Hitita

O Império em Frangalhos

Rei: Hattusili
Cidades: Hattusa, Gordium, Kanesh, Ancara e Ankuwa
Idioma Local: Anatólio (variantes luwiano, hitita e frígio)

Tissot_Solomon_Dedicates_the_Temple_at_Jerusalem

James Jacques Joseph Tissot 1836-1902

A região da Anatólia foi dominada pelo império Hitita que hoje está em plena decadência. Este povo chegou na região há quinhentos anos atrás, quando foram liderados por um grande guerreiro chamado Pitana. A partir da sua capital de Hattusa, os Hititas atingiram o auge do seu poder econômico quando líder Tudalaia, séculos depois,  unificou as cidades-estados da região sob um único cetro. Este foi o Tratado da Ásia (Assuwa, na língua local), que hoje nomeia a região. Os Hititas assim se tornaram tão poderosos que chegaram a rivalizar com o Império Egípcio.

Infelizmente, foi exatamente essa rivalidade que os levou à ruína. A guerra contra o império do Egito não trouxe apenas a destruição ao povo Hitita, mas também uma misteriosa doença chamada simplesmente de “A Praga”. Uma grande parcela da população já perdeu a sua vida enquanto os curandeiros procuram com afinco uma cura, até agora sem sucesso. O próprio rei Supilo Liuma, que tanto buscou a paz com os povos egípcios, padeceu da doença e depois foi a vez do seu filho sucessor Arnuwanda sofrer o mesmo destino. Hoje, é o seu neto Hattusili quem está no comando da cidade.

 

Sociedade

A guerra e a doença fizeram o império Hitita cair em decadência. Transformaram-no numa colcha de retalhos que o rei Hattusili mal consegue controlar. Apesar de adorado pelo povo de Hattusa e famoso pela batalha de Kadesh, Hattusili tem tentado de tudo para manter as cidades-estados sob controle, mas a situação é desesperadora. Hoje, existem mais de trezentas cidades nessa região que podem ser divididas em estados independentes prestes a se revoltar.

Se a situação já é desesperadora para os Hititas, ela pode ficar ainda pior. O novo faraó do Egito busca as glórias de destruir de vez seus seculares rivais, buscando lançar um ataque final contra a cidade de Hattusa. O faraó já tentou esse feito uma vez, mas foi impedido pelo próprio rei Hattusili na batalha de Kadesh. Resta saber se o rei Hattusili será capaz  de repetir o mesmo sucesso na guerra. Infelizmente, desta vez, encontrar aliados está cada vez mais difícil.

771px-Pieter_Bruegel_the_Elder_-_The_Tower_of_Babel_(detail)_-_Google_Art_Project

Pieter Brueghel the Elder (1526/1530–1569)

Tudalaia

O príncipe Tudalia é filho de Hattusili e sucessor ao trono hitita. Ele sempre foi um habilidoso guerreiro capaz de liderar os exércitos paternos com confiança e determinação. Todos acreditavam que ele seria o grande herói capaz de recuperar a glória perdida da cidade de Hattusa e ganhar o mesmo prestígio que o pai recebera em sua vitória em Kadesh. Com esse intuito, o rei Hattusili entregou ao filho a missão de defender seus aliados Mitani contra o crescente império Assíria ao Leste.

O confronto contra os Assírios culminou na grande “Batalha de Nihriya”. Infelizmente, a atuação do príncipe foi um desastre. As forças assírias avançaram contra o contingente combinado das forças Hititas, Mitani e Babilônicas, derrotando todos que encontravam pela frente. O príncipe Tudalaia teve que recuar para a capital hitita e entregar as terras dos Mitani para o inimigo. Essa derrota agravou ainda mais a decadente situação hitita. Rebeliões se tornaram ainda mais frequentes por todo o império.

Resta saber como será possível para o príncipe Tudalaia recuperar o prestígio perdido e reverter tão terrível situação. Ele assim busca a ajuda do seu primo Kurunta, que é o diplomata chefe dos hititas e alguém com quem Tudalaia compartilha uma verdadeiro laço de amizade.

 

Mursili e Kurunta

A ascensão ao trono do rei Hattusili não foi tão simples quanto alguém poderia pensar. Na verdade, o seu irmão Muwatali quem primeiro assumiu o trono de Hattusa. Eram tempos felizes, pois Hattusili nunca desejou ser o governante e sempre teve uma ótima relação com o irmão. Juntos, ambos Muwatali e Hattusili foram capazes de derrotar o exército egípcio na batalha de Kadesh, com o próprio Hattusili liderando as tropas e se tornando o grande herói do povo Hitita.

Infelizmente, a morte prematura do irmão Muwatali iniciou um grande conflito familiar. O seu filho primogênito Mursili sempre odiou o prestígio do seu heroico tio Hattusili, cuja simples presença sempre lançou uma sombra sobre seu poder. Assim, logo que assumiu o trono, o recém-elevado príncipe Mursili fez de tudo para destruir a influência do tio. Ele até tentou assassiná-lo. No entanto, Hattusili enfrentou e expulsou o sobrinho das terras Hititas, tomando o trono real para si.

O príncipe Mursili foi obrigado a fugir para as terras do Egito para viver em meio ao inimigo. Em seu  exílio, ele tem feito de tudo para atrapalhar qualquer tipo de negociação de paz entre o Faraó e o seu tio usurpador. Na verdade, o príncipe Mursili é o maior partidário de uma invasão egípcia contra Hattusa para que ele seja colocado novamente no trono Hitita, mesmo que seja como uma marionete do Egito.

O príncipe Kurunta, irmão do exilado Mursili, tomou o partido contra o seu próprio sangue e ficou ao lado do tio durante todo o conflito. O rei Hattusili assim o recompensou enormemente por sua sábia decisão, o nomeando chefe diplomata do império hitita. Sua missão atual é negociar um tratado de “Eterna Paz” com o Egito, que deverá ser selado com o casamento entre o faraó Ramsés e a princesa Maathor-Neferure, filha do próprio rei Hattusil. É uma missão que o coloca em confronto direto com o seu irmão Mursili.

 

Bentep-Sharri

Die_Einführung_des_Ganymed_in_den_Olymp_(van_Loo)_-_Ausschnitt

Charles-Amédée-Philippe van Loo (1719–1795)

Os deuses que criaram o mundo são Enki e Enlil, que acabaram perdendo seu poder na hierarquia divina por razões diferentes. No entanto, a irmã deles Ishtar, a deusa do amor e da sexualidade, manteve a adoração dos seus devotos e hoje possui um dos cultos mais difundidos no mundo asiático. Em Hattusa especificamente, o templo da deusa Ishtar é liderado pelo sumo-sacerdote Bentep-Sharri.

É Bentep-Sharr quem organiza as orgias divinas em homenagem à deusa do amor, que estimula os devotos a realizarem grandes doações em troca do prazer oferecido pelas prostitutas e michês que vivem no templo. Apesar desta ser a principal fonte de renda do templo, não há dúvidas que a influência do sumo-sacerdote cresceu enormemente nos últimos anos com o casamento do rei Hattusili com sua sedutora filha Puduhepa, atual rainha de Hattusa e mulher mais poderosa do reino.

 

Telepinu

O heroico guerreiro Telepinu é um semideus nascido do poderoso Tahrunta, que é o líder do panteão hitita e o senhor do raio, do relâmpago e do trovão. O semideus herdou do pai divino a imortalidade e o poder sobre plantas. Ele logo se tornou o patrono da agricultura e o senhor das colheitas dos povos hititas. Por isso, vive entre os homens, viajando pela terras e levando a prosperidade no campo. Felizmente, mesmo com todas as dificuldades que o império hitita vem sofrendo, a falta de comida não é uma delas e isso é atribuído ao bom Telepinu.

Infelizmente, já há alguns dias, ninguém mais teve notícia de Telepinu. Ele simplesmente desapareceu sem avisar o motivo. Muitos contam que ele desejava localizar sua verdeira mãe. Outros dizem que estava enlouquecendo com crises de fúria incontroláveis. E há ainda os que revelam sua recente preocupação com um terrível profecia sobre a maior das guerras que está por vir. É um terrível conflito que destruirá todas as civilizações e trará um terrível momento para os homens: a Era das Lamentações. A profecia parece realmente preocupante para chamar a atenção do próprio deus-guerreiro, mas os hititas estão mais aflitos com algo mais imediato. Com a ausência de Telepinu, os sacerdotes acreditam que o solo secará sem chuvas e as colheitas minguarão trazendo a fome. Eles estão orando fervorosamente aos deuses para que o adorado Telepinu seja encontrado o quanto antes.