Listas

Imortais

A vida eterna é um desejo de todos os homens, qualquer que seja sua raça ou religião. Alguns podem discutir que todos somos eternos e que viveremos nossa imortalidade no mundo dos espíritos, mas há um seleto grupo de indivíduos que conseguiram escapar desse chamado e ainda hoje vivem entre os vivos.

O caminho para a imortalidade não é tão simples. Existem apenas nove indivíduos atualmente sobre a Terra que receberam essa dádiva. Mas, neste grupo, eu não incluo aqueles que nasceram antes do grande dilúvio quando a presença divina era mais forte entre os humanos. Este é o caso da oceanida Tétis, ex-esposa do herói Peleus, ou Íris, rainha das Harpias. O grupo de imortais que defini terem realmente recebidos essa dádiva foram:

Éolo (3a Geração): Até os dias atuais, esse poderoso arcano dos ventos foi o único a conseguir a vida eterna através de magia. Todos os outros imortais, conseguiram a imortalidade através de herança ou presente dos deuses. Esse neto de Deucalião foi rei de Iolco por várias gerações. E abandonou o mundo civilizado após a morte pela velhice de sua esposa Enarete, o seu grande amor. Hoje, ele vive isolado numa pequena ilha na Sicília.

Endimião (4a Geração): O caso deste lendário herói, amante da titã Selene, a deusa-lua, é difícil de classificar. Na verdade, ele ainda envelhece como todos os seres humanos. Mas Zeus o presenteou com a capacidade de hibernação. Ele é incapaz de envelhecer enquanto estiver dormindo. Foi assim que ele adormeceu quase um século, mantendo-se jovem. Ele acordou na geração anterior a Perseus e, em seguida, voltou a dormir em algum local desconhecido. Os rumores contam que ele recentemente acordou mais uma vez.

Tiresias (8a Geração): Tiresias teve uma vida longa e cheia de experiências. Ele viu o corpo nu da deusa Athenas o que causou sua cegueira. Desenvolveu o dom da profecia. Ajudou Cadmus a fundar Thebas. Foi transformado em mulher por Bacchus Dionysius. E recebeu a imortalidade como presente de Zeus durante sua velhice. Hoje, chega na sua sétima geração de vida como profeta e conselheiro do rei Creon de Thebas.

Pítia (10a Geração): A jovem Xenocleia foi escolhida pelo deus Apolo para transmitir suas palavras. Quando o temível dragão Python, foi enterrado sob o monte Parnasso, essa jovem teria sido rebatizada como Pítia. Ela então recebeu a imortalidade e o dom da profecia do deus Apolo, vivendo através dos séculos como a mais poderosa e certeira profeta de todo o Hélade. Ela é conhecida como o famoso Oráculo de Delphi.

Baco (11a Geração): Baco Dionysius é outro filho de Zeus que recebeu a imortalidade como herança divina. Apesar de nascido há meio século, ele mantém-se belo e jovial. Além disso, ele também é capaz de causar fortes alucinações em outras pessoas. E, atualmente, percorre o mundo promovendo festas libidinosas com belas mulheres, e regadas a muito vinho e poderes alucinógenos.

Sarpedão (12a Geração): Este também herdou a imortalidade de seu pai, o deus Zeus. Ele chegou na ilha de Creta com sua mãe Europa e seus dois irmãos Minos e Radamanto. Embora também fossem filhos de Zeus, os seus irmãos não eram imortais. Mas, após a morte do seu pai adotivo Asterião, Sarpedão foi expulso da ilha por seu irmão Minos. Hoje, ele é o atual rei da Lícia, uma cidade do povo do deserto que governa há três gerações.

Pan (12a Geração): Quando todos viram a aparência do recém-nascido Pan, todos achavam que a princesa Dríope havia sido seduzida por algum Fauno. Mas foi revelado a todos que ele era filho do deus Hermes. Pan cresceu. E lutou ao lado de Perseus. E, por sua grande coragem no confronto contra o Tifão, ele recebeu a imortalidade. Ele vive até hoje nas florestas, sempre buscando belas mulheres para levar para a cama.

Titônio (14a Geração): O rei Titônio da Etiópia é outro caso difícil de classificar. Este amante da titã Eos, deusa da alvorada, solicitou a vida eterna ao deus Zeus. O deus concedeu a vida eterna, mas não entregou a juventude infinita. Hoje, ele é incapaz de morrer de causas naturais, mas está tão velho que não consegue levantar o corpo, os braços e as pernas. Até a fala é difícil. Todos os dias, ele pede a sua esposa Eos que deixe Tânato, o demônio da morte, o levar.

Houveram ainda outros dois membros deste seleto grupo. Um deles foi o poderoso Argo (2a Geração), aquele que tudo vê e o terceiro homem nascido após o grande dilúvio. Ele recebeu da deusa Hera a imortalidade, os poderes onividência, e uma importante missão. Vigiar e impedir o romance entre sua irmã Io e o deus Zeus. Ele cumpriu a missão mas, seis gerações depois, foi morto pelo deus Hermes.

E o outro foi Erecteu (3a Geração), sucessor de Anfictião no trono da cidade de Atenas. Ele recebeu a imortalidade do próprio deus Zeus, encantado com sua habilidade na carruagem. Ele viveu e governou Atenas por cinco gerações. Mas acabou morto na histórica guerra entre as cidades de Atenas e Elêusis.

Isso nos prova algo. Apesar de capazes de viver eternamente, esses Imortais, ainda podem ser mortos por causas não naturais. Ambos Erecteu e Argo foram assassinados por golpes de espada. Mas, qualquer coisa capaz de retirar a vida de um humano mortal, também é capaz de retirar a vida de um Imortal. Apenas os deuses gozam da imortalidade plena.

 

Anciões

Com tantas guerras e infortúnios neste mundo violento, é uma dádiva atingir os quarenta anos de idade. A maioria da população morre antes disso, sejam por causas naturais ou não. Alguns poucos conseguem ultrapassar os sessenta nos de idade. Este é o caso dos reis Celeu de Elêusis, Pelias de Iolco, Elato de Lápite e tantos outros. Mesmo aqueles que apenas se aproximam devem ser aplaudidos.

No entanto, há um seleto grupo de pessoas que se aproximam do seu centenário de vida mantendo completa lucidez de seus pensamentos. Eles são grande sábios do mundo civilizado que fizeram parte ativa da história de nossa amada nação. Eles sãos os chamados “Grandes Anciões”.

1) Hirieu: O rei Hirieu nasceu durante a grande imigração oceanina que ocorreu há cinco gerações atrás. Os dois oceaninos desbravadores Peneu e Cefisso trouxeram para os rios do Hélade as suas sete belas sobrinhas, nascidas de sua irmã Pleione. Dentre as sete filhas de Pleione, o rei Hirieu era filho daquela que chamavam Alcíone.

Hirieu com sua sabedoria acumulou uma grande riqueza em sua vida; foi o fundador da cidade de Tanagra; e se casou com a bela dríade Clônia. Juntos, eles tiveram dois filhos: Nicteu e Lico. Estes irmãos viveram durante a geração de Perseus e se tornaram reis de Tebas após a misteriosa morte do rei Polidoro, então regente. Isto porque Polidoro era casado com a filha de Nicteu chamada Nicteis e os filhos de Polidoro eram muito jovens para assumir o trono de forma que Nicteu assumiu o trono como responsável legal do infante Labdaco, seu neto.

Infelizmente, Hirieu teve que enterrar os seus dois filhos prematuramente. O primogênito  Nicteu morto pelo rei Epopeu de Sicião durante a guerra entre as suas cidades. O segundo Lico, que sucedera o irmão no governo de Tebas, foi morto pela vingança dos filhos de Epopeu anos mais tarde. O rei amargou a morte de seus dois filhos por muitos anos e solicitou aos deuses um novo sucessor.

A tristeza do rei foi tamanha que os deuses lhe entregaram um bebê chamado Órion, que se tornaria o maior guerreiro da geração seguinte a Perseus. Tamanha era sua habilidade que a deusa virgem Ártemis se apaixonou por ele. Mas, como ocorre com todos aqueles que se envolvem com os deuses, Órion teve um triste fim. Ele foi morto pelo deus Apolo com ciúme de sua irmã.

Mais uma vez, Hirieu teve que enterrar outro filho seu. Hoje, com a morte de seus três filhos e de sua esposa Clônia, o rei Hirieu amarga o silêncio e a solidão de seu palácio em Tanagra. Aguardando a velhice, que já tomou grande parte de sua força, finalmente, lhe tomar a vida.

 

2) Eetes: O rei Eetes foi outra figura proeminente na história micênica. Ele nasceu do amor do titã Hélio, deus-sol, com a oceanina Perseis. Logo, em idade muito jovem ele fundou a cidade de Corinto com a ajuda de seu pai divino. Com pouco anos de governo na sua já magnífica cidade, o seu pai Hélio lhe entregou uma missão. Ele deveria partir para terras desconhecidas do leste para fundar uma nova cidade. Assim, Eetes partiu para o extremo leste ao lado de seus irmãos Perses e Pasifae para fundar a cidade de Cólquida.

A sua irmã logo desistiu de sua missão e retornou para Hélade onde se casou com o rei Minos, mas Eetes se manteve firme na missão e vive até hoje na sua cidade localizada no extremo leste nos limites dos mapas conhecidos. O rei Eetes nunca se enlaçou em matrimônio, mas ele teve várias amantes como a dríade Asterodia, com quem gerou o filho Absirto; a oceanina Idyia, com quem gerou a filha mais velha Calcíope e, de acordo com os rumores, a própria deusa da magia, Hekate, com quem teve a filha Medea.

Anos depois, ele recebeu um forasteiro na cidade. O seu nome era Frixo, filho do hoje também ancião Atamas, que trouxe consigo uma ovelha dourada. Eetes então tosou a lã da ovelha e teceu uma magnífica vestimenta, a mais poderosa armadura do mundo: o Tosão de Ouro. Ele colocou esse artefato mágico sob a proteção de um poderoso dragão vermelho. O forasteiro Frixo, filho de Atamas, logo entrou para a família real casando-se com sua filha Calcíope, gerando quatro filhos chamados Frontis, Argo-Presbon, Citissoro e  Melas.

Infelizmente, os últimos anos tem sido difíceis para o ancião Eetes. Tudo o que construiu começou a ruir. O seu genro Frixo recentemente faleceu de uma doença mortal. Os seus netos por Frixo também deixaram o seu império para reencontrar seu avô paterno, Atamas. A sua filha Medea acompanhou um grupo de aventureiros que lhe roubaram o Tosão de Ouro. E o seu filho Absirto acabou morto enquanto tentava impedir a fuga de sua irmã.

Agora, sem herdeiros, o sucessor do reino é seu irmão Perses. Infelizmente, o rei Eetes não confia em Perses e agora investiga uma possível conspiração do irmão para assassiná-lo.

 

3) Atamas: O maior arcano do mundo civilizado se chama Éolo, o senhor dos ventos, que conseguiu a imortalidade através da sua magia. Já com mais de duzentos anos de vida, o poderoso Éolo conheceu o grande amor de sua vida. O seu nome era Enarete. Juntos eles tiveram doze filhos desde o primogênito Sísifo até a caçula Alcíone. Entre essa vasta prole nasceu Atamas.

Assim como seu famoso irmão Sísifo, que viveu mais de cem anos até ser enviado ao mundo dos espíritos pelo próprio Zeus, Atamas também alcançou uma idade avançada e colecionou muitas esposas. A primeira delas foi uma ninfa chamada Nefele que possuía o poder das nuvens. O casal teve dois filhos Helle e Frixo, mas o então jovem Atamas abandonou seu primeiro amor pela princesa Ino de Tebas, filha do heroico Cadmo.

Infelizmente, a sua segunda esposa Ino sempre odiou os filhos de Atamas com Nefele. A madrasta tentou assassinar os dois adolescentes que tiveram que fugir numa ovelha voadora com lã de ouro, que os levou para o extremo leste do mundo. Durante a fuga, Helle morreu, mas Frixo conseguiu chegar até a cidade de Cólquida. O jovem Frixo foi recebido pelo rei Eetes e nunca mais retornou ao lar.

Atamas nunca soube o que acontecera com esses seus filhos com Nefele por mais que procurasse por eles, nem soube do envolvimento de sua segunda esposa na tentativa de assassinato. Ele assim viveu com Ino e gerou nela outros dois filhos chamados Learco e Melicertes. No entanto, velhos hábitos não mudam e uma terceira mulher surgiu na vida de Atamas.

O seu coração bateu mais forte pela oceanina Temisto que fez Atamas abandonar Ino. O novo casal Atamas e Temisto tiveram três filhos Orcomeno, Leucon e Esfíncio. E, como no passado, a nova esposa sentiu ciúme dos filhos de Atamas com a esposa anterior. Temisto tentou envenenar os filhos de Ino, mas esta foi mais esperta que sua antecessora.

Ino trocou a bebida envenenada dos seus filhos Learco e Melicertes com o bebida dos filhos de Temisto. Foram os pequenos Leucon e Esfíncio que morreram, o que levou Temisto a cometer suicídio por ter assassinado seus próprios filhos por engano. Com a morte da nova esposa, Atamas voltou seu casamento com Ino. Os seus filhos Learco e Melicertes voltaram a ser os herdeiros da grande riqueza paterna.

Infelizmente, a grande novela da vida de Atamas ainda teria mais uma reviravolta. Os filhos de Frixo voltaram das terras distantes do extremo leste para reclamar a herança do ancião. Os quatro jovens contaram como Ino tentou assassinar seus filhos com Nefele e como sua ação acabou causando a morte de Helle. Atamas mal pode acreditar na criatura maléfica com quem esteve casado por todos esses anos.

Agora, o ancião está tomado pelo ódio contra sua esposa e está disposto a matar Ino por seus crimes.

 

4) Radamanto: ????

 

5) Pélopes: O rei Pélopes de Olímpia nasceu nas terras dos povos Medos na sétima geração. Ele foi trazido por seu pai Tântalo a continente do Hélade com seus irmãos Dáscilo e Niobe. Tântalo logo assimilou a cultura, a religião e economia da sua nova nação, tornando-se um próspero e rico comerciante. Ele então desejou agradecer aos deuses olimpianos por seu sucesso nas novas terras com os rituais de seus antepassados. Tântalo sacrificou o seu filho Pélope desmembrando o seu corpo e o oferecendo aos deuses.

Os deuses ficaram horrorizado com o terrível ritual de Tântalo. Eles assassinaram o bárbaro imigrante e, comovidos com tamanho crime, ressuscitaram o pequeno Pélopes. No entanto, o osso do seu ombro nunca foi encontrado, sendo colocado um peça de prata no lugar que lhe concedeu incrível força e habilidade. E assim, quando atingiu a idade adulta, ele utilizou seus poderes para ajudar a civilização de seus deuses salvadores.

Ele uniu em diversas aventuras ao lado do amigo Perseus na luta pelo bem. Nesse tempo, ele conheceu e apaixonou-se pela bela Hipodâmia, filha do rei Enomau de Olímpia. No entanto, o rei Enomau havia recebido a profecia que seria morto por um dos pretendentes de Hipodâmia. Por essa razão, ele já havia assassinado dezoito pretendentes da princesa. E, durante a corrida de carruagens na cidade, ele tentou assassinar o habilidoso Pélopes também.

Certamente, Enomau nunca seria páreo para a habilidade de Pélopes e acabou morto pelo herói. Antes mesmo do amigo Perseus se tornar rei de Micenas, Pélopes se casou com Hipodâmia assumindo o reino de Olímpia. Ele iniciou os Jogos de Olímpia que a cada quatro anos faz toda a civilização parar para assistir.

Pélopes teve muitos filhos: 1) Trezeno, fundador falecido de Trezena; 2) Pteus, atual rei de Trezena; 3) Sicião, rei falecido de Sicião sucedido pelo filho Pólibo; 4) Copreu, exilado da cidade e braço direito de Euristeu; 4) Alcatoo, atual rei de Megara; 5) Mestor, que faleceu por doença mortal; e os gêmeos 6) Atreu e 7) Tieste, que foram exilados de Olímpia pelo assassinato do irmão 8) Crísipo.

Além disso, o casal teve as suas filhas: 9) Astidamia; 10) Euridice; e 11) Nicipe, que se casaram com os filhos de Perseus, gerando respectivamente o guerreiro falecido Eléctrio, Alcmene e o rei Euristeu de Tírinto.

 

É difícil dizer a razão pela qual as irmãs do destino forneceram tão longas vidas a esses indivíduos. Muitos perguntam o que poderiam fazer para atingir tal idade. Uma vez, perguntaram ao lendário Cadmus, fundador de Thebas, qual o segredo da sua saúde e disposição em idade tão avançada.

Afinal, o herói empunhava sua espada nos combates em Mycenas até os seus setenta anos de idade. E casou com Harmonia, uma mulher quase vinte anos mais jovem. Depois disso ele desapareceu misteriosamente. Muitos especularam que sua longevidade era conseguida através da magia. Outros disseram que foi uma dádiva divina. Cadmus então respondeu que seu segredo era: “Exercícios e boa alimentação!”.

Qualquer que tenha sido a razão de tão perfeita saúde, podemos apenas sonhar e orar aos deuses por tamanha dádiva.

 

Heróis de Bronze

Os livros de história contam que a primeira geração de heróis foi aquela liderada pelo rei Perseus. Antes disso toda Gaia vivia a Era de Bronze. O Hélade era apenas um nome genérico para um punhado de tribos bárbaras que digladiavam entre si. E a guerra sem sentido era o único objetivo desses povos. Na verdade, isso é uma grande simplificação.

Vale destacar um grupo de heróis que surgiu na décima geração após o dilúvio para mostrar a inverdade dessas palavras. Eles foram convocados pelo poderoso Apolo, que nessa época ainda não era um deus, para confrontar o dragão Pitão e para várias outras missões. Os doze heróis desse grupo estão listados a seguir.

 

Forbas, o primeiro guerreiro Lápite

Este foi o grande guerreiro dessa geração. Ele era irmão do rei Lápito da recém-fundada cidade com o seu nome. Por isso, ele é reconhecido como o primeiro grande guerreiro de Lápite. A cidade que, futuramente, tornaria o berço dos maiores guerreiros do mundo civilizado. Além disso, ele é irmão do monstro deformado Centauro, metade homem e metade cavalo, que foi rejeitado por toda a sua família, mas neste grupo de heróis lutou ao lado de Forbas.

 

Centauro, o primeiro Centauro

A bela oceanina Stilbe, gerou três famosos filhos. O grande guerreiro Forbas descrito acima; o rei-fundador Lápito; e um filho deformado chamado Centauro, que foi rejeitado por sua família por possuir um corpo metade homem e metade cavalo. Centauro passou a viver nos campos da Tessália como uma pária da sociedade, mas quando foi convocado pelo deus Apolo para lutar ao lado do seu irmão Forbas, ele pensou que esta era sua chance de aceitação. Algo que, sabe-se hoje, nunca viria a acontecer.

 

Argo, aquele que tudo vê

Argo foi o terceiro homem nascido em todo Hélade após o grande dilúvio que iniciou a era de bronze. Ele recebeu os seus poderes em razão do romance do deus Zeus e sua irmã Io. Como ele era contra essa união, Argo convocou a deusa Hera para revelar a traição do seu marido. Assim, a deusa presenteou Argo com os poderes de clarividência, teleporte e imortalidade desde que ele impedisse o reencontro deste casal. E assim o fez até a morte de sua irmã. Depois disso, o imortal Argo passou a vagar pelo mundo sem objetivo até Apolo o convocar para este grupo guerreiro.

 

Sísifo, o jovem príncipe espião

Nesta época, o príncipe Sísifos de Iolco, filho primogênito do rei-arcano Éolo, era um jovem adolescente. As suas principais habilidades eram furtivas. E ele estava longe de tornar-se o sábio estrategista e mestre das artes do combate que conhecemos hoje nos livros de história. Ele possuía apenas a vontade de fazer o bem, o desejo por desafios, e a paixão pela jovem Merope que também participaria deste grupo.

 

Merope, a arcana Oceanida

Esta foi a filha caçula da lendária oceanida Pleione. Ela chegou nas terras do Hélade com as suas seis irmãs mais velhas, quando ainda era uma bebê. Adulta, ela foi convocada pelo deu Apolo, em razão dos seus grandes poderes arcanos, para lutar ao lado de seus sobrinhos Iasião, Lacedemônio e Calisto. E apesar de ser tia desses três heróis, é apenas poucos anos mais velha. Não é a toa que Sísifos, o espião adolescente do grupo, conquistou o seu coração.

 

Calisto, a mulher-urso

Calisto foi trazida no colo de sua mãe Cealeno, uma das sete filhas da oceanida Pleione, durante a imigração oceanida da geração anterior. Logo, Calisto cresceu tornando-se uma bela mulher. Tão bela que o deus Zeus se apaixonou por ela. Quando a deusa Hera descobriu sobre tal paixão, ela transformou Calisto em uma criatura, metade humana e metade ursa, com incrível força e afiadas garras, que lutava para controlar seus instintos selvagens.

 

Iasião, o amante da natureza

Iasião e seu irmão mais velho Dardano foram trazido até as terras do Hélade por sua mãe Electra, uma das sete filhas da oceanida Pleione, durante a grande imigração oceanida da geração anterior. Anos depois, a sua mãe deixou essas terras para viver na cidade fundada por Dardano do outro lado do mar Egeus. Mas Iasião decidiu ficar  para terminar os seus estudos como o mais promissor dos sacerdotes da deusa Demeter. Enquanto isso, muito sofreu com a falta de sua mãe e de sua irmãzinha querida, Harmonia.

 

Lacedêmonio, o guerreiro espartano

Lacedemônio foi trazido no colo de sua mãe Taigete, uma das sete filhas da oceanida Pleione, durante a imigração oceanida da geração anterior. Ele cresceu tornando-se um ágil guerreiro cujo seu grande desejo era conquistar o amor da bela princesa Esparta, filha do líder oceanida Eurotas. E assim o conseguiu anos depois.

 

4) Endimião, o belo adormecido

Endymião foi o bisneto de Deucalião considerado o homem mais belo que já pisou sobre Gaia. Ele teve um grande romance com a deusa-lua Selene e desejou a vida eterna ao lado da amada. Zeus concedeu o desejo apenas enquanto estivesse dormindo. Assim, Endimião hibernou por mais de um século até acordar nessa geração para descobrir que o deus Zeus estava tendo um romance com a sua amada deusa-lua. Agora, ele utiliza o chamado do deus Apolo para se aproximar do panteão divino e se vingar.

 

Xenocleia, a escolhida de Apollo

A primeira missão conjunta desse grupo de heróis reunido pelo deus Apolo foi derrotar o terrível dragão Pitão. Assim, Apolo escolheu uma mulher pura de coração para liderar o grupo e transmitir as suas palavras. Ele escolheu a bela camponesa Xenocleia. Essa jovem recebeu o grande poder divino e a imortalidade por este deus. Ela tornou-se assim uma das maiores arcanas que já pisou sobre Gaia. E, até os dias atuais, ainda vive como o lendário oráculo de Delfi, rebatizada com o nome de Pítia.

 

Sibila, a missionária de Zeus-Ammon

Quando o rei Dánao dos povos Medos fugiu para Argos, a sua irmã Lâmia assumiu o reino de sua cidade na Líbia. A rainha Lâmia gerou uma filha com o deus Zeus chamada Sibila. E esta jovem filha de Zeus tomou para si a missão de propagar o culto de seu pai entre os povos do deserto. Tornando-se assim a grande sacerdote do deus Zeus Ammon. Ainda hoje dezenas de sacerdotes que recebem alcunha de Sibila viajam por Gaia disseminando esse culto.

 

Eco, a mestre dos sons

Eco pertenceu a uma raça de belas mulheres com poderes mágicos. E a fonte de seu poder era o som. Ela era capaz de produzir agradáveis melodias ou de emitir fortes rajadas sonoras que destruíam tudo ao seu redor. Mesmo com tanto poder, Echo sempre foi meiga e adorável. Sempre buscava o melhor nas pessoas e manteve-se virgem por toda a sua vida.

 

Pandareu, o Caçador de Recompensas

O guerreiro Pandareu é considerado um dos mais habilidosos mercenários que já viveu no Hélade. Ele era possuidor de magníficas habilidades de combate e ainda mais surpreendentes perícias furtivas. E toda essa habilidade estava disponível para aquele que pudesse pagar o melhor preço. Certamente, ele recebeu um bom pagamento do deus Apolo para participar deste grupo.

 

Esses heróis viveram numa era conturbada em que as tribos guerreavam entre si. E apenas três cidades destacavam-se. Elas eram governadas pelos reis: 1) Éolo de Iolco; 2) Erecteu de Atenas; e 3) Linceu de Argos. As futuras cidades de Cnosso, Lápite e Dardânia estavam recém-fundadas e habitadas com apenas algumas dezenas de pessoas. Enquanto as cidades de Esparta, Tebas, Ecália, Delfi, Ítaca e tantas outras nem sequer existiam.

Foi graças a este grupo que o terrível dragão Pitão foi vencido. Sob seu corpo enterrado, foi fundada a cidade de Delfi. E o deus Apollo ascendeu como um deus olímpico. Eles ainda impediram a infestação de cobras em Samos. Extinguiram o culto maligno do sacerdote Salmoneu. Combateram a rainha demoníaca Lâmia na Líbia. Confrontaram o recém-nascido deus Hermes. Derrotaram a monstruosa Equinida. Receberam o imigrante Cadmo. Resgataram o Cão Dourado de Cnossos. E realizaram muitos outros feitos heroicos.

Assim, esses heróis moldaram um Hélade bruto e violento com sua força e coragem. Foi a partir deste período que Sísifo evoluiu no grande líder que marcou uma época e as histórias desse grupo inspiraram a futura geração de heróis de puro altruísmo liderada pelo grande Perseus.

 

Heróis Fundadores

Nós estamos na sétima geração após Deukalion. A civilização de Mycenas ainda não foi criada. E as construções da Cadmea, a futura cidade de Thebas, apenas começaram. Muitos peregrinaram até este local para conhecer e se estabelecer nessa cidade que foi profetizada pelo grande Oráculo de Delphi.

Foi na Cadmea que um lendário grupo de heróis foi recebido aqui pelo heróico Cadmus, ao lado de sua amada Harmonia. Eles acabam de receber a notícia da ameaça do monstro Kraken nas terras dos antepassados de Cadmus, Perseus e Pelops. Então, patrocinados pelo famoso Sisyphus, o grupo partiu em sua primeira missão.

Foi o início da Primeira Geração de Heróis!

 

 

PERSEUS, O FILHO DE ZEUS

Nessa época, uma terrível profecia assolava a cidade de Argos. Ela dizia que o rei Acrisius seria assassinado pelo seu primeiro neto, nascido de sua filha Danaan. Assim, quando Perseus nasceu, Danaan rumou para a ilha de Seriphos com seu filho recém-nascido no colo para evitar o trágico fim de seu pai.

Quase duas décadas depois desses eventos, o jovem Perseus tornou-se um habilidoso guerreiro, carismático líder e detentor de uma coragem sem igual. Agora, ele deixou a ilha Seriphos para a terra dos seus tataravós no Grande Deserto em busca de grandes desafios. E onde encontrou a princesa Andrômeda com quem vive um grande amor.

 

 

CHRYSAOR, O MATADOR DE MONSTROS

Desde criança, o heróico Chrysaor mostrou agilidade e força espetaculares. Ele foi encontrado e adotado pela família do grande guerreiro Sisyphus que o introduziu na arte do combate. Mas, desde pequeno, ele sempre soube que esta não era sua verdadeira família. Agora, ele atinge a idade adulta, tornando o mais poderoso guerreiro de Mycenas.

No seu último aniversário, seu pai adotivo Sisyphus o entregou uma espada dourada. Esta espada foi encontrada por Sisyphus ao lado do bebê Chrysaor e ficou conhecida como a poderosa “Aurigládio”. Agora, o herói percorre Mycenas para descobrir quem são seus verdadeiros pais.

 

 

CADMUS, O SABIO GUERREIRO

O poderoso guerreiro Cadmus é filho do rei Agenor da cidade de Tyro. Ele partiu de sua terra natal entre os povos Medos em busca de sua irmã desaparecida Europa. Durante muitos anos, Cadmus e seus irmãos procuram Europa por toda a Gaia. Até este momento sem sucesso.

Hoje, Cadmus já possui mais de quarenta anos de idade, está casado com Harmonia e fundou a cidade de Thebas. E, embora o próprio oráculo de Delphi tenha profetizado o insucesso dessa missão, Cadmus não desistirá. Ele apenas sossegará quando encontrar a sua querida irmã.

 

 

HARMONIA, A SACERDOTISA DA PAZ

O pai de Harmonia é Ares, deus da guerra, e sua mãe é Afrodite, deusa da luxúria. Essas são duas característica que em nada lembram a heroína. Harmonia é pura de coração e alma. Manteve sua virgindade para o casamento. Possui habilidades de cura. E prega a união entre os povos.

Ela foi criada pela oceanina Electra nas terras governadas por Dardanus, o seu irmão de criação. Foi através de Dardanus que ela conheceu seu atual marido Cadmus e passou a acompanhar o herói nas suas aventuras. Ela tem sido uma valiosa companhia com seus incríveis dons curativos e de acalmar todos ao seu redor.

 

 

CEPHALUS, O ARQUEIRO INFALIVEL

Cephalus é um adolescente prodígio que, apesar de muito jovem, tem derrotado todos na disputas de arco e flecha. Ele é considerado, por muitos, o melhor arqueiro do mundo. Assim, Cephalus partiu da sua terra natal para encontrar seu tio Sisyphus e unir ao seu grupo de heróis.

Ele deixou para trás sua amada Procris, uma sacerdote de Artemis, com quem está prometido em casamento. Pois, apesar de amá-la muito, ele está assustado com a idéia do matrimônio. Ele assim partiu e levou consigo o poderoso arco de Artemis que sua amada Procris o presenteou. E o fez ainda mais formidável em combate.

 

 

MELAMPUS, O MAGO SUPREMO

O arcano Melampus é descendente do imortal Aeolus, senhor dos ventos e o mais poderoso arcano que já caminhou sobre Gaia. Agora Melampus começa a manifestar os seus poderes mágicos. E, desde que Aeolus partiu para terras desconhecidas, o bom Melampus já vem sendo considerado o seu sucessor.

O heróico Melampus ainda tem muito o que provar para alcançar a fama de Aeolus. Mas não há dúvidas sobre o seu potencial. Isso já é percebido pelo seu tio-avô Sisyphus. Ele deseja reunir um grupo para uma missão especial. E os poderes de Melampus não podem ficar de fora.

 

 

PAN, O FAUNO ORIGINAL

Devido a sua aparência, muitos acreditam que Pan foi fruto da união entre a princesa Dryopes e um fauno qualquer. Mas o pai de Pan é o próprio deus Hermes. E, embora sua aparência peculiar assuste com seus cascos, chifres e pêlos de bode, o divertido Pan, com seu jeito expansivo, sempre consegue ser amigo de todos.

Há anos Pan deixou suas terras para viajar por toda a Gaia. E existe apenas uma razão para isso. Conhecer belas mulheres! Mas, é claro, ele também diverte-se com desafios e combates, principalmente quando alguma bela jovem estiver assistindo.

 

 

AUTOLYCUS, O MESTRE DA SOMBRAS

 

Autolycus nasceu do ventre da dríade Chione, que amada por dois deuses, engravidou de dois filhos: Autolycus, pelo deus Hermes, e de Philammom, pelo deus Apollo. Autolycus herdou de Hermes todos os seus truques de ladrão. E, apesar de ainda ser um adolescente, ele já é considerado o mais furtivo herói de toda Mycenas.

O furtivo Autolycus adora a emoção dos desafios e das aventuras. Ele foi o único a conseguir enganar o lendário Sisyphus depois de roubar o seu gado. Mas Sisyphus, ao descobrir a façanha, ficou maravilhado com as habilidades de Autolycus. Assim, ele convidou-o a participar do novo grupo de herói. E, neste grupo, Autolycus conheceu Mestra por quem está perdidamente apaixonado.

 

 

MESTRA, A ESPIA DE MIL FACES

 

Mestra é filha do lenhador Erysichthon que foi amaldiçoado por Demeter com uma fome insaciável. O lenhador vendeu todos os seus bens para comprar comida, incluindo sua filha Mestra. A jovem Mestra passou anos vivendo como escrava até ser libertada pelo deus Poseidon.

Além da liberdade, o deus dos mares presenteou Mestra com o poder da mudança de forma. Agora, com suas mil faces, ela percorre a Gaia em busca de tesouros. E a razão de tamanho necessidade por ouro é para conseguir pagar o insaciável desejo do seu pai. Pelo menos, até descobrir uma forma de curar tamanha  maldição.

 

 

SISYPHUS, O LIDER ANCIAO

 

O guerreiro Sisyphus, filho do arcano imortal Aeolus, já atinge os seus sessenta anos de idade. Ele fez história ao treinar os Orchomenos, os mais habilidosos guerreiros de Gaia. Comandar os exércitos da cidade de Corintho. E conquistar inúmeras aventuras tornando-se o herói mais famoso de sua geração.

Nos últimos anos, ele tem reunido guerreiros da nova geração para algum plano secreto. Esse grupo já reúne Autolycus, Mestra e os seus jovens familiares Chrysaor, Cephalus, Melampus e Ixion. Apesar de ainda deter um grande poder, a sua idade o impede de acompanhar os jovens nas suas aventuras. Mas ele está disposto a oferecer toda sua liderança, contatos e recursos nessa missão.

 

Combate avançado pela magia

– Energizar punhos

– Proteção Extra

– Super-Habilidade

 

 

 

IXION, O MAIOR DOS TRAPACEIROS

 

O jovem Ixion é uma pessoa para quem você nunca gostaria de virar suas costas. Uma pessoa desprezível incapaz de falar a verdade. O seu prazer é enganar e confundir seus inimigos… E também os amigos. Ixion está noivo da bela Dia, irmã de Cephalus e sobrinha de Sisyphus. E, ao mostrar suas habilidades, ingressou no novo grupo de heróis.

O falso Ixion faz da trapaça a sua arma. Ele possui um grande senso de estratégia, utilizando intrigas e mentiras complexas para atingir seus objetivos. E, embora as suas artimanhas causem problemas a curto prazo, elas no fim beneficiam a todos. Pelo menos, por enquanto.

 

PELOPS, O CAVALEIRO DO OMBRO METALICO

O magnífico condutor de carruagens Pelops foi trazido nessas terras pelo seu pai Tantalus, originário dos povos Medos. Depois de seu sucesso em Mycenas, Tantalus resolveu agradar os deuses com um ritual macabro de sua terra natal. Ele sacrificou o seu filho Pelops, esquartejando os seus ossos e oferecendo sua carne aos deuses.

Os deuses olimpianos ficaram chocados com o terrível ritual de Tantalus. Eles ressuscitaram o pequeno Pelops mas o osso do seu ombro nunca foi encontrado. Então, os deuses colocaram uma peça de prata em seu lugar que forneceu incríveis habilidades para Pelops. E ele tem utilizado essas habilidades em incríveis aventuras. Sempre na missão de agradar seus deuses salvadores.

 

Novos titãs

Os deuses olimpianos governam toda  criação primordial. Eles conquistaram essa dádiva após derrotar a 1a geração de deuses Titãs. E assim toda essa geração de Titãs foi aprisionada nas profundezas. Os filhos desses titãs juraram obediência aos deus Zeus para viver nos céus. Mas a 3a geração não está disposta viver como vassalos dos olimpianos. Eles deixaram os céus para viver entre os homens. Para lutar. Para obter glória. E retomar a grandeza de seus avós.

Com a derrota dos titãs da 1a geração, os titãs da 2a geração foram proibidos de viver entre os homens. Estes podem ser visto de longe ou de forma abstrata sendo conhecidos como: Helius, Selene, Eos, Atlas, Astraeus, Asteria, Leto, Pallas, Perses, Musas, Prometheus e Epimetheus. Mas a 3a geração, filha desses deuses titãs, uniram-se no grupo de sete integrantes formado por:

 

1) Nike, a líder do grupo.

Nike é filha do titã Pallas, deus do combate. Ela é a líder do grupo. Ela é uma grande guerreira de incrível habilidade com a espada e sabedoria estratégica sem igual. Ninguém nunca conseguiu derrotá-la em combate. Assim, ela é considerada a própria personificação da vitória.

 

2) Kratos, a força bruta

Kratos, irmão de Nike, é pura força bruta e raiva externada. Ele é violento, sanguinário e capaz de grande destruição. Uma pessoa de poucos amigos que não respeita ninguém. Apenas seus bons companheiros de luta.

 

3) Bia, o poder dos elementos

Bia é filha de Pallas o deus do combate, assim ela também irmã de Nike e Kratos, é a arcana mais poderosa que se tem notícia. Ela é capaz da destruição total e do controle sobre todos os elementos da criação. Ela é o próprio poder vivo.

 

4) Zelus, o titânico curandeiro

Zelus é o quarto e último filho de Pallas. Ele é o curandeiro do grupo. Aquele cura os ferimentos de batalha. Auxilia na execução dos planos. E zela por seus amigos.

 

5) Pandia, a iluminada da lua cheia

Pandia é filha da titã Selene, a deusa-lua, que herdou o brilho de sua mãe. Ela é capaz de iluminar ambientes, lançar rajadas incandescentes e criar ilusões mágicas.

 

6) Hyas, o arqueiro das chuvas

Hyas é filho titã Atlas, deus da montanha, sendo irmão da furtiva Calypso. Ele é um incrível arqueiro capaz de acertar qualquer alvo. Ele é também  um excelente caçador capaz de espreitar nas florestas e capturar qualquer presa.

 

7) Calypso,

Calypso é também filha de Atlas, sendo irmã do arqueiro Hyas. Ela é uma jovem de cabelos negros e feições encantadoras. O seu maior poder é a capacidade de esconder-se nas sombras, tornando-se invisível. É a especialista em habilidades furtivas do grupo.

 

8) Hekate, a essência da magia

Hekate é filha de Destruição e do Desconhecido, de Perses e Asteria. Ela liberou sua essência entre homens mortais, possibilitando estes a realizarem grandes magias e poderosos feitos. No entanto, com a essência de Hekate dispersada, foi profetizado que ela um dia assumia a forma humana novamente. Ela então será chamada de “Astrea”.

 

O número de titãs da terceira geração é enorme. A grande maioria prefere viver nos céus como é o caso das Estrelas, todas filhos de Eos, titã da alvorada, e Astraeus, titã do crepúsculo. Outros preferiram descer a terra para viver entre os homens. Além dos indicados nesse grupo de heróis outros cinco podem ser descritos.

Além destes integrantes desse grupo, há outros cinco titãs dessa geração que desceram dos céus. Os filhos de Eos (Alvorada) e Austraeus (crepúsculo) são conhecidos como os quatro ventos: Boreas, Notus, Zephirus e Eurus. Estes vivem em seus redutos, afastado dos homens. Eles não possuem a mesma ambição dos titãs do grupo liderado por Nike.

Hekate é a mulher quem uniu o grupo num objetivo comum. Ela seria o deus mais poderoso do nosso panteão. Um poder superior ao de todo os olimpianos juntos. Uma deusa integra e honesta que traria justiça ao mundo. A grande missão do grupo dos Novos Titãs é encontrá-la.