Corinto

escudo-corintoA Cidade do Istmo

Rei: Pólibo
Território: Áquea
Cidades: Sicião, Megara, Cleone, Égium e Hélice.
Símbolo: O Sol Divino

As duas primeiras cidade do mundo foram Eugiália e Argos, que foram fundadas pelos filhos do oceanida Ínaco. Seus descendentes governaram a cidade por várias gerações até que os reis irmãos Lamedão e Córax, que governaram a cidade nos tempos do herói Perseu, não conseguiram gerar descendentes masculinos. A cidade foi assim entregue ao grande guerreiro da Tessália chamado Epopeu que guerreou com rei Nicteu de Tebas após fugir com a filha deste rei. Esse ato gerou um terrível conflito que só se encerrou com a morte de ambos os reis, mas fez a cidade hoje chamada de Corinto se tornar sua colônia.

A cidade de Corinto, na época chamada de Éfira, foi fundada pelo rei Eetes, que renunciou ao trono da cidade para viver nas terras longínquas de Cólquida já no continente asiático. Ele colocou o seu braço-direito Buno como sucessor, mas este cometeu o erro de tomar o lado de Tebas no conflito contra Epopeu, que acabou conquistando a cidade para si. Com a morte do rei Epopeu neste mesmo conflito, seu filho revoltoso chamado Maraton acabou governando ambas. Em seguida, as cidades foram divididas pelo filhos deste. A cidade de Eugiália, ficou com o príncipe Sicião e a cidade de Éfira ficou com o príncipe Corinto, que acabaram as renomeando com seus próprios nomes. Hoje, as duas cidades voltaram a ser governadas por um mesmo rei, pois Sicião não conseguir ter filhos, assim o filho de Corinto chamado Pólibo tomou o governo de ambas para si.

Sociedade

O rei Pólibo está hoje de cabelos grisalhos e corpo frágil, mas todos adoram o bom rei que recebeu da população a alcunha de “Creonte”, que se traduz como “Bilhante”. A população de Corinto, em especial, que sempre odiou o domínio que a cidade de Eugiália deteve sobre ela, também aprendeu a adorar seu rei brilhante. Ele ficou muito bem visto após tomar o palácio real de Corinto como sua residência oficial, o que fez a cidade se tornar mais importante politicamente que a própria Eugiália que a domina. No entanto, apesar da crescente popularidade do rei Pólibo em Corinto, nem toda população ainda o aceita como seu rei verdadeiro.

Há um grupo de descontentes que não aceitam outro nome para a cidade. Eles se auto-proclama os “Guardiões de Éfira” e “Filhos de Eetes” em homenagem ao nome original da cidade e ao seu antigo fundador que a deixou décadas atrás para viver na Ásia. Eles propalam que um dia o rei Eetes voltará para governar a cidade e expulsar os invasores. Esse desejo que tomou ares de profecia acaba de se tornar uma grande problema para o rei Pólibo. Uma expedição do navio Argos está planejada para as terras de Cólquida. Ela levará dezenas de heróis para buscar o poderoso artefato chamado de Tosão de Ouros. Preocupado, o rei Pólibo enviará seu irmão Flias para participar do expedição e trazer notícias do rei Eetes.

 

Hipotes e Glauce

O rei Pólibo Creonte teve quatro filhos ao longo de sua vida. O mais velho Édipo foi adotado ainda bebê após ter sido encontrada numa estrada por onde o rei passava, mas este também seguiu seu próprio caminho se tornando rei de Tebas por sua própria competência. Sua filha mais velha Lisianassa casou com o rei Adrasto de Argo. Por fim, os outros dois filhos, que hoje vivem na cidade são o príncipe Hipotes e a princesa Glauce.

O príncipe Hipotes é o atual sucessor do rei Pólibo. Ele nunca foi um grande guerreiro, nem é popular entre a população. Ele é considerado por todos como mimado e arrogante, que demanda tudo para si, mas é incapaz de tomar as medidas necessárias para o conseguir sozinho. A princesa Glauce, por outro lado, ainda é muito jovem recentemente alcançando a idade para se casar. O rei Pólibo já busca um noivo perfeito para engrandecer sua casa e sua sucessão.

 

Procrustes

Todas as famílias possuem algum integrante que só trazem problemas aos demais. Na família real de Eugiália e Corinto, o nome de sua ovelha negra certamente é Procrustes. Na verdade, o próprio Procrustes estava destinado a ser rei da cidade de Corinto por ter se casado com a princesa Sílea, filha do antigo rei Corinto, que nomeou a cidade. No entanto, ele foi exilado por seus terríveis crimes, levando seu primo Pólibo, filho de Sicião, a suceder em ambos os tronos corintiano.

Os crimes do infame Procrustes e de sua esposa Sílea vieram de sua conversão a um grupo de cultistas fanáticos que acreditam serem capazes de abrir as portas do inferno com rituais de sangue humano. O próprio Procrustes realiza rituais com seu machado para cortar os pés de viajantes e deixá-los sangrar até morrer. O filho do casal, chamado Sínis, é ainda mais sádico. Ele costuma curvar pinheiros com sua grande força para catapultar viajantes amarrados neles. A ação dessa sanguinária dessa família faz com que o caminho por terra entre Corinto e Atenas seja considerado o mais perigoso de todo o Hélade. Resta saber que tipo de criatura demoníaca eles desejam conjurar das entranhas da terra com esses rituais macabros.

 

Flias

O guerreiro veterano Flias é o maior herói de Corinto. Ele é irmão do rei Pólibo, por serem filhos da rainha Ctonofile, mas os pais diferem por Pólibo ser filho do rei anterior Sicião tendo sucedido o pai no governo da cidade, enquanto Flias é filho do deus viajante Dionísio, tendo herdade habilidade sobre-humanas.

O habilidoso Flias está começando a mostrar os seus primeiros cabelos brancos, o que já revela sua experiência. Ele é veterano da guerra Cnosso-Atenas e da revolta de Arcander-Arquiteles.  Atualmente, está participando da expedição dos heróis argonautas até a terra de Cólquida em busca do Tosão de Ouro. Ele se tornou voluntário a pedido do seu irmão, pois deseja saber a situação do lendário rei Eetes, que há anos abandonou a cidade de Corinto que fundou para as longínquas terras do Leste.

 

Friedrich_John_nach_Matthäus_Loder_Sisyphus_ubs_G_0825_II

Friedrich John (1769–1843)

Ornitião

A história velho comandante Ornitião, que comanda o exército corintiano há décadas, se confunde com a da própria cidade. Afinal, o rei Eetes fundou a cidade de Corinto há muitos anos atrás, mas ele não o fez sozinho. Ele teve ao seu lado a ajuda do seu pai divino Hélio, o deus-sol, e do herói desgraçado Sísifo, que muitos consideram o maior herói que já pisou sobre a terra, maior até que o famoso Perseu. Foi Sísifo que montou e treinou o exército de Corinto de forma que o seu legado vive até hoje no seu filho mais velho Ornititão. O comandante ancião até hoje é um dos principais conselheiros do rei Pólibo.

O velho Ornitião já viveu muitos anos de vida e combateu em muitas guerras. Por esse motivo, são seus filhos Toas e Foco, no auge de seus corpos físicos, que lideram o exército de Corinto em campo. No entanto, os tranquilos últimos anos de vida do ancião estão prestes a mudar. Ele foi surpreendido recentemente com a chegada de um homem na porta de sua residência. Ele logo reconheceu que era o seu pai Sísifo, rejuvenescido e saudável. Este contou que, após décadas aprisionado e torturado no Tártaro nevoento, ele conseguiu enganar a morte e escapar do mundo dos mortos. E possui grandes planos agora que retornou ao mundo dos vivos.