundo, e para sempre.

69.22 E da mesma forma, os espíritos da água, dos ventos, e de todas as brisas, e seus caminhos, de acordo com todos os grupos de espíritos.

69.23 E ali são guardados os depósitos do som do trovão e da luz dos relâmpagos. E lá são mantidos os depósitos de granizo e geadas, e os depósitos de névoa e os depósitos de chuva e orvalho.

69.24 E todos estes se confessam e dão graças, diante do Senhor dos Espíritos, e cantam louvores com todas as suas forças. E seu alimento consiste em todo o seu agradecimento, e eles dão graças, louvam e exaltam, em nome do Senhor dos Espíritos, para todo o sempre.

69.25 E este juramento é forte sobre eles, e por meio dele são mantidos em segurança e seus cursos não são perturbados.

69.26 E tiveram grande alegria e abençoaram, louvaram e exaltaram, porque o nome daquele Filho do Homem lhes havia sido revelado.

69.27 E ele se assentou no Trono de Sua Glória, e todo o Julgamento foi dado ao Filho do Homem, e ele fará com que os pecadores passem e sejam destruídos da face da Terra.

69.28 E os que desviaram o mundo, serão acorrentados e encerrados no local de reunião de sua destruição, e todas as suas obras passarão da face da Terra.

69.29 E, a partir de então, não haverá nada corruptível. Pois aquele Filho do Homem apareceu e se assentou no Trono da Sua Glória, e todo o mal passará, e irá de diante Dele; e a palavra daquele Filho do Homem será forte diante do Senhor dos Espíritos. Esta é a terceira parábola de Enoque.

Capítulo 18: Conclusão

70.1 Depois disto o nome do Filho do homem, vivendo com o Senhor dos espíritos, foi exaltado pelos habitantes da terra.

70.2 Ele foi exaltado nas carruagens do Espírito e o seu nome estava no meio deles.

70.3 Desde aquele tempo eu não fui arrancado do meio deles; mas Ele assentou-se entre dois espíritos, entre o norte e o oeste, onde os anjos receberam seus cordões, para medir o lugar para os eleitos e os justos.

70.4 Alí eu vi os pais dos primeiros homens e os santos que habitam naquele lugar para sempre.

71.1 Depois disso meu espírito foi ocultado, ascendendo aos céus. Eu vi os filhos dos santos anjos andando em chamas de fogo, cujas vestimentas e mantos eram brancos e cujos semblantes eram transparentes como cristal.

71.2 Eu vi dois rios de fogo brilhando como o jacinto.

71.3 Então caí sobre minha face diante do Senhor dos espíritos.

71.4 E Miguel, um dos arcanjos, tomou-me pela mão direita e levantou-me; trouxe-me para onde estava todo segredo de misericórdia e retidão.

71.5 Ele me mostrou todas as coisas ocultas das extremidades do céu, todos os receptáculos das estrelas e o seu esplendor, desde quando elas saíram de diante da face do Santo.

71.6 Ele escondeu o espírito de Enoque no céu dos céus.

71.7 Ali, eu vi no meio daquela luz uma construção levantada com pedras de gelo,

71.8 E no meio destas pedras vi línguas de fogo vivo. Meu espírito viu ao redor o círculo desta habitação flamejante em uma de suas extremidades; que ali havia rios cheios de fogo vivo, o qual cercava-a.

71.9 Então o Serafim, o Querubim, e o Ofanim rodearam-na: estes são aqueles que nunca adormecem, mas vigiam o trono de Sua glória.

71.10 Eu vi inumeráveis anjos, milhares de milhares, e miríades de miríades, as quais rodeavam aquela habitação.

71.11 Miguel, Rafael, Gabriel, Phanuel e os santos anjos que estavam acima nos céus foram e saíram dele. Miguel, Rafael, e Gabriel saíram daquela habitação, e santos anjos inumeráveis.

71.12 Estava com eles o Ancião dos Dias, cuja cabeça era branca como o algodão, e pura, e seu manto era indescritível.

71.13 Então eu caí sobre minha face enquanto toda minha carne era dissolvida, e meu espírito tornou-se transformado.

71.14 Eu clamei com alta voz com um poderoso espírito, abençoando, glorificando, e exaltando.

71.15 E aquelas bênçãos que procediam da minha bôca tornaram-se aceitáveis na presença do Ancião dos Dias.

71.16 O Ancião dos Dias veio com Miguel e Gabriel, e Rafal e Phanuel, com milhares de milhares, e miríades de miríades, que não podiam ser enumerados.

71.17 Então aquele anjo veio a mim, com sua voz saudou-me, dizendo: Tu és o Filho do Homem, o qual é nascido para retidão, e retidão descansou sobre ti.

71.18 A retidão do ancião dos Dias não te esquecerá.

71.19 Ele disse: Em ti Ele conferirá paz em nome do mundo existente; por isso a paz tem existido desde que o mundo foi criado.

71.20 E assim acontecerá a ti para sempre e sempre.

71.21 Todos os que existirão e caminharão em seus caminhos de retidão, não te esquecerão para sempre.

71.22 Contigo estarão suas habitações, contigo seu destino; de ti eles não serão separados para sempre e sempre.

71.23 E assim o prolongamento dos dias estará com o Filho do Homem.

71.24 A paz será para os justos e os retos possuirão o caminho da integridade, em nome do Senhor dos espíritos, para sempre e sempre.