Tráquis

A Cidade dos Heráclidas

Traquis

Rei: Ceix
Território: Dória
Cidades: Orcomeno, Híria, Téspia e Termópila.
Símbolo: O Punho do Semideus

Com o fim do dilúvio de Zeus e o começo da Era de Bronze, o neto de Deucalião chamado Dório primeiro povoou a Beócia iniciando uma próspera tribo. No entanto, a chegada do grande guerreiro Cadmo com grandes exércitos vindos do Leste os expulsou de sua terra e levou seu líder Andreu a assentar no território vizinho. O trauma dessa derrota fez com que os Dórios recebessem o poderoso Sísifo, o maior guerreiro da Era de Bronze, para treiná-los em combate com a promessa de que nunca mais seriam humilhados outra vez.

Sob o comando militar do renomado Sísifo, os Dórios logo ganharam fama em todo o Hélade por seu militarismo e poder. No entanto, o ódio contra os tebanos voltaria a assombrá-los. Quando o filho de Andreu morreu sem sucessores, o belicoso neto de Sísifo chamado Flégias assumiu o poder e declarou guerra contra toda a Beócia. Ele investiu todo o exército dório e sua fortuna familiar para massacrar seus inimigos. No fim, acabou derrotado e morto pelos exércitos dos reis Nicteu e Lico de Tebas. Agora, os Dórios, além de humilhados, passariam a ser obrigados a pagar tributos aos tebanos.

Três gerações se passaram com reis que sucederam Flégias empregando métodos mais pacíficos e econômicos de expansão. No entanto, o desejo de vingança contra os tebanos pode voltar à assombrar os Dórios. O atual rei Ergino deseja lançar um novo ataque contra seus antigos rivais. A decisão polêmica tem causado uma divisão entre os povos Dórios. Embora muitos acreditem na visão de Ergino ficando ao lado dele no assentamento de Orcomeno, a grande maioria tem migrado para a cidade de Tráquis mais ao norte onde o rei Ceix não possui a mesma urgência em se lançar numa custosa guerra.

Sociedade

A razão pela qual o rei Ceix de Tráquis não deseja participar da ofensiva contra Tebas decorre de sua ambição ser muito maior que essa rivalidade mesquinha. O seu desejo é conquistar todo o Hélade e se tornar o representante de um novo deus em ascensão. Ele descende da poderosa criatura chamada de Hespero, o portador da luz, senhor do quinto reino celestial, nascido do ventre da própria alvorada. O rei Ceix acredita que o mundo se curvará ao seu pai Hespero e o próprio Ceix poderá tomar o senhor de monte Olimpo e governante dos homens.

Se os planos do rei Ceix se tornarem públicos, muitos tomarão como loucura. O próprio guerreiro Sísifo que liderou os Dórios no passado já ousou desafiar os deuses e acabou derrotado. No entanto, os planos do rei já estão muito mais avançados do que se imagina. Ele está montando um exército de semideuses que possui o sangue do próprio Zeus correndo em suas veias. É o “Exército dos Heráclidas”, cujos soldados nasceram do ventre de cinquenta mulheres da Téspia que foram fertilizadas pelo famoso herói Héracles.

Hoje, esses soldados são apenas crianças, mas estão passando por um intensivo treinamento na ilha de Sardínia, bem longe do Hélade, para que sejam mantido em segredo. Acredita-se que em menos de vinte anos eles estarão prontos para guerra. Por enquanto, o rei Ceix tenta manter os impulsos do rei Ergino sob controle para que não gaste os recursos Dórios numa guerra banal contra Tebas. Além disso, ele mantém o contínuo contato com seu poderoso pai Hespero para que seus planos também ocorram no plano divino.

 

Hípaso e Hilas

Os príncipes Hípaso e Hilas são filhos do rei Ceix de Tráquis com sua esposa Alcíone. Ambos conhecem bem os planos paternos para conquistar o Hélade e estão dispostos a fazer todo o necessário para ajudar. Assim, eles foram enviados até a cidade de Tebas para ganhar a confiança do herói Héracles. Afinal, embora o rei Ceix saiba que o Exército dos Heráclidas será invencível no futuro, ele acredita que o próprio Héracles poderá ser aliado tão importante quanto seus cinquenta filhos.

O príncipe Hípaso é um habilidoso guerreiro que lidera as forças de Tráquis. Recentemente, ele ficou sabendo que o herói Héracles está aprisionado nos calabouços de Tebas por crimes que cometeu contra sua própria família. Assim, temendo que o heroico semideus seja condenado à morte, o príncipe tem planejado um resgate para salvar sua vida e levá-lo a Tráquis. O plano de resgate só não foi posto em prática pelas informações do irmão Hilas que soube da intervenção do rei de Micenas a favor do semideus. Em troca, Héracles terá que realizar uma série de missões ao rei de Micenas e o jovem Hilas deseja não apenas acompanhar o herói, mas seduzi-lo também.

 

Cicno

Cicno é filho do deus Ares, herdando deste apenas a crueldade e sede de sangue. O grande objetivo de sua vida é erguer um templo construído com os crânios de suas vítimas e dedicado ao seu pai divino, o deus da guerra. Centenas de vítimas já morreram pelo fio da espada de Cicno. A grande maioria era de comerciantes inocentes que estavam no lugar errado e na hora errada. Outra grande parte era de guerreiros que tentaram derrotar o vilão de armadura negra. Ainda restam muitos crânios para coletar, mas a obra de Cicno cresce a cada dia.

O violento Cicno também guarda em si uma terrível frustação. Ele deveria ter sido a origem do exército do rei Ceix. Ele é filho de Ares e sua progênie seria boa o bastante para o plano de conquistar o Hélade. Apesar da relutância, o rei Ceix já havia aceitado essa possibilidade e casado sua filha Temistine com o belicoso Cicno. No entanto, quando o rei da Téspia revelou a impregnação de suas filhas pelo herói Héracles, Ceix percebeu a superioridade do sangue Heráclida e abandonou a ideia de Cicno como progenitor do exército. A decisão encheu o belicoso guerreiro de fúria. Ele matou a princesa Temistine em retaliação e muitos dizem que templo de ossos é apenas uma forma de chamar a atenção do próprio Héracles, pois deseja enfrentá-lo para mostrar quem é o superior,

 

Fênix

Filho de Amintor, morto por Héracles.

 

Hespero

Paul Gustave Doré 1832 – 1883

Céfalo foi um famoso herói que lutou ao lado de Perseu e fundou a cidade micênica de Ítaca. Durante suas aventuras, ele conheceu a titã Eos, deusa da alvorada, com quem teve um ardente romance. Desta união, nasceu Hespero, que herdou poderes luminosos e incandescentes de sua divina mãe que lhe renderam a alcunha de “O Portador da Luz”.

O poderoso Hespero, desde o início, se mostrou arrogante e ambicioso. Ele negou obediência a Zeus e integrou o grupo dos sete celestiais reunido pelo Deus Único, cuja religião cresce no Grande Deserto. Esse grupo de poderosas criaturas inclui Gabriel, Rafael, Uriel, Mikael, Sakiel e Cassiel. O próprio Hespero foi rebatizado com o nome de Samael, recebendo a liderança do quinto reino celestial.

No entanto, nunca foi a intenção de Hespero jurar obediência a outro deus. Ele próprio se considera o maior dos deuses. Assim, Hespero tem planejado uma grande conspiração. Cerca de duzentos guerreiros alados do quinto reino celestial têm se unido ao seu perverso plano, também vinte infiltrados nos outros reinos celestiais e a cidade de Tráquis governada pelo rei Ceix. A qualquer momento a rebelião para usurpar o lugar do Deus Único começará sob o seu comando.