Éfeso

A Terra dos Revoltosos

Rei: Manapa Tarhunta
Cidades: Arzawa, Mileto e Seha.
Idioma: Anatólio (Luwian)

Desde o declínio do império Hitita, as terras de Éfeso na região de Arzawa sempre foram as mais problemáticas. Décadas atrás, o rei Uhhaziti foi o primeiro a desafiar o império decadente. Ele ousou chamar o então rei dos Hititas, pai do atual Hattusili, de “criança” e declarou a independência de seu território. Sua revolta só não se concretizou porque os deuses interferiram.

Um grande meteorito caiu dos céus sobre o exército de Uhhaziti. Ferido pela rocha celeste e com seu exército desbaratado, o líder rebelde foi obrigado a recuar de volta à sua cidade. O então rei hitita cercou a cidade num ataque que culminou na morte de grande parte dos revoltosos, incluindo o seu líder. A cidade hoje está entregue nas mãos do general Manapa Tarhunta, que governa o local com punho de ferro.

O rei Manapa Tarhunta é o representante direto do governo hitita. É sua responsabilidade manter a população sob controle para evitar novas rebeliões numa região. Além disso, a região de Arzawa é extremamente importante para o acesso dos hititas ao mar mediterrâneo e por possuir terras bem férteis às margens do rio Seha. Infelizmente, ele antes precisa encerrar a terrivel rebelião iniciada pelo agitador Pyama Radu, filho legítimo do líder derrotado Uhhaziti que clama sei direito de herança pelas terras de Arzawa.

Enquanto isso, a população desde Mileto até o rio Seha vive em constante terror. Muitos são os partidários do líder Piyama Radu que o clamam como herói, mas um número ainda maior o considera um criminoso que só leva morte e destruição por onde passa. Assim, nem todos os povoados aceitam sua chegada enquanto outros os recebem em grande festa.  De qualquer forma, o alto escalão hitita está pressionado o general Manapa Tarhunta para acabar com essa ameaça. Eles já enviaram um exército para atacar o líder revoltoso.

 

Piyama-Radu

Herbert Gustave Schmalz - The Daughters of Judah in Babylon oil on canvas detail of 35 - (MeisterDrucke-357602)

Após muitos anos vivendo escondido, Pyama-Radu ressurgiu para clamar sua herança. Ele é filho do antigo líder Uhhaziti que iniciou uma revolução. Atualmente, o líder revoltoso sabe que seu bando é incapaz de enfrentar o exército Hitita, por isso, ele tem utilizado táticas de guerrilha no confronto.

Ele ataca as cidades locais para pilhar o necessário e então deixa o local antes das forças inimigas chegarem. O atual rei Hitita está preocupado com a situação; por isso, enviou um exército sob a liderança do general Manapa Tarhunta para emboscar os revoltosos. Todos se perguntam se Pyiama-Radu conseguirá escapar outra vez.

 

Nômion e Atpa

Nômion e Atpa são irmãos que juntos governam a cidade de Mileto, na região da Cária. Ambos ascenderam ao trono com o juramento de nunca trair um ao outro, no entanto, eles hoje vivem um terrível impasse político e econômico: eles precisam tomar uma decisão se devem ou não apoiar o líder revoltoso Pyama-Radu.

Nômion tem declarado abertamente que o futuro de Mileto e de toda a Cária deve ser ao lado do atual rei Hattusili de Hattusa. Afinal, por séculos, a cidade viveu do comércio com os povos Hititas e seria um desonra trai-los agora. Por outro lado, seu irmão Atpa tem recebido grandes propostas comerciais do rei Egeu de Atenas, que apoia o revoltoso Piyama-Radu. Afinal, é do interesse ateniense que o império Hitita se enfraqueça para que os micênicos possam aumentar sua presença nas terras da Ásia.

 

Kamrusepa

Kamrusepa é a mais poderosa feiticeira de todos os povos hititas. Sua aparência é bem peculiar com roupas claras cobrindo todo o seu corpo e joias ornando todo o seu corpo. Só ficam à mostra as suas mãos com muitos anéis em cada dedo e seu rosto negro de uma mulher de meia-idade com olhos tranquilizadores.

Kamrusepa é capaz das mais destrutivas magias e dos mais benevolentes poderes de cura. Assim, sempre há alguém em peregrinação à sua procura para receber algum remédio para os seus problemas. Felizmente, a feiticeira sempre está disposta a ensinar como realizar um sacrifício sagrado ou listar os ingredientes para preparar alguma poção.

 

Eritra

A antiga princesa Lâmia do Egito gerou uma filha chamada Sibila, que tomou para si a missão de propagar o culto de seu pai entre os povos do deserto. Ela se tornou assim a grande sacerdote do deus Amon-Zeus. Hoje, seu culto se difundiu rapidamente com dezenas de profetisas espalhadas por toda a Gaia que recebem o título de “Sibilantes”.

A sibilante de Éfeso chama-se Eritra, ficando famosa por possuir um poderoso livro que descreve várias catástrofes naturais que ocorrerão nas próximas centenas de anos. Esses livros ficaram conhecidos como os “Livros Sibilantes”. Esse livro, na verdade, foi escrito por outra sibilante, vinda das terras do Helesponto, mas é a sibilante de Éfeso quem tem buscado reunir um grupo de jovens aventureiros capazes de impedir a próxima catástrofe que está relatada no livro.

 

Wurunkatte

Por milênios, o maior guerreiro dentre os povos da mesopotâmia tomava para si o nome de Zababa. Ele era imbatível nos tempos do Império Sumério e acabou venerado como o deus da guerra dos povos antigos. Alcançou o poder de um deus, num status divino que durou por muitos milênios. Infelizmente, os períodos de glória de Zababa chegaram ao fim quando quase mil anos atrás, o rei Sargão de Acádia conquistou e unificou todas as terras da mesopotâmia para si num único império.

Hoje, Zababa tomou para si um novo nome. Ele é atualmente chamado de Wurunkatte e passou a viver agora entre os povos hititas. Não há nele o desejo de retornar para as terras da mesopotâmia que agora adora outros deuses da guerra. Sob o nome de Wurunkatte, o antigo deus mesopotâmio possui seus próprios seguidores guerreiros na Anatólia.  É um exército particular disposto a doar suas vidas por seu deus da guerra e lhe oferecer muitos sacrifícios de sangue, proveniente de seus adversários. E poucas regiões do mundo lhe entrega tantas possibilidades de batalhas quanto a revoltosa região de Arzawa.