Anfissa

A Cidade dos Sátiros

Rei: Hodédoco
Território: Fócida
Símbolo: O Ônfale Divinatório.

A mais divertida de todas as raças humanas vive principalmente nas florestas da civilização Fócida. Sua aparência pode assustar à primeira vista. Eles possuem pequenos chifres em suas cabeças, cascos no lugar dos pés, dois metros de altura e corpos musculosos com pernas bem peludas. No entanto, eles são descendentes de Hermes sabendo ser sensíveis e educados quando necessários. Eles adoram a música, a arte e a poesia. Além disso, são amantes do vinho e de boas festas.  A origem dessa raça começou há mais de um século atrás. A bela Iftime residia nessas mesmas florestas quando teve uma noite de amor com o deus Hermes. O fruto desse amor foram três seres com o peculiar aspecto que é característico dos sátiros. Esses três sátiros herdaram de seu pai o incontrolável desejo pelo sexo oposto. Assim, não demorou muito para centenas de mulheres surgirem grávidas nos anos que seguiram.

Os sátiros nunca fundaram cidades em Micenas, pois não existem Sátiros femininos. Eles procriam com mulheres de outras raças. Quando a criança for do sexo masculino, ele nasce um Sátiro. Quando a criança for do sexo feminino, nasce da raça de sua mãe. E, num povo que enaltece tanto o amor carnal, seria impensável uma comunidade apenas com membros do mesmo sexo. A única exceção é a comunidade Silênia que fica nessas florestas da Fócida e recebeu o nome de seu atual líder Sileno. A verdade é que esta comunidade pouco lembra uma cidade. Na verdade, Silênia pode ser descrita como um local para as farras do povo sátiro. É um local onde o vinho nunca acaba, a música nunca pára e mulheres libertinas são convidadas para noitadas de muita diversão. É um festival interminável, aberto para os sátiros e adoradores de boas farras de todo o mundo.

A cidade de Anfissa foi fundada na região para se aproveitar do grande número de visitantes que chegam ao local. Antes mesmo da chegada dos Sátiros, o famoso líder guerreiro Sísifo dominou a região. No entanto, não muito tempo depois, caiu em desgraça por desafiar os próprios deuses. O seu irmão Macareu tomou a região para si e fundou a cidade de Anfissa, mas este também desafiou as leis naturais dos deuses ao se apaixonar pela própria irmã Canace. Assim, quando o seu pai Éolo descobriu sobre a paixão secreta, os dois irmãos se suicidaram em vergonha. O casal incestuoso teve dois filhos antes de seu trágico fim: o guerreiro Epopeu e a princesa Anfissa. O guerreiro deixou a região para fazer guerra nas terras do Peloponeso enquanto sua irmã teve a relação com um pastor de ovelhoque dizem ter sido o próprio deus Hermes. O fruto dessa união foi Hodédocus que hoje governa a cidade com o nome de sua mãe.

Oileu

O Príncipe Oileu, filho do rei Hodédoco da Lócria, recentemente se inscreveu para a mais recente missão. Ele deseja viajar até Iolco e embarcar no navio dos Argonautas para recuperar o artefato mágico conhecido como o Tosão de Ouro. A decisão do filho dei xou o pai orgulhoso e teve seu nome clamado aos quatro ventos.

A verdade é que a decisão do rapaz tem uma razão menos nobre. Recentemente, ele descobriu que sua amante René, uma bela ninfa das florestas, está grávida. Ele sabe que a decisão causará sérios problemas com sua noiva Eriope, cujo casamento é parte de uma negociação política do seu pai. Agora, Oileu deseja levar a amante grávida até a cidade de Fílace para que ninguém descubra que seu filho Ájax está para nascer. Assim, quando voltar da viagem dos Argonautas tudo já estará resolvido e ele poderá se casar com a noiva escolhida.

Laógoras

O líder Laógoras  comanda um grupo camado de Dríopeas na qual integram homens revoltados com a cidade de Silênia. Eles odeiam o estilo de vida dos Sátiros, que estão sempre corrompendo suas filhas e causando bagunça nos vilarejos próximos. Eles estão cansado de tudo que está acontecendo e já se unem para atacar o local.

O revoltoso Laógoras descende do próprio rei Dánao que veio do Egito para se exilar na cidade de Micenas há cinco gerações. A filha deste antigo rei, chamada de Polidora se casou com o oceanida Espérquip. Desta união vieram os descendentes Cragaleu, Dríopa e Melaneu até enfim nascer o próprio Laógoras. Recentemente, o líder realizou uma aliança com a cidade de Lápite, que possui um ódio semelhante contra a raça dos centauros. Juntos, o p´rincipe Corono de Lápite e o líder Laógoras dos Dríopes desejam varrer do mapa essas ambas raças dos sátiros e dos Centauros, que eles consideram inferiores.

Ménades

O culto de Dionísio gera fascinação em todos por sua exaltação ao vinho e uso de alucinógenos, os quais o seu líder é capaz gerar nos seus seguidores. Esse culto também prega o amor livre e sem restrições com a pessoa podendo viver suas vidas como quiser e com quantos parceiros desejar. Orgias ritualísticas chamadas de Bacanálias são realizadas com frequência e o amor liberal é parte da comunidade de seus seguidores. Muitas são as mulheres que abandonam seus pais para viver esse estilo de vida. Essas mulheres são chamadas de Ménades.

O líder Dionísio é cultuado como um deus, pois já realiza essas ritos há mais de três gerações sem nunca envelhecer, sempre regado a muitas orgia, alucinógeno e música. Ele nunca permanece muito tempo no mesmo lugar por muito tempo. Está sempre viajando de cidade em cidade promovendo esse estilo de vida, mas a cidade dos sátiros de Siênia é um local aonde ele sempre retorna por sua grande amizade com o líder Sileno e por saber que suas portas estão sempre abertas. As suas seguidoras estão sempre ao seu lado, dançando e cantando, num estado de êxtase absoluto. Elas assim se entregam aos seus desejos mais primitivos graças aos poderes de Dionísio. E não raro são violentas e agressivas, não se contendo em trucidar os inimigos do seu mestre quando esse assim ordena.

Sileno

A grande maioria dos Sátiros vive nas cidades do mundo civilizados vivendo junto aos cidadãos helenos. No entanto, nas florestas da Beócia, existe a única comunidade de sátiros de mundo. Ela existe desde que a filha do povoador Doro chamada Iftime teve um romance com Hermes gerando toda essa raça.  Esta comunidade é liderada por Sileno, o mais sábio dos sátiros. Isso quando Sileno não está embriagado com o doce vinho. É uma condição bem constante na vida desse sátiro. Muitos relatos contam que Sileno não consegue ficar sóbrio há anos. Para a maioria dos humanos isso é uma vergonha, mas para a raça dos sátiros isso faz de Sileno um herói.

Sileno é constantemente visto ao lado de Báco Dionísio. O famoso viajante sempre visita o amigo e tutor Sileno quando vem a Micenas, mesmo quando o sábio sátiro fala sobre suas malucas conclusões inebriadas. Por exemplo, ele diz que os continentes de Micenas, do Deserto de Faeton e de Éfeso são na verdade gigantescas ilhas circundadas pelas águas do Oceano. O sátiro fez muitas viagem em sua comitiva por cidades distantes da Ásia como a Frígia do rei Midas e a Mísia de sua parceira Mélia.  Esta mulher foi uma das seguidores Ménades do culto de dionísio que deceidiu se fixar em Silênia junto com o líder sátiro com quem divide o seu dia a dia.