Salamina

A Ilha do Dragão

Rei: Cicreu
Território: Arquipélago das Sarônicas.
Cidades: Salamina, Lerna, Poros, Docos, Espetses e Agistri

Muitas décadas atrás, os deuses Poseidon e Zeus se apaixonaram pelas filhas do oceanida Asopo, que habitava o rio do Hélade nomeado em sua homenagem. O deus Poseidon levou a bela Salamina para uma ilha no golfo sarônico enquanto Zeus levou a bela Egina para a ilha vizinha no mesmo golfo. O oceanida buscou por anos suas filhas com muito afinco, sem saber que haviam sido levadas e amadas por deuses. A situação só foi revelada graças a um profeta chamado Acrefonte, mas a verdade causou a ira do angustiado pai. O oceanida Asopo chegou a perseguir e desafiar os deuses com todo o ódio de seu âmago. No fim, percebendo que a situação com o oceanida estava além do diálogo, o poderoso Zeus enviou um relâmpago celeste que fulminou por completo o pai inconformado.

O poderoso Poseidon levou a bela Salamina para a ilha que hoje recebe o seu nome. No local ambos tiveram um filho chamado Cicreu, que ficou famoso por sua coragem. Ele foi o responsável por matar um terrível dragão que assolava a ilha e assassinava as pessoas que tentava a habitar. Após derrotar o dragão, o bravo Cicreu recebeu muitos dos refugiados da ilha de Egina que sofreram com uma terrível catástrofe nela ocorrida assim como recebeu muitas pessoas provenientes de outras regiões do Hélade e das ilhas do mar minoano. Hoje, o rei Cicreu continua como o rei da ilha apesar de já alcançar uma idade avançada.

Sociedade

Hoje, a ilha de Salamina pode não ser tão rica e famosa quanto a ilha vizinha de Egina, mas todos acreditam que o rei Cicreu tem feito um excelente trabalho no seu governo. O rei nunca teve um filho homem, mas escolheu para si um sucessor quando recebeu em sua ilha o príncipe Télamon da ilha de Egina, que fora exilado do local por seu próprio pai Éaco. Apesar da gravidade de seus crimes, o rei Cicreu o purificou e entregou a mão de sua filha Glauce para com ele se casar e assim firmar a sucessão ao trono.

A verdade é que o velho rei Cicreu já não participa tão ativamente das decisões administrativas da ilha. É o próprio Télamon quem se reune diariamente com seus conselheiros e envia as ordens aos seus subordinados. Mesmo tendo a princesa Glauce falecido de um terrível enfermidade antes mesmo do casal gerar filhos, isso não abalou em nada a decisão de Cicreu. Télamon continua sendo seu sucessor. Principalmente, agora que ele está liderando a colonização da ilha de Chipre, onde se descobriu minas de cobre que é essencial para produção do valioso Cobre. Esses planos continuam de vento em popa e o líder Télamon goza de tanto prestígio que não raro já é chamado de o rei de Salamina.

 

Télamon

Télamon, Peleu e Foco eram três irmãos que nasceram na ilha da Egina, filhos do rei Éaco. No entanto, o rei claramente favorecia seu belo e atlético filho Foco, o que causou ciúme nos outros dois irmãos. O mal sentimento foi tamanho que ambos Peleu e Télamon tramaram contra o filho preferido de Éaco. Eles o mataram durante um exercício de caça com um golpe na cabeça. Assim, com sofrimento no coração, o triste rei nunca perdoou seus outros dois filhos. Ele expulsou ambos Peleu e Télamon de suas terras. Diferente do seu irmão que rumou ao norte até a Tessália, Télamon seguiu para o sul onde foi recebido pelo rei Cicreu na ilha de Salamis.

Não demorou para Télamon se casar com a filha do amigo, a princesa Glauce, estreitando seus laços familiares. Ele se tornou assim líder da poderosa infantaria de Salamina e sucessor do rei Cicreu, o que lhe deu uma posição estratégica em toda a Attica. Afinal, com os termos de submissão proibindo o rei Egeu de montar seu próprio exército, Atenas depende de Salamina para se defender numa iminente revolta contra Cnossos. Alguns anos atrás a princesa Glauce morreu de uma terrível doença, de forma que Télamon já planeja seu segundo casamento.

O plano de Télamon é expandir ainda mais sua posição estratégica ao negociar seu casamento com a princesa Hesíone de Troia para que Salamina possa crescer sua influência até o continente da Ásia. Também por esse motivo, ele também planeja uma colonização da ilha de Chipre, onde se descobriu minas de cobre, que é essencial para a produção do bronze. Todo o povo de Salamina adora seu futuro rei, pois é o tipo de sangue novo que precisavam após um rei tão bravo e explorador quanto o atual Cicreu, cuja idade já não permite feitos semelhantes aos que lhe deram fama. Não há dúvidas que o habilidoso Télamon é um substituto à altura do velho rei.

 

Cáriclo

O rei Cicreu de Salamina nunca teve filhos homens. Ele teve duas filhas com sua esposa Estilbe e logo tratou de arranjar bons casamentos para elas. Infelizmente, após o casamento da princesa Glauce com o habilidoso guerreiro Télamon, que o pai escolhera para ser seu sucessor, ela faleceu de uma estranha enfermidade. A outra princesa, no entanto, não trouxe qualquer orgulho ao pai.

Há muitas décadas atrás, a princesa Cáriclo se envolveu com um fora-da-lei chamado Escironte, que ainda hoje comete assassinatos nas proximidades da cidade de Corinto em nome de uma culto nefasto. Eles tiveram um casal de gêmeos chamados Alico e Endeis. No entanto, a mãe foi afastada de seus filhos bastardos para se casar com o noivo escolhido por seu pai. Ela assim se casou com o centauro Quíron, que ainda hoje lidera seu povo nas terras da Tessália. Hoje, ela vive com o esposo que aprendeu a amar e com quem teve duas filhas chamadas Melanipe e Ocirroe que nasceram metade mulher, metade éguas, conforme a raça paterna.

 

Endeis e Alico

O casal de gêmeos Alico e Endeis nasceram do ventre da princesa Cáriclo há num passado bem distante. A princesa havia se envolvido com o sanguinário Escironte, que ainda hoje comete assassinatos em nome de deuses infernais nas terras da Attica. Por isso, o rei Cicreu sempre considerou que estes filhos bastardos da princesa fossem um problema para seu reinado. Ele então os enviou para longe, para nunca mais voltar, sendo apartados um do outro para todo o sempre.

A jovem Endeis foi separada de seu irmão gêmeo desde o nascimento. Ela foi enviada para a ilha de Egina e entregue ao rei Éaco para tomar como uma esposa secundária, onde até hoje vive submissa como uma concubina. O seu irmão Alico foi arremessado ao mar para morrer, mas, tendo sido encontrado por pescadores locais, hoje ele se tornou um habilidoso guerreiro que ingressou nos exércitos da Ática. Ele não sabe sua verdeira origem, mas sabe um dia toda a verdade a verdade se revelará e ele encontrará seu lugar no mundo.

 

Cicreídes

O rei Cicreu de Salamina foi ungido como soberano da ilha após matar um terrível dragão que assolou a ilha por anos e por isso o dragão recebeu o nome do seu algoz, sendo chamado de Cicreídes. Todos pensaram que estavam livres da criatura, mas cada vez mais surgem relatos da população local sobre um terrível dragão sobrevoando a ilha. Muitos acreditam que seja uma nova serpente, talvez filho ou uma parceira da antiga criatura. A maioria, no entanto, nem acredita nesses relatos visto a rara frequência com que ocorrem.

Não raro heróis surgem na ilha com o objetivo de matar a criatura, mas o rei Cicreu descredita a história e considera que esses aventureiros só trazem baderna à sua ilha. Muitos foram até expulsos pelo rei para evitar que esse falso rumor, tão nocivo à economia local, se espalhe. Pelo menos, é isso que o rei tem falado aos seus súditos. A verdade, no entanto, é outra bem diferente. A verdade é que o rei mentiu décadas atrás. Ele nunca matou o terrível dragão.

A verdade é que o dragão que assolava a ilha de Salamina é o próprio rei Cicreu. Como filho do deus Poseidon, ele nasceu com um aspecto monstruoso e gigantesco. Passou os primeiros vinte anos de sua vida matando e se alimentando dos habitantes da ilha até enfim adquirir a habilidade de assumir uma forma humana. Toda a história de como matou o dragão foi inventada para que ascendesse como rei da ilha. É uma mentira que ele deseja manter a qualquer custo. No entanto, em momentos de fúria intensa, ele não consegue se controlar e assume sua forma verdadeira.