Judeus

Livro dos Judeus

 

I – Destruição

  1. Sobre o propósito da guerra que levou à destruição do Segundo Templo, os fariseus examinam vários aspectos da destruição do Templo em maiores detalhes. [Bavli Gittin 55b.16]
  2. Rabi Yoḥanan disse: Qual é o significado daquilo que está escrito: “Feliz é o homem que sempre teme, mas aquele que endurece o seu coração cairá no mal”. [Bavli Gittin 55b.16 – Provérbios 28:14]
  3. E o que é ilustrativo deste provérbio? [Bavli Gittin 55b.16]
  4. A destruição de Jerusalém que aconteceu por meio de um Kamza e um Bar Kamza; [Bavli Gittin 55b.16]
  5. A destruição da “Montanha do Rei” veio através de um galo e uma galinha; [Bavli Gittin 55b.16]
  6. A destruição de Bethar veio por meio de uma haste de couro. [Bavli Gittin 55b.16]
  7. Os fariseus explicam que destruição de Jerusalém por meio de um Kamza e um Bar Kamza. [Bavli Gittin 55b.17]
  8. Ela veio dessa forma quando um certo homem tinha ambos como amigos. [Bavli Gittin 55b.17]
  9. Certa vez, este anfitrião fez uma festa e disse ao seu servo: Vá e traga Kamza. O servo foi, mas trouxe Bar Kamza. [Bavli Gittin 55b.17]
  10. Quando o anfitrião encontrou Bar Kamza lá, disse: Veja, você conta calúnias sobre mim; o que você está fazendo aqui? Vá embora. [Bavli Gittin 55b.18]
  11. O outro disse: Já que estou aqui, deixe-me ficar, e pagarei por tudo o que comer e beber. [Bavli Gittin 55b.18]
  12. O anfitrião respondeu: Eu não vou permitir.[Bavli Gittin 56a.1]
  13. Bar Kamza disse: Então deixe-me dar a você metade do custo da festa. [Bavli Gittin 56a.1]
  14. Não, disse o outro. [Bavli Gittin 56a.1]
  15. Bar Kamza continuou: Então, deixe-me pagar pela festa toda. [Bavli Gittin 56a.1]
  16. Ele ainda disse: Não, e ele o pegou pela mão e o colocou para fora. [Bavli Gittin 56a.1]
  17. Bar Kamza então lamentou: Visto que os rabinos estavam sentados ali e não o impediram, isso mostra que concordavam com ele. Irei informar contra eles ao Governo então. [Bavli Gittin 56a.2]
  18. Ele foi e disse ao imperador: Os judeus estão se rebelando contra você. [Bavli Gittin 56a.2]
  19. O imperador disse: Como posso saber? [Bavli Gittin 56a.2]
  20. E Bar Kamza disse-lhe: Envia-lhes uma oferta e vê se a oferecem no altar. [Bavli Gittin 56a.2]
  21. Então ele enviou um belo bezerro, mas no caminho, ele fez uma mancha no lábio superior ou, como dizem alguns, no branco do olho. [Bavli Gittin 56a.3]
  22. Era um lugar onde os judeus consideram uma mancha, mas pagãos não. [Bavli Gittin 56a.3]
  23. Os rabinos estavam inclinados a oferecê-lo para não ofender o governo. [Bavli Gittin 56a.3]
  24. O rabino Zacarias ben Abkulas lhes disse: As pessoas dirão que animais manchados são oferecidos no altar. [Bavli Gittin 56a.3]
  25. Eles então propuseram matar Bar Kamza para que ele não fosse denunciá-los. [Bavli Gittin 56a.4]
  26. Mas o rabino Zacarias disse-lhes: Será que quem faz mácula nos animais consagrados será morto? [Bavli Gittin 56a.4]
  27. E assim por meio da misericórdia do rabino Zacarias ben Abkulas, a casa dos judeus foi destruída, o templo queimado e eles mesmos exilados de sua terra. [Bavli Gittin 56a.4]

II – Fome

  1. O imperador enviou Nero contra os rabinos. Enquanto ele vinha, atirou uma flecha para o oriente, e ela caiu em Jerusalém. [Bavli Gittin 56a.6]
  2. Ele então atirou em um para o oeste, e ela caiu novamente em Jerusalém. [Bavli Gittin 56a.6]
  3. Ele disparou em direção a todos os quatro pontos cardeais e, a cada vez, caiu em Jerusalém. [Bavli Gittin 56a.6]
  4. Nero então fez outro teste: Ele disse a uma criança: Conte-me um versículo que você aprendeu hoje. [Bavli Gittin 56a.7] 
  5. E ele disse: “Eu porei minha vingança sobre Edom, pela mão de meu povo Israel.” [Bavli Gittin 56a.7]
  6. Nero disse: “O Santíssimo, bendito seja Ele, deseja devastar o seu templo e colocar a culpa em mim.” [Bavli Gittin 56a.7] 
  7. Como os romanos são associados a Edom, os descendentes de Esaú, se eu continuar nesta missão, eventualmente serei punido por ter servido como agente de Deus para causar a destruição. [Bavli Gittin 56a.7] 
  8. Então ele fugiu e se converteu, e finalmente Rabi Meir descendeu dele. [Bavli Gittin 56a.7] 
  9. Havia na cidade três homens de grande riqueza, Nakdimon ben Gorion, Ben Kalba Shabua ‘e Ben Zizith Hakeseth. Os fariseus explicam o nome deles. [Bavli Gittin 56a.8]
  10. Nakdimon ben Gorion era assim chamado porque o sol continuava brilhando por sua causa. [Bavli Gittin 56a.9]
  11.  Ben Kalba Shabua era assim chamado porque alguém entrava em sua casa com fome como um cachorro e saía cheio. [Bavli Gittin 56a.8]
  12. Ben Zizith Hakeseth era assim chamado porque suas franjas costumavam se arrastar em almofadas ou pelo fato de que sua residência estava entre as da nobreza de Roma. [Bavli Gittin 56a.8]
  13. Essas três pessoas ricas ofereceram sua ajuda. [Bavli Gittin 56a.9]
  14. Um deles disse aos líderes da cidade: Vou alimentar os moradores com trigo e cevada. [Bavli Gittin 56a.9]
  15. Outro disse aos líderes da cidade: Darei aos moradores vinho, sal e azeite. [Bavli Gittin 56a.9]
  16. E outro disse aos líderes da cidade: Vou fornecer lenha aos moradores. [Bavli Gittin 56a.9]
  17. Os Sábios deram um elogio especial a quem deu a madeira, visto que era um presente especialmente caro. [Bavli Gittin 56a.9]
  18. Rav Ḥisda daria todas as chaves para seu servo, exceto a chave de seu galpão para guardar lenha, que ele considerava a mais importante de todas. [Bavli Gittin 56a.9]
  19. Um depósito de trigo requer sessenta depósitos de madeira para cozinhar e assar combustível. [Bavli Gittin 56a.9]
  20. Esses três homens ricos tinham entre si mercadorias suficientes para sustentar os sitiados por 21 anos. [Bavli Gittin 56a.9]
  21. Os Zelotes do palácio estavam então na cidade quando os rabinos disseram-lhes: Vamos sair e fazer as pazes com os romanos. [Bavli Gittin 56a.10]
  22. Eles não os deixaram, pelo contrário, disseram: Vamos sair e lutar contra eles. [Bavli Gittin 56a.10]
  23. Os rabinos disseram: Você não terá sucesso. [Bavli Gittin 56a.10]
  24. Eles então se levantaram e queimaram os estoques de trigo e cevada, resultando em uma fome. [Bavli Gittin 56a.10]
  25. Marta, filha de Boécio, era uma das mulheres mais ricas de Jerusalém. Ela mandou seu servo dizer: Vá e traga-me um pouco de farinha. [Bavli Gittin 56a.11]
  26. Quando ele foi embora, os vale-refeições estavam esgotados. Ele veio e disse a ela: Não há farinha boa, mas tem farinha branca. [Bavli Gittin 56a.11]
  27. Ela então disse a ele: Vá e traga-me algumas. [Bavli Gittin 56a.11]
  28. Quando foi embora, descobriu que a farinha branca tinha acabado. [Bavli Gittin 56a.11]
  29. Ele veio e disse a ela: Não há farinha branca, mas há farinha escura. [Bavli Gittin 56a.11]
  30. Ela disse a ele: Vá e traga-me um pouco. Quando ele foi embora, os vale-refeições estavam esgotados. [Bavli Gittin 56a.11]
  31. Ele voltou e disse a ela: Não há farinha escura, mas há farinha de cevada. [Bavli Gittin 56a.11]
  32. Ela disse: Vá e traga-me um pouco. Quando ele foi embora, esta também estava esgotada. [Bavli Gittin 56a.12]
  33. Ela tinha tirado os sapatos, mas disse: Vou sair e ver se encontro alguma coisa para comer. Bastou que sujasse o pé em fezes para que morresse de desgosto. [Bavli Gittin 56a.12]
  34. Outros relatam ainda que a Marta adoeceu e morreu porque comeu um figo deixado pelo rabino Zadok. [Bavli Gittin 56a.13]
  35. Este rabino Zadok observou jejuns por quarenta anos para que Jerusalém não fosse destruída. [Bavli Gittin 56a.13]
  36. Ele ficou tão magro que quando comia qualquer coisa, a comida podia ser vista quando passava por sua garganta. [Bavli Gittin 56a.13]
  37. Quando ele queria se restaurar, costumavam trazer um figo para ele, e ele chupava o suco e jogava o resto fora. [Bavli Gittin 56a.13]
  38. Quando Marta estava para morrer, tirou todo o seu ouro e prata e jogou-os na rua, dizendo: Que adianta isso para mim. [Bavli Gittin 56a.13]
  39. Cumpria assim o versículo: Eles lançarão a sua prata nas ruas. [Bavli Gittin 56a.13]

III – Rabino Zadok

  1. O jejum não funcionou e a cidade foi destruída. Os fariseus se perguntaram: “E como os médicos curaram o rabino Zadok?” [Bavli Gittin 56b.7]
  2. Bem, no primeiro dia, eles o deixaram beber água com farelo embebido; no dia seguinte água com farinha grossa. [Bavli Gittin 56b.7]
  3. Enfim, no dia seguinte, deram-lhe a farinha molhada, de modo que seu estômago foi se expandindo aos poucos. [Bavli Gittin 56b.7]
  4. Tito, que foi o enviado por Vespasiano para destruir a cidade, questionou: Onde está o seu Deus, a rocha em que confiavam? [Bavli Gittin 56b.8]
  5. Este era o iníquo Tito que blasfemava e insultava o céu. E o que ele fez? [Bavli Gittin 56b.9]
  6. Ele pegou uma prostituta pela mão e entrou no Santo dos Santos, espalhou um rolo da Lei e cometeu pecado sobre ele. [Bavli Gittin 56b.9]
  7. Ele então pegou uma espada e cortou a cortina. Milagrosamente sangue jorrou, e ele pensou que tinha se matado. [Bavli Gittin 56b.9]
  8. Assim se diz: Teus adversários rugiram no meio de tua assembleia, eles armaram seus estandartes como sinais. [Bavli Gittin 56b.9]
  9. Abba Hanan disse: Quem é poderoso como tu, ó Senhor? [Bavli Gittin 56b.10]
  10. Quem é como tu, poderoso no autodomínio, que ouviste as blasfêmias e insultos daquele homem perverso e te mantiveste calado? [Bavli Gittin 56b.10]
  11. Na escola do rabino Ishmael foi ensinado: Quem é como você entre os deuses? [Bavli Gittin 56b.10] 
  12. Quem é como Tu entre os mudos, que se comporta como um mudo e permanece em silêncio diante de Teus blasfemadores? [Bavli Gittin 56b.10]
  13. Tito ainda pegou a cortina e a moldou como um cesto e trouxe todos os vasos do Santuário e os colocou nela. [Bavli Gittin 56b.11]
  14. Então os colocou a bordo do navio para ir e triunfar com eles em sua cidade, dizendo: [Bavli Gittin 56b.11]
  15. Com isso eu vi os ímpios sepultados e irem ao local de descanso. [Bavli Gittin 56b.11]
  16. E aqueles que fizeram o correto haviam deixado o lugar santo e foram esquecido na cidade. [Bavli Gittin 56b.11]
  17. Não leia enterrado, mas coletado; não leia esquecidos, mas triunfados. [Bavli Gittin 56b.11]
  18. Alguns dizem que estes podem ter sido realmente enterrados, porque até as coisas que foram enterradas foram reveladas a eles. [Bavli Gittin 56b.12]
  19. Um vendaval surgiu no mar e ameaçou destruí-lo. Tito disse: Aparentemente, o poder do Deus dessas pessoas é apenas sobre a água. [Bavli Gittin 56b.13]
  20. Quando Faraó veio, Ele o afogou em água. Quando Sísera veio, Ele o afogou em água. Ele também está tentando me afogar na água? [Bavli Gittin 56b.13]
  21. Se ele for realmente poderoso, deixe-o subir em terra firme e lutar comigo. [Bavli Gittin 56b.13]
  22. Uma voz saiu do céu dizendo: Pecador, filho de pecador, descendente do pecador Esaú, tenho uma criaturinha em meu mundo chamada mosquito. [Bavli Gittin 56b.13]
  23. Por que é chamado de criatura minúscula? Porque tem um orifício para receber, mas não para excretar. [Bavli Gittin 56b.14]
  24. A divina voz continuou: Suba para a terra seca e faça guerra contra ela. [Bavli Gittin 56b.15]
  25. Quando Tito desembarcou, o mosquito veio e entrou em seu nariz, e bateu em seu cérebro por sete anos. [Bavli Gittin 56b.15]
  26. Um dia, quando ele estava passando por um ferreiro, ele ouviu o barulho do martelo e parou. Então disse: Eu vejo que existe um remédio. [Bavli Gittin 56b.15]
  27. Então, todos os dias lhe traziam um ferreiro que martelava diante dele. [Bavli Gittin 56b.15]
  28. Se o ferreiro fosse gentio, lhe dariam quatro dinares como pagamento. Se ele fosse judeu, diziam: Basta que vejas o sofrimento do teu inimigo. [Bavli Gittin 56b.15]
  29. Isso durou trinta dias, mas depois a criatura se acostumou com o barulho e continuou a causar sofrimento em Tito. [Bavli Gittin 56b.15]
  30. O rabino Phineas ben Aruba disse: Eu estava na companhia de notáveis ​​de Roma, e quando Tito morreu e abriram seu crânio; encontraram o mosquito do tamanho de um pardal com o peso de dois selás. [Bavli Gittin 56b.16]
  31. Tanna ensinou que era como uma pomba de um quilo de peso e Abaye disse: temos registro de que seu bico era de latão e suas garras de ferro. [Bavli Gittin 56b.16]
  32. Quando morreu, Tito disse: Queime-me e espalhe minhas cinzas sobre os sete mares, para que o Deus dos judeus não me encontre e me leve a julgamento. [Bavli Gittin 56b.17]

IV – Profetas Gentios

  1. Os fariseus ensinaram sobre Onkelos bar Kalonikos, filho da irmã de Tito, que queria se converter ao judaísmo. Disseram que ele foi e ressuscitou Tito do túmulo através da necromancia.
  2. Quando Onkelos perguntou: Quem é mais importante neste mundo onde você está agora?, Tito lhe respondeu: O povo judeu. [Bavli Gittin 56b.17]
  3. Onkelos perguntou-lhe: Devo então me ligar a eles aqui neste mundo? [Bavli Gittin 56b.17]
  4. Tito lhe disse: Seus mandamentos são numerosos e você não será capaz de cumpri-los. [Bavli Gittin 56b.17]
  5. Tito continuou: É melhor que você saia e batalhe contra eles naquele mundo, e você se tornará o chefe, como está escrito: “Seus adversários se tornaram os chefes”. [Bavli Gittin 56b.17 – Lamentações 1:5]
  6. Isso significa que qualquer pessoa que afligir Israel se tornará o chefe. [Bavli Gittin 56b.17]
  7. Onkelos disse-lhe: Qual é o castigo daquele homem, um eufemismo para o próprio Tito, no outro mundo? [Bavli Gittin 56b.17]
  8. Tito disse a ele: Aquilo que decretou contra si mesmo, que era passar pelo seguinte. [Bavli Gittin 57a.1]
  9. Todos os dias as suas cinzas são recolhidas, e eles o julgam, o queimam, e o espalham sobre os sete mares. [Bavli Gittin 57a.1]
  10. Onkelos então foi e ressuscitou Balaão da sepultura por meio da necromancia. [Bavli Gittin 57a.2]
  11. Quando Onkelos o perguntou: Quem é mais importante naquele mundo onde você está agora?, Balaão disse-lhe: O povo judeu. [Bavli Gittin 57a.2]
  12. Onkelos perguntou-lhe: Devo então me ligar a eles aqui neste mundo? [Bavli Gittin 57a.2]
  13. Balaão disse-lhe: Não procurarás a paz ou o bem-estar deles todos os dias (ver Deuteronômio 23: 7). [Bavli Gittin 57a.2]
  14. Onkelos disse-lhe: Qual é o castigo daquele homem, um eufemismo para o próprio Balaão, no outro mundo? [Bavli Gittin 57a.2]
  15. Balaão disse-lhe: Ele é cozido em sêmen fervente, pois fez com que Israel se envolvesse em comportamento licencioso com as filhas de Moabe. [Bavli Gittin 57a.2]
  16. Onkelos então foi e ressuscitou Jesus, o Nazareno, da sepultura por meio da necromancia. [Bavli Gittin 57a.3]
  17. Quando Onkelos lhe perguntou: Quem é mais importante naquele mundo onde você está agora?, Jesus disse-lhe: O povo judeu. [Bavli Gittin 57a.3]
  18. Onkelos perguntou-lhe: Devo então me ligar a eles neste mundo? [Bavli Gittin 57a.3]
  19. Jesus disse-lhe: O bem-estar deles você deve buscar, o seu infortúnio você não deve buscar. [Bavli Gittin 57a.3] 
  20. Jesus continuou: “Porque qualquer um que os tocar é considerado como se estivesse tocando a menina dos seus olhos [Bavli Gittin 57a.3 – ver Zacarias 2:12].
  21. Onkelos disse-lhe: Qual é o castigo daquele homem, um eufemismo para o próprio Jesus, no outro mundo? [Bavli Gittin 57a.4]
  22. Jesus disse-lhe: Ele é castigado com excremento fervente, pois disse o Mestre: Qualquer um que zombar das palavras dos fariseus será condenado a excremento fervente. [Bavli Gittin 57a.4]
  23. Este foi o seu pecado por zombar das palavras dos fariseus.
  24. Os fariseus comentaram: Venha e veja a diferença entre os pecadores de Israel e os profetas das nações do mundo. [Bavli Gittin 57a.4]
  25. Como Balaão, que era um profeta, desejava mal a Israel, enquanto Jesus, o Nazareno, que era um pecador judeu, buscava o bem-estar deles. [Bavli Gittin 57a.4]
  26. Assim também se conclui a história de Kamza e bar Kamza sobre a destruição de Jerusalém. [Bavli Gittin 57a.5]
  27. É ensinado: Venha e veja quão grande é o poder da humilhação. [Bavli Gittin 57a.5]
  28. O Santíssimo, Bendito seja Ele, esposou a causa de Bar Kamza, que havia sido humilhado. [Bavli Gittin 57a.5]
  29. Devido a esta humilhação, o Senhor destruiu o Templo e queimou o santuário. [Bavli Gittin 57a.5]

V – Bar Daroma

  1. O lugar conhecido como Montanha do Rei [Tur Malka] foi destruído por causa de um galo e uma galinha.
  2. [Bavli Gittin 57a.6]
  3. Era costume naquele lugar que, quando levassem uma noiva e um noivo ao casamento, levassem um galo e uma galinha à sua frente. [Bavli Gittin 57a.6]
  4. Era como se dissessem à maneira de um bom presságio: Seja fecundo e multiplique-se como galinhas. [Bavli Gittin 57a.6]
  5. Um dia, uma tropa de soldados romanos passou por lá durante um casamento e levou o galo e a galinha deles. [Bavli Gittin 57a.7]
  6. Os moradores da cidade caíram sobre eles e os espancaram. [Bavli Gittin 57a.7]
  7. Os soldados vieram e disseram ao imperador: Os judeus se rebelaram contra você. [Bavli Gittin 57a.7]
  8. O imperador então veio contra eles na guerra. [Bavli Gittin 57a.7]
  9. Entre os residentes da Montanha do Rei havia um certo homem chamado bar Deroma que podia pular a distância de um milhar. [Bavli Gittin 57a.7]
  10. Ele matou muitos dos romanos, que eram impotentes para se levantar contra ele. [Bavli Gittin 57a.7]
  11. O imperador então pegou sua coroa e colocou-a no chão em sinal de luto. [Bavli Gittin 57a.7]
  12. Ele disse: Mestre do Universo, se te agrada, não entregue aquele homem, um eufemismo para si mesmo, e seu reino nas mãos de um só homem. [Bavli Gittin 57a.7]
  13. No final, foram as palavras que saíram de sua própria boca que fizeram com que bar Deroma tropeçasse [Bavli Gittin 57a.8]
  14. Pois Bar Deroma proferiu um versículo em queixa contra Deus: “Não foste tu, ó Deus, que nos rejeitaste e deixaste de sair com os nossos exércitos?” [Bavli Gittin 57a.8 – Salmos 60:12].
  15. Os fariseus se perguntaram: Mas David também não disse isso?. [Bavli Gittin 57a.8]
  16. Os fariseus responderam: David pronunciou essas palavras como uma pergunta, imaginando se eram verdadeiras, por outro lado, Bar Deroma as pronunciou como uma declaração. [Bavli Gittin 57a.8]
  17. Os fariseus relataram o que aconteceu com bar Deroma. [Bavli Gittin 57a.9]
  18. Ele entrou em um banheiro externo, uma cobra veio e o estripou, e assim ele morreu. [Bavli Gittin 57a.9]
  19. O imperador disse: Já que um milagre foi realizado para mim, como eu não tive parte na morte de bar Deroma, vou deixar o resto do povo quieto desta vez e não tomar mais nenhuma ação contra eles. [Bavli Gittin 57a.9]
  20. Ele os deixou em paz e seguiu seu caminho. Eles pularam, comeram, beberam e acenderam tantas velas em comemoração que a imagem impressa em um selo era visível à distância de um milhar. [Bavli Gittin 57a.9]
  21. O imperador então disse: Os judeus estão se alegrando por mim. Então ele voltou e veio contra eles. [Bavli Gittin 57a.9]
  22. Trezentos mil homens com espadas desembainhadas entraram na Montanha do Rei e massacraram seus habitantes por três dias e três noites. [Bavli Gittin 57a.10]
  23. E ao mesmo tempo do outro lado da montanha, casamentos e outras festas continuavam a ser celebrados, sem eles perceberem, devido ao enorme tamanho do lugar. [Bavli Gittin 57a.10]
  24. “O Senhor tragou sem piedade todas as habitações de Jacó” (Lamentações 2: 2), é relatado que quando Ravin veio da Terra de Israel para a Babilônia.[Bavli Gittin 57a.11]
  25. Isso está se referindo ao seiscentas mil cidades que o rei Yannai tinha na montanha do rei. [Bavli Gittin 57a.11]
  26. Rei Yannai tinha seiscentas mil cidades na Montanha do Rei, e cada uma delas tinha uma população tão grande quanto o número daqueles que deixaram o Egito, [Bavli Gittin 57a.11]
  27. A exceção está apenas em três dessas cidades, cuja população foi o dobro do número daqueles que deixaram o Egito. [Bavli Gittin 57a.11]
  28. Essas são essas três cidades: Kefar Bish, Kefar Shiḥalayim e Kefar Dikhrayya. [Bavli Gittin 57a.12 – respectivamente, as cidade de Kafarabis, Sachlin e Dikri]
  29. Os fariseus explicam o significado desses nomes de lugares. [Bavli Gittin 57a.12]
  30. Kefar Bish, cidade do mal, era chamada por esse nome porque seus habitantes não abriam suas casas aos convidados. [Bavli Gittin 57a.12]
  31. Kefar Shiḥalayim era conhecido por esse nome porque seu ganha-pão derivava do cultivo de agrião. [Bavli Gittin 57a.12]
  32. Quanto a Kefar Dikhrayya, diz-se que suas mulheres primeiro dariam à luz meninos, para depois dar à luz meninas, e então eles parariam de ter filhos. [Bavli Gittin 57a.12]
  33. Mas Ulla disse: Eu mesmo vi aquele lugar, e não podia conter nem seiscentos mil juncos, ainda mais aquele número de pessoas. [Bavli Gittin 57a.13]
  34. Um certo herege disse ao rabino Ḥanina: Você mente com seus exageros exorbitantes. [Bavli Gittin 57a.13]
  35. O rabino Ḥanina disse a ele: Com relação a Terra de Israel está escrito que é a Terra do Cervo [Bavli Gittin 57a.13 – Jeremias 3:19].
  36. Assim como a pele de um cervo não pode segurar sua carne, pois depois que o animal é esfolado, sua pele encolhe, assim também é a Terra de Israel. [Bavli Gittin 57a.13]
  37. Quando a terra está assentada, ela se expande, mas quando não está assentada, ela se contrai. [Bavli Gittin 57a.1]
  38. Isso explica como um lugar que é tão pequeno hoje poderia ter sido tão povoado antes da destruição do Templo. [Bavli Gittin 57a.13]

VI – Kefar Sekania

  1. Os fariseus sentados juntos disseram: Se há alguém que ouviu alguma coisa sobre Kefar Sekhanya do Egito, que estava naquela região, deixe-o relatar. [Bavli Gittin 57a.14]
  2. Um deles começou a discussão e disse: Houve um incidente envolvendo um noivo e uma mulher dali que foram levados cativos por gentios e estes os casaram. [Bavli Gittin 57a.15]
  3. A mulher disse ao homem: Por favor, não me toque, porque eu não tenho o seu contrato de casamento e é proibido vivermos juntos sem ele. [Bavli Gittin 57a.15]
  4. Por isso, até o dia de sua morte o homem não tocou na mulher. [Bavli Gittin 57a.15]
  5. E quando ele morreu sem tê-la tocado, a mulher disse aos Sábios: Chore por este homem que controlou sua paixão mais do que José. [Bavli Gittin 57a.16]
  6. Pois o caso de José foi apenas por um curto período de tempo que ele teve que dominar sua inclinação e resistir à esposa de Potifar. [Bavli Gittin 57a.16 – ver Gênesis 39)
  7. No entanto, este homem lutou contra sua paixão todos os dias. [Bavli Gittin 57a.16]
  8. Além disso, José não estava em uma cama com a esposa de Potifar, enquanto este homem estava em uma cama com sua esposa. [Bavli Gittin 57a.16]
  9. Além disso, com José a mulher não era sua esposa, ao passo que com este homem ela era sua esposa, visto que ela já estava prometida a ele. [Bavli Gittin 57a.16]
  10. Outro Sábio começou a discussão e disse: Uma vez aconteceu que o preço de mercado de quarenta se’a de grãos estava em um dinar. [Bavli Gittin 57a.17]
  11. E então a taxa caiu um se’a [modeya], de modo que apenas trinta e nove se’a foram vendidos por um dinar. [Bavli Gittin 57a.17]
  12. Eles verificaram que pecado havia causado isso e encontraram um pai e um filho que tiveram relações sexuais com uma jovem prometida no Yom Kippur. [Bavli Gittin 57a.17]
  13. Eles levaram os infratores ao tribunal e os apedrejaram, e a taxa voltou ao nível anterior. [Bavli Gittin 57a.17]
  14. Ainda outro Sábio começou a discussão e disse: Houve um incidente envolvendo um homem que pôs os olhos em sua esposa para se divorciar dela. [Bavli Gittin 57a.17]
  15. Como o contrato de casamento dela era grande e ele desejava evitar ter que pagá-lo, ele foi e convidou seus amigos. [Bavli Gittin 57a.18]
  16. Ele lhes deu comida e bebida, embriagou-os e deitou seus amigos e sua esposa na mesma cama. [Bavli Gittin 57a.18]
  17. Ele então trouxe a clara de um ovo, que tem a aparência de sêmen, e colocou-a no lençol entre eles. [Bavli Gittin 57a.18]
  18. Ele então deu testemunho deles para que pudessem prestar testemunho e foi ao tribunal alegando que sua esposa havia cometido adultério. [Bavli Gittin 57a.18]
  19. Esta é a tradição que recebi de Shammai, o Velho: a clara do ovo no lençol se contrai e endurece quando aquecida pelo fogo, enquanto o sêmen é absorvido no lençol pelo fogo. [Bavli Gittin 57a.19]
  20. Eles verificaram o assunto e descobriram, de acordo com sua declaração, que a substância na folha não era sêmen, mas clara de ovo. [Bavli Gittin 57a.19]
  21. Eles então levaram o marido ao tribunal, aplicaram chicotadas nele e o fizeram pagar o contrato de casamento de sua esposa integralmente. [Bavli Gittin 57a.19]
  22. Os fariseus se perguntaram: Mas, uma vez que aqueles na cidade eram tão justos, qual é a razão de eles terem sido punidos e destruídos? [Bavli Gittin 57a.20]
  23. Rav Yosef disse-lhe: É porque eles não choraram por Jerusalém, como está escrito. [Bavli Gittin 57a.20]
  24. “Alegrai-vos com Jerusalém e alegrai-vos com ela, todos vós que a amais, alegrai-vos com alegria, todos vós que chorastes por ela ela ” [Bavli Gittin 57a.20 – Isaías 66:10].
  25. O versículo ensina que aquele que lamenta por Jerusalém se regozijará em sua reconstrução, e aquele que não lamenta por Jerusalém será destruído. [Bavli Gittin 57a.20]
  26. A cidade de Beitar foi destruída por causa de um poço de uma carruagem. [Bavli Gittin 57a.21]
  27. Os fariseus explicam que era costume em Beitar que quando nascesse um menino plantassem um cedro e quando nascesse uma menina plantassem um cipreste. [Bavli Gittin 57a.21]
  28. E quando mais tarde se casassem, cortariam essas árvores e construiriam para eles um dossel de casamento com seus galhos. [Bavli Gittin 57a.21]
  29. Um dia, a filha do imperador passou por lá e o poço da carruagem em que ela viajava quebrou. [Bavli Gittin 57a.21]
  30. Seus assistentes cortaram um cedro de entre aquelas árvores e trouxeram para ela. [Bavli Gittin 57a.21]
  31. Devido à importância que atribuíam ao seu costume, os residentes de Beitar vieram, caíram sobre eles e os espancaram. [Bavli Gittin 57a.21]
  32. Os atendentes vieram e disseram ao imperador: Os judeus se rebelaram contra você. O imperador então veio contra eles na guerra. [Bavli Gittin 57a.21]
  33. Os Sábios expuseram o seguinte versículo: “Ele cortou na sua feroz ira todo o chifre de Israel” [Bavli Gittin 57a.22 – Lamentações 2: 3].
  34. Estes são os oitenta mil oficiais carregando trombetas de batalha em suas mãos, que entraram na cidade de Beitar quando o inimigo a tomou. [Bavli Gittin 57a.22]
  35. Este inimigo matou homens, mulheres e crianças até que seu sangue fluiu para o grande mar. [Bavli Gittin 57a.21]
  36. A menos que você diga que a cidade ficava perto do mar, saiba que ficava a um quilômetro de distância. [Bavli Gittin 57a.21]
  37. Existem dois rios no Vale Yadayim naquela região, um fluindo para um lado e outro fluindo para o outro. [Bavli Gittin 57a.21]
  38. E os Sábios estimaram que, após a guerra, esses rios foram enchidos com duas partes de água para uma parte de sangue. [Bavli Gittin 57a.21]
  39. Por sete anos os gentios colheram suas vinhas que haviam sido encharcadas com o sangue de Israel sem a necessidade de qualquer outro fertilizante. [Bavli Gittin 57a.21]

VII – Kefar Sekania

  1. Sete tipos de punições vêm ao mundo devido a sete tipos de pecado. [Avot de-Rabbi Nathan 38:1]
  2. Quando alguns doam para o dízimo e outros não, a fome vem por causa da seca. [Avot de-Rabbi Nathan 38:1]
  3. Quando alguns doam para o sacerdócio e outros não, a fome vem por causa do caos. [Avot de-Rabbi Nathan 38:1]
  4. Quando alguns separam a oferta de massa e outros não, a fome vem por causa da devastação. [Avot de-Rabbi Nathan 38:1]
  5. Quando ninguém dá o dízimo, eles impedem que o céu dê orvalho e chuva, e as pessoas labutam e labutam e nunca têm o suficiente. [Avot de-Rabbi Nathan 38:1]
  6. Pelo pecado de não separar a oferta de massa, as frutas não são abençoadas, e as pessoas labutam e labutam e nunca têm o suficiente. [Avot de-Rabbi Nathan 38:1]
  7. Pelo pecado de não doar ao sacerdócio ou dízimo, os céus se tapam, e não dão orvalho ou chuva, e o povo é entregue nas mãos de seus inimigos. [Avot de-Rabbi Nathan 38:1]
  8. A peste vem ao mundo por causa dos pecados de não deixar de lado no campo durante a colheita a produção perdida, a produção esquecida, o canto do campo e o dízimo para os pobres. [Avot de-Rabbi Nathan 38:2]
  9. Há a história de uma mulher que estava sentada na vizinhança de um dono de campo. [Avot de-Rabbi Nathan 38:2]
  10. Seus dois filhos tinham saído para coletar os produtos restantes, mas o dono do campo não os havia deixado. [Avot de-Rabbi Nathan 38:2]
  11. A mãe disse: Quando meus filhos vão voltar do campo? Talvez me tragam um pouco para comer. [Avot de-Rabbi Nathan 38:2]
  12. E seus filhos disseram: Vamos ver nossa mãe? Talvez ela tenha um pouco para comermos. [Avot de-Rabbi Nathan 38:2]
  13. Mas eles não tinham nada para ela, e ela não tinha nada para eles. [Avot de-Rabbi Nathan 38:2]
  14. Os filhos colocaram suas cabeças nos joelhos de suas mães, e todos os três morreram naquele dia. [Avot de-Rabbi Nathan 38:2]
  15. O Santo Abençoado disse: Vocês tiraram a vida deles, então eu também tirarei suas vidas! E isso é o que significa os versos Provérbios: [Avot de-Rabbi Nathan 38:2]
  16. “Não roubes ao miserável, porque ele é miserável. Não esmague o pobre homem no portão. Pois o Eterno assumirá a causa deles e despojará aqueles que os despojam da vida.” [Avot de-Rabbi Nathan 38:2 – Provérbios 22: 22–24]
  17. A espada vem ao mundo por causa da demora e perversão da justiça, e por causa daqueles que ensinam a Torá contrária à Justiça. [Avot de-Rabbi Nathan 38:3]
  18. Quando Rabban Shimon ben Gamliel e Rabbi Yishmael foram levados para serem mortos, Rabbi Shimon ben Gamliel estava sentado e imaginando. [Avot de-Rabbi Nathan 38:3]
  19. Ele disse: Ai de nós, pois estamos sendo mortos como aqueles que violam o sábado, adoram ídolos, cometem transgressões sexuais, e assassinato! [Avot de-Rabbi Nathan 38:3]
  20. Rabi Yishmael ben Elisha disse: Posso sugerir algo para você? Rabban Shimon disse: Vá em frente. [Avot de-Rabbi Nathan 38:3]
  21. Rabino Yishmael disse: Talvez você uma vez estivesse sentado em uma refeição, e algumas pessoas pobres vieram e ficaram à sua porta, e você não permitiu que elas entrassem para comer? [Avot de-Rabbi Nathan 38:3]
  22. Rabban Shimon disse: Deus me livre se eu fiz algo assim! [Avot de-Rabbi Nathan 38:3]
  23. Eu tinha guardas postados na minha porta, de modo que quando os pobres viessem, eles pudessem se sentar e beber comigo, e então abençoar o Nome celestial comigo. [Avot de-Rabbi Nathan 38:3]
  24. Então Rabi Yishmael disse: Talvez quando você estava sentado e pregando no Monte do Templo, e todo o Israel estava sentado diante de você, você se tornou arrogante por um momento? [Avot de-Rabbi Nathan 38:3]
  25. Rabbi Shimon disse: Yishmael meu irmão, uma pessoa deve simplesmente estar pronta para receber sua punição. [Avot de-Rabbi Nathan 38:3]
  26. Então eles foram e imploraram ao carrasco. Um disse: Sou sacerdote, filho de um sumo sacerdote. Mate-me primeiro, para que eu não tenha que testemunhar a morte do meu amigo. [Avot de-Rabbi Nathan 38:3]
  27. O outro disse: Eu sou o líder da comunidade, filho de um ex-líder da comunidade. Mate-me primeiro, para que eu não tenha que testemunhar a morte do meu amigo.. [Avot de-Rabbi Nathan 38:3]
  28. O carrasco respondeu: Vamos tirar a sorte. Então eles tiraram a sorte, e caiu sobre Rabi Shimon. [Avot de-Rabbi Nathan 38:3]
  29. Imediatamente, o carrasco pegou sua espada e cortou a cabeça do Rabino Shimon. E Rabi Yishmael a pegou e segurou contra o peito. [Avot de-Rabbi Nathan 38:3]
  30. Ele gritou e gritou: Esta boca sagrada, esta boca fiel! Esta boca santa, esta boca fiel! Essa boca que produziu joias preciosas, pedras preciosas e pérolas! [Avot de-Rabbi Nathan 38:3]
  31. Quem te enterrou na sujeira? Quem encheu sua boca de sujeira e poeira? De você, o versículo, fala: “Levanta-te, espada, contra o meu pastor, contra o meu amado!” [Avot de-Rabbi Nathan 38:3]
  32. Ele não tinha acabado de falar quando a espada desceu e cortou sua cabeça também. [Avot de-Rabbi Nathan 38:3]
  33. Sobre eles, o versículo diz: “Minha ira se enfurecerá e eu os matarei à espada! E suas mulheres ficarão viúvas, e seus filhos ficarão órfãos.” [Avot de-Rabbi Nathan 38:3 – Êxodo 22:23]
  34. Nem sequer se sabe se as suas esposas ficaram viúvas e seus filhos ficaram órfãos. Pois não houve testemunhas verificar se essas mulheres puderam se casar novamente. [Avot de-Rabbi Nathan 38:3]
  35. É como o que aconteceu em Beitar, onde nenhuma alma sobreviveu para testemunhar que uma mulher poderia se casar novamente. [Avot de-Rabbi Nathan 38:3]
  36. Mas a herança dos filhos estava no nome de seus pais e não lhes foi dada para herdar para que pudessem casar e dá-la às suas esposas. [Avot de-Rabbi Nathan 38:3]

VIII – Conclusão

  1. Há cinco principais dias de jejum comunais. Cinco coisas calamitosas ocorreram aos nossos antepassados ​​no dia dezessete de Tamuz, e cinco outros desastres aconteceram no dia 9 de Av. [Mishnah Taanit 4:6]
  2. No dia dezessete de Tamuz, as tábuas foram quebradas por Moisés quando ele viu que os judeus haviam feito o bezerro de ouro; [Mishnah Taanit 4:6]
  3. A oferta diária foi anulada pelas autoridades romanas e nunca mais foi sacrificada;
  4. As muralhas da cidade de Jerusalém foram rompidas;
  5. Os general Apostemos queimou publicamente um rolo da Torá;
  6. E Manassés colocou um ídolo no Santuário. [Mishnah Taanit 4:6]
  7. No dia 9 de Av foi decretado sobre nossos ancestrais que todos morreriam no deserto e não entrariam na Terra de Israel; [Mishnah Taanit 4:6]
  8. Nesta data, o Templo foi destruído a primeira vez, nos dias de Nabucodonosor, [Mishnah Taanit 4:6]
  9. Foi destruído pela segunda vez por obra dos Romanos; [Mishnah Taanit 4:6]
  10. A cidade de Beitar foi capturada; [Mishnah Taanit 4:6]
  11. E a cidade de Jerusalém foi arada em sinal de que jamais seria reconstruída. [Mishnah Taanit 4:6]
  12. Não apenas se jejua no dia 9 de Av, mas a partir do início do mês de Av, diminui-se os atos de alegria. [Mishnah Taanit 4:6]
  13. Durante a semana em que ocorre o 9 de Av, é proibido cortar o cabelo e lavar roupa. [Mishnah Taanit 4:7]
  14. Mas se o Nove de Av ocorrer em uma sexta-feira, na quinta-feira essas ações são permitidas em deferência ao Shabat. [Mishnah Taanit 4:7]
  15. Na véspera do dia 9 de Av, uma pessoa não pode comer dois pratos cozidos em uma refeição. [Mishnah Taanit 4:7]
  16. Além disso, não se pode comer carne nem beber vinho. Rabban Shimon ben Gamliel disse que se deve ajustar e diminuir a quantidade que come. [Mishnah Taanit 4:7]
  17. Rabi Yehuda obriga a virar a cama e dormir no chão como quem está de luto, mas os rabinos não concordam com ele. [Mishnah Taanit 4:7]
  18. A mishna cita uma passagem que conclui sua discussão sobre o mês de Av, bem como todo o tratado de Ta’anit, com uma nota positiva. [Mishnah Taanit 4:7]
  19. Rabban Shimon ben Gamliel disse: Não houve dias tão alegres para o povo judeu quanto o dia quinze de Av e como Yom Kippur. [Mishnah Taanit 4:8]
  20. Neles as filhas de Jerusalém saíam em roupas brancas, que cada mulher tomava emprestada de outra. [Mishnah Taanit 4:8]
  21. Por que eles foram emprestados? Fizeram isso para não envergonhar quem não tinha suas próprias vestes brancas. [Mishnah Taanit 4:8]
  22. Todas as roupas que as mulheres pegaram emprestadas exigem imersão, pois aqueles que as usavam anteriormente podiam ser ritualmente impuros. [Mishnah Taanit 4:8]
  23. As filhas de Jerusalém saíam e dançavam nas vinhas. E o que elas diriam? Jovem, por favor, levante os olhos e veja quem você escolheu para si como esposa. [Mishnah Taanit 4:8]
  24. Não olhe para a beleza, mas para uma boa família, como diz o versículo: “A graça é enganosa e a beleza é vã, mas a mulher que teme ao Senhor, essa será louvada” (Provérbios 31:30) [Mishnah Taanit 4:8]
  25. E ainda diz: “Dá-lhe o fruto das suas mãos, e deixe que as suas obras a louvem nas portas”. (Provérbios 31:31) [Mishnah Taanit 4:8].
  26. Igualmente, diz em outro versículo: “Saí, filhas de Sião, e contemplai o Rei Salomão, a coroa com que sua mãe o coroou no dia de seu casamento e no dia da alegria de seu coração” [Mishnah Taanit 4:8 – Cântico dos Cânticos 3:11].
  27. Este versículo é explicado como uma alusão a dias especiais: “No dia do seu casamento”; esta é a entrega da Torá por meio do segundo conjunto de tabuinhas no Yom Kippur. [Mishnah Taanit 4:8]
  28. O nome Rei Salomão neste contexto, que também significa rei da paz, é interpretado como uma referência a Deus.
  29. “E no dia da alegria do seu coração”; esta é a construção do Templo, que ele seja reconstruído rapidamente em nossos dias. [Mishnah Taanit 4:8]

IX – Ben Zakkai

  1. O rabino Lakish disse deve-se sempre incitar sua boa inclinação contra sua inclinação para o mal. [Berakhot 5a.2]
  2. Deve-se lutar constantemente para que sua inclinação para o mal não o leve à transgressão, como se afirma: “Trema e não peques.” [Berakhot 5a.2]
  3. Se alguém consegue e subjuga sua inclinação ao mal, excelente, mas se ele não consegue subjugá-la, ele deve estudar a Torá, como aludido no versículo: “Diga ao seu coração.” [Berakhot 5a.2]
  4. Se ele subjugar sua inclinação para o mal, excelente; se não, ele deve recitar Shema, que contém a aceitação do jugo de Deus, com o conceito de recompensa e punição, em sua cama. [Berakhot 5a.2]
  5. Pois assim está escrito na Shemá: “ao se deitar” [Berakhot 5a.2]
  6. Se ele subjugar sua inclinação para o mal, excelente; se não, ele deve se lembrar do dia da morte, cujo silêncio é aludido na continuação do versículo: “E fica quieto, Selá”. [Berakhot 5a.2]
  7. Deus disse a Moisés: “Suba para mim na montanha e esteja lá, e eu lhe darei as tábuas de pedra; a Torá; e a Mitzva que escrevi para que você possa ensiná-los” (Êxodo 24:12). [Berakhot 5a.3]
  8. Isso significa que Deus revelou a Moisés não apenas a Torá Escrita, mas toda a Torá, conforme seria transmitida através das gerações. [Berakhot 5a.3]
  9. As “tábuas” são os dez mandamentos que foram escritos nas tábuas da Aliança; a “Torá” são os cinco livros de Moisés; e a “Mitzva” é a Mishna, que inclui explicações para as mitzvot e como elas devem ser cumpridas. [Berakhot 5a.3]
  10. “Que eu escrevi”, refere-se aos Profetas e Escritos, escritos com inspiração divina, “Para que você possa ensiná-los” refere-se ao Talmud, que explica a Mishná. [Berakhot 5a.3]
  11. Essas explicações são a base para as decisões da halakha prática. [Berakhot 5a.3]
  12. Este versículo ensina que todos os aspectos da Torá foram dados a Moisés no Sinai. [Berakhot 5a.3]
  13. Os saduceus reclamavam dos fariseus por estes dizerem que as Sagradas Escrituras contaminam as mãos, mas os livros de Homero não as contaminam. [Yadayim 4:5]
  14. O rabino Yohanan ben Zakkai respondeu: Não tens nada contra os fariseus senão isso? Assim são as Escrituras Sagradas de acordo com a afeição por elas. Assim é a sua impureza. [Yadayim 4:5]
  15. Os livros de Homero por não serem preciosos não contaminam as mãos. [Yadayim 4:5]
  16. Quando os saduceus disseram que uma filha deve herdar a propriedade de seu pai junto com a filha do filho do falecido, o rabino Yoḥanan ben Zakkai juntou-se a eles para discutir sua decisão e disse-lhes: Imbecis, de onde vocês tiraram essa conclusão?. [Bava Batta 115b]
  17. Quando os boetusianos, disseram que o festival de Shavuot sempre ocorre após o Shabat, em um domingo, o rabino Yoḥanan ben Zakkai juntou-se à discussão dizendo-lhes: Tolos! De onde vocês tiraram isso? [Menachot 65a].
  18. Durante o cerco de Jerusalém, o Abba Sikra, o chefe do biryoni em Jerusalém, era filho da irmã deste rabino e enviou-lhe dizendo: Venha visitar-me em particular. [Bavli Gittin 56a]
  19. Quando Abba Sikra chegou, disse-lhe: Por quanto tempo você vai continuar assim e matar todas as pessoas com fome? [Bavli Gittin 56a]
  20. Ben Zakkai respondeu: O que posso fazer? Se eu disser uma palavra a eles, eles me matarão. [Bavli Gittin 56a]
  21. Ele disse: Elabore algum plano para que eu escape. Talvez consiga salvar algo. Finja que está doente e que todos venham perguntar a seu respeito. [Bavli Gittin 56a]
  22. Traga algo com um cheiro ruim e coloque perto de você para que digam que você está morto e que então seus discípulos se ponham debaixo de sua cama, mas nenhum outro. [Bavli Gittin 56a]
  23. Faça isso para que não percebam que você ainda está leve, pois sabem que um ser vivo é mais leve que um cadáver. [Bavli Gittin 56a]
  24. O rabino Ben Zakkai o fez, e o rabino Eliezer foi para baixo do esquife de um lado e o rabino Joshua do outro. [Bavli Gittin 56a]
  25. Quando chegaram à porta, alguns homens queriam enfiar uma lança no esquife. Ele disse-lhes: Devem os romanos dizer: Eles perfuraram seu Mestre?
  26. Eles queriam dar um empurrão. Ele disse-lhes: Devem dizer que empurraram o seu Mestre? [Bavli Gittin 56a]
  27. Eles abriram um portão da cidade para ele e ele saiu. [Bavli Gittin 56a]
  28. Quando chegou aos Romanos, disse: Paz contigo, ó rei, paz contigo, rei. [Bavli Gittin 56a]
  29. Vespasiano disse: Sua vida está perdida por dois motivos, um porque eu não sou um rei e você me chama de rei, e novamente, se eu sou um rei, por que você não veio a mim antes de agora? [Bavli Gittin 56a]
  30. Ele respondeu: Quanto a você dizer que não é um rei, na verdade tu és um rei. [Bavli Gittin 56a]
  31. Porque, se não fosses rei, Jerusalém não se entregaria nas tuas mãos, como está escrito: E o Líbano cairá pela mão de um poderoso. [Bavli Gittin 56b]
  32. E Poderoso é um epíteto aplicado apenas a um rei, como está escrito: “E seu poderoso será por eles mesmos”. [Bavli Gittin 56b] 
  33. E o Líbano se refere ao santuário, como diz: Esta bela montanha e o Líbano.[Bavli Gittin 56b]
  34. Quanto à sua pergunta, por que se você é um rei, eu não vim a você até agora, a resposta é que os biryoni entre nós não me deixaram. [Bavli Gittin 56b]
  35. Ele disse a ele; Se houver um jarro de mel ao redor do qual uma serpente é enrolada, eles não quebrariam o jarro para se livrar da serpente? [Bavli Gittin 56b] 
  36. Ele não conseguiu responder. R. Joseph, ou como alguns dizem R. Akiba, aplicou a ele o versículo: “Deus volta os homens sábios para trás e torna seu conhecimento tolo.” [Bavli Gittin 56b]
  37. Ele deveria ter dito a ele: Pegamos um par de pinças e agarramos a cobra e matamos, e deixamos o jarro intacto.[Bavli Gittin 56b]
  38. Nesse ponto, um mensageiro de Roma veio até ele dizendo: Levanta-te, porque o imperador está morto, e os notáveis ​​de Roma decidiram fazer de você o imperador. [Bavli Gittin 56b]
  39. Ele tinha acabado de colocar uma bota. Quando tentou vestir a outra, não conseguiu. Ele tentou decolar o primeiro, mas não saiu. [Bavli Gittin 56b]
  40. Ele disse: Qual é o significado disso? R. Johanan disse-lhe: Não se preocupe: as boas novas o fizeram, como diz, Boas novas engrossam os ossos. [Bavli Gittin 56b]
  41. Qual é o remédio? Deixe alguém de quem você não gosta passar diante de você, como está escrito: Um espírito quebrantado seca os ossos.
  42. Ele obedeceu, e a bota continuou. Disse-lhe: Visto que és tão sábio, por que não me procuraste até agora?
  43. Ele disse: Eu não te disse? – retrucou ele: eu também te disse. [Bavli Gittin 56b]
  44. Ele disse; Vou agora e mandarei alguém para me substituir. Você pode, no entanto, fazer um pedido a mim e eu o atenderei. [Bavli Gittin 56b]
  45. Ben-Zakkai lhe disse: Dê-me Yavneh e seus sábios; e a corrente familiar do rabino Gamaliel; e médico para R. Zadok. [Bavli Gittin 56b]

X – Yavne

  1. Justiça, justiça, deve ser seguida. Por isso, deve-se seguir as regras do melhor e mais prestigioso tribunal em cada geração. [Sanhedrin 32b]
  2. Seguiu-se o Rabino Eliezer para Lod, depois de seguir o rabino Yoḥanan ben Zakkai para Beror Ḥayil na terra de Yavne. [Sanhedrin 32b]
  3. Rabban Yohanan ben Zakkai recebeu a tradição oral de ambas as casas de Hillel e Shammai. [Pirkei Abot 2:8]
  4. Ele costumava dizer: se você aprendeu muito a Torá, não reivindique crédito para si mesmo, porque para tal propósito você foi criado. [Pirkei Abot 2:8]
  5. Ele tinha cinco discípulos e eles eram estes: Rabbi Eliezer ben Hyrcanus, Rabbi Joshua ben Hananiah, Rabbi Yose, o sacerdote, Rabbi Shimon ben Nethaneel e Rabbi Eleazar ben Arach. [Pirkei Abot 2:8]
  6. Yohanan Ben Zakkai costumava listar suas virtudes notáveis: [Pirkei Abot 2:8]
  7. Rabino Eliezer ben Hyrcanus é uma cisterna gessada que não perde uma gota; [Pirkei Abot 2:8]
  8. Rabi Joshua ben Hananiah feliz é a mulher que deu à luz a ele; [Pirkei Abot 2:8]
  9. Rabi Yose, o sacerdote, é um homem piedoso;
  10. Rabbi Simeon ben Nethaneel é aquele que teme o pecado, [Pirkei Abot 2:8]
  11. E Rabbi Eleazar ben Arach é como uma fonte que sempre ganha força. [Pirkei Abot 2:8]
  12. Yohanan Ben Zakkai costumava dizer: se todos os sábios de Israel estivessem em uma escala da balança e o Rabino Eliezer ben Hyrcanus na outra, ele superaria todos eles. [Pirkei Abot 2:8]
  13. Abba Shaul disse em seu nome: se todos os sábios de Israel estivessem em uma escala da balança, e Rabbi Eliezer ben Hyrcanus também com eles, e Rabbi Eleazar ben Arach na outra escala, ele superaria todos eles. [Pirkei Abot 2:8]
  14. A Casa de Shammai dizia: “À noite, todos devem reclinar e recitar, e pela manhã devem ficar de pé”, pois está dito: “Quando você se deita e quando se levanta” [Yerushalmi Berakhot 1.3 A-B]
  15. E a Casa de Hillel dizia: “Cada um recita de acordo com sua própria maneira”, pois está: “E você anda pelo caminho.” [Yerushalmi Berakhot 1.3 C-D]
  16. Se for assim, pergunta-se por que escrito: “Quando você se deita e quando se levanta?” [Yerushalmi Berakhot 1.3 E]
  17. Isso significa recitar a oração na hora que as pessoas se deitam à noite e na hora que as pessoas se levantam pela manhã. [Yerushalmi Berakhot 1.3 E]
  18. Este princípio de que quem segue a visão Shammaita se coloca em perigo se aplica apenas após a Voz Celestial ter saído para decretar que a lei segue a visão da Casa de Hillel. [Yerushalmi Berakhot 1.3.4A]
  19. Mas antes que a voz celestial saísse de qualquer pessoa que desejasse adotar para si um rigor na lei agindo de acordo com as regras estritas de ambas as Casas de Shammai e Hillel, a respeito dele, foi dito , “O tolo anda nas trevas.” [Yerushalmi Berakhot 1.3.4A]
  20. E aquele que desejava adotar para si as leniências de ambas as Casas foi chamado de “perverso”. [Yerushalmi Berakhot 1.3.4B]
  21. Em vez disso, pode-se seguir as leniências de uma Casa e as restrições dessa casa ou as leniências da segunda e as restrições dessa casa. [Yerushalmi Berakhot 1.3.4C]
  22. Tudo isso se aplica ao período antes da voz celestial sair. Mas uma vez que a voz celestial saiu, daí em diante a lei sempre seguiu as palavras da Casa de Hilel. [Yerushalmi Berakhot 1.3.4D]
  23. E quem quer que violasse as palavras da Casa de Hillel estava sujeito à morte. [Yerushalmi Berakhot 1.3.4D]
  24. Pois foi ensinado que uma voz celestial saiu e proclamou: “Ambas as casas falam as palavras vivas de Deus. Mas a lei segue as palavras da Casa de Hillel.” [Yerushalmi Berakhot 1.3.4E]
  25. De que lugar a voz celestial saiu? O rabino Bibi disse em nome do Rabino Yohanan: “Em Yavne a voz celestial saiu.” [Yerushalmi Berakhot 1.3.4F]

XI – Escola de Ben Zakkai

  1. Em Yavne, o Rabban Yohanan ben Zakkai era membro de um Sinédrio que julgava casos de pena capital embora isso não fosse ensinado em um baraita: [Sanhedrin 41a]
  2. Em todos os seus dias, ele nunca se envolveu em conversas vãs; e nunca andou quatro côvados sem se dedicar ao estudo da Torá e sem vestir filactérios. [Sukkah 28a]
  3. Nenhuma pessoa jamais o precedeu na sala de estudos; nem ele nunca dormiu na sala de estudos, nem sono substancial, nem um breve cochilo. [Sukkah 28a]
  4. Ele nunca contemplou assuntos da Torá em becos imundos com excrementos humanos, pois fazer isso é uma demonstração de desprezo pela Torá. [Sukkah 28a]
  5. Ele nunca deixou ninguém na sala de estudos e saiu; e nenhuma pessoa o encontrou sentado e em silêncio, ou seja, inativo; em vez disso, ele estava sempre sentado e estudando. [Sukkah 28a]
  6. Apenas ele abria a porta para seus alunos, desconsiderando sua própria posição eminente. [Sukkah 28a]
  7. Ele nunca disse nada que não tivesse ouvido de seu professor.
  8. Nem nunca disse a seus alunos que chegou a hora de levantar e deixar a sala de estudo, [Sukkah 28a]
  9. exceto nas vésperas da Páscoa, quando eles eram obrigados a sacrificar o cordeiro pascal, e nas vésperas do Yom Kippur, quando há uma mitzva para comer e beber abundantemente. [Sukkah 28a]
  10. E Rabi Eliezer, seu aluno, acostumou-se a seguir seu exemplo de conduta. [Sukkah 28a]
  11. Ps sábios disseram que Yohanan ben Zakkai não negligenciou a Bíblia; Mishna; Gemara; halakhot e aggadot; minúcias da Torá e minúcias dos escribas; [Sukkah 28a]
  12. Também os princípios hermenêuticos da Torá com respeito a inferências a fortiori e analogias verbais; o cálculo das estações calendáricas; e numerologia. [Sukkah 28a]
  13. Além disso, ele não negligenciou assuntos esotéricos, incluindo a conversa de anjos ministradores; a conversa de demônios e a conversa de palmeiras; [Sukkah 28a]
  14. Também parábolas de lavadores, que são contos populares que podem ser usados para explicar a Torá; parábolas de raposas; e mais geralmente, um grande assunto e um pequeno problema.
  15. Rabban Yoḥanan ben Zakkai instituiu, que mesmo se o chefe do tribunal de setenta e um estiver em qualquer outro lugar, não onde o Grande Sinédrio está em sessão, as testemunhas devem, no entanto ir apenas ao local onde o Grande Sinédrio se reúne para dar testemunho e determinar o início do mês. [Rosh Hashanah 31b]
  16. Embora a data do mês dependa do chefe do Grande Sinédrio, pois é ele quem declara que o mês é santificado, no entanto, Rabban Yoḥanan ben Zakkai instituiu que os membros do Grande Sinédrio podem santificar o mês na ausência do chefe do tribunal. [Rosh Hashanah 31b]
  17. Os sacerdotes não estão autorizados a subir com suas sandálias à plataforma para recitar a Bênção Sacerdotal na sinagoga. [Rosh Hashanah 31b]
  18. E esta é uma das nove ordenanças que Rabban Yoḥanan ben Zakkai instituiu. Seis são mencionados neste capítulo: [Rosh Hashanah 31b]
  19. Tocar o shofar no Shabat em Yavne, tomar o lulav todos os sete dias, a proibição de comer grãos novos durante todo o dia de ondulação, aceitar depoimentos para determinar o início do mês o dia todo, tendo as testemunhas de a Lua Nova vai para o local de encontro, e recita a Bênção Sacerdotal sem sandálias. [Rosh Hashanah 31b]
  20. E afirma-se no primeiro capítulo que as testemunhas da Lua Nova podem profanar o Shabat apenas durante os meses de Tishrei e Nisan. [Rosh Hashanah 31b]
  21. Também ensinado em um baraita: um convertido que se converte hoje em dia deve reservar um quarto de siclo para seu ninho, ou seja, seu par de pombas. [Rosh Hashanah 31b]
  22. Pela lei da Torá, um convertido deve trazer duas ofertas queimadas de pássaros, além de sua imersão e circuncisão. [Rosh Hashanah 31b]
  23. Após a destruição do Templo, foi instituído que ele deveria reservar o valor de dois pombos jovens em antecipação à reconstrução do Templo. [Rosh Hashanah 31b]
  24. Rabban Yoḥanan ben Zakkai já reuniu uma maioria que votou e rescindiu a ordenança devido a um acidente em potencial. [Rosh Hashanah 31b]
  25. Se um convertido for obrigado a separar dinheiro, alguém pode usar esse dinheiro sem querer, violando assim a proibição do uso indevido de propriedade consagrada. [Rosh Hashanah 31b]

XII – Morte de Ben Zakkai

  1. Quando Rabi Yoḥanan ben Zakkai adoeceu, seus alunos entraram para visitá-lo. Quando ele os viu, ele começou a chorar. [Berakhot 28b]
  2. Seus alunos lhe disseram: luz de Israel, a coluna certa, o poderoso martelo, o homem cuja obra de vida é a base do futuro do povo judeu, por que você está chorando? [Berakhot 28b]
  3. Com uma vida tão completa como a sua, o que está te incomodando? [Berakhot 28b]
  4. Ele disse-lhes: Choro de medo do julgamento celestial, pois o julgamento da corte celestial é diferente do julgamento do homem. [Berakhot 28b]
  5. Se eles estivessem me conduzindo diante de um rei de carne e osso cuja vida é temporal, que está aqui hoje e morto na sepultura amanhã; se ele está com raiva de mim, sua raiva não é eterna. [Berakhot 28b]
  6. E consequentemente, seu castigo não é eterno. [Berakhot 28b]
  7. Se ele me encarcerar, seu encarceramento não será um encarceramento eterno, pois posso manter minha esperança de que, no final das contas, seria libertado. [Berakhot 28b]
  8. Se ele me matar, sua morte não será para a eternidade, pois há vida após qualquer morte que ele possa decretar. [Berakhot 28b]
  9. Além disso, sou capaz de apaziguá-lo com palavras e até mesmo suborná-lo com dinheiro, e mesmo assim choraria diante do julgamento real. [Berakhot 28b]
  10. Agora que eles estão me conduzindo diante do supremo Rei dos Reis, o Santo, Bendito seja Ele, Que vive e dura para todo o sempre; se ele está com raiva de mim, sua raiva é eterna. [Berakhot 28b]
  11. Se Ele me encarcera, seu encarceramento é um encarceramento eterno; e se Ele me matar, sua morte será por toda a eternidade. [Berakhot 28b]
  12. Não consigo apaziguá-lo com palavras e suborná-lo com dinheiro. [Berakhot 28b]
  13. Além disso, mas tenho dois caminhos diante de mim, um do Jardim do Éden e outro da Gehenna, e não sei por onde eles estão me levando; e não vou chorar? [Berakhot 28b]
  14. Seus alunos disseram-lhe: Nosso professor, nos abençoe. [Berakhot 28b]
  15. Ele lhes disse: Que seja Sua vontade que o temor do Céu esteja sobre vocês como o medo da carne e do sangue. [Berakhot 28b]
  16. Seus alunos ficaram perplexos e disseram: Até aquele ponto e não além? Não se deve temer mais a Deus? [Berakhot 28b]
  17. Ele disse a eles: Será que uma pessoa alcançaria esse nível de medo. [Berakhot 28b]
  18. Saiba que quando alguém comete uma transgressão, diz a si mesmo: Espero que ninguém me veja. [Berakhot 28b]
  19. Se alguém está tão preocupado em evitar a vergonha diante de Deus quanto está diante do homem, ele nunca pecará. [Berakhot 28b]
  20. Na hora de sua morte, imediatamente antes, ele lhes disse: Retire os vasos de casa e leve-os para fora devido à impureza ritual que será transmitida pelo meu cadáver, que de outra forma eles contraíam. [Berakhot 28b]
  21. E prepare uma cadeira para Ezequias, o Rei da Judéia, que vem do mundo superior para me acompanhar. [Berakhot 28b]
  22. Todos os anos do Rabino Yoḥanan ben Zakkai foram cento e vinte anos. [Sanhedrin 41a]
  23. Por quarenta desses anos ele negociou em negócios, por quarenta desses anos ele estudou, e por quarenta desses anos ele ensinou e guiou o povo judeu. [Sanhedrin 41a]

XIII – Gamaliel

  1. Que diferença há entre as autoridades anteriores, severas e as autoridades posteriores, humildes? [Sanhedrin 11b.1]
  2. O Rabban Shimon ben Gamliel, embora conhecido como particularmente humilde, sua proclamação foi escrita com menos modéstia do que a de seu pai, Rabban Gamliel, que era conhecido por ser particularmente severo. [Sanhedrin [Sanhedrin 11b.1]
  3. Houve um incidente envolvendo Rabban Gamliel, que estava sentado em um degrau do Monte do Templo, e Yoḥanan, aquele escriba, estava de pé diante dele. [Sanhedrin 11b.2]
  4. Três documentos, em branco cortados de pergaminho e pronto para escrever, foram colocados diante dele. [Sanhedrin 11b.2]
  5. Rabban Gamliel disse ao escriba para pegar um documento e escrever: [Sanhedrin 11b.3]
  6. “Aos nossos irmãos, o povo da Alta Galiléia, e aos nossos irmãos, o povo da Baixa Galiléia, que aumente a sua paz. [Sanhedrin 11b.3]
  7. “Estamos informando que chegou a hora de erradicar os dízimos que foram separados da produção, mas ainda não foram entregues aos destinatários designados, [Sanhedrin 11b.3]
  8. “Assim como deve ser feito no quarto e sétimo anos do ciclo do Ano Sabático, para separar o dízimo da cuba de azeitonas, porque a maior parte das azeitonas locais eram cultivadas na Galiléia. [Sanhedrin 11b.3]
  9. Rabban Gamliel continuou, instruindo o escriba para pegar outro um documento e escrever: [Sanhedrin 11b.3]
  10. “Aos nossos irmãos, o povo do Sul, ou seja, a área da Judéia e seus arredores, que aumente a sua paz. [Sanhedrin 11b.3]
  11. “Informamos que chegou a hora da erradicação, de separar o dízimo dos montes de talos de grãos, porque a maior parte do grão local era cultivado na região da Judéia. [Sanhedrin 11b.3]
  12. Rabban Gamliel continuou a instruir o escriba para pegar o terceiro documento e escrever:
  13. “Aos nossos irmãos, o povo da Diáspora na Babilônia, e aos nossos irmãos que estão em Medéia, e ao resto de toda a Diáspora Judaica, que a sua paz aumentar para sempre. [Sanhedrin 11b.4]
  14. “Estamos informando que as aves estão tenros e os cordeiros magros, e ainda não chegou a hora da primavera. [Sanhedrin 11b.4]
  15. “E, consequentemente, o assunto está bem diante de mim e dos meus colegas, ou seja, em nossa avaliação, e consequentemente acrescentei trinta dias a este ano. [Sanhedrin 11b.4]
  16. A terceira carta indica que, evidentemente, Rabban Gamliel incluiu outros em sua decisão.
  17. Neste tempo, Shimon HaPakuli providenciou as dezoito bênçãos, já existentes durante o período da Grande Assembleia, diante de Rabban Gamliel, o Nasi do Sinédrio, ordenados em Yavne. [Berakhot 28b.23]
  18. Devido às circunstâncias prevalecentes, houve a necessidade de instituir uma nova bênção dirigida contra os hereges. [Berakhot 28b.23]
  19. Rabban Gamliel disse aos Sábios: Existe alguém que sabe instituir a bênção aos hereges, uma bênção dirigida contra os saduceus? [Berakhot 28b.23]
  20. Shmuel HaKatan, que era um dos homens mais piedosos daquela geração, levantou-se e instituiu-o. [Berakhot 28b.23]
  21. Mas, no ano seguinte, quando Shmuel HaKatan serviu como líder de oração, ele esqueceu aquela bênção. [Berakhot 28b.23]
  22. Eles o examinaram, em uma tentativa de lembrar a bênção por duas ou três horas, mas não o removeram de servir como líder de oração. [Berakhot 29a.1]
  23. Por que não o removeram? Se alguém está servindo como líder de oração na congregação e erra a recitação de qualquer uma das bênçãos, este se mantém como líder de oração? [Berakhot 29a.2]
  24. No entanto, aquele que erra a bênção contra os hereges, deve ser removido, pois suspeita-se que talvez seja um herege e intencionalmente omitiu a bênção para evitar amaldiçoar a si mesmo. [Berakhot 29a.2]
  25. Por que, então, eles não removeram Shmuel HaKatan? [Berakhot 29a.2]
  26. Só não o removeram porque Shmuel HaKatan era diferente porque ele próprio instituiu esta bênção e não havia suspeitas sobre ele. [Berakhot 29a.3]
  27. Vamos suspeitar que talvez ele tenha reconsiderado e, embora fosse correto, tivesse mudado sua opinião? [Berakhot 29a.4]
  28. Foi Abaye quem disse: Aprendemos através da tradição que uma pessoa boa não se torna má. [Berakhot 29a.4]

XIV – Rabino Akiva

  1. Uma vez foi que Rabban Gamliel, Rabbi Elazar ben Azarya, Rabbi Yehoshua e Rabbi Akiva estavam caminhando ao longo da estrada no Império Romano. [Makkot 24a.33]
  2. Eles ouviram o som do multidões de Roma de Puteoli a uma distância de cento e vinte mil. [Makkot 24a.33]
  3. A cidade era tão grande que podiam ouvir seu tumulto a grande distância. E os outros Sábios começaram a chorar e Rabi Akiva estava rindo. [Makkot 24a.33]
  4. Disseram-lhe: Por que razão você está rindo? Rabi Akiva disse-lhes: E vocês, por que razão estão chorando? [Makkot 24a.33]
  5. Disseram-lhe: Esses gentios, que se curvam aos falsos deuses e queimam incenso aos ídolos, habitam com segurança e tranquilidade nesta cidade colossal; [Makkot 24a.33]
  6. E para nós, a casa do assento de nosso Deus, o Templo, foi destruído pelo fogo, e não devemos chorar? [Makkot 24b.1]
  7. Rabi Akiva disse a eles: É por isso que estou rindo. [Makkot 24b.1]
  8. Se àqueles que violam Sua vontade, os ímpios, são recompensados ​​pelas poucas boas ações que realizaram, para aqueles que realizam Sua vontade, tanto mais eles serão recompensados. [Makkot 24b.1]
  9. Em outra ocasião, eles estavam subindo a Jerusalém após a destruição do Templo. [Makkot 24b.2]
  10. Quando eles chegaram ao Monte Scopus e viram o local do Templo, eles alugaram suas vestes em luto, de acordo com a prática halakhic. [Makkot 24b.2]
  11. Quando eles chegaram ao Monte do Templo, eles viram uma raposa que emergiu do local do Santo dos Santos. [Makkot 24b.2]
  12. Eles começaram a chorar, e Rabi Akiva estava rindo. [Makkot 24b.2]
  13. Disseram-lhe: Por que razão você está rindo? Rabi Akiva disse a eles: Por que razão vocês estão chorando? [Makkot 24b.2]
  14. Disseram-lhe: Este é o lugar sobre o qual está escrito: “E o não sacerdote que se aproxima, morrerá” (Números 1:51), e agora as raposas andam nele; e não devemos chorar? [Makkot 24b.2]
  15. Rabi Akiva disse-lhes: É por isso que estou rindo, como está escrito, quando Deus revelou o futuro ao profeta Isaías: [Makkot 24b.3]
  16. “E levarei a Mim testemunhas fiéis para atestar: o sacerdote Urias, e Zacarias, filho de Jeberechiah ”(Isaías 8:2). [Makkot 24b.3]
  17. Agora, qual é a conexão entre Urias e Zacarias? e ele esclarece a dificuldade: [Makkot 24b.3]
  18. Urias profetizou durante o período do Primeiro Templo, e Zacarias profetizou durante o período do Segundo Templo, pois estava entre os que retornaram da Babilônia a Sião. [Makkot 24b.3]
  19. Em vez disso, o versículo estabeleceu que o cumprimento da profecia de Zacarias depende do cumprimento da profecia de Urias. [Makkot 24b.3]
  20. Na profecia de Urias está escrito: “Portanto, por ti, Sião será lavrada como um campo, e Jerusalém se tornará em escombros, e o monte do templo como os altos de uma floresta” (Miquéias 3:12). [Makkot 24b.4]
  21. E são nas florestas onde as raposas são encontradas. Existe uma tradição rabínica de que isso foi profetizado por Urias. [Makkot 24b.4]
  22. Na profecia de Zacarias está escrito: “Ainda haverá anciãos e mulheres idosas sentados nas ruas de Jerusalém” (Zacarias 8: 4). [Makkot 24b.4]
  23. Até que a profecia de Urias a respeito da destruição da cidade fosse cumprida, eu temia que a profecia de Zacarias não se cumprisse, pois as duas profecias estão relacionadas. [Makkot 24b.4]
  24. Agora que a profecia de Urias foi cumprida, é evidente que a profecia de Zacarias continua válida. [Makkot 24b.4]
  25. Os Sábios disseram a ele, empregando esta formulação: Akiva, você nos confortou; você nos confortou, Akiva. [Makkot 24b.4]

XV – Jovem Akiva

  1. Até os quarenta anos, o Rabbi Akiva ainda não havia aprendido nada. Uma vez, ele estava parado na boca de um poço e disse: Quem fez um buraco nesta pedra? [Avot of Rabbi Natan 6.2]
  2. Disseram-lhe: É da água, que constantemente cai sobre ela, dia após dia. Você não sabe disso pelo versículo “a Água corrói pedras”? [Avot of Rabbi Natan 6.2- Jó 14:19]
  3. Rabi Akiva imediatamente aplicou isso, ainda mais, a si mesmo. [Avot of Rabbi Natan 6.2]
  4. Ele disse: Se algo macio pode esculpir algo duro, então ainda mais, as palavras da Torá, que são como aço, podem se gravar em meu coração, que é apenas carne e sangue. [Avot of Rabbi Natan 6.2]
  5. Ele imediatamente começou a estudar Torá. Ele foi com o filho e eles se sentaram com os professores. Ele disse a um: Rabino, ensine-me Torá! [Avot of Rabbi Natan 6.2]
  6. Ele então pegou uma das pontas do tabua e seu filho segurou a outra ponta. O professor escreveu aleph e beit para ele, e ele os aprendeu; aleph e tav, e ele os aprendeu; o livro de Levítico, e ele o aprendeu. [Avot of Rabbi Natan 6.2]
  7. Akiva continuou estudando até aprender toda a Torá. Então ele foi e sentou-se diante do Rabino Eliezer e do Rabino Joshua. [Avot of Rabbi Natan 6.2]
  8. Meus mestres, disse ele, abrem o sentido da Mishná para mim. Quando lhe contaram uma lei, ele saiu e sentou-se para resolvê-la por si mesmo. [Avot of Rabbi Natan 6.2]
  9. Este aleph – para que foi escrito? Esse beit – para que foi escrito? Por que isso foi dito? Ele continuou voltando e perguntando a eles, até que reduziu seus professores ao silêncio. [Avot of Rabbi Natan 6.2]
  10. Rabi Shimon ben Elazar disse que lhes daria uma parábola para lhe dizer. Disse que ele era como um cortador de pedras que cortava as montanhas. [Avot of Rabbi Natan 6.2]
  11. Certa vez, o cortador pegou sua picareta e foi se sentar no topo da montanha e começou a lascar pequenas pedras. [Avot of Rabbi Natan 6.2]
  12. Algumas pessoas passaram e perguntaram a ele: O que você está fazendo? Ele lhes disse: Vou arrancar a montanha e jogá-la no Jordão! Você não pode arrancar a montanha inteira! [Avot of Rabbi Natan 6.2]
  13. Mas ele continuou cortando, até que chegou a uma grande pedra. Então ele se enfiou embaixo dela, arrancou-a e jogou-a no Jordão. E ele lhe disse: Seu lugar não é aqui, mas ali! [Avot of Rabbi Natan 6.2]
  14. Isso é o que o Rabino Akiva fez ao Rabino Eliezer e ao Rabino Tarfon. Rabino Tarfon disse a ele: Akiva, é sobre você que o versículo diz: “Ele tapa os riachos para que as coisas ocultas possam ser trazidas à luz”. [Avot of Rabbi Natan 6.2 – Jó 28:11]
  15. Pois Rabi Akiva trouxe à luz coisas que são mantidas escondidas dos seres humanos. [Avot of Rabbi Natan 6.2]
  16. Todos os dias, ele trazia um feixe de gravetos, metade dos quais ele vendia para se sustentar e a outra metade para usar em gravetos. [Avot of Rabbi Natan 6.2]
  17. Seus vizinhos vieram e disseram a ele: Akiva, você está nos sufocando com toda essa fumaça. Em vez disso, venda tudo para nós, depois compre óleo com o dinheiro e estude à luz de uma vela. [Avot of Rabbi Natan 6.2]
  18. Akiva lhes disse: Mas eu cuido de muitas das minhas necessidades com ele. Eu estudo por sua luz. Eu me aqueço pelo seu fogo. E então eu posso colocá-la em uma cama e dormir nela. [Avot of Rabbi Natan 6.2]
  19. Todos os pobres um dia serão julgados contra Rabi Akiva, pois se alguém lhes disser: Por que você nunca estudou? E dizem: Porque éramos pobres!, então diremos a eles: Mas o Rabino Akiva não era ainda mais pobre? [Avot of Rabbi Natan 6.2]
  20. Se eles disserem: É por causa de nossos bebês, diremos: Mas o Rabino Akiva não teve filhos e filhas também? Mas dirão: é porque ele mereceu ter sua esposa Raquel para ajudá-lo. [Avot of Rabbi Natan 6.2]
  21. Ele tinha quarenta anos quando foi estudar Torá, e depois de treze anos, ele estava ensinando Torá para as massas. [Avot of Rabbi Natan 6.2]
  22. Diz-se que ele não deixou o mundo até que tivesse mesas cheias de prata e ouro e pudesse subir para a cama em escadas de ouro. [Avot of Rabbi Natan 6.2]
  23. Sua esposa saía com um vestido chique e joias de ouro com uma gravura de Jerusalém. Seus alunos disseram: Rabino, você está nos constrangendo com o que fez por ela.
  24. Ele disse a eles: Ela sofreu muito comigo por causa da Torá. [Avot of Rabbi Natan 6.2]

XVI – Velho Akiva

  1. Antes, Rabi Akiva era o pastor de ben Kalba Savua, um dos residentes ricos de Jerusalém. A filha de Ben Kalba Savua viu que ele era humilde e refinado. [Ketubot 62b.15]
  2. Ela disse a ele: Se eu me casar com você, você irá para a sala de estudos para aprender Torá? Ele disse a ela: Sim. [Ketubot 62b.15]
  3. Ela ficou noiva dele em particular e o enviou para estudar. Seu pai ouviu isso e ficou com raiva. Ele a tirou de sua casa e fez um voto proibindo-a de se beneficiar de sua propriedade. [Ketubot 62b.15]
  4. Rabi Akiva sentou-se por doze anos na sala de estudos. Quando voltou para sua casa, trouxe consigo doze mil alunos e, ao se aproximar, ouviu um velho dizendo à sua esposa:
  5. Por quanto tempo você levará a vida de uma viúva de um homem vivo, morando sozinha enquanto seu marido está em outro lugar? [Ketubot 63a.1]
  6. Ela disse a ele: Se ele me ouvisse, ele se sentaria e estudaria por mais doze anos. Quando Rabi Akiva ouviu isso, ele disse: Tenho permissão para fazer isso. [Ketubot 63a.1]
  7. Ele voltou e sentou-se por mais doze anos na sala de estudos. Quando ele voltou, ele trouxe vinte e quatro mil alunos com ele. [Ketubot 63a.1]
  8. Sua esposa ouviu e saiu em direção a ele para cumprimentá-lo. Os vizinhos diziam: Pegue algumas roupas emprestadas e use-as, pois o seu traje atual não é apropriado para encontrar uma pessoa importante. [Ketubot 63a.1]
  9. Ela disse-lhes: “O justo entende a vida do seu animal” [Ketubot 63a.1 – Provérbios 12:10].
  10. Quando ela veio até ele, ela caiu de cara no chão e beijou seus pés. [Ketubot 63a.1]
  11. Seus assistentes a empurraram, pois não sabiam quem ela era, e ele disse-lhes: Deixem-na em paz, pois o meu conhecimento da Torá e o seu são realmente dela. [Ketubot 63a.1]
  12. Nesse ínterim, seu pai soube que um grande homem veio para a cidade. Ele disse: Eu irei até ele. Talvez ele anule meu voto e eu consiga sustentar minha filha. [Ketubot 63a.2]
  13. Ele veio até ele para perguntar sobre anular seu voto, e Rabi Akiva disse a ele: Você jurou pensando que este Akiva se tornaria um grande homem? [Ketubot 63a.2]
  14. Ele disse a ele: Se eu tivesse acreditado que ele conheceria um capítulo ou mesmo uma halakha, eu não teria sido tão severo. [Ketubot 63a.2]
  15. Ele disse a ele: Eu sou ele. Ben Kalba Savua caiu de cara no chão, beijou seus pés e deu a ele metade de seu dinheiro. [Ketubot 63a.2]
  16. A filha do rabino Akiva fez o mesmo por ben Azzai, que também era uma pessoa simples, e ela o fez aprender Torá de maneira semelhante, comprometendo-se com ele e enviando-o para estudar. [Ketubot 63a.2]
  17. Isso explica o povo dizendo que as pessoas dizem: A ovelha segue a ovelha; as ações da filha são as mesmas da mãe. [Ketubot 63a.2]
  18. Rabi Akiva ficou rico com seis coisas. Primeiro, do dinheiro que ele recebeu de Kalba Savua depois que seu voto foi dissolvido. [Nedarim 50a.6]
  19. Em segundo lugar, ele ganhou dinheiro com o aríete de um navio, pois os artesãos confeccionavam uma escultura de um tipo de ovelha para cada navio. [Nedarim 50a.6]
  20. Esta escultura seria colocada na proa e usada para esconder dinheiro. [Nedarim 50a.6]
  21. Em uma ocasião, os marinheiros esqueceram este carneiro na praia, e Rabi Akiva veio e o encontrou com o dinheiro guardado dentro. [Nedarim 50a.6]
  22. Em terceiro lugar, ele enriqueceu com um tronco de madeira, pois em uma ocasião ele deu quatro dinares aos marinheiros e disse-lhes: Tragam-me algo que valha a pena. [Nedarim 50a.7]
  23. E eles encontraram apenas um tronco de madeira na praia. Eles o trouxeram e disseram-lhe: Que nosso mestre espere com isto até que tragamos um item mais digno. [Nedarim 50a.7]
  24. Ele descobriu que o tronco estava cheio de dinares, como em uma ocasião um navio naufragou e todas as mercadorias. [Nedarim 50a.7]
  25. Ou seja, o dinheiro, de propriedade das pessoas no navio, foi colocado naquele tronco, e foi encontrado naquela ocasião pelos marinheiros. [Nedarim 50a.7]
  26. Rabi Akiva ficou rico com um comboio de ismaelitas. [Nedarim 50a.8]
  27. E ele ficou rico com uma certa senhora. Rabi Akiva pediu dinheiro emprestado a uma senhora e disse que Deus seria seu fiador. [Nedarim 50a.8]
  28. Quando chegou a hora de devolver o empréstimo, a filha do rei enlouqueceu e jogou no mar uma bolsa com joias, que foi encontrada por aquela senhora. [Nedarim 50a.8]
  29. Ela disse ao Rabino Akiva que seu fiador havia pago sua dívida e ela permitiu que ele ficasse com o empréstimo. [Nedarim 50a.8]
  30. E Rabi Akiva também enriqueceu com a esposa de Turnus Rufus, que se converteu e lhe deu seu dinheiro, e com Ketia bar Shalom, um ministro romano que legou sua fortuna a ele. [Nedarim 50b.1]

XVII – Akiva e Gamaliel

  1. Ao ouvir que Rabi Yehoshua desafiou sua decisão, Rabban Gamliel enviou uma mensagem a ele: [Rosh Hashanah 2.9]
  2. Eu decreto contra você que você deve comparecer diante de mim com seu cajado e com seu dinheiro no dia em que Yom Kippur ocorrer de acordo com seu cálculo; [Rosh Hashanah 2.9]
  3. De acordo com meus cálculos, esse dia é o décimo primeiro dia de Tishrei, um dia após o Yom Kippur. [Rosh Hashanah 2.9]
  4. Rabi Akiva foi e encontrou Rabi Yehoshua angustiado porque o chefe do Grande Sinédrio o estava forçando a profanar o dia que ele afirmava ser o Yom Kippur. [Rosh Hashanah 2.9]
  5. Na tentativa de consolá-lo, Rabi Akiva disse ao Rabino Yehoshua: Posso aprender com um versículo que tudo que Rabban Gamliel fez para santificar o mês está feito, ou seja, é válido. [Rosh Hashanah 2.9]
  6. Como se afirma: “Estes são os tempos determinados pelo Senhor, sagradas convocações, que proclamarás no seu tempo” [Rosh Hashanah 2.9 – Levítico 23: 4].
  7. Este versículo indica que se você os proclamou em seu devido tempo ou se você os declarou não em seu devido tempo, eu tenho apenas esses festivais estabelecidos pelos representantes do povo judeu. [Rosh Hashanah 2.9]
  8. Rabi Yehoshua então foi até Rabi Dosa ben Horkinas, que disse a ele: Se viermos a debater e questionar as decisões da corte de Rabban Gamliel.
  9. Devemos debater e questionar as decisões de cada tribunal que resistiu desde os dias de Moisés até agora. [Rosh Hashanah 2.9]
  10. Como está declarado: “Então Moisés subiu, e Aarão, Nadav e Avihu, e setenta dos anciãos de Israel” [Rosh Hashanah 2.9 – Êxodo 24: 9].
  11. Mas por que os nomes desses setenta Anciãos não foram especificados? [Rosh Hashanah 2.9]
  12. Em vez disso, isso ensina que cada conjunto de três juízes que representam um tribunal sobre o povo judeu tem o mesmo status que o tribunal de Moisés. [Rosh Hashanah 2.9]
  13. Uma vez que não é revelado quem estava sentado naquele tribunal, aparentemente é suficiente que eles fossem juízes oficiais em um tribunal judaico. [Rosh Hashanah 2.9]
  14. Quando Rabi Yehoshua ouviu que até Rabi Dosa ben Horkinas sustentou que eles deveriam se submeter à decisão de Rabban Gamliel, ele pegou sua equipe e seu dinheiro. [Rosh Hashanah 2.9]
  15. Ele foi para Yavne para Rabban Gamliel no dia em que Yom Kippur ocorreu de acordo com o seu Cálculo. [Rosh Hashanah 2.9]
  16. Ao vê-lo, Rabban Gamliel levantou-se e beijou-o na cabeça. Disse-lhe: Venha em paz, meu professor e meu aluno. [Rosh Hashanah 2.9]
  17. Você é meu professor de sabedoria, já que Rabi Yehoshua era mais sábio do que qualquer outro em sua geração, e você é meu aluno, pois aceitou minha declaração, apesar de sua discordância. [Rosh Hashanah 2.9]
  18. Aconteceu outra vez que Rabban Gamliel e os Anciões estavam reclinados e comendo em Jericó. Os servos trouxeram tâmaras e eles comeram. [Berakhot 4.12]
  19. Após comê-las, Rabbi Akiva deu um pulo e disse a benção Um dos Três isto é, Al Haetz para a árvore. [Berakhot 4.12]
  20. Rabban Gamliel disse a ele: “Akiva! O que há com você? Você está colocando sua cabeça na discussão.” [Berakhot 4.12]
  21. Akiva respondeu: “Meu mestre! Você nos ensinou ‘a seguir a maioria’. Mesmo que você diga assim e seus amigos falem assim, a lei é como as palavras da maioria.” [Berakhot 4.12]

XVIII – Feudo dos Sábios: Akiva, Gamliel e Yehosua

  1. Houve um incidente envolvendo um aluno que veio antes do Rabino Yehoshua. O aluno disse-lhe: A oração da noite é opcional ou obrigatória? Rabi Yehoshua disse a ele: Opcional. [Berakhot 27b.15]
  2. O mesmo aluno veio antes de Rabban Gamliel e disse-lhe: A oração da noite é opcional ou obrigatória? Rabban Gamliel disse-lhe: Obrigatório. [Berakhot 27b.16]
  3. O aluno disse a Rabban Gamliel: Mas o Rabino Yehoshua não me disse que a oração da noite é opcional? [Berakhot 27b.16]
  4. Rabban Gamliel respondeu ao aluno: Espere até que os “mestres dos escudos”, os estudiosos da Torá que lutaram na guerra da Torá, entrem na sala de estudos, para discutirmos este assunto. [Berakhot 27b.16]
  5. Quando os mestres dos escudos entraram, o questionador parou diante de todos os presentes e perguntou: A oração da noite é opcional ou obrigatória? [Berakhot 27b.17]
  6. Rabban Gamliel disse-lhe: Obrigatório. E fim de verificar se o Rabino Yehoshua ainda mantinha sua opinião, continuou: Há alguém que contesta este assunto? [Berakhot 27b.17]
  7. Rabi Yehoshua disse-lhe: Não, ninguém discorda. Em deferência ao Nasi, ele não queria discutir com ele publicamente. [Berakhot 27b.17]
  8. Rabban Gamliel disse ao Rabino Yehoshua: Mas não foi em seu nome que eles me disseram que a oração da noite é opcional? Fique de pé e eles irão testemunhar contra você.[Berakhot 27b.17]
  9. O rabino Yehoshua pôs-se de pé e disse: Se eu estivesse vivo e o estudante estivesse morto, os vivos podem contradizer os mortos e eu poderia negar ter emitido essa decisão. [Berakhot 27b.17]
  10. Agora que estou vivo e ele está vivo, como os vivos podem contradizer os vivos? Não tenho escolha a não ser admitir que disse isso. [Berakhot 27b.18]
  11. Nesse ínterim, Rabban Gamliel, como o Nasi, estava sentado e palestrando, e Rabbi Yehoshua o tempo todo estava de pé, porque Rabban Gamliel não o instruiu a sentar. Ele permaneceu de pé em deferência ao Nasi. [Berakhot 27b.19]
  12. Isso continuou por algum tempo, até que despertou grande ressentimento contra Rabban Gamliel. [Berakhot 27b.19]
  13. Todas as pessoas reunidas começaram a murmurar e dizer a Ḥutzpit o disseminador: Pare de transmitir a palestra de Rabban Gamliel. E ele parou. [Berakhot 27b.19]
  14. As murmurações continuaram: Por quanto tempo Rabban Gamliel continuará a afligi-lo? [Berakhot 27b.20]
  15. No ano passado, em Rosh HaShana, ele o afligiu; Rabban Gamliel ordenou que Rabbi Yehoshua fosse até ele carregando seu cajado e bolsa, no dia em que Yom Kippur ocorreu, de acordo com os cálculos de Rabbi Yehoshua. [Berakhot 27b.20]
  16. Com relação ao primogênito, no incidente envolvendo a questão do Rabino Tzadok, ele o afligiu exatamente como agora, e o forçou a permanecer de pé como punição por não defender sua opinião divergente. [Berakhot 27b.20]
  17. Também aqui ele o está afligindo. Vamos removê-lo de sua posição como Nasi. [Berakhot 27b.20]
  18. Foi assim acordado, mas surgiu a questão: quem estabeleceremos em seu lugar? Devemos estabelecer Rabi Yehoshua em seu lugar? [Berakhot 27b.21]
  19. Os Sábios rejeitaram essa opção porque Rabi Yehoshua participou do incidente pelo qual Rabban Gamliel foi deposto. Designá-lo seria extremamente perturbador para Rabban Gamliel. [Berakhot 27b.21]
  20. Devemos estabelecer Rabi Akiva em seu lugar? Os Sábios rejeitaram essa opção porque Rabi Akiva, que descendia de uma família de convertidos, seria vulnerável. [Berakhot 27b.21]
  21. Talvez devido ao ressentimento de Rabban Gamliel, ele faria com que ele fosse divinamente punido, pois não tem o mérito de seus ancestrais para protegê-lo. [Berakhot 27b.21]
  22. Em vez disso, sugeriram os Sábios, vamos estabelecer o Rabino Elazar ben Azarya em seu lugar, suas características notáveis ​​o diferenciam dos outros candidatos. [Berakhot 27b.21]
  23. Ele é sábio, então se Rabban Gamliel levantar um desafio em questões de Torá, ele responderá e não ficará constrangido. [Berakhot 27b.22]
  24. Ele é rico, então se surgir a necessidade de homenagear a corte de César e servir como representante de Israel para fazer acordos e negociar. [Berakhot 27b.22]
  25. Ele tem riqueza suficiente para cobrir os custos das longas viagens, impostos e presentes, então ele também é capaz de ir prestar homenagem. [Berakhot 27b.22]
  26. E ele é um descendente de décima geração de Esdras, então ele tem o mérito de seus ancestrais, e Rabban Gamliel não poderá fazer com que ele seja punido. [Berakhot 27b.22]

XIX – Rabban Azarya

  1. Eles vieram e disseram a Elazar ben Azarya: O Mestre consentiria em ser o Chefe da Yeshiva? Ele disse-lhes: Irei consultar minha família. Ele foi consultar sua esposa. Ela disse a ele: Há espaço para preocupação. [Berakhot 27b.22]
  2. Talvez eles o removam do cargo assim como removeram Rabban Gamliel. Ele disse a ela, baseado no ditado popular: Deixe uma pessoa usar um cálice caro um dia e deixe-o quebrar amanhã. [Berakhot 28a.1]
  3. Em outras palavras, deve-se aproveitar uma oportunidade que se apresenta e não precisa se preocupar se ela vai durar ou não. [Berakhot 28a.1]
  4. Ela disse a ele: Você não tem cabelos brancos e não é apropriado para alguém tão jovem chefiar os Sábios.
  5. Naquele dia, ele tinha dezoito anos, um milagre aconteceu quando dezoito fileiras de cabelos ficaram brancos. [Berakhot 28a.1]
  6. Isso explica o que Rabino Elazar ben Azarya disse: Eu sou como quem tem setenta anos e ele não disse: tenho setenta anos, porque ele parecia mais velho do que realmente era. [Berakhot 28a.2]
  7. Naquele dia em que removeram Rabban Gamliel de sua posição e nomearam Rabi Elazar ben Azarya em seu lugar. [Berakhot 28a.2]
  8. Houve também uma mudança fundamental na abordagem geral da sala de estudos quando dispensaram o guarda na porta e a permissão foi concedido aos alunos para entrar. [Berakhot 28a.2]
  9. Em vez da abordagem seletiva de Rabban Gamliel, que afirmava que os alunos deveriam ser selecionados antes de aceitá-los na sala de estudos, a nova abordagem afirmava que qualquer pessoa que buscasse estudar deveria ter a oportunidade de fazê-lo. [Berakhot 28a.2]
  10. Como Rabban Gamliel proclamou: Qualquer aluno cujo interior, seus pensamentos e sentimentos não sejam como o seu exterior, ou seja, sua conduta e seus traços de caráter estejam ausentes, não entrará na sala de estudos. [Berakhot 28a.2]
  11. Naquele dia, vários bancos foram acrescentados à sala de estudos para acomodar os numerosos alunos. Rabino Yoḥanan disse: Abba Yosef ben Dostai e os Rabinos disputaram este assunto. [Berakhot 28a.3]
  12. Um disse: Quatrocentos bancos foram acrescentados à sala de estudos. E um disse: Setecentos bancos foram acrescentados à sala de estudos. [Berakhot 28a.3]
  13. Quando ele viu o tremendo crescimento no número de alunos, Rabban Gamliel ficou desanimado. Ele disse: Talvez, Deus me livre, eu tenha impedido Israel de se envolver no estudo da Torá. [Berakhot 28a.3]
  14. Eles o mostraram em seu sonho jarros brancos cheios de cinzas, aludindo ao fato de que os alunos adicionais eram preguiçosos inúteis. [Berakhot 28a.3]
  15. Não é o caso, mas aquele sonho foi mostrado a ele para amenizá-lo. Era sua a mente para que ele não se sinta mal. [Berakhot 28a.3]
  16. Não havia halakha cuja decisão estivesse pendente na sala de estudos que eles não explicassem e chegassem a uma conclusão prática da halakha. [Berakhot 28a.4]
  17. E mesmo Rabban Gamliel não evitou a sala de estudos nem por um momento, pois não guardou rancor contra aqueles que o destituíram do cargo. [Berakhot 28a.4]
  18. Ele participou do discurso de halakha na sala de estudos como um dos Sábios. [Berakhot 28a.4]

XX – Pacificação entre Gamliel e Yehosua

  1. Certo dia, Yehuda, o convertido amonita, veio até os alunos na sala de estudos e disse a eles: Qual é a minha situação legal em termos de entrar na congregação de Israel, ou seja, casar uma mulher judia? [Berakhot 28a.5]
  2. Rabban Gamliel disse-lhe: Você está proibido de entrar na congregação. [Berakhot 28a.6]
  3. Rabi Yehoshua disse a ele: Você tem permissão para entrar na congregação. [Berakhot 28a.6]
  4. Rabban Gamliel disse ao Rabino Yehoshua: Não foi já declarado: “Um amonita e um moabita não entrará na congregação do Senhor; até a décima geração nenhum deles entrará” (Deuteronômio 23: 4)? [Berakhot 28a.6]
  5. Rabi Yehoshua disse a Rabban Gamliel: Amon e Moabe residem em seu lugar? [Berakhot 28a.6]
  6. Senaqueribe já veio e, por meio de sua política de transferência de população, embaralhou todas as nações e estabeleceu outras nações no lugar de Amon. [Berakhot 28a.6]
  7. Por consequência, os atuais residentes de Amon e Moabe não são da etnia amonita e moabita. [Berakhot 28a.6]
  8. Rabban Gamliel disse ao Rabino Yehoshua: Mas já não estava declarado: “Mas depois eu trarei de volta o cativeiro dos filhos de Amom, diz o Senhor” (Jeremias 49: 6) e eles já voltaram para sua terra? [Berakhot 28a.7]
  9. Portanto, ele é de etnia amonita e não pode se converter. [Berakhot 28a.7]
  10. Rabbi Yehoshua disse a Rabban Gamliel: Isso não é prova. Não estava já declarado em outra profecia: [Berakhot 28a.8]
  11. “E farei o cativeiro do meu povo Israel, e eles edificarão as cidades desertas e as habitarão; e plantarão vinhas, e beberão o seu vinho; também farão jardins e comerão do fruto deles ”(Amós 9:14), e ainda não voltaram? [Berakhot 28a.8]
  12. Na decisão, apenas fatos comprovados podem ser levados em consideração. Eles imediatamente permitiram que ele entrasse na congregação. [Berakhot 28a.8]
  13. Isso prova que Rabban Gamliel não se ausentou da sala de estudos naquele dia e participou do discurso halakha. [Berakhot 28a.8]
  14. Rabban Gamliel disse a si mesmo: Já que esta é a situação, que as pessoas estão seguindo Rabbi Yehoshua, aparentemente ele estava certo. [Berakhot 28a.9]
  15. Ele percebeu que seria apropriado para ele se apaziguar com o Rabino Yehoshua. [Berakhot 28a.9]
  16. Quando ele chegou à casa do Rabino Yehoshua, ele viu que as paredes de sua casa eram pretas. [Berakhot 28a.9]
  17. Rabban Gamliel disse ao Rabino Yehoshua maravilhado: Pelas paredes de sua casa, é aparente que você é um ferreiro, pois até então ele não tinha ideia de que o Rabino Yehoshua foi forçado a se envolver naquele árduo comércio para ganhar a vida. [Berakhot 28a.9]
  18. Rabi Yehoshua disse a ele: Ai de uma geração que você é seu líder, pois você não está ciente das dificuldades dos estudiosos da Torá, como eles ganham a vida e como se alimentam. [Berakhot 28a.9]
  19. Rabban Gamliel disse a ele: Se eu o insultei, me perdoe. [Berakhot 28a.10]
  20. Rabi Yehoshua não lhe deu atenção e não o perdoou.[Berakhot 28a.10]
  21. Ele perguntou novamente: Faça isso em deferência a meu pai, Rabban Shimon ben Gamliel, que era um dos líderes de Israel na época da destruição do Templo. [Berakhot 28a.10]
  22. E assim Yehoshua foi apaziguado. [Berakhot 28a.10]

XXI – Restituição de Gamliel

  1. Agora que Rabbi Yehoshua não estava mais ofendido, era natural que Rabban Gamliel fosse restaurado à sua posição. Eles disseram: Quem irá informar os Sábios? [Berakhot 28a.11]
  2. Aparentemente, eles não estavam ansiosos para cumprir a missão que desfaria as ações anteriores e removeria o Rabino Elazar ben Azarya de sua posição como Nasi. [Berakhot 28a.11]
  3. Este lavador disse a eles: Eu irei e Rabi Yehoshua enviou a mensagem aos Sábios para a sala de estudos. [Berakhot 28a.11]
  4. “Aquele que usa o uniforme continuará a usar o uniforme, o Nasi original permanecerá em sua posição para que aquele que não usou o uniforme não diga ao que veste o uniforme, tire o seu uniforme e eu vou vesti-lo. [Berakhot 28a.11]
  5. Aparentemente, os Sábios acreditaram que este emissário foi despachado por iniciativa de Rabban Gamliel e eles o ignoraram. [Berakhot 28a.11]
  6. Rabi Akiva disse aos Sábios: Tranque os portões para que os servos de Rabban Gamliel não venham e perturbem os Sábios. [Berakhot 28a.11]
  7. Quando soube o que aconteceu, Rabi Yehoshua disse: É melhor que eu vá até eles. Ele foi e bateu na porta. [Berakhot 28a.12]
  8. Ele lhes disse com uma ligeira variação: Aquele que borrifa água pura sobre aqueles que são ritualmente impuros, filho daquele que borrifa água, continuará a borrifar água. [Berakhot 28a.12]
  9. E não é apropriado que aquele que não é borrifador, nem filho do borrifador, diga a quem borrifa, filho do borrifador: Sua água é água de caverna e não a água corrente necessária para purificar. [Berakhot 28a.12]
  10. Disse sobre os que são exposto à impureza ritual transmitida por um cadáver e suas cinzas são cinzas queimadas e não as cinzas de uma novilha vermelha. [Berakhot 28a.12]
  11. Rabi Akiva disse a ele: Rabi Yehoshua, você foi apaziguado? Tudo o que fizemos foi para defender sua honra. Se você o perdoou, nenhum de nós se opõe. [Berakhot 28a.12]
  12. Amanhã cedo, nós iremos à porta de Rabban Gamliel e ofereceremos para restaurá-lo à sua posição como Nasi. [Berakhot 28a.12]
  13. A questão que surgiu é o que fazer com o Rabino Elazar ben Azarya? Eles disseram: O que vamos fazer? [Berakhot 28a.13]
  14. Removê-lo de sua posição é impróprio, pois aprendemos a halakha por meio da tradição: eleva-se a um nível mais alto de santidade e não rebaixa. Portanto, aquele que era o Nasi do Sinédrio não pode ser rebaixado. [Berakhot 28a.13]
  15. Se um Sábio pregar uma semana e o outro Sábio uma semana, eles ficarão com ciúmes um do outro, pois serão forçados a nomear um como chefe interino do Sinédrio. [Berakhot 28a.13]
  16. Em vez disso, Rabban Gamliel fará uma palestra por três semanas e o Rabino Elazar ben Azarya fará uma palestra como chefe da yeshiva por uma semana. [Berakhot 28a.13]
  17. Esse arranjo foi adotado e essa é a explicação da troca no tratado Ḥagiga: De quem foi a semana? Foi a semana do Rabino Elazar ben Azarya. [Berakhot 28a.13]
  18. Um detalhe final: o aluno que fez a pergunta original que gerou todo o incidente foi o Rabino Shimon ben Yoḥai. [Berakhot 28a.13]

XXII – Akiva e Bar Kochva

  1. Rabi Simeon bar Yohai ensinou que Akiva, seu mestre, expôs: ‘Uma estrela sairá de Jacó’ assim como Koziba saiu de Jacó. Quando Rabi Akiva viu Bar Koziba, ele disse, “Este é o Rei Messias!” [Yerushalmi Ta’anit 4.68d – Números 28:17]
  2. O Rabino Yohanan ben Torta lhe respondeu: “Akiva, a grama crescerá em suas bochechas e ainda assim o Filho de Davi não terá vindo.” [Yerushalmi Ta’anit 4.68d]
  3. E como disse Yohanan, ao comando do imperador Adriano, os romanos mataram 800.000 em Betar, pois o próprio Adriano sitiou Betar por três anos e meio. [Yerushalmi Ta’anit 4.68d]
  4. Rabi Eleazar de Modiin costumava sentar-se em um saco e cinzas e orar todos os dias, dizendo: “Mestre do Universo! Não se sente para julgar hoje, não se sente para julgar hoje.” [Yerushalmi Ta’anit 4.68d]
  5. Adriano queria ir com ele, mas um samaritano disse-lhe: “Não vá, porque irei e verei o que pode ser feito para entregar a cidade a você”. [Yerushalmi Ta’anit 4.68d]
  6. O Samaritano passou pelo cano de esgoto da cidade e encontrou Rabi Eleazer de Modiin de pé orando; e fingiu sussurrar em seu ouvido. [Yerushalmi Ta’anit 4.68d]
  7. As pessoas da cidade o viram e o trouxeram para Ben Koziba. Disseram a [Ben Koziba]: “Vimos este velho conversando com seu tio”. [Yerushalmi Ta’anit 4.68d]
  8. Ben Koziba perguntou ao samaritano: “O que você disse a ele, e o que o Rabino Eleazer de Modiin disse a você?” [Yerushalmi Ta’anit 4.68d]
  9. O samaritano lhe disse: “Se eu te contar, o imperador me matará; e se eu não contar, você me matará. Prefiro que o o imperador me mate, e não você. ”
  10. O Samaritano continuou: “O Rabino Eleazer de Modiin disse-me:‘ Entregarei a cidade ’’. [Yerushalmi Ta’anit 4.68d]
  11. Ben Koziba foi ao Rabino Eleazer de Modiin, para o questionar: “O que aquele samaritano disse a você?”
    O Rabino Eleazer lhe respondeu: “Nada”. [Yerushalmi Ta’anit 4.68d]
  12. Ben Koziba novamente questionou: “O que você disse ao samaritano?”. O Rabino Eleazer lhe respondeu: “Nada”. [Yerushalmi Ta’anit 4.68d]
  13. Bar Koziba então deu um chute no Rabino Eleazer e o matou. [Yerushalmi Ta’anit 4.68d]
  14. Imediatamente, uma voz celestial saiu dizendo: “Ai do pastor inútil que abandona seu rebanho! Deixe uma espada descer sobre seu braço e seu olho direito. Seu braço murchará e seu olho direito ficará cego’ [Yerushalmi Ta’anit 4.68d – Zacarias 11-17].
  15. Você matou Rabi Eleazar de Modiin, o braço de Israel e seu olho direito. Assim, seu braço murchará e seu olho direito ficará cego.” [Yerushalmi Ta’anit 4.68d]
  16. Imediatamente, Betar foi capturado e Ben Koziba foi morto. [Yerushalmi Ta’anit 4.68d]
  17. Eles trouxeram sua cabeça para Adriano, que perguntou: “Quem o matou?” [Yerushalmi Ta’anit 4.68d]
  18. O samaritano lhe disse: “Eu o matei”. Então, Adriano falou: “Mostre-me o cadáver dele”. [Yerushalmi Ta’anit 4.68d]
  19. Adriano olhou para o cadáver e encontrou uma serpente enrolada em volta dele. Então questionou: “Se Deus não o tivesse matado, quem teria sido capaz de matá-lo?” [Yerushalmi Ta’anit 4.68d]
  20. Deus aplicou a ele o versículo: “A menos que a Rocha deles os tivesse vendido, e Deus os tivesse dado” [Yerushalmi Ta’anit 4.68d – Deut. 32-30].

XXIII – Escola de Akiva

  1.  Os romanos continuaram matando judeus até que um cavalo foi afundado em sangue até o nariz. [Yerusalem Ta’anit 4.69a]
  2. E o sangue estava girando sobre rochas de quarenta se’ah, até que o sangue fluiu quarenta milhas romanas até o mar. [Yerusalem Ta’anit 4.69a]
  3. Eles disseram que os cérebros de 300 crianças foram encontrados em uma rocha. [Yerusalem Ta’anit 4.69a]
  4. Eles encontraram 300 cestos de tefilin cada um dos nove se’ahs. E alguns dizem que são nove cestos, cada um pesando três se’ahs. [Yerusalem Ta’anit 4.69a]
  5. Rabino Simeon ben Gamliel disse: “Havia 500 escolas em Betar e a menor delas tinha nada menos que 500 filhos. [Yerusalem Ta’anit 4.69a]
  6. As crianças costumavam dizer: ‘Se o inimigo vier sobre nós, sairemos contra eles com nossas penas e arrancaremos seus olhos.’ [Yerusalem Ta’anit 4.69a]
  7. E como resultado dos pecados de Israel, os romanos envolveram cada um em seu livro, e eles os queimaram. [Yerusalem Ta’anit 4.69a]
  8. De todos eles, ninguém permaneceu além de mim. ” Ele aplicou a si mesmo o versículo: “Meus olhos me causaram tristeza de todas as filhas da minha cidade” [Yerusalem Ta’anit 4.69a – Lam. 3-51]. [Yerusalem Ta’anit 4.69a]
  9. O maligno Adriano tinha um grande vinhedo, dezoito milhas romanas por dezoito milhas romanas, a dimensão da distância de Tiberíades a Séforis. [Yerusalem Ta’anit 4.69a]
  10. Eles o cercaram com uma parede feita com as vítimas de Betar da altura de um homem e seus braços estendidos. [Yerusalem Ta’anit 4.69a]
  11. E ele não decretou que eles poderiam ser enterrados até que um rei diferente se levantasse e decretasse que eles poderiam ser enterrados. [Yerusalem Ta’anit 4.69a]
  12. É ensinado em um baraita do Rabi Yehoshua que diz: Se um homem se casou com uma mulher em sua juventude, e ela faleceu, ele deveria se casar com outra mulher em sua velhice. [Yevamot 62b.8]
  13. Se teve filhos na juventude, deveria ter mais filhos na velhice, como está escrito: “Semeia pela manhã a tua semente, e à tarde não retenhas a tua mão; porque não sabeis o que prosperará, se isto ou aquilo, ou se ambos serão bons”. [Yevamot 62b.8 – Eclesiastes 11: 6]
  14. Este versículo indica que um homem deve continuar a ter filhos mesmo depois de cumprir a mitzva de ser frutífero e se multiplicar. [Yevamot 62b.8]
  15. Rabi Akiva disse que o versículo deve ser entendido de outra forma. [Yevamot 62b.8]
  16. Se alguém estudou Torá em sua juventude, ele deveria estudar mais Torá em sua velhice; se ele teve alunos na juventude, deve ter alunos adicionais na velhice. [Yevamot 62b.9]
  17. Eles disseram, a título de exemplo, que Rabi Akiva tinha doze mil pares de alunos em uma área de terra que se estendia de Gevat a Antipatris na Judéia. [Yevamot 62b.9]
  18. E todos morreram em um período de tempo, porque não se tratavam com respeito. [Yevamot 62b.9]
  19. O mundo estava desolado de Torá até que Rabi Akiva veio aos nossos Rabinos no Sul e ensinou sua Torá a eles. [Yevamot 62b.10]
  20. Este segundo grupo de discípulos consistia em Rabbi Meir, Rabbi Yehuda, Rabbi Yosei, Rabbi Shimon e Rabbi Elazar ben Shamua. [Yevamot 62b.10]
  21. E esses são os mesmos que defendiam o estudo da Torá naquela época. [Yevamot 62b.10]
  22. Embora os primeiros alunos de Rabi Akiva não tenham sobrevivido, seus discípulos posteriores foram capazes de transmitir a Torá para as gerações futuras. [Yevamot 62b.10]

XXIV – Prisão de Akiva

  1. Aprendemos a explicação do versículo: “E você amará o Senhor seu Deus de todo o seu coração e de toda a sua alma e de todo o seu poder” [Berakhot 61b.5 – Deuteronômio 6: 5].
  2. Pois se está declarado: “Com toda a tua alma”, por que diz: “Com todas as tuas forças”? Por outro lado, se afirmava: “Com todas as suas forças”, por que afirma também: “Com toda a sua alma”? [Berakhot 61b.5]
  3. Isso significa o corpo de alguém é mais caro para ele do que sua propriedade, portanto, é declarado: “Com toda a sua alma”; deve-se dar sua alma em santificação de Deus. [Berakhot 61b.5]
  4. E se o dinheiro de alguém é mais caro para ele do que seu corpo, então é afirmado: “Com todas as suas forças”; com todos os seus ativos. [Berakhot 61b.5]
  5. Rabino Akiva diz: “Com toda a sua alma” significa: Mesmo que Deus leve a sua alma. [Berakhot 61b.5]
  6. A Gemara relata longamente como Rabi Akiva cumpriu essas diretrizes. [Berakhot 61b.6]
  7. Uma vez, após a rebelião de Bar Kokheva, o império do mal de Roma decretou que Israel não pode se envolver no estudo e prática da Torá. [Berakhot 61b.6]
  8. Pappos ben Yehuda veio e encontrou Rabi Akiva, que estava realizando assembleias em público e se engajando no estudo da Torá. [Berakhot 61b.6]
  9. Pappos disse a ele: Akiva, você não tem medo do império? [Berakhot 61b.6]
  10. Rabi Akiva respondeu-lhe: Vou contar uma parábola. A que isso pode ser comparado? [Berakhot 61b.7]
  11. É como uma raposa caminhando à beira de um rio quando vê peixes se juntando e fugindo de um lugar para outro. [Berakhot 61b.7]
  12. A raposa disse-lhes: Do que vocês estão fugindo? Disseram-lhe: Estamos fugindo das redes que as pessoas lançam sobre nós. [Berakhot 61b.7]
  13. A Raposa respondeu: Vocês desejam subir para a terra seca e viveremos juntos, assim como meus ancestrais residiram com seus ancestrais? [Berakhot 61b.7]
  14. Os peixes disseram-lhe: Tu és aquele de quem dizem que ele é o mais esperto dos animais? Você não é inteligente; você é um tolo. [Berakhot 61b.7]
  15. Se temos medo na água, nosso habitat natural que nos dá vida, então em um habitat que causa nossa morte, ainda mais. [Berakhot 61b.7]
  16. A moral é: Da mesma forma, nós judeus, agora que nos sentamos e nos engajamos no estudo da Torá, sobre a qual está escrito: “Pois essa é a sua vida e a duração dos seus dias”, tememos o império nesta medida; [Berakhot 61b.7 – Deuteronômio 30:20]
  17. Se continuarmos ociosos em seu estudo, visto que seu abandono é o habitat que causa nossa morte, tanto mais temeremos o império. [Berakhot 61b.7]
  18. Não poucos dias se passaram até que prenderam Rabi Akiva e o encarceraram na prisão. [Berakhot 61b.8]

XXV – Morte de Akiva

  1. Ambos Hananiah ben Hakinai e Rabbi Shimon ben Yohai foram estudar Torá com Rabbi Akiva em Bnei Brak, onde estiveram por treze anos. [Vayikra Rabbah 21:1]
  2. Rabi Shimon, filho de Yohai, costumava enviar cartas para sua esposa e sabia o que estava acontecendo com sua família. [Vayikra Rabbah 21:1]
  3. Hananias, filho de Hakinai, não enviou cartas para sua esposa e não sabia o que estava acontecendo com sua família. [Vayikra Rabbah 21:1]
  4. Sua esposa lhe disse: “Sua filha está crescida; vá e encontre um noivo para ela”. [Vayikra Rabbah 21:1]
  5. Ele desejou entrar em sua casa, mas descobriu que ela estava virada em uma direção diferente. [Vayikra Rabbah 21:1]
  6. O que ele fez? Ele foi sentar-se ao lado do poço. Ele ouviu as vozes das outras mulheres dizendo: “Filha de Hakinai, encha sua jarra e suba.” [Vayikra Rabbah 21:1]
  7. Ela foi, e ele foi atrás dela, até que ele entrou em sua casa. Assim como sua esposa viu o esposa, sua alma a deixou. Há quem diga que voltou. [Vayikra Rabbah 21:1]
  8. Rabbi Akiva ordenou Rabbi Shimon ben Yoḥai a fazer cinco coisas quando Rabbi Akiva foi preso. De antemão, Rabbi Shimon disse a ele: Rabbi, ensine-me Torá. [Pesachim 112a.12]
  9. Rabi Akiva disse a ele: Eu não vou te ensinar, pois é perigoso fazer isso no momento. [Pesachim 112a.12]
  10. Rabbi Shimon disse a ele em tom de brincadeira: Se você não me ensinar, contarei a Yoḥai meu pai, e ele o entregará ao governo. [Pesachim 112a.12]
  11. Em outras palavras, não tenho meios de persuadi-lo; você já está na prisão. [Pesachim 112a.12]
  12. Rabino Akiva disse: Meu filho, saiba que mais do que o bezerro deseja mamar, a vaca deseja amamentar, mas tenho medo do perigo. [Pesachim 112a.12]
  13. Rabbi Shimon disse a ele: E quem está em perigo? O bezerro não está em perigo, já que você está na prisão. Assim, eu sou o único em risco? [Pesachim 112a.12]
  14. Depois, o romanos apreenderam Pappos ben Yehuda e o encarceraram ao lado do Rabi Akiva, que lhe perguntou: “Pappos, quem te trouxe aqui?” [Berakhot 61b.8]
  15. Pappos respondeu: “Feliz, Rabi Akiva, por ter sido preso sob a acusação de se dedicar ao estudo da Torá. Ai de Pappos, que foi detido sob a acusação de se envolver em assuntos inúteis. [Berakhot 61b.8]
  16. Quando eles levaram Rabi Akiva para ser executado, era hora da recitação de Shemá. [Berakhot 61b.9]
  17. Eles estavam raspando sua carne com pentes de ferro enquanto Akiva estava recitando Shemá, aceitando assim sobre si o jugo do céu. [Berakhot 61b.9]
  18. Seus alunos disseram-lhe: Nosso professor, mesmo agora, enquanto você sofre, você recita Shemá? [Berakhot 61b.9]
  19. Ele disse-lhes: Todos os meus dias tenho sido perturbado pelo versículo: “Amar a Deus com toda a sua alma”, que significa: “Mesmo que Deus leve a sua alma.” [Berakhot 61b.9]
  20. Então eu disse a mim mesmo: “Quando será dada a oportunidade de cumprir este versículo? Agora que me foi concedido, não devo cumpri-lo?” [Berakhot 61b.9]
  21. Ele prolongou sua pronúncia das palavra ‘Um’ até que sua alma deixou seu corpo quando ele pronunciou: Deus é Um. [Berakhot 61b.9]
  22. Uma voz desceu do céu e disse: Feliz é você, Rabi Akiva, cuja alma deixou seu corpo quando você pronunciou: Deus é Um. [Berakhot 61b.9]
  23. Os anjos ministradores disseram diante do Santo, Bendito seja Ele: Esta é a Torá e esta é sua recompensa? [Berakhot 61b.10]
  24. Como se afirma: “Da morte, pela Tua mão, Senhor, da morte do mundo” (Salmos 17:14); Sua mão, Deus, mata e não salva. [Berakhot 61b.10]
  25. Deus disse o final do versículo aos anjos ministradores: “Cuja porção está nesta vida.” [Berakhot 61b.10]
  26. E então uma Voz Divina emergiu e disse: Feliz és tu, Rabi Akiva, porque estás destinado para a vida no Mundo vindouro, pois a tua porção já está na vida eterna.[Berakhot 61b.10]

XXVI – Perseguição

  1. O ímpio reino de Roma emitiu decretos de perseguição religiosa contra o povo judeu com o objetivo de abolir a cadeia de ordenação e a autoridade dos Sábios. [Sanhedrin 14a.1]
  2. Eles disseram que qualquer um que ordenar juízes será morto, e qualquer um que for ordenado será morto.  [Sanhedrin 14a.1]
  3. Acidade em que eles ordenam os juízes será destruída, e os sinais que identificam os limites da cidade em que eles ordenam os juízes serão desenraizados.[Sanhedrin 14a.1]
  4. Essas medidas tinham o objetivo de desencorajar os Sábios de realizar ou receber ordenação devido ao temor pelo bem-estar da população local. [Sanhedrin 14a.1]
  5. O que Rabi Yehuda ben Bava fez? Ele foi e sentou-se entre duas grandes montanhas, entre duas grandes cidades, e entre duas fronteiras do Shabat. [Sanhedrin 14a.2]
  6. Era entre Usha e Shefaram, ou seja, em um lugar desolado que não estava associado a nenhuma cidade em particular, para que ele não colocasse em perigo ninguém não diretamente envolvido. [Sanhedrin 14a.2]
  7. Lá ele ordenou cinco anciãos. E eles eram: Rabbi Meir, e Rabbi Yehuda, e Rabbi Shimon, e Rabbi Yohai, e Rabbi Elazar ben Shammua. [Sanhedrin 14a.2]
  8. Rav Avya acrescenta que Rabi Neḥemya também estava entre os ordenados. [Sanhedrin 14a.2]
  9. Este incidente indica que a ordenação pode ser realizada por um único Sábio. [Sanhedrin 14a.2]
  10. Quando os romanos os descobriram, Rabi Yehuda ben Bava disse aos Sábios recém-ordenados: Meus filhos, corram para salvar suas vidas. [Sanhedrin 14a.3]
  11. Disseram-lhe: Meu professor, e quanto a você? [Sanhedrin 14a.3]
  12. O rabino Yehuda ben Bava era idoso e não conseguia correr. Disse-lhes: Em todo caso, sou lançado diante deles como uma pedra que não se pode derrubar.
  13. <esmo se você tentar me ajudar, não poderei escapar devido à minha fragilidade, mas se você não escapar sem mim, você também será morto. [Sanhedrin 14a.3]
  14. As pessoas dizem sobre este incidente: Os soldados romanos não se moveram de lá até que inseriram nele trezentas lanças de ferro, fazendo-o parecer uma peneira com muitos buracos. [Sanhedrin 14a.3]
  15. Antes da perseguição, Rabbi Yehuda e Rabbi Yosei e Rabbi Shimon estavam sentados, e Yehuda, filho de convertidos, sentou-se ao lado deles. [Shabbat 33b.5]
  16. Rabi Yehuda abriu e disse: Quão agradáveis ​​são as construções desta nação dos romanos quando estabeleceram mercados, pontes e casas de banhos?
  17. Rabbi Yosei ficou em silêncio. Rabi Shimon ben Yoḥai respondeu e disse: Tudo o que eles estabeleceram, eles estabeleceram apenas para seus próprios propósitos. [Shabbat 33b.5]
  18. Eles estabeleceram mercados, para colocar prostitutas neles; balneários, para se mimarem; e pontes, para cobrar impostos de todos os que por elas passam. [Shabbat 33b.5]
  19. Yehuda, filho de convertidos, foi e relatou suas declarações à sua família, e essas declarações continuaram a se espalhar até serem ouvidas pela monarquia. [Shabbat 33b.5]
  20. Quando a perseguição começou, eles disseram: Yehuda, que elevou o regime romano, será elevado e nomeado chefe dos Sábios, o chefe dos oradores em todos os lugares. [Shabbat 33b.5]
  21. Yosei, que permaneceu em silêncio, será exilado de sua casa na Judéia como punição e enviado para a cidade de Tzippori na Galiléia. [Shabbat 33b.5]
  22. E Shimon, que denunciou o governo, será morto. [Shabbat 33b.5]

XXVII – Caverna de Ben Yohai

  1. Rabbi Shimon bar Yoḥai e seu filho, Rabbi Elazar, foram e se esconderam na sala de estudos. [Shabbat 33b.6]
  2. Todos os dias, a esposa do Rabino Shimon trazia pão e uma jarra de água para eles comerem. [Shabbat 33b.6]
  3. Quando o decreto se intensificou, Rabi Shimon disse a seu filho: As mulheres são facilmente impressionáveis ​​e, portanto, há espaço para a preocupação de que as autoridades a torturem e ela revele nosso paradeiro. [Shabbat 33b.6]
  4. Eles foram e se esconderam em uma caverna. [Shabbat 33b.6]
  5. Um milagre aconteceu e uma alfarrobeira foi criada para eles na caverna, assim como uma fonte de água. [Shabbat 33b.6]
  6. Eles tiravam as roupas e sentavam-se cobertos de areia até o pescoço. [Shabbat 33b.6]
  7. Eles estudariam Torá o dia todo dessa maneira. [Shabbat 33b.6]
  8. Na hora da oração, eles se vestiam, cobriam-se e oravam, e depois tiravam novamente as roupas para não ficarem esfarrapados. [Shabbat 33b.6]
  9. Eles ficaram sentados na caverna por doze anos até que Elias, o Profeta, veio e ficou na entrada da caverna. [Shabbat 33b.6]
  10. Ele disse: Quem informará a bar Yoḥai que o imperador morreu e seu decreto foi revogado? [Shabbat 33b.6]
  11. Ambos saíram da caverna e viram pessoas que estavam arando e semeando. [Shabbat 33b.7]
  12. Rabi Shimon bar Yoḥai disse: Essas pessoas abandonam a vida eterna de estudo da Torá e se engajam na vida temporal para seu próprio sustento. [Shabbat 33b.7]
  13. A Gemara relata que todos os lugares que Rabi Shimon e seu filho Rabi Elazar dirigiram seus olhos foram imediatamente queimados. [Shabbat 33b.7]
  14. Uma Voz Divina surgiu e disse-lhes: Vocês saíram da caverna para destruir o Meu mundo? Voltem para sua caverna. [Shabbat 33b.7]
  15. Eles foram novamente e sentaram-se lá por doze meses. [Shabbat 33b.7]
  16. Eles disseram: O julgamento dos iníquos na Geena dura doze meses. Certamente seu pecado foi expiado naquele tempo. [Shabbat 33b.7]
  17. Uma Voz Divina emergiu e disse a eles: Saiam de sua caverna. E eles emergiram. [Shabbat 33b.7]
  18. Em todos os lugares que o Rabino Elazar atacasse, o Rabino Shimon se curaria. [Shabbat 33b.7]
  19. Rabbi Shimon disse a Rabbi Elazar: Meu filho, você e eu somos o suficiente para o mundo inteiro, pois nós dois estamos engajados no estudo adequado da Torá. [Shabbat 33b.7]
  20. Quando o sol estava se pondo na véspera do Sábado, eles viram um homem idoso que segurava dois feixes de ramos de murta e corria ao anoitecer. [Shabbat 33b.8]
  21. Disseram-lhe: Por que você tem isso? Ele disse a eles: Em homenagem ao Sábado. [Shabbat 33b.8]
  22. Disseram-lhe: E basta um. Ele respondeu-lhes: Lembra-te do dia do Shabat, para o santificar”, e “Observa o dia do Shabat, para o santificar”. [Shabbat 33b.8 – Êxodo 20: 8 e Deuteronómio 5:12]
  23. Rabbi Shimon disse a seu filho: Veja como as mitzvot são amadas para Israel. [Shabbat 33b.8]
  24. Suas mentes estavam relaxadas e ambos não estavam mais tão chateados porque as pessoas não estavam envolvidas no estudo da Torá. [Shabbat 33b.8]

XXVIII – Liberdade de Ben Yohai

  1. Rabi Pineḥas ben Ya’ir, genro de Rabi Shimon, ouviu e saiu para cumprimentá-lo. Ele o levou para a casa de banhos e começou a cuidar de sua carne. [Shabbat 33b.9]
  2. Ele viu que o Rabino Shimon tinha rachaduras na pele do corpo. Ele estava chorando, e as lágrimas caíram de seus olhos e causaram dor ao Rabino Shimon. [Shabbat 33b.9]
  3. Rabi Pineḥas disse a Rabi Shimon, seu sogro: Ai de mim, porque te vi assim. [Shabbat 33b.8]
  4. Rabbi Shimon disse-lhe: Feliz estás por me teres visto assim, como se não tivesses me visto assim, não terias encontrado em mim esta proeminência na Torá. [Shabbat 33b.9]
  5. No início, quando Rabbi Shimon ben Yoḥai levantaria uma dificuldade, Rabi Pineḥas ben Ya’ir responderia à sua pergunta com doze respostas. [Shabbat 33b.9]
  6. Em última análise, quando Rabi Pineḥas ben Ya’ir levantava uma dificuldade, Rabi Shimon ben Yoḥai respondia com vinte e quatro respostas. [Shabbat 33b.9]
  7. Rabi Shimon disse: Visto que um milagre aconteceu para mim, irei e repararei algo pelo bem dos outros em gratidão pela bondade de Deus. [Shabbat 33b.19]
  8. Como está escrito: “E Jacó veio inteiro para a cidade de Siquém, que fica na terra de Canaã, quando ele veio de Paddan-aram; e ele enfeitou o semblante da cidade” [Shabbat 33b.10 – Gênesis 33:18].
  9. Rav disse, o significado de: E Jacó veio inteiro, é: inteiro em seu corpo, inteiro em seu dinheiro, inteiro em sua Torá. [Shabbat 33b.10]
  10. E o que ele fez? E ele agraciou o semblante da cidade; ele praticou atos graciosos para beneficiar a cidade. [Shabbat 33b.10]
  11. Rav disse: Jacob estabeleceu uma moeda para eles. E Shmuel disse: Ele estabeleceu mercados para eles. E Rabi Yoḥanan disse: Ele estabeleceu banhos para eles. [Shabbat 33b.10]
  12. Em qualquer caso, aquele para quem ocorre um milagre deve praticar um ato de bondade para com seus vizinhos como um sinal de gratidão. [Shabbat 33b.10]
  13. Ele disse: Existe algo que precisa de conserto? [Shabbat 33b.10]
  14. Disseram-lhe: Há um lugar onde há incerteza em relação à impureza ritual e os sacerdotes ficam perturbados por serem forçados a contorná-la. [Shabbat 34a.1]
  15. Pois é proibido que eles se tornem ritualmente impuros pelo contato com um cadáver. [Shabbat 34a.1]
  16. Havia suspeita, mas não certeza, de que um cadáver estava enterrado lá, portanto, eles não foram capazes de determinar definitivamente o seu status. [Shabbat 34a.1]
  17. Rabbi Shimon disse: Existe uma pessoa que sabe que havia uma presunção de pureza ritual aqui? [Shabbat 34a.1]
  18. Alguém se lembra de uma época em que este lugar não era considerado ritualmente impuro, ou que pelo menos parte dele era considerado ritualmente puro? [Shabbat 34a.1]
  19. Um Ancião disse a ele: Aqui Ben Zakkai plantou e cortou sua teruma de tremoceiras. [Shabbat 34a.1]
  20. Neste mercado, o Rabino Yoḥanan ben Zakkai, que também era um sacerdote, uma vez plantou tremoceiras que foram dados a ele como teruma. [Shabbat 34a.1]
  21. Com base nisso, pode-se concluir que era definitivamente ritualmente puro. [Shabbat 34a.1]
  22. Rabbi Shimon, como Jacob, também o fez e tomou medidas para melhorar a cidade e examinou o terreno. [Shabbat 34a.1]
  23. Em todos os lugares em que o solo era duro, ele o pronunciava ritualmente puro, pois certamente não havia cadáver ali. [Shabbat 34a.1]
  24. Em todos os lugares em que o solo era macio, ele marcava indicando que talvez um cadáver estivesse enterrado ali. [Shabbat 34a.1]
  25. Dessa forma, ele purificou o mercado para que até os sacerdotes pudessem passar por ele. [Shabbat 34a.1]
  26. Rabino Shimon ben Yoḥai certaz vez disse: É mais fácil para uma pessoa se jogar em uma fornalha ardente quando confrontado com a escolha de humilhar publicamente outra pessoa. [Sorah 10b.6]
  27. Ou permanecer em silêncio, mesmo que isso leve à queimadura, e não humilhar outra pessoa em público. [Sorah 10b.6]
  28. De onde derivamos isso? De Tamar, como ela estava preparada para ser queimada se Judá não confessasse, ao invés de humilhá-lo em público. [Sorah 10b.6]
  29. Ela disse-lhe: Peço-te: Discerne a imagem do teu Criador em cada pessoa e não desvias os teus olhos de mim. [Sorah 10b.8]

XXIX – Discurso de Ben-Yohai

  1. O Rabino Shimon ben Yoḥai disse: Eu sou capaz de absolver o mundo inteiro do julgamento pelos pecados cometidos desde o dia em que fui criado até agora. [Sukkah 45b.4]
  2. Esse foi mérito que ele acumulou por meio de sua justiça e o sofrimento que ele suportou para expiar os pecados do mundo inteiro. [Sukkah 45b.4]
  3. E se o mérito acumulado por Eliezer, meu filho, fosse calculado junto com o meu, absolveríamos o mundo do julgamento pelos pecados cometidos desde o dia em que o mundo foi criado até agora. [Sukkah 45b.4]
  4. E se o mérito fosse acumulado pelo justo rei, Jotham ben Uzziah, calculado com o nosso, absolveríamos o mundo do julgamento pelos pecados cometidos desde o dia em que o mundo foi criado até o seu fim. [Sukkah 45b.4]
  5. A retidão desses três serve como um contrapeso para todas as más ações cometidas ao longo das gerações e valida a existência contínua do mundo. [Sukkah 45b.4]
  6. Rabi Shimon ben Yoḥai continuou: Eu vi membros da casta espiritualmente proeminentes, que são verdadeiramente justos, e eles são poucos. [Sukkah 45b.4]
  7. Se forem mil, eu e meu filho estamos entre eles. Se forem cem, eu e meu filho estamos entre eles; e se são dois, eu e meu filho somos eles. [Sukkah 45b.4]
  8. Os sábios se perguntam: são os justos tão poucos? [Sukkah 45b.4]
  9. Mas Rava não disse: Há dezoito mil justos em uma fileira diante do Santo, Bendito seja Ele como está declarado: “Ao redor estão dezoito mil” [Sukkah 45b.4 – Ezequiel 48:35]
  10. Aparentemente, os justos são numerosos. Isso não é difícil. [Sukkah 45b.4]
  11. Esta declaração do Rabino Shimon ben Yoḥai está se referindo aos poucos que enxergam a Presença Divina através de uma partição brilhante, semelhante a um espelho. [Sukkah 45b.4]
  12. A declaração de Rava se refere àqueles que não enxergam a Presença Divina através de uma partição brilhante. [Sukkah 45b.4]
  13. Os sábios se perguntam: E aqueles que enxergam a Presença Divina através de uma divisória brilhante são tão poucos? [Sukkah 45b.4]
  14. Mas Abaye não disse: O mundo tem nada menos que trinta e seis justos em cada geração que saúdam a Presença Divina todos os dias. [Sukkah 45b.4]
  15. É como está escrito: “Felizes todos os que esperam por Ele” [Sukkah 45b.4 – Isaías 30 : 18]
  16. O valor numerológico de Ele, soletrado lamed vav, é trinta e seis. [Sukkah 45b.4]
  17. Isso alude ao fato de que há pelo menos trinta e seis justos plenamente desenvolvidos em cada geração. [Sukkah 45b.4]
  18. Os sábios respondem: Esta declaração de Abaye está se referindo àqueles que entram para saudar a Presença Divina, solicitando e recebendo permissão. [Sukkah 45b.4]
  19. A declaração do Rabino Shimon ben Yoḥai está se referindo àqueles que entram mesmo sem pedir permissão. [Sukkah 45b.4]
  20. Para estes, os portões do Céu estão abertos em todas as vezes. Eles são muito poucos, de fato. [Sukkah 45b.4]
  21. Shimon ben Yoḥai disse: O Santo, Bendito seja Ele, deu a Israel três dons preciosos. [Berakhot 5a.20]
  22. Todos os quais foram dados apenas por meio de sofrimento, que purificou Israel para que eles pode merecer recebê-los. [Berakhot 5a.20]
  23. Esses presentes são: o Torá, a Terra de Israel e o Mundo por Vir. [Berakhot 5a.20]
  24. E de onde é derivado que a Torá só é adquirida por meio do sofrimento? [Berakhot 5a.21]
  25. Está escrito: “Feliz é o homem a quem afliges, Senhor”, após o que se diz: “E ensina da Tua Torá”. [Berakhot 5a.21]
  26. E de onde é derivado que a Terra de Israel só é adquirida por meio do sofrimento?
  27. Está escrito: “Como um homem repreende seu filho, assim o Senhor teu Deus te repreende”, depois está escrito: “Pois o Senhor teu Deus te levará a uma boa terra.” (Deuteronômio 8: 5) [Berakhot 5a.22]
  28. E de onde é derivado que o Mundo por Vir só é adquirido por meio do sofrimento?
  29. Está escrito: “Pois a mitzva é uma lâmpada, a Torá é luz, e as repreensões da instrução são o modo de vida” (Provérbios 6:23). [Berakhot 5a.23]
  30. Alguém pode chegar à lâmpada da mitzva e à luz da Torá que existe no Mundo vindouro apenas por meio das reprovações da instrução neste mundo. [Berakhot 5a.23]

XXX – Yehuda HaNasi – Educação

  1. Enquanto Rabi Akiva estava morrendo, Rabi Yehuda HaNasi nasceu; [Kiddushin 72b.2]
  2. Enquanto Rabi Yehuda HaNasi estava morrendo, Rav Yehuda nasceu; [Kiddushin 72b.2]
  3. Enquanto Rav Yehuda estava morrendo, Rava nasceu; [Kiddushin 72b.2]
  4. Enquanto Rava estava morrendo, Rav Ashi nasceu. [Kiddushin 72b.2]
  5. Isso ensina que uma pessoa justa não sai do mundo antes que uma pessoa igualmente justa seja criada [Kiddushin 72b.2]
  6. Está dito: “O sol também nasce e o sol também se põe”. [Kiddushin 72b.2 – Eclesiastes 1: 5].
  7. O mesmo se aplica às gerações anteriores: antes de o sol de Eli se pôr, o sol de Samuel, o ramatita, já estava nascendo. [Kiddushin 72b.2]
  8. É como está escrito: “E a lâmpada de Deus ainda não havia se apagado, e Samuel estava deitado no Templo do Senhor” [[Kiddushin 72b.2 – I Samuel 3: 3]
  9. Esta passagem ensina que Samuel já estava profetizando nos dias de Eli. [Kiddushin 72b.2]
  10. O Rabino Yehuda HaNasi nasceu do Rabban Shimon ben Gamaliel.
  11. Ele disse: Em Eretz Yisrael, por que as pessoas deveriam falar a língua do Siríaco, o aramaico comumente falado em Eretz Yisrael? [Sotah 49b.11]
  12. Em vez disso, eles devem falar na língua sagrada, o hebraico, ou na bela língua do grego. [Sotah 49b.11]
  13. E Rav Yosef disse da mesma forma: Na Babilônia, por que eles deveriam falar na língua vernácula do aramaico? [Sotah 49b.11]
  14. Em vez disso, eles devem falar na língua sagrada, hebraico, ou na língua persa, usada pelas autoridades.
  15. Os sábios respondem que há uma diferença: a língua grega é discreta e a sabedoria grega é discreta, por isso proibiam a última, mas não a primeira. [Sotah 49b.12]
  16. Então a questão foi levantada: E a sabedoria grega é proibida? [Sotah 49b.13]
  17. Mas Rav Yehuda HaNasi respondeu: Qual é o significado do que está escrito: “Meus olhos afetaram minha alma, devido a todas as filhas de minha cidade”? [Sotah 49b.13 – Lamentações 3:51]
  18. Havia mil crianças na casa do meu pai, a casa dos príncipes. Quinhentos deles aprenderam Torá, e os outros quinhentos aprenderam a sabedoria grega. [Sotah 49b.13]
  19. Mas só restou deles, após a revolta de bar Kokheva, eu, aqui em Eretz Yisrael, e o filho do irmão de meu pai, que mora na Ásia Menor. [Sotah 49b.13]
  20. O fato de Rabban Gamliel permitir que metade de sua casa estudasse a sabedoria grega indica que isso é permitido. [Sotah 49b.13]
  21. Os sábios explicam que os membros da casa de Rabban Gamliel são diferentes, pois eram próximos da monarquia. [Sotah 49b.14]
  22. Portanto, eles tiveram que aprender a sabedoria grega para conversar com pessoas de autoridade. [Sotah 49b.14]
  23. Como é ensinado em um baraita (Tosefta, Shabat 7: 1): Aquele que corta o cabelo no estilo komi, que era a moda gentia de cortar e usar o cabelo, é considerado como agindo da mesma forma que os amorreus. [Sotah 49b.14]
  24. É proibido agir em seu caminho. No entanto, eles permitiram que Avtolos ben Reuven cortasse seu cabelo no estilo komi, por ser próximo da monarquia. [Sotah 49b.14]
  25. Da mesma forma permitiram que a casa de Rabban Gamliel estudasse a sabedoria grega, por serem próximos da monarquia. [Sotah 49b.14]

XXXI – Yehuda HaNasi – Professores

  1. Rabi Judah ben Ilai disse: tenha cuidado no estudo, pois um erro no estudo conta como pecado deliberado. [Pirkei Avot 4.13]
  2. Rabi Shimon ben Yohai disse: Existem três coroas: a coroa da Lei, a coroa do Sacerdócio e a coroa da Realeza, mas a coroa de um bom nome substitui todas elas. [Pirkei Avot 4.13]
  3. Rabi Shimon ben Yohai governou com brandura, pois permitiu no sábado tomar banho e secar-se com uma toalha e depois trazê-la para casa. [Shabbat 147b.5]
  4. Rabino Yehuda HaNasi concorda, pois quando estudou Torá com Rabino Shimon em Tekoa, seus estudantes carregavam óleo e toalhas do pátio para o telhado. [Shabbat 147b.5]
  5. Depois, carregavam do telhado para um recinto semelhante a um pátio até chegarem à nascente em que tomariam banho, sem passar por domínio público. [Shabbat 147b.5]
  6. Quando Rabi Yoḥanan disse nesse período que, quando estudavam Torá com Rabi Oshaya, o lugar estava tão cheio de alunos que se sentavam quatro em cada côvado quadrado. [Eruvin 52a.15]
  7. Da mesma forma, Rabi Yehuda HaNasi disse que, quando estudavam Torá com Rabi Elazar ben Shamua, se sentavam seis em cada côvado quadrado. [Eruvin 52a.15]
  8. Rabi Yehuda HaNasi afirmou que quando eu era menor de idade, leu Meguilá , para Rabi Yehuda ben Ilai, o que deveria ser proibido. [Eruvin 52a.15]
  9. Disseram-lhe nesse tempo: Não se pode provar que um ato é permitido pelo próprio comportamento de quem o permite. [Eruvin 52a.15]
  10. Mas sabe-se que o Rabino Yehuda afirmou que um menor está apto a ler a Meguilá, que eram os livros de Ester, Rute, Cânticos, Eclesiastes e Lamentações. [Eruvin 52a.15]
  11. De fato, embora ele agisse de acordo com sua própria opinião, isso não prova que esta seja a halakha aceita. [Eruvin 52a.15]
  12. No entanto, o Rabi Yehuda ben Ilai era o julgador de halakha na casa dos Nasi. [Menachot 104a.2]
  13. O rabino Yehuda HaNasi disse ne certa ocasião que sua declaração parecia estar mais correta do que ua declaração do Pai. [Eruvin 32.11]
  14. Ele disse ser melhor que ḥaverim seja suspeito de separar a teruma e os dízimos da produção não-adjacentes dos produtos que são isentos, e eles não devem alimentar o amei-ha’aretz da produção que é tevel. [Eruvin 32.11]
  15. Ambos sábios discordaram apenas no que diz respeito em determinado detalhe.
  16. O sábio Rabi Yehuda HaNasi, afirmou que ḥaverim são suspeitos de dízimo com produtos não-adjacentes aos produtos que são isentos.
  17. O sábio Rabban Shimon ben Gamliel afirmou que eles não são suspeitos disso. [Eruvin 32.12]
  18. Mas todos concordam que podemos confiar na presunção de que um agente cumpre sua função, [Eruvin 32.12]
  19. Ou seja, que o proprietário é considerado um agente, que dá o dízimo de sua produção para que ninguém coma além da sua conta, pode separar os dízimos. [Eruvin 32.12]
  20. Em outra ocasião, o rabino Yehuda HaNasi depois se retratou ao admitir: Minha resposta foi por causa da imaturidade que eu tinha em mim.
  21. Ele foi insolente nessa ocasião na presença do rabino Natan, o Babilônico, respondendo de uma maneira incorreta. [Bava Batra 131a.5]
  22. Ele admitiu estar incorreto sobre uma obrigação detalhada em documento matrimonial que garante os direitos de herança de filhos do sexo masculino. [Bava Batra 131a.5]
  23. O rabino Yehuda HaNasi explicou sobre si: O fato de eu ser mais incisivo do que meus colegas se deve ao fato de que vi Rabi Meir por trás, ou seja, sentei-me atrás dele quando era seu aluno. [Eruvin 13b.5]
  24. Se o tivesse visto de frente, seria ainda mais incisivo, como está escrito: “E os teus olhos verão o teu mestre” [Eruvin 13b.5 – Isaías 30:20].
  25. Pois aprender diante o rosto de um mestre aumenta a compreensão e aguça a mente. [Eruvin 13b.5]
  26. Antes Elisha ben Abuyah disse: Aquele que aprende quando criança, a que é comparado? É comparado a escrever com tinta em uma nova folha de escrita. [Pinkei Avot 4:20]
  27. E aquele que aprende quando velho, a que é comparado? É comparado a escrever em uma folha de escrita amassada.
  28. Rabi Yose ben Judah, um homem de Kfar Ha-babli, disse: Aquele que aprende com os jovens, a que é comparado? É comparado a comer uvas verdes e beber vinho do seu barril. [Pinkei Avot 4:20]
  29. E aquele que aprende com os velhos, a que é comparado? É comparado a comer uvas maduras e beber vinho velho.
  30. Rabino Yehuda HaNasi concluiu: Não olhe para o recipiente, mas para o que está nele: há um recipiente novo cheio de vinho velho, e um recipiente velho no qual não há nem mesmo vinho novo. [Pinkei Avot 4:20]
  31. Ravina disse: Qualquer um que ama ensinar em abundância, diante das multidões, a ele será aumentado, à medida que seu conhecimento da Torá for aprimorado por meio do seu ensino. [Makkot 10a.17]
  32. Esse é o paralelo com o que Rabi Yehuda HaNasi diz: Muito da Torá eu estudei com meus professores, e aprendi mais com meus colegas do que com eles. [Makkot 10a.17]
  33. Também aprendi mais com meus alunos do que com todos eles juntos. [Makkot 10a.17]

XXXII – Yehuda HaNasi – Liderança

  1. O rabino Yehudah HaNasi costumava dizer: Deve-se adquirir palavras da Torá como princípios gerais e implementá-las como particulares. [Sifrei Devarim 306.21]
  2. Está escrito: “Minha Torá se adquire como chuva e os implementa em pequenas gotas, como orvalho, e não em grandes temporais como ventanias sobre ervas. [Sifrei Devarim 306.21]
  3. Assim como as gotas descem sobre a erva e entram nela para que não fique vermifugada, você também entra nas palavras da Torá para não esquecê-las. [Sifrei Devarim 306.21]
  4. Assim fez R. Yaakov b. R. Chaninah: Vamos entrar no halachoth, para que não se tornem bolorentos, assim como chuvas descem sobre lâminas de grama e as limpa, e as esfrega, e as expande. [Sifrei Devarim 306.22]
  5. Então, expanda as palavras da Torá – uma segunda vez; e uma terceira vez; e uma quarta vez. [Sifrei Devarim 306.22]
  6. Quando Rabba bar Ḥana desceu para a Babilônia, seu tio Rabino Ḥiyya disse ao Rabino Yehuda HaNasi: O filho de meu irmão está descendo para a Babilônia. [Sahendrin 5a.10]
  7. Ele pode ensinar as pessoas e emitir regras sobre o que é proibido e o que é permitido? [Sahendrin 5a.10]
  8. Rabino Yehuda HaNasi disse a ele: Ele pode ensinar. [Sahendrin 5a.10]
  9. Rabino Ḥiyya então perguntou: Ele também pode julgar casos de lei monetária e ser absolvido do pagamento se errar? [Sahendrin 5a.10]
  10. Rabino Yehuda HaNasi disse a ele: Ele pode julgar. [Sahendrin 5a.10]
  11. Rabino Ḥiyya continuou: Ele pode declarar que um animal primogênito é permitido?
  12. Rabino Yehuda HaNasi disse a ele: Ele pode declarar. [Sahendrin 5a.10]
  13. Da mesma forma, quando Rav, que também era sobrinho do Rabino Ḥiyya, desceu para a Babilônia, o Rabino Ḥiyya disse ao Rabino Yehuda HaNasi: O filho da minha irmã está descendo para a Babilônia. [Sahendrin 5a.11]
  14. Ele pode ensinar as pessoas e emitir regras sobre o que é proibido e o que é permitido? [Sahendrin 5a.11]
  15. Rabino Yehuda HaNasi disse a ele: Ele pode ensinar. [Sahendrin 5a.11]
  16. Rabino Ḥiyya então perguntou: Ele também pode julgar casos de lei monetária e ser absolvido do pagamento se errar? [Sahendrin 5a.11]
  17. Rabino Yehuda HaNasi respondeu: Ele pode julgar. [Sahendrin 5a.11]
  18. Rabino Ḥiyya continuou: Ele pode declarar que um animal primogênito é permitido? [Sahendrin 5a.11]
  19. Rabino Yehuda HaNasi disse a ele: Ele não pode declarar. [Sahendrin 5a.11]
  20. A Gemara pergunta: Por que ele negou essa permissão? [Sahendrin 5b.2]
  21. Se dissermos que foi porque Rav não era suficientemente sábio e erudito, mas isso é difícil, pois certamente ele era extremamente sábio. [Sahendrin 5b.2]
  22. Em vez disso, deve ser porque, embora ele tivesse bastante conhecimento sobre a halakha, ele não era um especialista no que diz respeito a manchas. [Sahendrin 5b.2]
  23. Isso significa que lhe faltava o conhecimento prático para aplicar a halakha a casos reais. [Sahendrin 5b.2]
  24. A Gemara rejeita esta resposta, pois Rav não disse: Eu estudei com um pastor por dezoito meses para ser capaz de saber qual mancha é permanente e qual é temporária? [Sahendrin 5b.3]
  25. Evidentemente, ele tinha um alto nível de experiência prática neste assunto. [Sahendrin 5b.2]
  26. A Gemara explica: Em vez disso, foi para homenagear Rabba bar Ḥana. [Sahendrin 5b.2]
  27. O Rabino Yehuda HaNasi queria garantir que o Rabba bar Ḥana fosse tratado com respeito. [Sahendrin 5b.2]
  28. Ele se certificou de que havia uma área de halakha em relação à qual as pessoas não seriam capazes de consultar o Rav e precisariam consultar o Rabba bar Ḥana em vez dele. [Sahendrin 5b.2]

XXXIII – Yehuda HaNasi – Conflitos

  1. O rabino Yehoshua ben Zeruz, filho do sogro do rabino Meir, testemunhou perante o rabino Yehuda HaNasi sobre o rabino Meir. [Chulin 6b.5]
  2. Disse que ele comia a folha de um vegetal em Beit She’an sem dízimo ou separando teruma. [Chulin 6b.5]
  3. Ele afirmava que Beit She’an não é parte da Terra de Isrrael e, portanto, não é sagrado com sua santidade. [Chulin 6b.5]
  4. E o Rabino Yehuda HaNasi permitiu todos os produtos de Beit She’an com base em seu testemunho. [Chulin 6b.5]
  5. Seus irmãos e a família de seu pai se uniram contra ele. [Chulin 6b.6]
  6. Disseram-lhe: Em um lugar onde seus pais e os pais de seus pais trataram os produtos não tributados no dízimo como proibidos, você os tratará como permitidos? [Chulin 6b.6]
  7. O rabino Yehuda HaNasi interpretou este versículo para eles. [Chulin 6b.7]
  8. “E despedaçou a serpente de cobre que Moisés fizera; pois até aqueles dias os filhos de Israel queimavam incenso nele; e foi chamado Nehushtan ” *[Chulin 6b.7 – II Reis 18: 4].
  9. É possível que eles queimaram incenso nele e Asa, um rei justo, veio e não o erradicou; Josafá, um rei justo, veio e não o erradicou, e o incenso permaneceu até o tempo de Ezequias? [Chulin 6b.7]
  10. Mas Asa e Josafá não erradicaram todos os objetos de adoração a ídolos no mundo? [Chulin 6b.7]
  11. Em vez disso, deve ser que, ao não erradicar a serpente, seus ancestrais deixaram espaço para Ezequias para alcançar proeminência. [Chulin 6b.8]
  12. Eu também posso dizer que meus ancestrais me deixaram espaço para alcançar proeminência ao permitir produtos não-tributados de Beit She’an. [Chulin 6b.8]
  13. A partir daqui, a pessoa aprende com relação a um erudito da Torá que afirma uma nova questão da halakha que ela não o move de sua posição. [Chulin 7a.1]
  14. Alguns dizem: Ninguém o desconsidera; e alguns dizem: Ninguém atribui sua declaração inovadora à sua vaidade. [Chulin 7a.1]
  15. É como o que está escrito: “E o peitoral não se soltará do éfode”; e com relação a quem diz: Não se desconsidera. [Chulin 7a.2 – Êxodo 28:28]
  16. É como está escrito: “Pois o Senhor não abandonará para sempre”; [Chulin 7a.2 – Lamentações 3:31]
  17. E com relação àquele que diz vaidade, é aprendido: Desde o tempo em que aqueles com corações presunçosos proliferaram, disputas proliferaram entre o povo judeu. [Chulin 7a.2]
  18. Yehuda, filho do Rabino Shimon ben Pazi, objeta ao halakha básico: E há alguém que diga que Beit She’an não faz parte da Terra de Israel? [Chulin 7a.3]
  19. Mas não está escrito: “E Manassés não expulsou os habitantes de Bete-She’an e suas cidades, nem de Taanach e suas cidades” [Chulin 7a.3 – Juízes 1:27]
  20. Aquilo que Rabi Shimon ben Elyakim disse em nome de Rabi Elazar ben Pedat, que disse em nome de Rabi Elazar ben Shammua, escapou à atenção de Yehuda. [Chulin 7a.4]
  21. Muitas cidades foram conquistadas por aqueles que ascenderam do Egito a Terra de Israel, liderado por Josué, filho de Nun, [Chulin 7a.4]
  22. E não foram conquistados por aqueles que ascenderam da Babilônia a Terra de Israel no retorno a Sião liderado por Esdras. [Chulin 7a.4]
  23. Entre essas cidades estava Beit She’an. [Chulin 7a.4]
  24. Rabi Yehuda HaNasi afirma: A consagração inicial da Terra de Israel foi santificada durante a era de Josué, filho de Nun. [Chulin 7a.5]
  25. Em termos da obrigação de cumprir mitzvot terrestres, eçe santificou a Terra de Israel para seu tempo, mas não o santificou para sempre. [Chulin 7a.5]
  26. Em vez disso, a obrigação expirou com o exílio na Babilônia. [Chulin 7a.5]
  27. Os que ascenderam da Babilônia retornaram a Terra de Israel e santificaram a terra. [Chulin 7a.5]
  28. Mas deixaram certos lugares não santificados, para que os pobres dependessem deles para seu sustento durante o Ano Sabático, quando a produção não é abundante. [Chulin 7a.5]
  29. Visto que essas áreas não foram santificadas, é permitido semear ali durante o ano sabático, e os pobres não passarão fome. [Chulin 7a.5]
  30. Uma vez que Rabino Yehuda HaNasi descobriu que Beit She’an era uma dessas cidades, ele a isentou das mitzvot terrestres. [Chulin 7a.5]

XXIV – Yehuda HaNasi – Conselheiro

  1. É relatado que o imperador Antoninus disse ao Rabino Yehuda HaNasi: Eu desejo que Asveirus, meu filho, governe em vez de mim, e que a cidade de Tiberíades seja liberada do pagamento de impostos. [Avodah Zarah 10a.14]
  2. E se eu disser ao Senado Romano um dos meus desejos, eles farão o que eu desejo, mas se eu pedir dois deles, eles não farão o que eu desejo. [Avodah Zarah 10a.14]
  3. O rabino Yehuda HaNasi transmitiu sua resposta da seguinte maneira: Ele trouxe um homem, colocou-o nos ombros de outro homem e colocou uma pomba nas mãos do que estava em cima.
  4. Então disse ao que está embaixo: Diga ao que está em cima que ele deve fazer com que a pomba voe de suas mãos. [Avodah Zarah 10a.14]
  5. Antoninus entendeu o que Rabi Yehuda HaNasiz estava dizendo. Ele deveria perguntar ao Senado para deixar Asveirus seu filho governar em seu lugar. [Avodah Zarah 10a.14]
  6. Depois, deveria dizer a Asveirus que ele deve liberar Tiberíades do pagamento de impostos. [Avodah Zarah 10a.14]
  7. Antoninus também disse ao Rabino Yehuda HaNasi: Romanos importantes estão me perturbando: O que posso fazer sobre eles? [Avodah Zarah 10a.15]
  8. Rabi Yehuda HaNasi sempre o levava para seu jardim, e todos os dias arrancava um rabanete do canteiro diante dele. [Avodah Zarah 10a.15]
  9. Antoninus entendeu o que o Rabi Yehuda HaNasi estava dizendo. Ele deveria matá-los um por um e não incitar todos eles de uma vez. [Avodah Zarah 10a.15]
  10. Mas por que não deixá-lo dizer seu conselho explicitamente? [Avodah Zarah 10b.1]
  11. Por que o Rabino Yehuda HaNasi respondeu de maneira tão circunspecta, que poderia ter sido interpretada incorretamente? [Avodah Zarah 10b.1]
  12. Rabino Yehuda HaNasi disse a si mesmo: Se eu responder abertamente, os romanos importantes podem me ouvir e me atormentar.
  13. Mas por que não deixá-lo dizer seu conselho em voz baixa? [Avodah Zarah 10b.1]
  14. Por que Rabi Yehuda HaNasi ainda estava preocupado que eles pudessem ouvir o que ele disse. [Avodah Zarah 10b.1]
  15. Afinal, está escrito: “Não amaldiçoe o rei, não, não em seu pensamento, e não amaldiçoe os ricos em seu quarto, por um pássaro de o ar levará a voz ”. [Avodah Zarah 10b.1 – (Eclesiastes 10:20)]
  16. Todos os dias Antoninus enviava ao Rabino Yehuda HaNasi ouro esmagado em grandes sacos, com trigo na abertura dos sacos. [Avodah Zarah 10b.3]
  17. Ele dizia a seus servos: Traga este trigo ao Rabino Yehuda HaNasi, e eles não perceberam que os sacos realmente continham ouro. [Avodah Zarah 10b.3]
  18. Rabino Yehuda HaNasi disse a Antoninus: Eu não preciso de ouro, pois tenho muito. [Avodah Zarah 10b.3]
  19. Antonino disse: O ouro deve ser para aqueles que virão depois de você, que o dará aos últimos que vierem depois de você. [Avodah Zarah 10b.3]
  20. E aqueles que descendem deles trarão o ouro que eu agora lhes dou e poderão pagar impostos aos romanos com esse dinheiro. [Avodah Zarah 10b.3]

XXXV – Yehuda HaNasi – Encontros

  1. Antoninus tinha uma certa caverna subterrânea da qual havia um túnel que ia de sua casa até a casa do Rabino Yehuda HaNasi. [Avodah Zarah 10b.4]
  2. Todos os dias ele trazia dois servos para servi-lo. Ele mataria um servo na entrada da casa do Rabino Yehuda HaNasi, e mataria o outro na entrada de sua casa. [Avodah Zarah 10b.4]
  3. Assim, nenhum ser vivo descobriria que ele havia visitado o Rabino Yehuda HaNasi. [Avodah Zarah 10b.4]
  4. Ele disse ao Rabino Yehuda HaNasi: Quando eu for visitá-lo, que nenhum homem seja encontrado antes de você. [Avodah Zarah 10b.4]
  5. Um dia, Antoninus descobriu que o Rabino Ḥanina bar Ḥama estava sentado lá. [Avodah Zarah 10b.5]
  6. Ele disse: Eu não disse a você que, quando eu for visitá-lo, ninguém será encontrado antes de você? [Avodah Zarah 10b.5]
  7. Rabi Yehuda HaNasi disse a ele: Este não é um ser humano; ele é como um anjo, e você não tem nada a temer dele. [Avodah Zarah 10b.5]
  8. Antonino disse ao Rabino Ḥanina bar Ḥama: Diga ao servo que está dormindo na entrada que ele deve se levantar e vir. [Avodah Zarah 10b.5]
  9. O rabino Ḥanina bar Ḥama foi e descobriu que o servo mencionado por Antonino havia sido morto. [Avodah Zarah 10b.6]
  10. Ele disse a si mesmo: Como devo agir? [Avodah Zarah 10b.6]
  11. Se eu for e digo a Antonino que ele foi morto, isso é problemático, pois não se deve relatar notícias angustiantes. [Avodah Zarah 10b.6]
  12. Se eu o deixar e for embora, estarei tratando o rei com desrespeito. [Avodah Zarah 10b.6]
  13. Ele orou para que Deus tivesse misericórdia e reanimou o servo, e o enviou a Antonino. [Avodah Zarah 10b.6]
  14. Antonino disse: Eu sei que mesmo o menor entre vocês pode reviver os mortos; mas quando eu for visitar nenhum homem seja encontrado antes de você, mesmo alguém tão grande como Rabi Ḥanina bar Ḥama. [Avodah Zarah 10b.6]
  15. Todos os dias, Antoninus ministrava ao Rabino Yehuda HaNasi; ele o alimentaria e daria de beber. [Avodah Zarah 10b.7]
  16. Quando o Rabino Yehuda HaNasi queria subir para sua cama, Antoninus se abaixava na frente da cama e dizia a ele: Suba sobre mim para sua cama. [Avodah Zarah 10b.7]
  17. O rabino Yehuda HaNasi disse em resposta: Não é conduta adequada tratar o rei com tanto desrespeito. [Avodah Zarah 10b.7]
  18. Antonino disse: Oh, que eu fui colocado como um colchão embaixo de você no Mundo Que Virá! [Avodah Zarah 10b.7]
  19. Em outra ocasião, Antoninus disse ao Rabino Yehuda HaNasi: Entrarei no Mundo Futuro? [Avodah Zarah 10b.8]
  20. Rabino Yehuda HaNasi disse a ele: Sim. Antonino disse-lhe: Mas não está escrito: “E não ficará mais ninguém da casa de Esaú”?  [Avodah Zarah 10b.8 – Obadias 1:18]
  21. Rabi Yehuda HaNasi respondeu: O versículo é declarado com relação àqueles que realizam ações semelhantes às do ímpio Esaú, não a pessoas como você. [Avodah Zarah 10b.8]
  22. Pode-se pensar que isso se aplica a todos os descendentes de Esaú, independentemente das ações de um indivíduo. [Avodah Zarah 10b.9]
  23. Portanto, o versículo declara: “Da casa de Esaú”, para indicar que o versículo é declarado apenas com respeito àqueles que continuam no caminho de Esaú e realizam ações semelhantes às de Esaú. [Avodah Zarah 10b.9]

XXXVI – Yehuda HaNasi – Teologia 1

  1. O imperador romano Antoninus perguntou ao Rabino Yehuda HaNasi: O corpo e a alma são capazes de se isentar do julgamento por seus pecados. Como assim? [Sinédrio 91a.17]
  2.  O corpo diz: A alma pecou, ​​desde o dia da minha morte, quando se afastou de mim, sou lançado como uma pedra silenciosa na sepultura, e não peque. [Sinédrio 91a.17]
  3. A alma diz: O corpo pecou, ​​porque desde o dia em que me afastei estou voando no ar como um pássaro, incapaz de pecar. [Sinédrio 91a.17]
  4. O rabino Yehuda HaNasi disse a ele: Vou lhe contar uma parábola. A que este assunto é comparável? [Sinédrio 91a.17]
  5. É comparável a um rei de carne e osso que tinha um bom pomar, e nele havia excelentes primeiros frutos de uma figueira. [Sanhedrin 91b.1]
  6. Ele colocou dois guardas no pomar, um coxo, que não conseguia andar, e um cego . [Sanhedrin 91b.1]
  7. Nenhum deles foi capaz de alcançar os frutos das árvores do pomar sem a ajuda do outro. [Sanhedrin 91b.1]
  8. O coxo disse ao cego: Vejo as primícias da figueira no pomar; venha e coloque-me sobre seus ombros. [Sanhedrin 91b.1]
  9. Eu o guiarei até a árvore, e traremos os figos para comê-los. [Sanhedrin 91b.1]
  10. O coxo montou nos ombros do cego e eles trouxeram os figos e os comeram. [Sanhedrin 91b.1]
  11. Algum tempo depois, o dono do pomar veio ao pomar e perguntou aos guardas: Onde estão os excelentes primeiros frutos de uma figueira que havia no pomar? [Sanhedrin 91b.1]
  12. O coxo disse: Eu tenho pernas para andar e pegar figos? e o cego disse: Tenho olhos com os quais veria o caminho dos figos? [Sanhedrin 91b.1]
  13. O que o dono do pomar fez? Ele colocou o coxo sobre os ombros do cego, assim como eles fizeram quando roubaram os figos, e os julgou como se fossem um só. [Sanhedrin 91b.2]
  14. Assim também, o Santo, Bendito seja Ele, traz a alma no dia do julgamento e a lança de volta ao corpo, como eles eram quando pecaram. [Sanhedrin 91b.3]
  15. Ele os julga como um, como está declarado: “Ele chama a acima dos céus e à terra, para que julgue o seu povo ” (Salmos 50: 4). [Sanhedrin 91b.3]
  16. “Ele chama aos céus acima”; esta é a alma, que é celestial. “E à terra para que julgue o Seu povo”; este é o corpo, que é terreno. [Sanhedrin 91b.3][Sanhedrin 91b.4]
  17. Antoninos perguntou ao Rabino Yehuda HaNasi: Por que razão o sol surge no leste e se põe no oeste? [Sanhedrin 91b.4]
  18. Rabino Yehuda HaNasi disse a ele: Se fosse o contrário, você também teria dito isso para mim, já que o sol deve emergir de uma direção e se pôr na outra. [Sanhedrin 91b.4]
  19. Antoninos disse-lhe: Isto é o que lhe digo: por que razão o sol se põe no oeste e não se desvia ocasionalmente e se põe em outro lugar? [Sanhedrin 91b.4]
  20. Rabi Yehuda HaNasi disse a ele: O sol sempre se põe no oeste para saudar seu Criador, como está declarado: “E as hostes do céu te adoram” (Neemias 9: 6). [Sanhedrin 91b.5]
  21. O cenário é uma forma de adoração; é como se o sol estivesse se curvando para Deus. [Sanhedrin 91b.5]
  22. A Presença Divina repousa no oeste, como é evidente pelo fato de que o Santo dos Santos no Templo, no qual a Arca, o local de descanso da Presença Divina, está localizada no oeste. [Sanhedrin 91b.5]
  23. Antoninos disse-lhe: Se assim for, deixe o sol vir até o meio do céu, ponha-se ligeiramente e cumprimente o seu Criador, e volte e entre no seu lugar de origem no leste e se ponha ali.[Sanhedrin 91b.5]
  24. Rabino Yehuda HaNasi respondeu-lhe: O sol se põe no oeste devido aos trabalhadores e devido aos viajantes. [Sanhedrin 91b.5]
  25. Se o sol não procurasse de leste a oeste com a luz do dia gradualmente diminuindo, eles não saberiam que é hora de voltar para casa ou para encontrar uma pousada. [Sanhedrin 91b.5]

XXXVII – Yehuda HaNasi – Teologia 2

  1. Antoninos perguntou ao Rabino Yehuda HaNasi: Desde quando a alma é colocada na pessoa? É desde o momento da concepção ou desde a formação do embrião, quarenta dias após a concepção? [Sanhedrin 91b.6]
  2. Rabino Yehuda HaNasi disse a ele: É a partir do momento da formação do embrião. [Sanhedrin 91b.6]
  3. Antoninos disse-lhe: Isso é inconcebível. É possível que um pedaço de carne pudesse ficar até três dias sem sal como conservante e não apodrecesse? [Sanhedrin 91b.6]
  4. O embrião não poderia existir por quarenta dias sem uma alma. Em vez disso, a alma é colocada no homem desde o momento da concepção. [Sanhedrin 91b.6]
  5. Rabino Yehuda HaNasi disse: Antoninos me ensinou este assunto, e há um versículo que o apoia, pois está declarado: “E Tua Providência preservou meu espírito” (Jó 10:12). [Sanhedrin 91b.6]
  6. Isso indica que é desde o momento da concepção que a alma é preservada dentro de uma pessoa. [Sanhedrin 91b.6]
  7. Antoninos perguntou ao Rabino Yehuda HaNasi: Desde quando a inclinação para o mal domina uma pessoa? [Sanhedrin 91b.7]
  8. É desde o momento da formação do embrião ou desde o momento da saída do útero? [Sanhedrin 91b.7]
  9. Rabino Yehuda HaNasi disse a ele: É a partir do momento da formação do embrião. [Sanhedrin 91b.7]
  10. Antoninos disse a ele: Nesse caso, a inclinação para o mal faria com que o feto chutasse as entranhas de sua mãe e emergisse do útero. [Sanhedrin 91b.7]
  11. Em vez disso, a inclinação ao mal domina a pessoa desde o momento em que ela sai do útero. [Sanhedrin 91b.7]
  12. Rabino Yehuda HaNasi disse: Antoninos me ensinou este assunto, e há um versículo que o apoia, pois está escrito: “O pecado se agacha na entrada” (Gênesis 4: 7). [Sanhedrin 91b.7]
  13. Isso indica que é desde o momento do nascimento, quando o recém-nascido emerge da entrada do ventre de sua mãe, que a inclinação para o mal se esconde. [Sanhedrin 91b.7]
  14. O rabibo disse: Qual é o caminho reto que um homem deve escolher por si mesmo? [Pinkei Avot 2.1]
  15. Será aquele que é uma honra para si que o adota, e aquele que é uma honra os outros. [Pinkei Avot 2.1]
  16. E cuidado com o mandamento leve como com o grave, pois não conheceste a recompensa pelo cumprimento dos mandamentos. [Pinkei Avot 2.1]
  17. Além disso, calcule a perda ao se cumprir um mandamento contra a recompensa dele, assim como o ganho de uma transgressão contra a perda causada por ela. [Pinkei Avot 2.1]
  18. Aplique sua mente a três coisas e você não cairá nas garras do pecado: Saiba o que há acima de você: um olho que vê, um ouvido que ouve, e todas as suas ações estão escritas em um livro. [Pinkei Avot 2.1]

XXXVIII – Yehuda HaNasi – Doença

  1. Rabi Yehuda HaNasi estava doente em Tzippori e um cemitério estava pronto para ele em Beit She’arim. [Ketubot 103b.25]
  2. É ensinado “Justiça, justiça seguirá”; siga o Rabino Yehuda HaNasi até Beit She’arim. [Ketubot 103b.25 – Deuteronômio 16:20]
  3. Rabi Yehuda HaNasi estava assim em Beit She’arim, mas quando ele adoeceu, eles o transferiram para Tzippori, que fica em uma altitude elevada e cujo ar é perfumado. [Ketubot 104a.1]
  4. No dia em que Rabi Yehuda HaNasi morreu, os Sábios decretaram um jejum. [Ketubot 104a.2]
  5. Eles imploraram pela misericórdia divina para que ele não morresse. [Ketubot 104a.2]
  6. E eles disseram: Quem disser que o Rabino Yehuda HaNasi morreu será apunhalado com uma espada. [Ketubot 104a.2]
  7. A serva do Rabino Yehuda HaNasi subiu ao telhado e disse: Os reinos superiores estão solicitando a presença do Rabino Yehuda HaNasi. [Ketubot 104a.3]
  8. Também os reinos inferiores estão solicitando a presença do Rabino Yehuda HaNasi. [Ketubot 104a.3]
  9. Que seja a vontade de Deus que os mundos inferiores imponham sua vontade aos mundos superiores. [Ketubot 104a.3]
  10. Porém, quando ela viu quantas vezes ele entrava no banheiro e tirava seus filactérios, e depois saía e os colocava de volta. [Ketubot 104a.3]
  11. Como ele estava sofrendo com sua doença intestinal, ela disse: Que Deus queira que os superiores os mundos deveriam impor sua vontade aos mundos inferiores. [Ketubot 104a.4]
  12. E os Sábios, entretanto, não ficariam em silêncio. [Ketubot 104a.4]
  13. Eles não se absteriam de implorar por misericórdia para que Rabi Yehuda HaNasi não morresse. [Ketubot 104a.4]
  14. Então ela pegou uma jarra e jogou do telhado no chão. [Ketubot 104a.4]
  15. Devido ao barulho repentino, os Sábios ficaram momentaneamente em silêncio e evitaram implorar por misericórdia, e Rabi Yehuda HaNasi morreu. [Ketubot 104a.4]
  16. Os sábios disseram ao bar Kappara: Vá e verifique a condição do Rabino Yehuda HaNasi. [Ketubot 104a.5]
  17. Ele foi e descobriu que Rabi Yehuda HaNasi havia morrido. [Ketubot 104a.5]
  18. Ele rasgou suas roupas e as inverteu para que o rasgo ficasse para trás e não fosse notado. Quando ele voltou para os Sábios, abriu seus comentários. [Ketubot 104a.5]
  19. Ele disse: Os anjos e os mortais justos ambos agarraram a arca sagrada. Os anjos triunfaram sobre os justos e a arca sagrada foi capturada.
  20. Os sábios perguntaram-lhe: ele morreu? [Ketubot 104a.5]
  21. Bar Kappara disse-lhes: Vocês o disseram e eu não disse, porque havia sido decidido que ninguém deveria dizer que ele havia morrido. [Ketubot 104a.5]

XXXIX – Yehuda HaNasi – Morte

  1. No momento da morte do Rabino Yehuda HaNasi, ele ergueu seus dez dedos em direção ao Céu. [Ketubot 104a.6]
  2. Ele disse em oração: Mestre do Universo, é revelado e conhecido diante de Ti que eu labutei com meus dez dedos na Torá. [Ketubot 104a.6]
  3. Não tirei nenhum benefício do mundo, nem mesmo com meu dedo mínimo. Que seja Tua vontade que haja paz em meu repouso. [Ketubot 104a.6]
  4. Uma Voz Divina surgiu e disse: “Ele entra em paz, eles descansam em suas camas”. [Ketubot 104a.6 – Isaías 57: 2]
  5. A Gemara pergunta: Por que diz: “Eles descansam em suas camas”, no plural? [Ketubot 104a.7]
  6. Deveria ter dito: Em sua cama, no singular, já que o início do versículo está expresso no singular. [Ketubot 104a.7]
  7. Isso apoia a opinião do Rabino Ḥiyya bar Gamda vinda pelo Rabino Yosei ben Shaul. [Ketubot 104a.7]
  8. Ele disse que no momento em que um indivíduo justo parte do mundo, os anjos ministradores dizem diante do Santo: Bendito seja Ele, Mestre do Universo, o indivíduo justo está vindo. [Ketubot 104a.7]
  9. O Santo, Bendito seja Ele, então lhes diz: Os justos devem sair e eles devem ir em sua direção. [Ketubot 104a.7]
  10. E os justos dizem ao recém-falecido: Ele entra em paz e, posteriormente, os justos descansam em suas camas. [Ketubot 104a.7]
  11. O rabino Elazar disse que no momento em que um indivíduo justo sai do mundo, três contingentes de anjos ministradores saem em direção a ele. [Ketubot 104a.8]
  12. Um lhe diz: Entra em paz; outro lhe diz: Cada um que anda na sua retidão; e o outro: Ele entra em paz, eles descansam em suas camas. [Ketubot 104a.8]
  13. No momento em que um perverso perece do mundo, três contingentes de anjos da destruição saem em direção a ele. [Ketubot 104a.8]
  14. Um lhe diz: “Não há paz, diz o Senhor a respeito dos ímpios” (Isaías 48:22); e outro lhe diz: “De tristeza te deitarás” (Isaías 50:11); e alguém lhe disse: “Desce e deita-te com os incircuncisos” (Ezequiel 32:19). [Ketubot 104a.8]
  15. O Sinédrio foi exilado em dez estágios no período do Segundo Templo e após a destruição do Templo. Isso é conhecido pela tradição. [Bavli Rosh Hashanah 31a.19]
  16. Da Câmara de Pedra Pesada, sua sede fixa no Templo, para Ḥanut, num local designado no Monte do Templo fora do Templo propriamente dito; [Bavli Rosh Hashanah 31a.19]
  17. De Ḥanut a Jerusalém; e de Jerusalém para Yavne [Bavli Rosh Hashanah 31a.19]
  18. De Yavne para Usha; e de Usha voltou para Yavne; e de Yavne voltou para Usha; [Bavli Rosh Hashanah 31b.1]
  19. De Usha para Shefaram; e de Shefaram a Beit She’arim; e de Beit She’arim a Tzippori; e de Tzippori a Tiberíades. [Rosh Hashanah 31b.1]
  20. E Tiberíades é mais baixo do que todos eles, como é no vale do Jordão. [Bavli Rosh Hashanah 31b.1]
  21. Um versículo alude a esses movimentos, como se afirma: “E abatidos, falareis da terra” [Bavli Rosh Hashanah 31b.1 – Isaías 29: 4].
  22. Rabino Elazar diz: Há seis exílios, se você contar apenas os lugares, não o número de viagens, e um versículo diferente alude a isso [Rosh Hashanah 31b.2]
  23. Está declarado: “Pois Ele derrubou os que habitam no alto, a cidade elevada que repousa abaixe-se, abaixe-se por terra, e baixe-o até o pó ”[Rosh Hashanah 31b.2 – Isaías 26: 5].
  24. Este versículo menciona seis expressões de rebaixamento: derrubado, abatido, abatido, ao solo, trazido e ao pó. [Rosh Hashanah 31b.2]
  25. Rabi Yoḥanan disse: E de lá, isto é, de seu ponto mais baixo de descendência, eles estão destinados a ser redimidos no futuro. [Rosh Hashanah 31b.2]
  26. Pois está declarado: “Sacode-se do pó, levanta-se, senta-se, Jerusalém” [Rosh Hashanah 31b.2 – Isaías 52:29]

XL – Conclusão

  1. Rabban Gamaliel, filho de Rabbi Judah Hanasi, explicou: excelente é o estudo da Torá quando combinado com uma ocupação mundana. [Pinkei Avot 2.2]
  2. Pois trabalho em ambos mantém o pecado fora da mente, pois o estudo da Torá sem uma ocupação mundana, no final acaba sendo negligenciado e se torna a causa do pecado. [Pinkei Avot 2.2]
  3. E todos os que trabalham com a comunidade, devem trabalhar com eles pelo bem do Céu. [Pinkei Avot 2.2]
  4. Pois o mérito de seus antepassados sustenta a comunidade, e a retidão dos antepassados dura para sempre.
  5. Rabban Gamaliel, filho de Rabbi Judah Hanasi, disse: excelente é o estudo da Torá quando combinado com uma ocupação mundana. [Pinkei Avot 2.2]
  6. Pois trabalho em ambos mantém o pecado fora da mente, pois o estudo da Torá sem uma ocupação mundana, no final acaba sendo negligenciado e se torna a causa do pecado. [Pinkei Avot 2.2]
  7. E todos os que trabalham com a comunidade, devem trabalhar com eles pelo bem do Céu. [Pinkei Avot 2.2]
  8. Pois o mérito de seus antepassados sustenta a comunidade, e sua retidão dos antepassados dura para sempre.
  9. Rabban Gamaliel, filho de Rabbi Judah Hanasi, disse: excelente é o estudo da Torá quando combinado com uma ocupação mundana. [Pinkei Avot 2.2]
  10. Pois trabalho em ambos mantém o pecado fora da mente, pois o estudo da Torá sem uma ocupação mundana, no final acaba sendo negligenciado e se torna a causa do pecado. [Pinkei Avot 2.2]
  11. E todos os que trabalham com a comunidade, devem trabalhar com eles pelo bem do Céu. [Pinkei Avot 2.2]
  12. Pois o mérito de seus antepassados sustenta a comunidade, e sua retidão dos antepassados dura para sempre. [Pinkei Avot 2.2]
  13. E quanto a vocês, Deus os credito com uma rica recompensa, como se vocês tivessem realizado tudo. [Pinkei Avot 2.2]
  14. O versículo afirma: “Justiça, justiça, você deve seguir.” Isso ensina que se deve seguir os Sábios até a academia onde eles são encontrados. [Rosh Hashanah 32b.10]
  15. Seguiu Rabi Eliezer para Lo; [Rosh Hashanah 32b.10]
  16. Rabban Yoḥanan ben Zakkai para Beror Ḥayil;
  17. Rabi Yehoshua para Peki’in; [Rosh Hashanah 32b.10]
  18. Rabban Gamliel para Yavne; [Rosh Hashanah 32b.10]
  19. Rabino Akiva para Bnei Brak; [Rosh Hashanah 32b.10]
  20. Rabino Matya para Roma; [Rosh Hashanah 32b.10]
  21. Rabino Ḥananya ben Teradyon para Sikhnei; [Rosh Hashanah 32b.10]
  22. Rabino Yosei para Tzippori; [Rosh Hashanah 32b.10]
  23. Rabino Yehuda ben Beteira para Netzivin; [Rosh Hashanah 32b.10]
  24. Rabino Yehoshua para o exílio, isto é, na Babilônia;
  25. Rabino Yehuda HaNasi para Beit She’arim; [Rosh Hashanah 32b.10]
  26. E após os Sábios em o tempo do Templo para a Câmara de Pedra Cortada. [Rosh Hashanah 32b.10]

FIM